Por Valdo Cruz Eduardo Cucolo

Governo elevará crédito por meio de bancos públicos, diz Nelson Barbosa

Na busca para recuperar o crescimento, o ministro Nelson Barbosa (Fazenda), 46, disse esperar anunciar até fevereiro medidas que incluem o uso de bancos públicos e do FGTS em linhas de crédito para construção civil e pequenas e médias empresas.

Ressalvando que não haverá subsídios nesses financiamentos, diferentemente do que ocorreu no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff, afirmou que o governo vai usar recursos disponíveis no Banco do Brasil, no BNDES, na Caixa e no FGTS para “expandir crédito em atividades prioritárias, como habitação, saneamento e capital de giro de pequena e média empresa”.

Barbosa, questionado pelo mercado por sua posição mais favorável a um ajuste fiscal mais gradual, disse que fará o que “for preciso” para cumprir a meta de superavit primário de 0,5% do PIB.

Folha – A presidente encomendou um pacote de medidas para ser apresentado logo no início deste ano?

Nelson Barbosa – A presidente encomendou diretrizes e estratégias de política econômica para este e os próximos anos. Envolve uma definição de prioridades, das medidas já enviadas ao Congresso e de novas medidas. Não é um pacote, é um programa de governo.

O que está para ser lançado?

Está em andamento o programa de concessões. Colocamos quatro aeroportos para concessão. Recebemos estudos sobre três ferrovias e estamos também concluindo negociações para novos investimentos em concessões existentes, como na Via Dutra. Há uma agenda de melhoria do ambiente de negócio e medidas para simplificar e desburocratizar a vida das empresas e das famílias.

No curto prazo, para estabilizar a economia, o que será feito de imediato?

Trabalhar para melhorar o foco e a eficiência dos programas de crédito direcionado.

Fizemos uma ampla revisão nos subsídios do governo. Feita a revisão, continua havendo crédito direcionado, com taxas abaixo de mercado, mas custo fiscal menor.

E há uma liquidez nos agentes financeiros públicos e no FGTS que pode ser utilizada para expandir o crédito em atividades prioritárias, como infraestrutura, habitação, saneamento e capital de giro de pequena e média empresa. É o que vamos fazer.

Isso com BB, Caixa…

Nos bancos públicos e no FGTS há liquidez. Hoje o problema não é de oferta, é mais de demanda. Mas podemos melhorar o foco das nossas políticas de crédito direcionado para atender às demandas principais da economia, de setores que querem investir e não têm recursos.

São medidas para construção civil e pequena empresa?

É isso que estamos avaliando, medidas para melhorar o foco do crédito direcionado e expandi-lo, sem custo adicional para a União. Com os recursos existentes, sem necessidade de subsídio do Tesouro. Esses créditos já têm um custo de captação menor. São medidas compatíveis com o equilíbrio fiscal, de um lado, e com a melhora da economia, de outro.

Quando elas estarão prontas?

Esperamos ter algumas propostas definidas até o início de fevereiro.

Além dessas medidas de crédito, o que mais será feito?

Primeiro temos de aumentar a previsibilidade, sobretudo a fiscal. Hoje o maior desafio do Brasil é o fiscal, e ele só depende de nós mesmos. Em paralelo temos de estimular a recuperação do investimento privado, porque há muita oportunidade no Brasil.

Será possível cumprir a meta fiscal deste ano?

Sim. Vamos chegar à meta neste final de ano.

O próprio governo chegou a propor um abatimento da meta que praticamente a zerava. Vocês mudaram de avaliação?

É possível [atingir a meta] e isso envolve várias medidas.

Vai haver corte de despesas?

Inclui contingenciamento, que sairá até meados de fevereiro. Envolve sobretudo medidas legislativas. As principais são a CPMF e a DRU. Faremos o que for preciso para atingir a meta.

O sr. foi questionado ao ser nomeado ministro pela disputa com o ex-ministro Joaquim Levy sobre a intensidade do ajuste fiscal. Enquanto ele defendia algo mais forte, o sr. defendia algo mais suave. Como pretende mudar essa visão?

Somos todos a favor de um ajuste do tamanho necessário para equilibrar as contas públicas e estabilizar o nível de atividade econômica.

O que houve ao longo do ano do passado foi que as previsões sobre crescimento e arrecadação acabaram não acontecendo. Isso levou a uma necessidade de o governo fazer ajustes.

RAIO-X NELSON BARBOSA

Cargo: ministro da Fazenda

Nascimento: Rio de Janeiro

Formação: economista pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro)

Carreira: secretário de Acompanhamento Econômico (2007-2008); secretário de Política Econômica (2008-2010); secretário-executivo do Ministério da Fazenda (2011-13); presidente do conselho de administração do BB (2009-2013); ministro do Planejamento (2015).

Folha de S. Paulo