Brasil: la esposa del expresidente Lula da Silva continúa estable

Quadro de saúde da ex-primeira-dama Marisa Letícia segue estável

A esposa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marisa Letícia, segue em tratamento na UTI do Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, sedada e com pressão intracraniana controlada. De acordo com boletim médico divulgado no início da tarde desta quinta-feira (26), o quadro de saúde dela está estável.

“A paciente Marisa Letícia Lula da Silva permanece internada na Unidade de Terapia Intensiva após hemorragia cerebral. Está sedada e com a pressão intracraniana controlada. Segue estável e com o mesmo suporte intensivo”, diz a nota do hostital.

Marisa Letícia deu entrada no Sírio-Libanês, na tarde de terça-feira (24), com uma hemorragia cerebral em razão da ruptura de um aneurisma. De acordo com o Sírio-Libanês, ela passou por uma cirurgia endovascular – cateterismo – para o fechamento do aneurisma.

O ex-presidente Lula tem recebido várias mensagens em apoio e tem atualizado as informações sobre o quadro de saúde de sua esposa. Na tarde desta quinta-feria (26) ele publicou, em seu perfil oficial no Facebook, a nota do hospital onde a dona Marisa Letícia encontra-se internada.

Caso é grave, afirmam neurocirurgiões

Um neurologista renomado destacou que as possíveis sequelas que a ex-primeira-dama poderá vir a ter, após o AVC sofrido na terça-feira (24), só serão conhecidas quando ela sair do coma induzido.

Ainda segundo o neurologista, não é possível haver clareza sobre o que pode vir a acontecer, já que Dona Marisa teria demorado a ter um atendimento ideal, pois seu primeiro atendimento se deu em um hospital em São Bernardo do Campo. O sangramento então não teria sido contido imediatamente, e pode ter afetado alguma parte do cérebro, deixando sequelas. Contudo, o tratamento também pode reverter este possível quadro.

Pressão emocional

De 20% a 30% da população podem ter um aneurisma congênito, mas isso não quer dizer que todos apresentarão problemas como o sangramento. Isto pode acontecer em consequência de fortes pressões de ordem emocional.

Segundo o neuroradiologista do Richet Medicina & Diagnóstico, Márcio Vieira Peixoto Almeida, crises nervosas podem contribuir para uma maior possibilidade de casos como este, principalmente se a pessoa afetada sofrer de pressão alta. “Uma crise hipertensiva é um motivo possível, pois não sei se ela tinha pressão controlada ou não. Isso pode contribuir para um acidente vascular encefálico hemorrágico”, afirmou.

O doutor Almeida também acha muito precoce definir se Marisa poderia ficar com sequelas. “Ela pode sair sem sequelas ou o tratamento pode não ter resultado.” Mesmo assim, ele alerta para a gravidade de um caso de AVC hemorrágico.

Vermelho


Conselho de Medicina investiga vazamento de exames de mulher de Lula

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) instaurou uma sindicância para apurar o vazamento de imagens dos exames da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, internada desde terça-feira por causa de um acidente vascular cerebral (AVC). O hospital Assunção, em São Bernardo do Campo (SP), também instaurou sindicância e afastou profissionais envolvidos no atendimento a Marisa Letícia.

Fotos e imagens em vídeo dos exames da ex-primeira-dama circulam desde o dia da internação nas redes sociais. Segundo fontes médicas, as imagens correspondem às da tomografia à qual Marisa foi submetida no hospital Assunção, em São Bernardo do Campo, onde recebeu o primeiro atendimento antes de ser transferida para o hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde continua internada.

O Sírio-Libanês divulgou nota na qual afirma que as imagens não saíram do hospital. “A instituição zela pela privacidade de seus pacientes e repudia a quebra de sigilo médico por qualquer profissional de saúde”, diz o comunicado.

O hospital Assunção, também por meio de nota, afirmou que repudia o vazamento e também tomou providências. “O hospital esclarece que tão logo tomou conhecimento do evento, imediatamente instaurou sindicância interna para apuração dos fatos, tendo suspendido e afastado os envolvidos na investigação até a sua conclusão”, afirma o texto.

Segundo o Cremesp, um dos objetivos da sindicância é averiguar se houve participação de médicos no vazamento. “A apuração pode apontar se a divulgação de dados clínicos teve a participação de médicos ou se era do conhecimento da diretoria técnica ou clínica da instituição. De acordo com o Código de Ética Médica, é vedado ao médico “permitir o manuseio e o conhecimento dos prontuários por pessoas não obrigadas ao sigilo profissional quando sob sua responsabilidade”. Também não é permitido liberar cópias do prontuário sob sua guarda, salvo quando autorizado, por escrito, pelo paciente, para atender ordem judicial ou para a sua própria defesa, esta última em situação de sindicância ou processo ético-profissional”, diz o Cremesp.

Conforme médicos do Sírio-Libanês, a situação de Marisa Letícia ainda é grave mas continua estável desde a madrugada de terça-feira. Depois de passar por uma cirurgia para estancar a hemorragia no cérebro causada pelo rompimento de um aneurisma diagnosticado há mais de 10 anos, a ex-primeira-dama foi submetida a um segundo procedimento que consiste na utilização de um catéter para reduzir a pressão intracraniana. Desde então Marisa Letícia está em coma induzido. Os sedativos serão mantidos pelo menos até sábado, segundo fontes médicas.

Zero Hora