Polícia atira bombas em manifestação do MTST na Avenida Paulista

Ao todo, oito pessoas foram presas. Depois, ato contra cultura de estupro foi iniciado também na avenida.

A Polícia Militar atirou bombas durante o protesto de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que ocuparam o prédio da Presidência da República em São Paulo, na Avenida Paulista, na tarde desta quarta-feira (1º). Segundo os manifestantes, o ato é contra o governo do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB). Depois do ato, um protesto que já havia sido convocado contra a cultura do estupro foi iniciado na avenida.

Ao todo, oito pessoas foram detidas, entre eles uma mulher. A confusão começou por volta de 16h30 na esquina da Avenida Paulista com a Rua Haddock Lobo, quando a polícia foi prender um manifestante. O homem, que faz parte do MTST, foi abordado após soltar rojões.

Outros manifestantes foram atrás para tentar evitar a detenção. Houve tumulto e a polícia usou bombas de gás e spray de pimenta para dispersar a multidão. Uma guarita móvel da PM foi derrubada. “Os manifestantes não atenderam às ordens policiais e reagiram. Foram detidas seis pessoas por dano, desacato e periclitação da vida”, disse a Secretaria da Segurança Pública (SSP) em nota. Depois, durante ato contra estupros, outras duas pessoas foram detidas por desacato, segundo reportagem da Globo News. Além dos detidos, a PM também apreendeu uma mochila com rojões.

Em nota, o MTST disse que a “Polícia Militar do estado de São Paulo reprime com violência ocupação realizada agora a pouco pela Frente Povo Sem Medo e o MTST no escritório regional da Presidência da República”.

Ocupação

O ato começou pacífico. O grupo estava com bandeiras vermelhas e prometia acampar em frente ao edifício da Presidência, que fica na esquina com a Rua Augusta. Lá também funciona uma agência do Banco do Brasil. A fachada foi pichada.

O G1 procurou a assessoria de imprensa da Presidência, mas não obteve retorno.

Segundo Guilherme Boulos, coordenador do MTST, a ocupação não tem prazo para ser encerrada. “Ocupamos o escritório da Presidência da República, o prédio, por tempo indeterminado até que o governo recue nesse corte irresponsável”, disse.

Ele afirma esperar que a mobilização tenha o mesmo direito que tem sido dado aos manifestantes que ocupam a calçada em frente ao prédio da Fiesp, também na Paulista, há mais de 70 dias.

“Seria uma hiprocrisia sem tamanho a policia querer nos tirar daqui. Ha três meses tem gente acampada na Fiesp, nas mesmas calçadas da Avenida Paulista, sendo tratadas com filé mignon e selfie”, afirmou.

Na Marcha, o MTST estima mais de 7 mil pessoas. No acampamento, entretanto, ainda não há número definido. Eles pretendem fazer um esquema de revezamento para manter a ocupação. A Polícia Militar não informou número de manifestantes.

Globo