Brasil: instalan comisión parlamentaria para investigar corrupción en Petrobras

CPI tira Dilma e coloca oposição no foco

Controlada por aliados do Planalto, a CPI da Petrobras instalada nesta quarta-feira (14) no Senado tira do foco das investigações o Conselho de Administração da estatal, que autorizou a compra da refinaria de Pasadena (EUA) e era na época chefiado por Dilma Rousseff.

O plano de trabalho da CPI inclui investigações sobre o porto de Suape (PE), construído na gestão do ex-governador Eduardo Campos (PSB), provável adversário de Dilma nas eleições de outubro.

O STF havia negado a inclusão na CPI desse tema e do cartel de trens em São Paulo, Estado governado pelo PSDB, mas governistas dedicaram um capítulo da comissão de inquérito à refinaria de Abreu e Lima (PE) e conseguiram incluir sua interligação com o porto de Suape.

Aliados de Campos consideram a ação um “desrespeito” à decisão do STF, mas o relator da CPI, José Pimentel (PT-CE), afirma que fatos correlatos ao principal podem ser apurados pela comissão.

O plano de trabalho aprovado não contempla a convocação dos ex-diretores que integravam o conselho da Petrobras em 2006, quando a polêmica compra da refinaria de Pasadena, que motivou o pedido de investigação sobre a estatal, foi autorizada com o aval de Dilma.

O único chamado a prestar depoimento é o ex-diretor da empresa Nestor Cerveró, apontado pela presidente como responsável pelo parecer técnico “incompleto” que orientou o negócio.

Também não há requerimentos para chamar a depor o ex-diretor Paulo Roberto Costa, preso na Operação Lava Jato da Polícia Federal, nem Fábio Barbosa e Jorge Gerdau, que integravam o conselho da estatal à época.

A presidente da Petrobras, Graça Foster, e o ex-presidente Sérgio Gabrieli serão os primeiros a serem ouvidos pela CPI, na semana que vem. Os dois já prestaram depoimentos na Câmara e do Senado.

CHAPA BRANCA

Dos 13 integrantes da CPI do Senado, apenas um é da oposição. DEM e PSDB se recusaram a indicar membros porque insistem na instalação de CPI do Congresso, com deputados e senadores.

Há 19 indicados para esta última comissão, dois a mais que o mínimo necessário para o começo dos trabalhos, mas aliados do governo sustentam que ela só pode ser instalada após o prazo para indicações, que termina na semana que vem.

O governo emplacou senadores alinhados com o Palácio do Planalto para a presidência e a relatoria da CPI do Senado.

Além de Pimentel, que é líder do governo no Congresso, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), fiel aliado de Dilma, foi eleito para presidir os trabalhos da comissão.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/165958-cpi-tira-dilma-e-coloca-oposicao-no-foco.shtml