Mensaje de Michel Temer: “2017 será el año en que derrotaremos la crisis”

“2017 será o ano em que derrotaremos a crise”, diz Temer em mensagem na TV

Em pronunciamento em cadeia de rádio e TV na noite de 24, véspera do Natal, o presidente Michel Temer disse que o Brasil derrotará a crise em 2017. Ele destacou que os juros estão caindo e continuarão caindo no ano que vem. O presidente também disse que os empresários voltarão a investir e o desemprego vai cair. Durante a sua fala, Temer fez um balanço das suas ações em pouco mais de 100 dias como presidente e disse que está trabalhando para desburocratizar o Estado e atingir uma “democracia da eficiência”.

Em um pronunciamento focado em transmitir uma mensagem de otimismo, Temer abordou as medidas que o governo está adotando para tentar resolver a crise econômica. Ao defender as reformas, Temer disse que as mudanças nas estruturas do Estado é um “desafio complexo” e que buscará o entendimento por meio do diálogo. “Assumi definitivamente a Presidência da República há pouco mais de cem dias. Tenho trabalhado dia e noite para fazer as reformas necessárias para que o país saia dessa crise e volte a crescer”, disse.

O presidente disse que, nesse período, “muito já foi feito” e que os esforços resultaram na volta da inflação para dentro da meta estabelecida pela equipe econômica. Temer listou entre as iniciativas de sua gestão a aprovação da proposta da emenda à Constituição que limite os gastos públicos por 20 anos, a lei de transparência das estatais e a aprovação, na Câmara, da medida provisória que reforma o Ensino Médio.

“Tenho a perfeita consciência dos problemas do país e da missão que me foi dada. Os brasileiros pagam muitos impostos e pouco recebem em troca. Meu desafio é desburocratizar o Estado e melhorar a qualidade da administração pública. É o que eu chamo de democracia da eficiência”, disse.

Temer disse que ampliou em mais de R$ 8 bilhões o Orçamento da saúde e voltou a defender a proposta de reforma da Previdência, que estabelece a idade mínima de 65 anos para a aposentadoria e o tempo mínimo de contribuição de 25 anos. “Estamos começando a reforma da Previdência, para que sua sagrada aposentadoria esteja garantida agora e no futuro”, disse.

Ao final, o presidente prestou uma homenagem ao cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, que morreu no dia 14. Dom Paulo, como era conhecido, tinha 95 anos e estava internado em São Paulo para tratar de problemas pulmonares. O cardeal foi um dos personagens mais importantes da história recente do Brasil por sua atuação como defensor dos direitos humanos durante o período da ditadura militar e após a volta da democracia. “A esperança foi seu lema, a coragem sua marca. Coragem e sentimento de esperança não me faltarão”, disse Temer.

A mensagem foi gravada durante a semana, em Brasília. Na quinta-feira (22), Temer embarcou para São Paulo para passar o Natal com a família em sua residência particular. O presidente viajou para a capital paulista após o anúncio de mudanças na legislação trabalhista. O presidente também anunciou, no mesmo dia, a redução de juros do cartão de crédito e saques do FGTS . Temer deverá ficar em São Paulo até a manhã de segunda (26), quando voltará para Brasília.

Ainda sem agenda divulgada, o presidente passará a semana na capital federal, de onde sairá para o Rio de Janeiro. Temer passará o Réveillon com a primeira-dama, Marcela Temer, e o filho do casal na Restinga de Marambaia, no Rio de Janeiro, onde se localiza o Centro de Adestramento da Ilha da Marambaia (Cadim) base da Marinha, fixada ao sul da Baía de Sepetiba.

Jornal do Brasil


Pronunciamento de Temer é marcado por #RalaTemer no Twitter e tímido ‘panelaço’

Durante o pronunciamento feito neste sábado (24), véspera de Natal, pelo presidente da República Michel Temer (PMDB), as famosas panelas que tanto bateram durante os pronunciamentos da então presidente Dilma Rousseff (PT), nos últimos anos, foram substituídas por buzinas e outros materiais que fazem barulho, mesmo que tímidos.

No Twitter, a hashtag #RalaTemer, contra Michel Temer, figurou entre os Trending Topics (TTs). “Não fazemos panelaço, fazemos ralaço. #RalaTemer”, publicou um dos internautas.

Também nas redes sociais, o presidente foi criticado por ter feito o seu segundo pronunciamento oficial em rede nacional na noite de Natal. “Malandro é o Temer que faz pronunciamento bem na hora em que as panelas estão cheias de arroz com uva-passa”, afirmou outro internauta.

Em seu pronunciamento, o peemedebista pregou a “democracia da eficiência” e afirmou que, em 2017, o Natal será bem melhor que o de 2016 para os brasileiros.

Ele disse ainda que a crise será derrotada no próximo ano e que os empregos perdidos serão recuperados. Em seu discurso, Temer ressaltou que, em poucos meses, já “fez muito”, citando a PEC do Teto, a reforma da Previdência e a reforma do Ensino Médio.

Baixa popularidade

Na última quinta-feira (22), após anunciar propostas para alterar a legislação trabalhista, o presidente Michel Temer afirmou que sua baixa popularidade não o incomoda e que os altos índices de rejeição têm permitido que ele possa adotar medidas consideradas por ele como fundamentais para o País.

“Dizem que há impopularidade. Isso me incomoda? Digamos assim, que é desagradável. Mas não me incomoda para governar. Alguém até disse, há poucos dias, que a popularidade é uma jaula.

Aproveito a impopularidade para fazer aquilo que o Brasil precisa. E é o que estou fazendo. Lá na frente haverá reconhecimento”, disse o presidente.

Durante café da manhã com jornalistas, houve questionamentos sobre a ação movida pelo PSDB no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pede a cassação da chapa Dilma-Temer, reeleita em 2014. Ele respondeu que respeitará o entendimento da Justiça e negou que pense em renunciar ao cargo.

A respeito da possibilidade de saída do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, que teve o nome citado em delações de executivos da Odebrecht, Temer afirmou que não vai demiti-lo. “Não tirarei o Padilha. Ele continua firme e forte. Não haverá mudança nenhuma. Não sei o que vai acontecer lá na frente, mas não há intenção de fazer mudanças”. Ele defendeu a Operação Lava Jato e disse que a operação produz efeitos “extraordinários”.

Último segundo


Pronunciamento de Natal do Presidente da República, Michel Temer

Boa noite!

Nesta noite de Natal, dirijo-me a você e a todo povo brasileiro para transmitir mensagem de renovada esperança.

O ano que está terminando trouxe imensos desafios.

Assumi definitivamente a Presidência da República há pouco mais de cem dias.

Tenho trabalhado dia e noite para fazer as reformas necessárias para que o país saia dessa crise e volte a crescer.

O Brasil tem pressa. E eu também.

Nesses poucos meses do nosso governo, muito já foi feito. Com os esforços que fizemos, a inflação caiu e voltou a ficar dentro da meta, o que vai colocar um freio na carestia que você sente no supermercado.

Aprovamos a lei que bota ordem nos gastos públicos pelos próximos 20 anos. E a lei que moraliza e dá transparência à administração das estatais.

Estamos começando a reforma da Previdência, para que sua sagrada aposentadoria esteja garantida agora e no futuro.

Aprovamos, na Câmara, a reforma do Ensino Médio, que estava parada havia anos.

Ampliamos em mais de 8 bilhões de reais o orçamento da saúde, área para qual não pouparei recursos.

Mudamos a Constituição para mudar o Brasil.

Tudo isso, volto a lembrar, em poucos meses.

Tenho a perfeita consciência dos problemas do país e da missão que me foi dada.

Os brasileiros pagam muitos impostos e pouco recebem em troca. Meu desafio é desburocratizar o Estado e melhorar a qualidade da administração pública. É o que eu chamo de democracia da eficiência.

2017 será o ano que derrotaremos a crise. Os juros estão caindo e cairão ainda mais. Os empresários voltarão a investir e vamos recuperar os empregos perdidos.

Precisamos crescer. Trabalhamos para voltar a crescer. Vamos crescer! Desta vez, um crescimento sustentável e responsável.

Estamos mudando as estruturas do nosso país. É um desafio complexo e árduo, mas indispensável a ser vencido a todos nós.

Que nos deixemos, portanto, guiar pelas virtudes da temperança e da solidariedade. E pelo entendimento de que na humildade do diálogo e na coragem da ação construiremos juntos o caminho para fazer o futuro.

A verdade virá. O Brasil, repito, está no caminho certo. O próximo Natal será bem melhor que este.

Quero encerrar essa minha mensagem prestando homenagem a um grande brasileiro que nos deixou recentemente: o cardeal Dom Paulo Evaristo Arns. A esperança foi seu lema, a coragem sua marca.

Coragem e sentimento de esperança não me faltarão.

Chegaremos em 2018 preparados e fortes para avançar ainda mais.

Peço a você que acredite no Brasil.

Desejo um Feliz Natal.

Que seu gesto de amizade e de fraternidade nesta noite se estenda por todo o Ano Novo.

Vamos juntos reconstruir o nosso país.

Muito obrigado a todos. Boa noite, Brasil!

Planalto