Guillaume Long llama a consultas a embajador de Ecuador en Brasil

El embajador ecuatoriano en Brasil fue convocado a consultas luego de declaraciones sobre el juicio político a Dilma Rousseff que causaron fricciones entre ambos países.

El canciller Guillaume Long dijo a corresponsales que “he llamado a nuestro embajador (en Brasilia) Horacio Sevilla a consultas. Llegó el martes a Ecuador, vamos a tener una reunión esta tarde y vamos a procurar que el presidente también tenga una reunión con el embajador Sevilla para que nos informe sobre la situación y seguir conversando sobre el tema”.

Las diferencias entre ambos países se produjeron cuando la semana pasada la cancillería ecuatoriana dijo en un comunicado que “ante la amenaza de una grave alteración del orden constitucional, de profundas consecuencias para el conjunto de la región, Ecuador apela a la plena vigencia y preservación de las instituciones democráticas y los valores que la sustentan”.

La cancillería brasileña respondió a Ecuador que rechaza “enfáticamente” que sus vecinos “se permitan opinar y propagar falsedades sobre un proceso político interno en Brasil”.

Rousseff, suspendida de sus funciones, enfrentará un juicio político en el Senado por irregularidades en el presupuesto de gobierno. El juicio podría durar hasta 180 días.

Long señaló que “hemos sido muy claros… hemos expresado nuestra gran preocupación por la situación interna de este país hermano”.

Añadió que “hay una estrategia regional de reposicionar a la derecha política en el hemisferio, lo hemos vivido en Ecuador, lo hemos vivido en otros países”.

El Universo


Comunicado: CIDH expresa profunda preocupación ante retrocesos en materia de derechos humanos en Brasil

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) expresa su profunda preocupación ante decisiones adoptadas por el presidente interino de Brasil, Michel Temer, las cuales representan un retroceso y tienen un impacto negativo en la protección y la promoción de los derechos humanos en el país.

La designación de un gabinete de ministros que no incluye a ninguna mujer ni a ninguna persona afrodescendiente, deja excluidos de los más altos cargos del gobierno a más de la mitad de la población del país. La última vez que Brasil tuvo un gabinete sin mujeres ministras fue durante la dictadura militar. Al respecto, el jefe de gabinete de Michel Temer, Eliseu Padilha, declaró a periodistas: “Intentamos buscar mujeres, pero por razones que no necesitamos traer a colación ahora, lo discutimos y no era posible”. De acuerdo al Instituto de Investigación Económica Aplicada del gobierno federal de Brasil, los hombres blancos, que ocupan la totalidad de los cargos ministeriales del país, son el 21.9% de la población del país. Los grupos que quedaron excluidos del gabinete de Michel Temer, por su parte, son mujeres (51.4%) y hombres no blancos (26.7%). Asimismo, resulta alarmante la eliminación del Ministerio de la Mujer, Igualdad Racial y Derechos Humanos, el cual quedó subsumido como una Secretaría dentro del Ministerio de Justicia.

En adición a ello, la CIDH tomó conocimiento del anuncio del gobierno interino de aplicar una reducción de los fondos destinados a los programas sociales de vivienda, educación y combate a la pobreza. En este sentido, la CIDH recuerda el principio de progresividad y no regresividad en materia de derechos económicos, sociales y culturales. En virtud de la obligación de progresividad establecida en el Protocolo de San Salvador, ratificado por Brasil en 1996, en principio le está vedado al Estado adoptar políticas, medidas, y sancionar normas jurídicas, que sin una justificación adecuada, empeoren la situación de los derechos económicos, sociales y culturales de los que goza la población. La precarización y empeoramiento de esos factores, sin debida justificación por parte del Estado, supone una regresión no autorizada por el Protocolo.

La presidenta Dilma Rousseff, electa constitucionalmente por el voto popular, fue suspendida del cargo por 180 días por decisión del Poder Legislativo, el cual deberá votar, transcurrido ese plazo, una decisión sobre si aparta o no del cargo a Dilma Rousseff de forma definitiva. En la actual situación, la Comisión Interamericana hace un llamado al Poder Legislativo a actuar estrictamente dentro del marco de la ley y con apego a los principios del derecho internacional de los derechos humanos. En este sentido, la CIDH recuerda que el Artículo 21 de la Declaración Universal de Derechos Humanos indica: “La voluntad del pueblo es la base de la autoridad del poder público; esta voluntad se expresará mediante elecciones auténticas que habrán de celebrarse periódicamente, por sufragio universal e igual y por voto secreto u otro procedimiento equivalente que garantice la libertad del voto.”

La CIDH es un órgano principal y autónomo de la Organización de los Estados Americanos (OEA), cuyo mandato surge de la Carta de la OEA y de la Convención Americana sobre Derechos Humanos. La Comisión Interamericana tiene el mandato de promover la observancia de los derechos humanos en la región y actúa como órgano consultivo de la OEA en la materia. La CIDH está integrada por siete miembros independientes que son elegidos por la Asamblea General de la OEA a título personal, y no representan sus países de origen o residencia.

OEA


José Serra diz que vai fortalecer parcerias com a Argentina

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, anunciou ontem (18) as dez diretrizes que nortearão os novos rumos da política externa brasileira. Entre os principais pontos estão o fortalecimento de parcerias bilaterais com Argentina, por “semelhanças políticas e econômicas”, e a intensificação das relações com países asiáticos China e Índia.

Serra destacou que a pasta atuará com outros ministérios, como Defesa, Planejamento e Fazenda para reverter o quadro que considerou “penúria de recursos” no Itamaraty.

“Quero retirar o Itamaraty gradativamente da penúria de recursos em que foi deixado pela irresponsabilidade fiscal que dominou a economia brasileira nesta última década”, disse. “Nossa política externa será regida pelos valores do Estado e da nação, não de um governo, jamais de um partido”, completou.

O ministro informou ainda que atuará para reduzir o chamado “Custo Brasil”, que, segundo ele, impõe acréscimo de 25% em mercadorias e produtos com os custos de tributação do país.

Temas como meio ambiente, direitos humanos e proteção do território brasileiro no combate ao contrabando de armas e mercadorias e o tráfico de drogas também fazem parte das diretrizes apresentadas por Serra.

“Vou trabalhar muito, apresentar e receber idéias, tomar iniciativas e delegar responsabilidades, cobrar resultados e promover negociações efetivas, bem como ter presença marcante. Longe de cumprir um calendário de visitas inócuas para cumprir tabelas”, acrescentou.

José Serra substituiu Mauro Vieira, diplomata de carreira e com 43 anos de atuação no Itamaraty. O ex-ministro ocupou o cargo por 17 meses.

EBC


Dilma: cortes no Bolsa Família podem colocar o país de volta no Mapa da Fome

A presidenta afastada Dilma Rousseff respondeu ontem (18) perguntas de internautas pelo Facebook, prioritariamente sobre o Bolsa Família, para o qual traçou expectativas. “Quase todos os países desenvolvidos possuem programas similares, que se tornam mais importantes ainda durante crises econômicas”, disse.

Afastada da presidência na última quinta-feira (12), pelo Senado Federal, Dilma estava acompanhada da ex-ministra Tereza Campello, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. A pasta foi modificada para Desenvolvimento Social e Agrário, e a ministra, substituída por Osmar Terra (PMDB-RS). Uma das primeiras questões respondidas foi sobre novas políticas em relação ao benefício. Em entrevista recente, o ministro nomeado pelo presidente interino, Michel Temer (PMDB), disse que promoverá um “pente-fino” no Bolsa Família.

“Me responda o que seria esta reavaliação no Bolsa Família que o ministro falou. Isso poderá cortar benefícios”, questionou uma internauta. Dilma disse: “É verdade. Eles têm falado muito em cortar benefícios. Com o Bolsa Família, falam de cortar de 10% a 30%. Isso significa 4,7 milhões até 13 milhões de pessoas. Veja, eles falaram até em deixar só 5% das pessoas no programa (…) Se o programa for focado apenas neste número, vamos ter a seguinte situação catastrófica: a cada 30 minutos, 22 crianças deixariam de frequentar a escola”.

A presidenta lembrou que o programa exige do beneficiado que seus filhos estejam matriculados no ensino regular. “Hoje, nós temos 17 milhões de crianças e jovens frequentando regularmente a escola graças ao Bolsa Família. Por isso, ficamos preocupados com os cortes”, afirmou.

De acordo com Dilma, o programa além de estimular a educação, fortalece a geração de renda através do trabalho. “Mais de 70% dos adultos trabalham, o mesmo percentual dos adultos que não recebem o programa. Assim, é um preconceito muito difundido por aqueles que querem acabar com o programa achar que quem recebe o benefício não trabalha. O Bolsa Família, para muitos, é um complemento de sua pequena renda, para outros, é a única renda que têm e a diferença entre ter alimento ou não”, afirmou.

Dilma também falou sobre a fome no país. De acordo com as Nações Unidas, nos últimos 12 anos de governo do PT, o país reduziu em 82% o número de famintos, saindo do Mapa da Fome da organização. Ao ser questionada se existe risco de o país retornar para o cenário anterior, disse: “É claro que se houver corte no programa há o risco de voltarmos ao passado. É com orgulho que podemos dizer que nasceu no Brasil a primeira geração de crianças livres da fome e na escola. Não podemos permitir retrocessos”.

Dilma afirmou ser preconceito achar que pessoas se acomodam. “Para ter uma ideia, quase 1 milhão de adultos do Bolsa Família fizeram cursos de qualificação profissional com o Pronatec. Quase 70% são mulheres. Isso mostra que as pessoas sempre querem melhorar de vida.”

Também foi abordada a questão do recadastramento obrigatório para as famílias do programa. “Um dos mecanismos de controle é que os beneficiados, a cada dois anos, têm que atualizar o seu cadastro. Neste ano, 606 mil famílias declararam que tinham melhorado de renda. Isso mostra que a população não considera o Bolsa Família um ‘projeto de vida’ e quer continuar avançando”, disse.

Por fim, a presidenta fez um balanço do legado do Bolsa Família. “Você consegue imaginar como será o Brasil com adultos que, quando crianças, se alimentaram adequadamente, frequentaram a escola, tiveram acompanhamento de saúde, foram vacinadas? Serão certamente adultos que conseguiram completar sua educação acessarem a universidade. Haverá uma quebra do ciclo de pobreza e eles certamente não vão repetir a história dos seus pais. Será um país melhor”, afirmou.

Descontraída, a presidenta agradeceu as mensagens em defesa de seu mandato, da democracia e contra o golpe, e chegou a postar a música Apesar de Você, de Chico Buarque. “Seguimos na luta”, concluiu.

Rede Brasil Atual


Mobilização na cultura continua mesmo que Temer volte atrás na extinção do MinC

O presidente interino, Michel Temer, pode voltar atrás na extinção do Ministério da Cultura (MinC), mas isso não deverá dissipar a mobilização em defesa da área, que ontem (18) conta com 12 sedes da Funarte no país ocupadas. Além do Rio e São Paulo, as sedes de Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso, Bahia, Sergipe, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Distrito Federal e Ceará também foram ocupadas entre segunda-feira (16) e ontem.

De acordo com a cantora e compositora Ligiana Costa, integrante da mobilização Ocupa Funarte SP, o protesto já está voltado contra o golpe e vai prosseguir. “Eu sinto que os artistas resistirão ao golpe, com ou sem o Ministério da Cultura”, afirmou. “Mesmo que volte o MinC, até com o Juca (Juca Ferreira, ministro da Cultura até o afastamento de Dilma Rousseff), o golpe já aconteceu. Então, esse é o ponto central. Por isso não colocamos no nosso manifesto a palavra ‘MinC’. Não é uma ocupação pedindo a permanência do MinC, mas contra o governo golpista”, disse Ligiana.

A ideia da volta do MinC parece tomar corpo em Brasília. Ontem o presidente do Senado, Renan Calheiros, voltou a defender a recriação da pasta, cuja extinção considerou um erro. “O Ministério da Cultura não vai quebrar o Brasil, mas sua extinção quebrará a nação porque coloniza a sociedade”, afirmou. O senador disse que, em conversa com Temer, sugeriu que o assunto poderia ser resolvido por uma emenda na medida provisória da reforma administrativa (MP 726/16), enviada na última sexta-feira (13) pelo Planalto ao Congresso.

A informação de que Temer poderia rever a extinção também chegou ontem ao protesto realizado no Teatro Oficina. A atriz Camila Mota, ao afirmar que o governo Temer já está considerando a possibilidade de recriação do MinC, disse: “Não tem conversa, é fora, Temer”, afirmou.

“Vamos fazer da cultura uma trincheira para tirar esse governo”, disse também no ato no Oficina o secretário municipal de Cultura de São Paulo, Nabil Bonduki. “Vamos fazer cada vez mais mobilização para mostrar que ninguém aceita esse governo”, defendeu. No mesmo evento, o deputado estadual João Paulo Rillo (PT), que atuou na ocupação da Assembleia Legislativa, ao lado dos secundaristas, há duas semanas, considerou que a mobilização na cultura representa o ressurgimento das esquerda, o que torna a intenção do governo de Temer dissipar os protestos ainda mais complicada. “A nova esquerda surge da cultura – mobilização é aqui, neste terreiro, o terreiro da cultura”, afirmou.

“A gente sente que a primeira atitude deste governo foi acabar com o MinC, porque esse ministério tem um papel fundamental, de levar alento para quem não tem nada”, disse a líder do Movimento de Sem Teto do Centro e dirigente da Frente de Luta por Moradia (FLM) Carmen Silva, ao referir-se ao benefício oferecido pelas produções culturais para a sociedade.

Cinco recusas e um nome

O secretário municipal de Cultura do Rio de Janeiro, Marcelo Calero, será o novo secretário nacional de Cultura. A notícia foi divulgada há pouco. Ele foi convidado nesta quarta-feira e ontem está em Brasília. Seu nome surge depois que cinco mulheres recusaram o cargo a convite de Temer: a jornalista Marília Gabriela, a cantora Daniela Mercury, a antropóloga Cláudia Leitão, a professora da FGV Eliane Costa e a atriz Bruna Lombardi.

Rede Brasil Atual