Brasil y Uruguay organizaron el Primer Congreso binacional de Apicultura

A troca de conhecimentos é o que definiu o 1º Congresso Binacional Apícola, realizado em Rivera, no Uruguai. O evento, realizado de 16 a 18 de agosto, reuniu produtores, extensionistas e pesquisadores da Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Estados Unidos e Uruguai. O objetivo central foi avaliar a produção de mel vinculada à de eucaliptos, comum em Santana do Livramento e Rivera, na fronteira entre Brasil e Uruguai.

O Congresso contou com oito simpósios e três conferências. Nos simpósios, foram debatidos assuntos relacionados à comercialização; desenvolvimento rural; associativismo e cooperativismo; doenças em abelhas; efeitos dos agrotóxicos na apicultura; principais patógenos; e apicultura migratória nos bosques de eucaliptos. Já nas conferências, o impacto da africanização das abelhas melíferas; perda das colmeias; nutrição e alimentação foram os temas debatidos.

No primeiro dia (16) do evento, já haviam mais de 400 inscritos; ao final do evento, o número de participantes dobrou. Para o diretor geral de Promoción Y Desarrollo de Rivera, Giovani Conti Mattio, o Congresso superou as expectativas dos organizadores. “Cumprimos nosso objetivo. O Congresso foi feito para e pelos produtores”, afirma Mattio. Conforme ele, o evento deve entrar na agenda anual dos dois países, caracterizados pela significativa produção de mel. Santana do Livramento é a maior cidade produtora de mel do Rio Grande do Sul e a terceira do Brasil. Já Rivera é a principal cidade produtora do Uruguai. “Precisamos dar aos apicultores capacitação para incentivar o desenvolvimento. Além disso, novas tecnologias e capacitação nunca são demais”, conclui Mattio.

O primeiro conferencista do evento, Rafael Calderón, da Universidad Nacional (UNA), da Costa Rica, explicou que o comportamento das abelhas varia conforme o ambiente e mostrou aos participantes um histórico das abelhas africanizadas na Costa Rica.

Já a bióloga Roberta Nocelli, da Universidade Federal de São Carlos, falou sobre o impacto dos agrotóxicos nas abelhas. A pesquisadora afirmou que o Brasil é o maior consumidor do mundo de defensivos agrícolas, com mais de 730 milhões de toneladas. Outro fator relevante destacado por Roberta é a presença de resíduos de fungicidas no pólen, o que gera a diminuição da capacidade das abelhas, deixando-as mais suscetíveis a doenças.

De acordo com Yamandú Mendoza, do Instituto Nacional de Investigación Agropecuaria (INIA), há fatores que determinam o êxito ou fracasso da produção, entre eles, a idade da abelha rainha, quantidade de cria, estado da colmeia, varroose e nosemose, vírus, genética, estresse da migração e nutrição. Segundo Mendoza, 20% das abelhas morrem devido à forma de transporte.

Produtores brasileiros e uruguaios também puderam relatar as particularidades da criação de abelhas em cada país. Os apicultores falaram sobre a possibilidade da produção apícola também em áreas de preservação e campo nativo. Além disso, destacaram que as áreas de preservação servem para abrigar as abelhas no período de temperaturas baixas.

Para o presidente da Associação Santanense de Apicultores (ASA), José Alexandre Ferrão, o Congresso permitiu a apropriação de conhecimento de países que possuem vasta experiência na área. Segundo ele, foram realizadas parcerias com as associações do Uruguai e empresas que possuem maquinários avançados na Argentina, além da Emater/RS-Ascar, que promove a assistência técnica aos apicultores.

Já o segundo secretário da ASA, Sipriano Silva Pires, acredita que a integração dos dois municípios deve possibilitar a criação de Políticas Públicas. “Santana do Livramento e Rivera estão entrando no mapa mundial da apicultura”, afirmou.

O Congresso Binacional Apícola foi organizado pelo Ministerio de Ganadería, Agricultura y Pesca (MGAP), Instituto Nacional de Investigación Agropecuária (INIA), Grupo Apícola Tranqueras, Sociedad Fomento Rural de Cerro Pelado, Prefeitura de Santana do Livramento, Emater/RS-Ascar e Associação Santanense de Apicultores (ASA). Já o comitê científico foi composto pelos pesquisadores do MGAP, INIA, Facultad de Ciencia (Udelar, Instituto de Investigaciones Biológicas Clemente Estable (IIBCE), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Universidade Federal do Pampa (Unipampa) e Embrapa Uva e Vinho.

O 2º Congresso Binacional Apícola ocorrerá de 14 a 16 de agosto de 2015, nas cidades de Rivera (Uruguai) e Santana do Livramento (Brasil).

 

http://www.relinter.rs.gov.br/conteudo/1584/?Brasil_e_Uruguai_se_re%C3%BAnem_na_fronteira_para_debater_produ%C3%A7%C3%A3o_de_mel