Foro de San Pablo comienza con debate sobre acuerdo comercial con la Unión Europea

Em mais uma atividade preparatória do Foro de São Paulo, que começa oficialmente nesta quarta-feira (31/07), partidos de esquerda que governam países membros do Mercosul discutiram as negociações para um acordo comercial com a UE (União Europeia). O debate desta terça-feira (30/07) evidenciou as dificuldades para o bloco adotar uma posição comum, já que Brasil, Argentina e Venezuela se mostram contrários a um tratado de livre comércio, enquanto Paraguai e Uruguai defendem a iniciativa.

Vitor Sion/Opera Mundi
O assessor da Presidência da República para assuntos internacionais Audo Faleiro argumentou pelo fim do diálogo “nos términos atuais”. “As negociações com a UE têm os mesmos desafios da Alca. Os europeus fazem as mesmas reivindicações dos Estados Unidos. A agricultura europeia conta com diversos incentivos e, mesmo que eles fizessem concessões nessa área, o acordo continuaria sem valer a pena para nós do Mercosul”, argumentou.

Roberto Conde, senador uruguaio e representante do país no Parlasul, defendeu a criação de um fundo para o desenvolvimento de pesquisas científicas e tecnológicas que mostrem possibilidade para que os membros do Mercosul passem a ter complementariedade produtiva. “Se não fizermos acordo com outras partes do mundo, ficaremos presos em nós mesmos. Então a complementação produtiva seria fundamental para sermos uma potência mundial. Temos condições de chegar a isso, fortalecendo as nossas potencialidades internas de desenvolvimento”, afirmou a Opera Mundi.

“A complementação produtiva é o grande problema do Mercosul e isso não pode depender apenas dos empresários privados, porque daí não vai acontecer. As empresas multinacionais e os mercados estrangeiros pressionam contra essa medida o tempo todo.”, complementou Conde.

Em novembro deste ano, está prevista uma nova rodada de negociações entre os dois blocos regionais. Na ocasião, Mercosul e UE apresentarão suas ofertas para tentar acelerar a formalização de um acordo que é discutido desde a década de 1990.

Outros temas econômicos do Mercosul

O político da Frente Ampla abordou ainda os desafios do bloco para incorporar novos sócios, como Equador e Bolívia. “Se o Equador entra e firma todos os acordos do Mercosul, perde as preferências para vender banana na Europa. Esse produto equatoriano perderia competitividade para Costa Rica, Colômbia e Peru, que já comercializam bananas sem encargos na Europa. O Brasil não é alternativa por ser gigantesco produtor de banana. É um dos dilemas da entrada do Equador no Mercosul. O bloco precisa dar compensações aos países que desejam entrar.”

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/30330/divisao+no+mercosul+sobre+acordo+comercial+com+ue+fica+explicita+no+foro+de+sp.shtml