Brasil elige: Marina promete eliminar la reelección y Dilma vuelve a descartar independencia del Banco Central

Dilma: tornar Banco Central independente é criar um quarto poder

A presidente e candidata à presidência pelo PT, Dilma Rousseff, afirmou nesta segunda-feira (22) que o Brasil está “na defensiva” em relação à crise econômica mundial. Em entrevista ao jornal Bom Dia Brasil da Rede Globo, a candidata à reeleição basicamente respondeu apenas perguntas sobre economia. Em pouco mais de 30 minutos de sabatina, os jornalistas Chico Pinheiro, Miriam Leitão e Ana Paula Araújo interromperam a candidata em diversas oportunidades. Dilma atravessava os questionamentos dos entrevistadores pedindo para concluir o raciocínio.

Na entrevista, a petista disse acreditar na retomada do crescimento e, para isso, o atual governo acredita em três colunas: proteger o emprego, o salário e o investimento.

“Estou construindo a seguinte frase: estamos numa situação em que o Brasil está na defensiva, protegendo emprego, salário e investimento. Porque vamos apostar numa retomada. Nela você muda sua política econômica na defensiva pra ofensiva. Eu posso gastar menos do que estou gastando pra sustentar emprego, salário e investimento. Tem de ver como evolui a crise. Os Estados Unidos evoluindo bem eu acho que o Brasil pode entrar numa outra fase, que precise de menos estímulos. Pode ficar entregue à dinâmica natural da economia e pode, perfeitamente, passar por uma retomada”, afirmou.

Em um dos questionamentos, Miriam Leitão disse que a petista “ficava muito tempo na premissa para depois chegar à conclusão”. “Ficou muito tempo na premissa pra chegar na conclusão. A vida é complicada”, rebateu a candidata à reeleição. Além disso, a jornalista econômica também apresentou diversos números em relação à economia mundial, discordados pela presidente.

A sabatina foi aberta com perguntas a respeito do escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras. Mais uma vez a candidata foi questionada pelos três jornalistas como não sabia de todo esquema.

“Nós estamos hoje com a Polícia Federal investigando. Temos uma investigação do Ministério Público, temos inclusive um instituto de delação premiada ocorrendo para poder descobrir o que acontece com crimes de corrupção. Eles não são praticados à luz do dia. Tem que ser investigado. Quem descobriu foi a PF ligado ao Ministério da Justiça, um órgão do meu governo. Quem instituiu todos os mecanismos de autonomia da PF foi o governo Lula. Se tiver indício ela vai investigar doa a quem doer. Nós não varremos pra debaixo do tapete…. Investigação não é no sentido jornalístico da palavra, é no sentido de quem produz prova, pra acabar com a impunidade”, afirmou.

Dilma criticou ainda a candidata do PSB Marina Silva em relação à proposta de tornar o Banco Central independente. Segundo a petista, a adversária pretende criar um “quarto poder” na praça dos Três Poderes. Questionada se a crítica era uma estratégia para deixar os eleitores com medo Dilma negou e disse ser apenas uma forma de “alertar” os brasileiros.

“Tudo o que eu falo está no programa da candidata. A candidata diz: vou tornar o Banco Central independente. Banco Central independente nos termos do Brasil é colocar um quarto poder na praça dos Três Poderes. Aí vai chamar Praça dos Quatro Poderes. Está escrito isso. Mas não é só isso. Ela diz que vai reduzir o papel dos bancos públicos”, disse. “Ela tem um alinhamento claro, uma posição favorável aos bancos, eu não tenho. Sei que são importantes, mas o País precisa de infraestrutura, não sou a favor do desmame da indústria”, completou.

Jornal do Brasil

 

Marina promete não disputar novo mandato se for eleita

A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, afirmou hoje (22) que, se eleita, vai cumprir o mandato de quatro anos e não tentará a reeleição. Ao participar de uma sabatina com integrantes da Associação Nacional de Educação Católica, em Brasília, a candidata criticou o processo de recondução aos cargos do Executivo que, segundo ela, é “um atraso para o país”. A ex senadora se comprometeu a defender uma reforma política que mude essa regra já para as próximas eleições.

“Estou antecipando que só terei quatro anos de mandato porque vamos apresentar o projeto de reforma política aumentando [o mandato] de quatro para cinco anos”, disse ela, explicando que a mudança só valerá para o governo seguinte e incluirá o fim da reeleição. “O problema da reeleição é esse de criar uma confusão entre o uso institucional para o exercício da função e o uso dos meios e equipamentos que são do Estado para campanha. Essa é uma ambiguidade que será resolvida com o fim da reeleição”, afirmou.

No encontro, Marina destacou pontos de seu programa de governo e reiterou compromissos como o de melhorias na área de educação e implementação do ensino em tempo integral nas escolas. A candidata descartou rumores de que não dará sequência a programas sociais, como o Bolsa Família. “Estão dizendo aí que eu vou acabar com tudo e ainda vou acabar com o resto”, disse em tom irônico, provocando risos da plateia.

“Contra o marketing selvagem não vale argumento, só discernimento. Peço o discernimento do povo brasileiro porque não dá para acreditar que uma pessoa possa acabar com pré-sal, Fies [Fundo de Financiamento Estudantil], Pronatec [Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego], Bolsa Família, a transposição do São Francisco, o décimo terceiro, as férias, privatizar a Petrobras, a Caixa Econômica e o Banco do Brasil. Se uma pessoa pode fazer isso é porque temos um país que é papel. Isso fere o bom senso e a inteligência dos brasileiros”, completou.

Marina Silva reforçou que vai aperfeiçoar programas que estão dando certo, mas precisam entrar em uma “terceira geração”. “Precisamos dar um terceiro passo e criar programas de terceira geração, que vão trabalhar com uma cesta de oportunidades com agentes de desenvolvimento social para que as famílias que estão cadastradas no Bolsa Família possam ter uma ação customizada para sair da situação de vulnerabilidade, juntando oportunidades disponíveis”, explicou a candidata. Ela ressaltou que, muitas vezes, a pessoa já tem um filho formado, mas falta a profissionalização. “O Estado pode ajudar essa família.”

A ex-senadora minimizou possíveis problemas que poderá enfrentar, caso seja eleita, para aprovar projetos prioritários sem uma base parlamentar forte no Congresso Nacional. Marina ressaltou que, mesmo com a maior bancada no Legislativo, o atual governo admite esse tipo de dificuldade. Para ela, esse é um problema tem de ser contornado com uma mudança na lógica de governar o país e com uma aliança entre todos os partidos.

“O que estamos propondo é não nos conformamos com essa forma e estabelecer uma governabilidade programática. Vamos governar com os melhores de todos os partidos. Eu sonho com uma governabilidade em que as pessoas escaladas pelo PSDB sejam comprometidas com a estabilidade econômica, as escaladas pelo PT, comprometidas em manter e aperfeiçoar a inclusão social, as escaladas pelo PSB, comprometidas em renovar a política e as escaladas pela Rede [partido fundado por Marina, ainda sem registro definitivo na Justiça Eleitoral], comprometidas com a sustentabilidade”, explicou.

Marina também comentou denúncias envolvendo a Petrobras e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para a ex-senadora, a credibilidade da estatal e do instituto acaba sendo prejudicada por um erro de gestão. “Lamento que indicações políticas que muitas vezes não obedecem a critérios técnicos dentro das agências, dentro da Petrobras, dentro do IBGE, possam causar esse prejuízo.” Para ela, todos esses problemas não devem ser tratados como se fossem banais. “Devem ser tratados com o nível de preocupação que o problema requer. Nosso compromisso é que esses cargos serão preenchidos por critérios técnicos e critérios éticos”, afirmou.

Antes da sabatina, Marina encontrou-se com ciclistas e assinou uma carta apresentada pelo grupo comprometendo-se com políticas de melhoria para o transporte não motorizado.

Jornal do Brasil