Brasil: manifestación por albañil desaparecido termina con 11 detenidos

São Paulo – Terminou com três presos o protesto na capital paulista contra o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza no Rio de Janeiro, contra o governador Geraldo Alckmin e pedindo a desmilitarização da polícia. Os manifestantes foram detidos no final do ato, na Avenida Paulista, próximo à Rua da Consolação, por picharem uma farmácia.

O protesto, com cerca de 300 pessoas segundo estimativa da Polícia Militar, saiu do Viaduto do Chá, passou pela Avenida 23 de Maio, pela Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, antes de chegar à Avenida Paulista. Esta é a terceira manifestação feita em São Paulo com esses objetivos.

Durante o trajeto na Avenida Paulista, os manifestantes tentaram avançar sobre agências bancárias e deram gritos de guerra em favor da depredação. A polícia, no entanto, atuou para proteger as agências. Nos dois primeiros atos promovidos em solidariedade ao movimento carioca que pede explicações no caso do desaparecimento do pedreiro, agências bancárias e estabelecimentos comerciais foram atacados.  Amarildo desapareceu na Favela da Rocinha após ser levado por policiais militares para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Ao chegar à Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, houve um início de tumulto quando os policiais imobilizaram um manifestante. Posteriormente ele foi liberado. Também houve tumulto no momento das prisões na Avenida Paulista e a polícia chegou a usar bombas de efeito moral.

Vânia Folco, de 50 anos, acredita que a mobilização é importante para evitar que o que aconteceu com Amarildo se repita. “As pessoas são muito egoístas, só saem para se manifestar quando matam o filho deles”, disse a artesã que, apesar de não participar das depredações, não condena os atos de vandalismo. “A única maneira de chamar a atenção é quebrando”.

A monitora de qualidade Natali Ferreira foi à manifestação para protestar, principalmente contra o governador Geraldo Alckmin que, na opinião dela, não trouxe avanços nas áreas mais relevantes. “É a saúde que não temos, a educação que não temos, transporte que não temos. E ainda a polícia que é bruta”, criticou.

Um panfleto distribuído no ato e assinado pelo Sindicato dos Trabalhadores da Universidade de São Paulo (Sintusp) pedia a extinção da PM. O texto dizia que a corporação trabalha com “ódio e é parte da uma ideologia reacionária” e lembrava do Massacre do Carandiru, que está na segunda fase de julgamento nesta semana. Nesta etapa,  25 policiais militares são acusados pela morte de 73 detentos que ocupavam o terceiro pavimento do Pavilhão 9 da Casa de Detenção Carandiru. Toda a ação para reprimir a rebelião no Carandiru, em 1992, resultou em 111 detentos mortos e 87 feridos.

 

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-08-01/protesto-em-sao-paulo-contra-desaparecimento-de-amarildo-termina-com-tres-presos