Cerca de 33 millones de brasileños están convocados para este domingo para elegir a los alcaldes y concejales de 57 ciudades del país, entre ellas Río de Janeiro, en medio de protestas estudiantiles.

A las 8H00 (hora local) abrieron los colegios electoral de Brasil en las ciudades de más de 200.000 habitantes en las que ningún candidato obtuvo más del 50 por ciento de los votos válidos en la primera vuelta, realizada el pasado 2 de octubre.

La disputa en Río será entre Marcelo Crivella, un obispo evangélico que cuenta con una intención de voto del 43 por ciento, y Marcelo Freixo, un profesor progresista a quien los sondeos dan 37 por ciento, según los últimos sondeos.

“El giro está sucediendo y vamos a demostrar que Río de Janeiro quiere un cambio”, sostuvo Freixo en su cuenta en Twitter.

Crivella, se reconocido por sus declaraciones polémicas y por defender una postura ultra conservadora. En un libro, escribió que la homosexualidad es un “mal terrible”.

La primera vuelta de las elecciones en la antigua capital de Brasil dejó fuera de la carrera a Pedro Paulo Carvalho Teixeira, candidato por el Partido del Movimiento Democrático Brasileño (PMDB), del presidente interino Michel Temer.

Dadas las protestas sostenidas por cientos de jóvenes en tres ciudades del estado de Paraná contra la política educativa de Temer, el Tribunal Superior Electoral (TSE) autorizó la presencia militar en las zonas.

Por lo cual, las Fuerzas Armadas y la Policía estarán desplegadas por los territorios mencionados e incluso, en Curitiba, capital de Paraná.

TeleSur


Neste domingo, 25 prefeitos tentam reeleição; 57 cidades têm segundo turno

Neste domingo (30), 32,9 milhões de eleitores voltam às urnas para escolher os prefeitos em 57 cidades. Em 25 desses municípios, os prefeitos tentam a reeleição, oito deles em capitais.

No Recife, o prefeito Geraldo Julio (PSB) disputa votos com João Paulo (PT). Em Fortaleza, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) tenta o segundo mandato contra Capitão Wagner (PR). Em São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT) tenta se reeleger contra Eduardo Braide (PMN). Já em Maceió, Rui Palmeira (PSDB) busca a reeleição, tendo Cícero Almeida (PMDB) como adversário.

Na região Norte, Artur Virgílio Neto (PSDB) tenta se reeleger em Manaus e enfrenta nas urnas Marcelo Ramos (PR). Em Belém, Zenado Coutinho (PSDB) busca o segundo mandato contra o ex-prefeito Edmilson Rodrigues (PSOL). Em Macapá, o prefeito da Rede, Clécio Luís, disputa com Gilvam Borges (PMDB).

Entre as capitais do Sudeste, apenas Vitória terá um prefeito buscando a reeleição no segundo turno: Luciano Rezende (PPS) tenta o segundo mandato e enfrenta o candidato do Solidariedade, Amaro Neto.

Entre as capitais da região Sul e Centro-Oeste não há prefeitos que tentam a reeleição neste segundo turno.

Reeleição nas grandes cidades

No primeiro turno das eleições municipais, 16 dos 53 prefeitos de grandes cidades (capitais e municípios com mais de 200 mil eleitores) que se candidataram à reeleição tiveram sucesso, o que corresponde a um percentual de 30,2%.

A taxa é menor que a das últimas duas eleições. Em 2012, a quantidade de prefeitos reeleitos no primeiro turno dos grandes municípios foi de 36,8%, enquanto em 2008 foi de 67,39%.

O grupo das grandes cidades possui 93 municípios: as 26 capitais e outras 67 cidades com mais de 200 mil eleitores, onde é possível haver segundo turno.
Neste ano, o PSDB foi o partido que mais reelegeu candidatos no primeiro turno nas grandes cidades: foram sete, incluindo Teresina, em que Firmino Filho ganhou mais quatro anos de gestão. Depois aparecem PMDB, com três reeleitos, e DEM, com dois.

Nas capitais, sete dos 15 ex-prefeitos que tentavam voltar ao cargo foram “reprovados” pelas urnas. Outros oito ex-mandatários foram ao segundo turno.

Uol