Brasil: con múltiples demandas, el Movimiento Sin Tierra inicia jornadas de lucha

MST inicia jornada de lutas em Alagoas

Nesta segunda-feira (14), milhares de trabalhadores rurais de Alagoas realizam mobilizações, com ocupações de diversos espaços nos municípios. As ocupações trazem reivindicações por estruturas físicas e sociais para os assentamentos. A mobilização é o início da Jornada de Lutas de Abril, realizada pelo Movimento dos Trabalhadores rurais Sem Terra (MST).

Dentre as reivindicações para os assentamentos estão demandas como melhoria nas estradas, demarcação topográfica, regularização de assentados e infraestruturas sociais e produtivas. No centro da pauta está a cobrança do inicio das obras que levará água do Canal do Sertão para os assentamentos da região do sertão. Em 2012 o governo do estado através da Secretaria de Infraestrutura firmou o compromisso que o projeto seria elaborado e licitado no ano de 2013 e as obras iniciariam em março de 2014.

O Movimento realiza ainda um bloqueio no canteiro de obras do Canal do Sertão, na cidade de Inhapi. Perto dali, mais de duas mil famílias aguardam no acampamento Nelson Mandela a posição do Governo para serem assentadas, promessa feita em nome do Governador Téo Vilela em Novembro do ano passado.

As atividades iniciaram pelas prefeituras de Flexeiras, Olho D´Água do Casado e  Pão de Açúcar, que se encontram ocupadas pelos trabalhadores rurais, que solicitam audiências para apresentarem suas pautas e encaminharem resoluções para a vida nos assentamentos.Em Maceió, centenas de trabalhadores vindos de assentamentos de Atalaia ocupam o prédio do Departamento de Estradas e Rodagens (DER-AL).

“Mais um momento de luta dos trabalhadores Sem Terra, em Memória aos assassinatos no campo, denunciando a violência e a impunidade do latifúndio”, afirma Débora Nunes da Coordenação do MST. “E uma luta também para denunciar o descaso dos governos – municipal, estadual e federal –  com a Reforma Agrária e as condições para os que vivem no campo e querem contribuir com um tipo de desenvolvimento que possibilite a produção de alimentos saudáveis  e a produção de vida, num campo com gente, com jovens, homens e mulheres que resistem a falta de políticas públicas e investimentos que priorize a pequena agricultura no Brasil e em Alagoas”

Todos os anos, em abril, o MST realiza essa Jornada de Lutas em Memória da chacina de Eldorado dos Carajás, quando a força policial cercou militantes do Movimento que estavam em marcha em direção a Belém, pela conquista da fazenda macaxeira. O crime policial, ocorrido na Curva do “S”, ficou internacionalmente conhecido e hoje sua data é o Dia Internacional da Luta Camponesa, organizado pela Via Campesina em todo planeta.

 

http://www.brasildefato.com.br/node/28137