Multitudinario homenaje le rindió Medellín a víctimas de la tragedia del Chapecoense

Miles de personas abarrotaron este miércoles en la noche el estadio Atanasio Girardot de Medellín para rendir un homenaje póstumo al equipo de fútbol brasileño Chapecoense, la mayoría de cuya plantilla pereció en el accidente aéreo del pasado lunes cuando se dirigían a esta ciudad del noroeste de Colombia.

En el comienzo del homenaje fueron soltadas en el centro del campo de juego 71 palomas que recuerdan a cada una de las personas fallecidas en el siniestro, en el que además hubo seis sobrevivientes.

La multitud, vestida de blanco en su mayoría y con velas encendidas, guardó un minuto de silencio en memoria del “eterno chapecoense”.

Al finalizar el toque de corneta, en medio de lágrimas, los presentes rompieron el silencio y comenzaron a gritar “Vamos, vamos Chape”, que paralizó la ceremonia por algunos minutos.

“Estamos contigo Chape” o “Somos todos Chapecoense”, fueron algunas de las pancartas extendidas en una de las tribunas del Atanasio Giradot, estadio en el que el club brasileño jugaría esta noche con el Atlético Nacional el partido de ida de la final de la Copa Sudamericana, que sería la mayor hazaña deportiva de sus 43 años de existencia.

Los jugadores de Atlético Nacional ingresaron en el campo con un uniforme negro y llevando cada uno un manojo de flores.

Una banda militar interpretó una marcha fúnebre mientras el alcalde de Medellín, Federico Gutiérrez, y el gobernador del departamento de Antioquia, Luis Pérez, depositaban coronas de flores en el centro del campo.

Al acto asistieron los ministros brasileños de Relaciones Exteriores, José Serra, y de Cultura, Roberto Freire; el alcalde de Chapecó, Luciano Buligon, y otras autoridades colombianas, así como representantes de los clubes de fútbol.

Serra agradeció la solidaridad de los colombianos en esta tragedia y tuvo que interrumpir por un momento sus palabras con la voz quebrada por el llanto al hablar de la “terrible tragedia” que vive su país por el accidente.

“Muchas gracias Colombia, muchas gracias Medellín, muchas gracias Atlético Nacional, muchas gracias toda la gente que aquí está”, dijo el canciller brasileño.

El acto, que tuvo una duración prevista de dos horas, contó con el discurso de otras autoridades mientras afuera del estadio una multitud que no consiguió ingresar seguía en silencio el homenaje.

El Espectador


Arena Condá tem tributo e cerimônia pelas vítimas de voo da Chapecoense

Um tributo à Chapecoense e às vítimas da tragédia com o voo da delegação, na madrugada de terça-feira (29), tomou a Arena Condá, estádio da Chapecoense, na noite desta quarta-feira (30. Milhares de pessoas foram à casa do clube prestar homenagens na noite em que ocorreria o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana, que o time disputaria na Colômbia. Naquele país, simultaneamente, outra homenagem acontecia.

No fim da cerimônia na Arena Condá, foram mostradas em um telão as fotos de todas as vítimas (veja o vídeo acima).

O avião caiu na madrugada de terça-feira (29) em Medellín, na Colômbia. Foram 71 mortos e seis sobreviventes. Ainda não há data para o velório coletivo, que será organizado pela Chapecoense no estádio do clube, a Arena Condá, em Chapecó, Oeste catarinense.

Torcedores acompanhavam a cerimônia das arquibancas. Por volta das 20h, eles batiam palmas antes do tributo começar. Perto das 20h30, o mascote do time, o indiozinho, passeava pelo gramado chamando os torcedores para cantar e atraiu a atenção dos fotógrafos.

Perto das 20h35, os portões da Arena Condá foram fechados e mais ninguém pôde entrar. Perto das 20h45, os torcedores acenderam os celulares e iluminaram o estádio. Cinco minutos depois, crianças da base do clube entraram no gramado e foram muito aplaudidas.

Também houve um culto ecumênico come dois pastores e o padre Igor Damo, da Catedral Santo Antônio, torcedor da Chapecoense. Por volta das 21h30, o estádio ficou tomado por luzes de celulares em homenagem às vítimas. No momento em que começaria o jogo, crianças das categorias de base do time deram uma volta no campo.

A celebração estava prevista para terminar às 21h45. Contudo, naquele horário a Arena Condá seguia lotada, com a exibição de um vídeo no telão com homenagens a todas as vítimas, jogadores, comissão técnica e jornalistas, uma a uma, seguida por gritos de “é campeão” (veja vídeo acima).

Algumas pessoas começaram a deixar a Arena Condá perto das 22h. O estádio permaneceria aberto ao longo da noite.

Velório
Em entrevista coletiva na tarde desta quarta, a diretoria da Chapecoense detalhou como deverá ser o velório coletivo das vítimas.

Segundo o clube, foram pedidas autorizações para o velório na Arena Condá a todos os familiares de brasileiros, mas não necessariamente todos serão velados no local. “Respeitaremos a posição de cada família”, disse Luis Antonio Palaoro, vice-presidente jurídico do clube.

Ainda não há confirmação de que todas as vítimas brasileiras serão transportadas para Chapecó, segundo a diretoria. Também não há confirmação de quando o velório vai acontecer. A expectativa do governo do estado, que acompanha os trabalhos de identificação das vítimas na Colômbia, é de que a chegada dos corpos no Brasil ocorra na sexta-feira (2) ou no sábado (3).

O Globo


Comienza repatriación de las víctimas del accidente aéreo

Un equipo de expertos de Medicina Legal y de la Fiscalía completó este miércoles casi 24 horas de trabajo continuo para identificar a las víctimas del vuelo LaMia CP-2933, que se estrelló el lunes en Antioquia con 77 personas a bordo, entre ellas 19 jugadores del club de fútbol Chapecoense.

El proceso se aceleró porque los forenses no necesitaron cotejar el ADN de los familiares con los cuerpos. Hasta este miércoles en la noche, 59 ya estaban identificados (52 brasileños, 5 bolivianos, 1 paraguayo y 1 venezolano).

El director del Instituto Nacional de Medicina Legal, Carlos Eduardo Valdés, explicó que esta tarea se logró trabajando sin descanso y con cotejo dactiloscópico: comparar las huellas dactilares de los cadáveres con las bases de datos suministradas por los gobiernos de Brasil y Bolivia.

“Las huellas fueron nuestra mejor fuente de información, que procesaron médicos patólogos, forenses, antropólogos y odontólogos, con el apoyo de laboratorios de genética, química y biología”, detalló.

El trabajo dactiloscópico se logró porque los cuerpos llegaron al laboratorio de Medicina Legal en buen estado, aunque no para el reconocimiento por parte de familiares.

Julio Glinternick Bitelli, embajador de Brasil en Colombia, señaló que en un comienzo se pensó en que las familias de las víctimas tendrían que desplazarse hasta Medellín para cotejar su ADN con los cuerpos, pero no fue necesario.

“A los familiares se les dio la libertad de decidir si querían viajar o no. Muchos prefirieron quedarse en Brasil y esperar la repatriación de sus seres queridos. En eso se está trabajando de manera muy fuerte”, añadió.

Para apoyar el proceso, expertos de la Policía Federal de Brasil llegaron este miércoles a la capital antioqueña; también arribarán dos aviones Hércules de la Fuerza Aérea Brasileña para despegar con los cuerpos y llevarlos a Chapecó.

Kristian Kruger, director de Migración Colombia, contó que luego de la identificación, la Registraría hará los certificados de defunción y que están a la espera de aviones de la Fuerza Aérea de Bolivia y de Brasil para repatriar a las víctimas.

Precisamente, el envío de los cuerpos a sus lugares de origen comenzaría desde hoy, en coordinación con autoridades colombianas, de Bolivia y Brasil. Por ello también se aceleró la congelación y preparación de los cadáveres

La familia del piloto Miguel Alejandro Quiroga Murakami, fallecido en el accidente junto con otras 70 personas, espera hoy sus restos en Brasil.

Denise Pinto, cuñada del piloto, dijo: “Nosotros estamos en una nebulosa, sabemos lo difícil y complicado que es todo este proceso de repatriación; además estamos impedidos de cierta manera de trasladarnos hacia Medellín porque vivimos en zona selvática”.

Aunque Quiroga vivía en Santa Cruz, cuando tenía tiempo libre visitaba a su familia en Epitaciolândia (Brasil), la frontera con Bolivia, un sitio alejado, selvático y sin conexión aérea. Hasta allí esperan que trasladen su cuerpo.

Gilberto Batisteyo, representante de familiares de las víctimas, manifestó que una comitiva en la que viajaron los médicos legistas del gobierno de Brasil, funcionarios de la alcaldía de Chapecó y familiares de algunas víctimas, aterrizó este miércoles en la mañana en Rionegro.

“Los médicos están acompañando a los sobrevivientes en los tres hospitales. Nosotros estamos dando el mayor apoyo posible para que consigamos concluir el reconocimiento y hacer el traslado de todos a su destino”, añadió.

El canciller de Brasil, José Serra, quien arribó a Medellín para acelerar tanto el proceso de repatriación como de investigación, confirmó que tres aviones de la Fuerza Aérea Brasileña están listos para recoger los cuerpos.

El Tiempo


Perguntas e respostas sobre o acidente aéreo com a Chapecoense

O avião que transportava a delegação da Chapecoense e jornalistas para Medellín, na Colômbia, caiu na madrugada desta terça-feira (29) e matou 71 pessoas, segundo autoridades colombianas. O time disputaria uma das partidas da final da Copa Sul-Americana em Medellín.

O zagueiro Neto foi resgatado e chegou em estado crítico ao hospital. Outros sobreviventes são o goleiro Follman, o lateral Alan Ruschel, o jornalista Rafael Henzel e os comissários de bordo Erwin Tumiri e Ximena Suarez.

O goleiro Danilo havia sido resgatado com vida, mas morreu no hospital.

Perguntas:

– Quais as principais hipóteses da causado acidente?
– O que aconteceu antes da queda?
– Onde ocorreu a queda?
– A caixa preta foi encontrada?
– Como era a aeronave?
– Por que a Anac vetou o fretamento do voo que levaria o time da Chapecoense para Medellín?
– Quantas pessoas sobreviveram?
– Quantos corpos foram recuperados?
– Quem estava a bordo?
– Quais foram as medidas tomadas no Brasil após a notícia?
– Como ficaram os jogos previstos?

Veja as respostas detalhadas abaixo:

Quais as principais hipóteses da causado acidente?

Os motivos do acidente ainda não foram totalmente esclarecidos. Será possível conhecer mais detalhes quando os dados da caixa-preta tiverem sido analisados. Eles contêm a conversa dos pilotos nos momentos finais do voo e o comportamento dos equipamentos do avião no mesmo período.

Vale ressaltar que os acidentes aéreos são decorrentes de uma combinação de fatores. Veja as principais hipóteses:

– Falta de combustível: É compatível com pane elétrica, que teria sido informada pelo piloto minutos antes de perder contato com a torre de controle. Conhecida como pane seca, a ausência de combustível faz o motor parar; é o motor que mantém em funcionamento os sistemas elétricos do aeronave. A autonomia padrão de um Avro RJ-85 é de cerca de 3.000 km, enquanto a distância em linha reta entre os aeroportos de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, é próximo disso, 2.975 quilômetros. A falta de combustível pode ocorrer por falha da tripulação ou indicação incorreta no painel, que indiziria o piloto a erro.

– Fogo a bordo: Pode resultar em perda de controles essenciais ao voo e também compatível com pane elétrica.

– Falha mecânica: Também pode provocar o mau funcionamento dos motores e do sistema elétrico. A tripulação, no entanto, costuma reportar ao controle de tráfego aéreo quando o problema tem essa origem. Não há informações até o momento de que isso tenha ocorrido.

– Mau tempo: chovia em Medellín na hora do acidente, e uma eventual condição climática ruim, associada a algum outro problema, pode ter dificultado aos pilotos se localizar e/ou controlar a aeronave. Apesar da chuva, outros aviões pousaram no aeroporto perto do mesmo horário – final de noite na Colômbia e início da madrugada em Brasília.

O que aconteceu antes da queda?

O site que acompanha o tráfego aéreo mundial Flight Radar 24, que permite rastrear as aeronaves em tempo real, mostra que o voo LaMia CP-2933 deu duas órbitas no ar – a uma altitude de 21 mil pés (6 mil metros) e velocidade média de 250 nós (cerca de 460 km/h) – antes de começar a reduzir velocidade, altitude e cair próximo à região de Rionegro.

Site Flight Radar 24h mostra o acompanhamento do voo do Chapecoense (Foto: Arte G1)

O último sinal do voo foi recebido quando o avião estava a 4.739 metros. Especialistas em aviação dizem que as voltas dadas no ar mostrariam que o piloto se preparava para o pouso, ou esperava a preparação do aeroporto para receber a aeronave. Ele também poderia ter usado o tempo das duas órbitas no ar para pensar sobre o que poderia fazer naquela situação.

O G1 apurou com autoridades militares brasileiras na Colômbia que o avião caiu quando se preparava para o pouso, a 30 km da pista de Rionegro. “O piloto reportou falhas elétricas graves à torre de controle do Aeroporto em Santa Cruz de La Sierra na Bolívia. A última comunicação com a torre de controle do aeroporto de Rionegro foi quando se deu a autorização para pousar”, disse Alfredo Bocanegra, da Aeronáutica Civil colombiana.

Onde ocorreu a queda?

O acidente ocorreu na Serra El Gordo, zona rural do municipio de La Unión, em Antioquia. O local fica a 2.500 metros de altitude.

Arte local do acidente com avião que transportava a equipe da Chapecoense. (Foto: Editoria de Arte/G1)

A caixa preta foi encontrada?

As duas caixas-pretas do avião foram encontradas em “perfeito estado” segundo a Aeronáutica Civil colombiana, que vai investigar as causas do acidentes. O diretor-geral da Aerocivil publicou foto de uma delas no Twitter. As caixas registram os dados dos equipamentos de voo e os diálogos do piloto.

Como era a aeronave?

O avião Avro RJ85 tinha 17 anos e 8 meses de uso e pertencia a uma empresa venezuelana que operava na Bolívia, chamada LaMia. Esse modelo deixou de ser fabricado em 2001. Essa empresa atualmente faz parte da britânica BAE Systems. Ela está focada em voos não regulares (charter), com aeronaves de grande porte – de passageiros e de carga.

Rádios locais dizem que a mesma aeronave que caiu transportou a seleção da Argentina para uma partida no início deste mês no Brasil. Anteriormente, havia transportado a seleção da Venezuela.

Por que a Anac vetou o fretamento do voo que levaria a Chapecoense para Medellín saindo do Brasil?

A equipe da Chapecoense embarcaria nesta segunda-feira (28) em um voo fretado partindo do aeroporto de Guarulhos. No entanto, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vetou o fretamento, e o planejamento foi alterado, segundo o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon.

“Por causa desse impasse, esse avião acabou esperando lá em Santa Cruz [de la Sierra]. A equipe brasileira embarcou aqui [em São Paulo] por volta de 16h, atrasado, em um voo regular da Boa, uma empresa boliviana regular, chegando lá em Santa Cruz, eles fizeram o traslado para [esse voo]”.

Em nota, a Anac confirmou que foi solicitado voo da empresa boliviana LaMia Corporation para transporte do time de futebol Chapecoense para a Colômbia, e que o pedido foi negado com base no Código Brasileiro de Aeronáutica e na Convenção de Chicago, que trata dos acordos de serviços aéreos entre os países.

“O acordo com a Bolívia, no caso, não prevê operações tais como a solicitada. O solicitante foi avisado, na negativa, que a operação só poderia ser realizada por empresa brasileira ou colombiana, nos termos dos acordos internacionais em vigor. A Anac se solidariza com os familiares.”

Quantas pessoas sobreviveram?

Seis pessoas que estavam no avião sobreviveram à queda:

– Alan Ruschel, lateral que teve uma lesão na coluna e pode ficar paraplégico
– Neto, zagueiro que chegou ao hospital em estado crítico, foi operado e agora tem quadro estável
– Follmann, goleiro que teve uma perna amputada
– Rafael Henzel, jornalista da Oeste FM cujo estado de saúde é estável
–Erwin Tumiri, técnico da aeronave
– Ximena Suarez, comissária de bordo

Quantos corpos foram recuperados?
A Aeronáutica Civil da Colômbia informou que 71 corpos foram retirados do local do acidente e que já chegaram ao Instituto Médico Legal de Medellín. Segundo o órgão do governo colombiano, identificação das vítimas não será difícil porque os corpos não estão muito desfigurados, já que não houve explosão.

O vice-presidente da Chapecoense, Ivan Tozzo, disse que um grupo de médicos embarcou nesta terça-feira para a cidade para ajudar na identificação, e que os corpos devem ser liberados a partir de quinta-feira (1º).

Quem estava a bordo?
A lista do voo tinha 81 nomes: 72 passageiros e 9 tripulantes.  No entanto, ela incluía quatro pessoas que não embarcaram e estão vivas. Veja quem estava no avião:

— Jogadores da Chapecoense

Alan Luciano Ruschel: lateral do time, foi o primeiro a ser resgatado e levado para o Hospital de La Ceral, onde chegou em estado de choque e perguntando pela família. Teve múltiplas fraturas nos braços e nas pernas e também uma lesão na coluna.

Ananias Eloi Castro Monteiro: meia de 27 anos que teve passagens pelo Bahia, Portuguesa, Cruzeiro, Palmeiras e Sport. LEIA MAIS

Arthur Brasiliano Maia: meia alagoano, tinha 24 anos, era jogador do Vitória emprestado à Chapecoense. LEIA MAIS

Bruno Rangel Domingues: atacante nascido em Campos dos Goytacazes (RJ), tinha 34 anos e era o maior artilheiro da história da Chapecoense, com 77 gols. Passou por times como Paysandu e Joinville antes da Chapecoense. LEIA MAIS

Aílton Cesar Junior Alves da Silva, o Canela: atacante de 22 anos, nasceu em Matão (SP). Antes da Chapecoense, passou pelo Botafogo de Ribeirão Preto. LEIA MAIS

Cleber Santana Loureiro: meia e capitão do time, tinha 36 anos e iniciou a carreira no Sport (PE). Passou também por Vitória, Santos, São Paulo, Atlético Paranaense, Avaí, Flamengo, Criciúma, o japonês Kashiwa Reysol, e os espanhóis Atlético de Madrid e Mallorca. Nascido em Abreu e Lima, deixa dois filhos, um de 14 e outro de 11 anos. LEIA MAIS

Marcos Danilo Padilha: goleiro de 31 anos foi resgatado com vida e levado ao hospital San Vicente Fundación, mas morreu no hospital. LEIA MAIS

Dener Assunção Braz: lateral nascido em Bagé (RS), de 25 anos, passou por clubes como Grêmio e Veranópolis. LEIA MAIS

Filipe José Machado: o zagueiro de 32 anos teve passagens por Internacional, Fluminense e clubes do exterior. LEIA MAIS

Jakson Ragnar Follmann: goleiro, foi resgatado com vida e levado ao hospital San Vicente Fundación. O goleiro reserva teve uma perna amputada.

José Paiva, o Gil: volante de 29 anos passou por clubes como Coritiba, Santo André, Vitória, Ponte Preta, Santa Cruz e Mogi Mirim. LEIA MAIS

Guilherme Gimenez de Souza, o Gimenez: lateral e volante que, antes da Chapecoense, passou por Goiás e Botafogo de Ribeirão Preto, onde nasceu. Tinha 21 anos e deixa mulher e uma filha de dois anos. LEIA MAIS

Everton Kempes dos Santos Gonçalves: o atacante de 31 anos nasceu em de Carpina (PE), tem passagem pela Portuguesa, pelo Vitória, Ceará, América Mineiro, e pelos japoneses Cerezo Osaka e JEF United Ichihara Chiba. LEIA MAIS

Lucas Gomes da Silva: o atacante de 26 anos nasceu em Bragança (PA). Foi revelado pelo Bragantino, passou por São Raimundo (PA), Trem (AP), Castanhal (PA), Ananindeua (PA), Londrina, Sampaio Corrêa, Tuna Luso, Icasa e Fluminense. LEIA MAIS

Matheus Bitencourt da Silva, o Matheus Biteco: o volante porto-alegrense de 21 anos era o caçula dos “irmãos Biteco” – o mais velho, Guilherme Biteco, é meia-atacante do Ceará. Matheus começou no Grêmio e jogou nas categorias de base da seleção brasileira. LEIA MAIS

Hélio Hermito Zampier Neto, o Neto: o zagueiro foi resgatado com vida e levado ao hospital. Segundo o Globo Esporte, o jogador estava consciente, mas com muitos ferimentos, principalmente no rosto.

Sérgio Manoel Barbosa Santos: o volante tinha 27 anos e havia chegado neste ano à Chapecoense. Antes, estava no Água Santa, no interior de São Paulo. Recentemente, ele marcou seu segundo gol pelo novo clube e comemorava a nova fase após lesões sérias. LEIA MAIS

William Thiego de Jesus, o Thiego: zagueiro do time, nasceu em Aracaju e tinha 30 anos. Despontou no Grêmio e passou também pelo Kyoto Sanga, do Japão, Bahia, Ceará, Figueirense e Khazar, do Azerbaijão, antes de finalmente chegar à Chapecoense. Estava perto de acertar com o Santos para a próxima temporada. LEIA MAIS

Tiago da Rocha Vieira Alves: conhecido como Tiaguinho, o atacante de 22 anos teve passagens por XV de Piracicaba e Cianorte. LEIA MAIS

Josimar Rosado da Silva Tavares: volante de 30 anos, teve passagens por Internacional, Palmeiras e Ponte Preta

Marcelo Augusto Mathias da Silva: zagueiro de 25 anos, teve passagens por Volta Redonda, Cianorte e Flamengo. LEIA MAIS

Mateus Lucena dos Santos: lateral direito de 22 anos, teve passagens por Mogi Mirim, São Paulo e Atlético-GO

— Integrantes da comissão técnica da Chapecoense

Luiz Carlos Saroli, o Caio Júnior: era o técnico do time e tinha 51 anos. Foi ex-jogador, com passagens por Grêmio, Internacional e Paraná. Começou a carreira de técnico em 2000 e trabalhou em clubes como Palmeiras, Flamengo, Grêmio, Bahia, Vitória e Criciúma. LEIA MAIS

Eduardo de Castro Filho, o Duca: auxiliar técnico

Anderson Rodrigues Paixão Araújo: preparador físico como o pai, Paulo Paixão, que integrou a comissão técnica do Brasil que conquistou a Copa do Mundo de 2002. Tinha 37 anos. LEIA MAIS

Anderson Roberto Martins, o Buião: preparador de goleiros, nasceu em Pirapora, região norte de Minas Gerais, e trabalhava na prepação de Danilo, um dos destaques da campanha da Chapecoense na Sul-Americana. LEIA MAIS

Luiz Felipe Grohs, o Pipe Grohs: analista de desempenho

Marcio Bestene Koury: 44 anos, médico do clube. LEIA MAIS

Rafael Correa Gobbato: 33 anos, fisioterapeuta da equipe

Sérgio Luis Ferreira de Jesus: massagista do clube

Luiz Cezar Martins Cunha: membro da comissão

Adriano Wulff Bitencourt: membro da comissão técnica

Cleberson Fernando da Silva: membro da comissão técnica

Eduardo Luiz Preuss, o Cadu: membro da comissão técnica do clube

Gilberto Pace Thomas: assessor de imprensa

Anderson Donizette: integrante da delegação do clube

— Dirigentes da Chapecoense

Sandro Luiz Pallaoro: presidente da Chapecoense
Mauro Luiz Stumpf: vice-presidente de futebol
Emersson Fabio Di Domenico, o Chinho di Domenico: supervisor
Nilson Folle Junior: membro da diretoria
Decio Sebastião Burtet Filho: membro da diretoria
Jandir Bordignon: membro da diretoria
Mauro Dal Bello: membro da diretoria
Edir Félix De Marco: membro da diretoria
Ricardo Philippi Porto: membro da diretoria

— Convidados da Chapecoense

Delfim Pádua Peixoto Filho: presidente da Federação Catarinense de Futebol (FCF) há 27 anos, ele tinha 72 anos e nascera em Itajaí. Foi deputado estadual entre 1971 e 1983 pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Comandava a FCF desde 1985 e é um dos vice-presidentes da Federação Brasileira de Futebol (CBF). LEIA MAIS

Daví Barela Dávi: empresário, viajava como convidado da direção do clube

— Profissionais de imprensa

Guilherme Marques: repórter da TV Globo desde 2013

Ari Ferreira de Araújo Júnior, o Ari Júnior: o cinegrafista de 48 anos trabalhou na TV Anhanguera de fevereiro de 1996 a novembro de 1997. Desde então, trabalhava na TV Globo no Rio de Janeiro, onde integrava a equipe do programa Planeta Extremo. LEIA MAIS

Guilherme Van der Laars: produtor da TV Globo

Giovane Klein Victória: 28 anos, repórter da RBS TV, afiliada da TV Globo, de Florianópolis

Bruno Mauri da Silva: 25 anos, técnico da RBS, afiliada da TV Globo, de Florianópolis

Djalma Araújo Neto: 35 anos, cinegrafista da RBS TV, afiliada da TV Globo, de Florianópolis

André Podiacki: 26 anos, repórter do jornal “Diário Catarinense”, setorista da Chapecoense

Laion Espíndola: 29 anos, repórter do GloboEsporte.com

Victorino Chermont: 43 anos, repórter dos canais Fox Sports

Rodrigo Santana Gonçalves: 35 anos, repórter cinematográfico dos canais Fox Sports

Devair Paschoalon, o Deva Pascovicci: 51 anos, narrador dos canais Fox Sports

Lilacio Pereira Jr.: 48 anos, coordenador de transmissões externas dos canais Fox Sports

Paulo Julio Clement: 51 anos, jornalista nos canais Fox Sports

Mário Sérgio: 66 anos, ex-jogador e ex-técnico de futebol, atualmente era comentarista nos canais Fox Sports.

Renan Agnolin: 27 anos, repórter da rádio Oeste Capital, de Chapecó

Fernando Schardong: narrador da rádio Chapecó

Edson Ebeliny: repórter setorista da Chapecoense pela Super Condá

Gelson Galiotto: narrador da rádio Super Condá, de Chapecó

Douglas Dorneles: repórter esportivo da Rádio Chapecó

Jacir Biavatti: comentarista esportivo da RIC TV; viajou para fazer cobertura a cobertura pela rádio Vang FM

Rafael Henzel: jornalista da rádio Oeste Capital, de Chapecó, foi resgatado com vida e levado ao Hospital de La Ceja.

—Tripulação

Miguel Quiroga: piloto
Ovar Goytia: piloto
Sisy Arias: copiloto
Romel Vacaflores: assistente de voo
Ximena Suarez: auxiliar de voo foi resgatada com vida e levada à clínica Somer de Rionegro.
Alex Quispe: auxiliar de voo
Gustavo Encina: representante da companhia aérea LaMia
Erwin Tumiri: técnico da aeronave, foi resgatado com vida e levado à clínica Somer de Rionegro
Angel Lugo: técnico da aeronave

Como foi feita a operação de resgate?

Uma operação de emergência foi ativada para atender ao acidente. A Força Aérea Colombiana dispôs helicópteros para ajudar em trabalhos de resgate, mas missões de voos foram abortadas por causa das condições climáticas. Choveu muito na região na noite de segunda, o que reduziu muito a visibilidade. Equipes chegaram ao local do acidente por terra, mas o acesso à região montanhosa é difícil e a remoção foi lenta.

Quais foram as medidas tomadas no Brasil após a notícia?

O presidente Michel Temer decretou luto de três dias. Em nota oficial, ele lamentou o acidente aéreo e ofereceu assistência do governo federal aos familiares das vítimas. O ministro das Relações Exteriores, José Serra, viaja nesta quarta a Medellín para acompanhar os trabalhos relacionados ao acidente.

Também viajaram para Medellín funcionários do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) para ajudar na apuração das causas da queda do avião. A CBF vai enviar um avião com advogados e médicos. O objetivo é ajudar nos trâmites burocráticos para liberação de corpos e traslado para o Brasil.

Onde familiares das vítimas podem buscar informações?

A Cruz Vermelha disponibilizou uma linha telefônica, com intérprete em português, para que os familiares possam ter informações sobre a situação dos passageiros: +57 4 3505300

Como ficaram os jogos previstos?

A final da Copa Sul-Americana, que seria disputada entre a Chapecoense e o Atlético Nacional, foi suspensa. Quanto aos campeonatos de futebol, a CBF decretou luto oficial por sete dias e adiou todas as partidas previstas para o calendário do futebol brasileiro por este período: Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro da Série A e Copa do Brasil Sub-20.

A partida de volta da decisão da Copa do Brasil, entre Grêmio e Atlético Mineiro, ocorrerá no dia 7 de dezembro, às 21h45. A rodada final da Série A do Brasileirão será realizada no domingo, dia 11 de dezembro, às 17h. A final da Copa do Brasil Sub-20, entre Bahia e São Paulo, será realizada no dia 8 de dezembro, às 21h15.

O Globo