Presidenta de Petrobras admite que compra de refinería en EEUU “fue un mal negocio”

Compra de refinaria foi um mau negócio, admite Graça

Em seis horas de depoimento ontem no Senado, a presidente da Petrobras, Graça Foster, admitiu que a compra da refinaria de Pasadena (EUA), em 2006, “não foi um bom negócio”, mas endossou a versão de Dilma Rousseff ao afirmar que estava incompleto o resumo em que se baseou a aquisição.

“Não existe operação 100% segura, imagino que em nenhuma atividade comercial e certamente não na indústria de petróleo e gás”, afirmou.

Na avaliação de parlamentares da oposição e do próprio governo, as explicações não surtiram o efeito desejado pelo Palácio do Planalto, que era esvaziar a pressão para a instalação de uma CPI da Petrobras no Congresso.

Senadores de oposição voltaram a defender a investigação durante e após o depoimento de Graça. Já os governistas reconheceram, nos bastidores, que ela conseguiu apenas reforçar a versão da presidente Dilma, que deu o aval ao negócio em 2006.

Na época, Dilma presidia o Conselho de Administração da estatal e apoiou a compra. Em março, no entanto, afirmou que o fez com base em um parecer jurídica e tecnicamente “falho”.

Assim como a presidente, Graça criticou o ex-diretor da área internacional Nestor Cerveró, que fez o resumo executivo “sem citação a duas cláusulas contratuais completamente importantes”.

“Quando fazemos uma apresentação ao Conselho de Administração e tratamos o resumo executivo, ele deve conter todas as informações necessárias e suficientes para a devida avaliação do que se pretende fazer. Além disso, é obrigação apontar os pontos fracos e frágeis”, disse a presidente da Petrobras.

A executiva foi cobrada pela oposição a explicar qual foi a punição dada ao então diretor quando se descobriu o parecer supostamente falho.

Graça deu então a entender que a transferência de Cerveró para a diretoria financeira da BR Distribuidora representou uma espécie de rebaixamento, por se tratar, segundo ela, de um cargo menor, mais modesto.

MAU NEGÓCIO

Segundo Graça, a refinaria de Pasadena provocou perdas de US$ 530 milhões à estatal e só começou a dar lucro neste ano, contabilizado em US$ 58 milhões nos dois primeiros meses.

“Não foi um bom negócio. Isso é inquestionável do ponto de vista contábil. É um projeto de baixa probabilidade de recuperação do resultado”, afirmou.

Ela, porém, ressaltou que as informações que o conselho tinha à época apontavam que a aquisição aparentava ser um bom negócio.

Graça ainda rebateu a informação de que a Astra Oil, de quem a Petrobras comprou inicialmente a metade de Pasadena, havia adquirido a refinaria anteriormente por apenas US$ 42,5 milhões.

Segundo ela, a Astra Oil pagou ao menos US$ 360 milhões, incluindo US$ 112 milhões em investimentos. Já a Petrobras desembolsou, ao fim do negócio, ao menos US$ 1,25 bilhão.

O esforço de Graça em responder os questionamentos de 27 senadores não evitou a queda de 3,83% das ações da estatal na Bolsa de Valores.

Em dos embates com a oposição, a presidente da estatal rebateu a afirmação do senador Pedro Taques (PDT-MT), que insinuou que a estatal estaria sendo gerida como uma quitanda. “Quando os senhor fala que a Petrobras é uma quitanda quero dizer que não é uma quitanda. Mas uma [empresa] absolutamente séria pelo desafio que enfrentamos todos os dias.”

A presidente da estatal também reconheceu que a prisão do ex-diretor Paulo Roberto Costa pela Polícia Federal provocou “grande constrangimento” na empresa.

Costa é um dos alvos da Operação Lava Jato, que apura esquema de lavagem de dinheiro e de repasse de dinheiro de empreiteiras e fornecedoras da Petrobras a partidos políticos.

 

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/161625-compra-de-refinaria-foi-um-mau-negocio-admite-graca.shtml

 

Senado deixa votação sobre CPI da Petrobras para depois da Páscoa

Senado vai deixar a votação do relatório da CPI da Petrobras para depois daPáscoa. O adiamento conta com a apoio da oposição, que prefere aguardar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a questão. Esse é o mesmo argumento usado pelos governistas que tentam, a todo custo, protelar o início das investigações.

A apreciação do relatório do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que defende a CPI “combo” da Petrobras, deveria ser votado ainda nesta terça-feira no plenário do Senado. Em seguida, os senadores iriam para a Câmara, para a sessão do Congresso Nacional onde devem ser lidos dois requerimentos de criação de CPIs mistas – um da oposição, com exclusividade para a estatal, outro dos governistas, com assuntos indigestos a PSDB e PSB.

No entanto, o clima no Senado é de conformismo com a ideia de que é melhor aguardar Rosa Weber, do STF, dar sua posição sobre os recursos impetrados por oposicionistas e aliados da presidente Dilma. A ministra deve se manifestar na próxima semana.

– Não vejo problema em deixar para semana que vem. Se essa for a decisão do governo, não vamos criar dificuldade – disse o pré-candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves, que se coloca a favor da CPI exclusiva da Petrobras.

Com interesse em atrasar o máximo possível a instalação da CPI, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) também concordou que o melhor a fazer no momento é deixar a decisão a cargo do Supremo.

– Como o STF vai ter de decidir sobre a constitucionalidade e a amplitude, talvez seja melhor esperar – afirmou.

Segundo Calheiros, mesmo sem quórum para votações, a sessão do Congresso deve ter o número de presentes necessário para abrir os trabalhos, o que permite que os requerimentos de criação de CPI sejam lidos ainda hoje. Se assim for, os deputados e senadores que aderiram aos pedidos de investigação terão até meia noite para retirar as assinaturas.

 

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/politica/noticia/2014/04/senado-deixa-votacao-sobre-cpi-da-petrobras-para-depois-da-pascoa-4475669.html