Presidente Temer sobre su gestión: “No creo haber cometido ningún error”

Michel Temer hace balance de su gestión: “No creo haber cometido ningún error”

Hace casi un año que está al frente del Palacio del Planalto y el presidente Michel Temer dice no haber cometido ningún error en su gobierno. “Sólo aciertos”.

Temer recibió a Folha en su oficina en el Palacio Presidencial donde concedió una entrevista.

Asegura que sus declaraciones el Día de la Mujer fueron “mal interpretadas”, cuando aseguró que “tenía convicción de todo lo que la mujer hacía por el hogar”.

En cuanto al juicio en el TSE (Tribunal Supremo Electoral) que puede dictaminar su destitución, el presidente opina que “no hay” conflicto de intereses en su relación con el Presidente de la Corte, Gilmar Mendes: “¿no podemos hablar? ”

El presidente también comentó el asunto de las cuentas públicas y la reforma de pensiones en Brasil, asegurando que el Gobierno cedió a los pedidos del Congreso hasta donde pudo. Para Temer, el “punto clave” del proyecto es establecer una edad mínima de jubilación y admite la posibilidad de crear una diferenciación para las mujeres.

Lea parte de la entrevista:

Folha – Usted completa 11 meses de Gobierno la próxima semana. En un ejercicio de autocrítica, ¿qué errores ha cometido?

Temer – Creo que no cometí ningún error. Fueron un montón de aciertos derivados de mucha valentía. Más que valor, osadía. Actúe sobre todo con el apoyo del Congreso. Y hemos tenido éxito.

Y el Día Internacional de la Mujer, que fue muy mal calificado. ¿Cree que fue un error?

No, porque fue un malentendido. La mujer, dije, tiene una posición muy importante en el país. Por otra parte, quería hablar de la economía. Nunca vi una entrevista en un supermercado en la que no se entrevistase a una mujer. Esta información llega a todos. Y completé: “Hoy en día, las mujeres asumen posiciones de liderazgo en las grandes empresas”.

¿Los magistrados del TSE (Tribunal Superior Electoral) deben tener en cuenta la estabilidad del país en el proceso de anulación de la coalición Dilma – Temer?

Es difícil responder por ellos. Cada uno, subjetivamente, hará su evaluación. Lo que he oído bastante es que conseguimos muchos logros en estos 11 meses. Y creo que ellos harán una evaluación jurídica.

El Fiscal General Adjunto electoral emitió un dictamen que indica que su fórmula recibió R$ 112 millones en dinero irregular. Usted está aquí ocupando este sillón, porque fue elegida esa alianza. ¿Cómo justificar que usted no se benefició de estas irregularidades?

Por el propio parecer de la acusación. Debido a que la opinión de la Fiscalía que pide la anulación de la fórmula se basa en la jurisprudencia firmada en el TSE. Y señala que, en mi caso, no se debe promulgar la inhabilitación porque no tengo nada que ver con la recaudación. Solo hay que leer el informe.

Pero eso no tiene nada que ver con la anulación de la alianza…

No voy a decir nada, estoy esperando la decisión. Con respecto a la recaudación, quiero señalar que no es mi palabra es la palabra del fiscal electoral: Temer, vicepresidente, no tuvo ninguna participación en ello. Por lo tanto, se debe solicitar la anulación de la fórmula, en su opinión, a causa de la indivisibilidad pero debe preservar la elegibilidad del actual presidente.

Si anulasen la alianza, pero mantuvieran su elegibilidad, ¿usted se presentaría a las elecciones?

Espero que no sea así. Tampoco me lo planteo. Vamos a esperar.

El Gobierno tuvo que bloquear R$ 42 mil millones del presupuesto de este año para cerrar las cuentas y anunció un incremento en el déficit estimado para 2018 de R $ 129 mil millones. ¿Qué salió mal?

Lo que salió mal fue lo siguiente: con el tiempo, pensábamos que la recaudación crecería sustancialmente. Como la recaudación no aumentó demasiado, estamos siendo previsores. No estamos haciendo nada que pueda engañar a los contribuyentes, estamos dando la realidad.

¿Esta predicción no asusta al mercado?

No. El mercado confía. Por supuesto que están deseando que llegue el final del episodio de las reformas, pero en todos ellos veo una esperanza extraordinaria.

En declaraciones al TSE, Marcelo Odebrecht dijo: “Dudo que haya un político en Brasil que haya sido elegido sin caja b. Y si dice que fue elegido sin financiación ilegal, es mentira, porque recibió del partido”. ¿A usted le ofrecieron financiación ilegal en alguna campaña?

Puedo decir, como presidente del partido, que las contribuciones que llegaron y fueron muchas llegaron oficialmente a la caja del partido. Ahora, si era caja b, quien debe decirlo es el que dio el dinero.

Folha de S. Paulo


‘Acho que não cometi nenhum erro’, diz Temer sobre seu governo

Há quase um ano à frente do Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer afirma acreditar que não praticou nenhum erro em seu governo, apenas acertos.

Temer recebeu a Folha em seu gabinete nesta sexta (7) no Palácio do Planalto para uma entrevista.

Ele diz que não consegue “vislumbrar um equívoco praticado” e que foi “mal-interpretado” em declarações feitas no Dia Internacional da Mulher, quando afirmou que “tem convicção do quanto a mulher faz pela casa”.

Sobre o julgamento do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que pode levar a sua cassação, o presidente avalia que não há “nenhum” conflito de interesses em sua relação com o presidente da corte, Gilmar Mendes: “E daí? A gente não pode conversar?”

Temer afirma também não ter “a menor preocupação” com as perguntas que o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) fez a ele em processos da Lava Jato, em que insinua que o presidente tem conhecimento de crimes de que ele é acusado. “Eu não me incomodo com o que ele diz. Não tive nenhuma participação nos métodos de trabalho dele”, diz o presidente.

Folha – O sr. completa 11 meses de governo na próxima semana. Em uma autocrítica, que erros o sr. cometeu?

Temer – Eu acho que não cometi nenhum erro. Eu cometi acertos. E acertos derivados de muita coragem, com toda a franqueza. Até mais do que coragem, ousadia. Eu pratiquei atos, especialmente com o apoio do Congresso, que foram considerados ousados. E tivemos sucesso. Eu não creio que tenha praticado nenhum erro. Não consigo vislumbrar um equívoco praticado nesse governo.

E o discurso no Dia Internacional da Mulher, que foi muito mal-avaliado? Acha que foi um erro?

Não, porque fui mal-interpretado. A mulher, disse eu, tem uma posição importantíssima no país. Ademais, queria falar de economia. Nunca vi uma entrevista em um supermercado em que não se entrevistasse uma mulher. Essas informações chegam ao ouvido de todos. E completei: hoje, a mulher assume cargos de direção e executivos nas grandes empresas. Não me arrependo porque houve uma interpretação equivocada. Quem lesse o discurso por inteiro, verificaria.

E a condução do caso Geddel Vieira Lima [que pediu demissão ao ser acusado de pressionar o ministro da Cultura a liberar a construção de um prédio de seu interesse]?

Não, absolutamente. Equivocado foi alguém entrar na sala do presidente e gravá-lo. Esse é um ato de uma gravidade extraordinária -que não vi registrado, confesso a vocês. O Geddel, quando soube dos episódios, durou uma semana e ele pediu para sair.

Os ministros do TSE devem levar em conta a estabilidade do país no processo de cassação da chapa Dilma-Temer?

Fica difícil responder por eles. Cada um, subjetivamente, vai fazer sua avaliação. O que eu tenho ouvido muito é que nós tivemos tantas conquistas nesses 11 meses. Eu penso que eles farão uma avaliação jurídica. Mas como toda avaliação jurídica, muitas vezes ela também é guiada por fatores da ocasião.

As pessoas com quem o sr. conversa têm manifestado essa preocupação?

Têm, têm… Instabiliza sempre. É uma pauta negativa. No dia que tirar isso da frente, ajuda muito o país.

O vice-procurador-geral eleitoral deu um parecer em que afirma que sua chapa recebeu R$ 112 milhões em dinheiro irregular. O sr. está aqui nesta cadeira porque foi eleito com esta chapa. Como justificar que o sr. não foi beneficiado por essas irregularidades?

Pelo próprio parecer do Ministério Público. Porque o parecer do Ministério Público pede a cassação da chapa tendo em vista uma jurisprudência firmada no TSE. E ressalta que, no meu caso, não se deve decretar inelegibilidade porque eu não tenho nada a ver com essa arrecadação. Basta ler o parecer.

Mas isso não tem a ver com a cassação da chapa…

Mas eu não estou dizendo nada, estou esperando a decisão. No tocante à arrecadação, o que eu quero ressaltar não é palavra minha, é a palavra do procurador eleitoral: o Temer, o vice-presidente, não teve absolutamente nenhuma participação nisso. Portanto, deve-se decretar a cassação da chapa, na opinião dele, por causa da incindibilidade, mas deve-se preservar a elegibilidade do atual presidente.

Em depoimento ao TSE, Marcelo Odebrecht disse: “Duvido que tenha um político no Brasil que tenha se eleito sem caixa 2. E, se ele diz que se elegeu sem, é mentira, porque recebeu do partido”. O sr. fez alguma campanha em que ofereceram caixa 2, ou que o sr. soubesse que houve caixa 2?

Eu posso dizer, enquanto presidente do partido, que as contribuições que vieram, e vieram muitas, vieram oficialmente, para o caixa do partido. E foram distribuídas para as candidaturas em todo o país. Isso aconteceu ao longo dos vários anos em que eu presidi o partido, assim como com os outros partidos também. Agora, se houve caixa dois, quem deve dizer é quem deu o caixa dois.

Se for cassado, mas mantida sua elegibilidade, o sr. disputaria uma eleição indireta?

Eu espero que não seja cassado. E nem cogito. Vamos esperar o que vai acontecer.

O sr. tem uma relação muito próxima com o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Gilmar Mendes, que é responsável por decisões cruciais no julgamento. Há conflito de interesse?

Nenhum. Eu sou da área do direito público e constitucional. Durante muito tempo, eu convivi com juristas, porque, antes de ser deputado federal, a minha atuação era na área universitária. Então, tenho uma relação muito próxima com todo esse pessoal da área de direito público que foi para os tribunais. Então, são amigos. Não são amigos, são pessoas ligadas a mim por razões profissionais.

Mas o ministro Gilmar Mendes preside um tribunal em um momento em que o sr. é parte interessada do principal processo…

E daí? A gente não pode conversar?

O sr. acha que não há nenhum conflito?

Nenhum conflito. Ele decidirá de acordo com aquilo que ele imagina e pensa na boa interpretação do direito e da prova dos autos. Não tenho a menor dúvida disso. Conheço bem o Gilmar, até.

Nas próximas semanas, devemos conhecer os detalhes das delações premiadas de executivos da Odebrecht. Preocupa a instabilidade política e até econômica decorrente disso?

Há de preocupar sempre, não há dúvidas, mas elas não podem cessar em função disso. Senão vão dizer que estamos contra a Lava Jato.

Em perguntas enviadas ao sr. como testemunha, o ex-deputado Eduardo Cunha, condenado a 15 anos de prisão, insinua que o sr. tinha conhecimento de fatos citados nas acusações a que ele responde. Como o sr. recebeu as perguntas? Teme que ele queira incriminá-lo?

Quem recebeu mal foi o juiz Sérgio Moro. Ele indeferiu desde o início 21 perguntas, porque elas não tinham nada a ver com a defesa. Na própria sentença condenatória, o juiz disse que ele tentou até chantagear o presidente. Eu não tenho nenhuma consideração a fazer.

O senhor se sentiu chantageado?

Eu não me incomodo com o que ele diz, com toda franqueza. Não tenho nenhuma preocupação com as afirmações dele. Ele é do PMDB, chegou à presidência da Câmara dos Deputados, tinha seus métodos de trabalho. Não tive nenhuma participação nos métodos de trabalho dele.

Que métodos?

Os métodos legislativos. Aliás, não faço nenhuma acusação. Jamais fiquei sabendo e jamais tive conhecimento.

O sr. reitera que não é candidato à reeleição?

Não sou candidato e tenho dito isso com muita frequência. Claro que é um exercício de futurologia que não convém ser feito agora.

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) tem feito críticas duras a várias bandeiras de seu governo. O senhor rompeu com ele ou tentará uma reaproximação? Ele é seu adversário?

Nem rompi com ele, nem creio que ele seja meu adversário. Seria dar uma significação extraordinária à conduta dele. Acho até que, quando ele diz uma ou outra coisa, talvez tenha boa intenção, não sei dizer. Agora, não é compatível com os dias atuais. A crítica que se pode fazer é que ele está, digamos, atrasado, segundo as concepções da realidade.

Folha de S. Paulo