Brasil al balotaje: Partido Socialista Brasileño, “verdes” y ex militares oficializan apoyo a Aécio Neves

El Partido Socialista Brasileño (PSB), la agrupación que llevó como candidata a la presidencia a Marina Silva, aprobó el miércoles por mayoría el respaldo al candidato opositor Aécio Neves, del Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB), para la segunda vuelta de las elecciones presidenciales del 26 de octubre.

Será la primera vez que el PSB se una al PSDB en una campaña presidencial. La decisión abre el camino para la adhesión de Marina, tercera colocada el domingo, a la candidatura del ex gobernador de Minas Gerais, que obtuvo 33,65 de los votos.

Beto Albuquerque, candidato a la vicepresidencia en la fórmula que lideró Marina Silva, dijo al portal InfoMoney que ahora su agrupación se dedicará a pactar exigencias programáticas con el opositor.

También oficializó su apoyo a Aécio el verde Eduardo Jorge, que obtuvo en la primera vuelta 630.000 votos, y Pastor Everaldo, candidato evangélico del Partido Social Cristiano.

Brasil 247

 

Clube Militar apoia Aécio contra a “sovietização”

O Clube Militar, formado por oficiais da reserva, confirmou nesta terça-feira 7 o apoio a Aécio Neves (PSDB) na disputa do segundo turno das eleições presidenciais. Segundo a entidade, o tucano é “uma esperança concreta de colocar fim à era petista”.

O texto do Clube Militar tem uma mudança de tom importante diante do comunicado publicado durante o primeiro turno. No início de setembro, a entidade rejeitou apoio a Marina Silva (PSB) e afirmou defender a candidatura tucana como a “menos pior”. Agora, o Clube Militar decidiu “enumerar as vantagens” a favor de Aécio “pela salutar e democrática alternância do poder que ensejará”. Segundo os militares, Aécio tem em seu currículo um “excelente desempenho administrativo” no governo de Minas Gerais e afasta, com sua eleição para presidente da República, “a preocupação de vivermos no limbo de uma possível mudança de regime que nos colocaria à margem da democracia, visto que o PSDB, apesar de esquerda, foge ao radicalismo nocivo e extremado”.

Mais importante que isso, o Clube Militar afirma que a vitória de Aécio é importante para evitar que o Brasil siga pelo caminho da União Soviética comunista. Segundo os oficiais da reserva, o decreto 8243, que institui a Política Nacional de Participação Social, “cria sovietes no Brasil” que “pretendem ‘aprofundar o socialismo'”.  A “resistência e recuperação” de Aécio, diz o clube, “dão-lhe as credenciais necessárias para interromper o projeto de poder representado pelo PT, em marcha acelerada para a sovietização do país, virando uma página negra de nossa história”.

Abaixo, a íntegra da nota do Clube Militar:

QUE FUTURO QUEREMOS?

Eis que ultrapassamos o passo inicial das eleições gerais brasileiras em 2014!

O cenário político brasileiro, cristalizado em um segundo turno eleitoral entre Dilma e Aécio, apresenta aos brasileiros uma bifurcação com dois possíveis caminhos a serem seguidos.

Há os que não concordam com as mirabolantes teses esquerdistas que falharam em todo o mundo; os que se revoltam com a sequência de escândalos de corrupção gerados e geridos pelo PT e seus militantes; os que acreditam na democracia, na alternância dos partidos no poder, no primado da lei igual para todos, na liberdade de expressão, na independência e na soberania do Brasil, na separação e independência dos Poderes – enfim, os democratas.

Por outro lado, tendendo a um imobilismo político execrável, há os que desejam a permanência do estado de coisas atual. Neste, existe o atrelamento à origem comunista; à subordinação dos interesses nacionais a um terceiro-mundismo mofado e que leva ao isolamento em relação aos maiores centros de poder do mundo; à teimosia obsessiva, arrogância e vaidosa visão messiânica de suas pessoas etc. Nele, perdura o risco das “comissões” previstas no Dec 8243, que cria sovietes no Brasil, e pretendem “aprofundar o socialismo”, um eufemismo para a intensificação dos ataques à democracia e à liberdade. Dilma controla com mão de ferro a falta de política econômica consistente; não consegue disfarçar a revolta por, ainda, depender de seu guru e criador, que interfere acintosamente em sua administração, sendo notório que sua autoestima ficou abalada por ter que disputar um segundo turno, quando contava, inicialmente, vencer no primeiro.

Aécio Neves, habilitado à disputa do segundo turno das eleições presidenciais, é uma esperança concreta de colocar fim à era petista. Sua resistência e recuperação, quando tudo parecia perdido, dão-lhe as credenciais necessárias para interromper o projeto de poder representado pelo PT, em marcha acelerada para a  sovietização do país, virando uma página negra de nossa história.

Pode-se começar a enumerar vantagens a seu favor pela salutar e democrática alternância do poder que ensejará. Sua vitória possibilitará, também, o importantíssimo desaparelhamento do Estado, hoje, executado em prol das intenções do PT. O candidato Aécio, ex-governador de Minas Gerais, trás em seu currículo esse excelente desempenho administrativo. Por fim e muitíssimo relevante, afasta-nos da preocupação de vivermos no limbo de uma possível mudança de regime que nos colocaria à margem da democracia, visto que o PSDB, apesar de esquerda, foge ao radicalismo nocivo e extremado.

Marco Antonio Villa, O Globo de 7/10/2014, foi feliz em sua síntese:

“Basta de PT

A eleição presidencial de 2014 decidirá a sorte do Brasil por 12 anos. Como é sabido, o projeto petista é  se perpetuar no poder. Segundo imaginaram os marginais do poder – feliz expressão cunhada pelo ministro Celso de Mello quando do julgamento do mensalão -, a vitória de Dilma Roussef abrirá caminho para que Lula volte em 2018 e, claro, com a perspectiva de permanecer por mais 8 anos no poder”.

Carta Capital

 

1ª PESQUISA DO 2º TURNO: AÉCIO 54%, DILMA 46%

Acaba de ser divulgada a primeira pesquisa eleitoral do segundo turno das eleições presidenciais. De acordo com o instituto Paraná Pesquisas, o candidato do PSDB, Aécio Neves, tem 49% das intenções de voto. A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, registrou 41% da preferência do eleitorado.

Segundo o levantamento, realizado entre a segunda-feira 6 e esta quarta-feira 8 com 2.080 eleitores em 19 estados, 5% dos entrevistados declararam não saber ainda em quem votar, e outros 5% afirmaram que não pretendem votar em nenhum dos dois candidatos. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos e o grau de confiança é de 90,5%.

A mostra também beneficia Aécio quando é aplicada de forma espontânea, ou seja, não é apresentado nenhum candidato ao entrevistado, que escolhe por si só. Com essa metodologia, o tucano aparece com 45%, contra 39% de Dilma. Quando a pesquisa contabiliza apenas os votos válidos, o tucano ainda fica na frente, com 54%, e a petista tem 46%.

Brasil 247