Sérgio Moro aceita denúncia e Antônio Palocci se torna réu com mais 14

O juiz federal Sérgio Moro aceitou nesta quinta-feira (3) a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-ministro Antônio Palocci e outras 14 pessoas. Agora, todos passam a ser réus na Lava Jato pelos crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

Palocci e outras 14 pessoas foram denunciadas na última sexta-feira (28) pelo Ministério Público Federal (MPF) no Paraná. A denúncia tem por base as apurações realizadas na 35ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada no dia 26 de setembro, que resultou na prisão de Palocci.

Moro ordenou que os acusados fossem intimados com urgência, com prazo de 10 dias para resposta da defesa de cada denunciado. Ele não se manifestou sobre o pedido do MPF para que fossem bloqueados cerca de R$ 284,6 milhões das contas de todos os acusados, referentes ao pagamento de propinas e às operações de lavagem de dinheiro apuradas na investigação.

O juiz intimou, ainda, o próprio MPF para que esclareça o motivo de não ter incluído entre os denunciados o ex-gerente de Serviços da Petrobras Pedro Barusco, citado na denúncia pelos procuradores como alvo de pagamento de propinas.

Segundo o MPF, o ex-ministro e a empreiteira Odebrecht estabeleceram, entre 2006 e 2015, um “amplo e permanente esquema de corrupção” que envolvia pagamento de propinas destinadas “majoritariamente ao Partido dos Trabalhadores (PT)”. A denúncia afirma que Palocci atuou de modo a garantir que a empresa vencesse uma licitação da Petrobras para a contratação de 21 sondas. Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empresa, condenado na Lava Jato a 19 anos e quatro meses de prisão, também aparece entre os denunciados.

Junto com a denúncia, o MPF solicitou à Justiça Federal que bloqueie, das contas de todos os acusados, R$ 252,5 milhões, referentes à propina paga nos contratos firmados entre a Petrobras e o Estaleiro Enseada do Paraguaçu, por intermédio da Sete Brasil; e R$ 32,1 milhões correspondentes às operações de lavagem de dinheiro apuradas pelo MPF.

Antônio Palocci está detido na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Ele foi ministro da Fazenda no governo Lula e ministro da Casa Civil no governo Dilma Rousseff.

Veja a lista de denunciados:

– Antônio Palocci, ex-ministro;

– Branislav Kontic, ex-assessor de Palocci;

– Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht;

– Fernando Migliaccio da Silva, ex-executivo da Odebrecht;

– Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, executivo da Odebrecht;

– Luiz Eduardo da Rocha, executivo da Odebrecht;

– Olivio Rodrigues Junior, sócio da empresa JR Graco Assessoria e Consultoria Financeira Ltda;

– Marcelo Rodrigues, apontado pelo MPF como representante da Klienfeld Services, offshore vinculada ao Grupo Odebrecht;

– Rogério Santos de Araújo, ex-executivo da Odebrecht;

– João Santana, ex-marqueteiro do PT;

– Mônica Moura, publicitária, esposa de João Santana;

– João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT;

– João Carlos Ferraz, ex-presidente da Sete Brasil;

– Eduardo Musa, ex-gerente da Petrobras;

– Renato Duque, ex-diretor da Petrobras.

Com Agência Brasil

Jornal Do Brasil