Brasil: avanza en Diputados la denuncia por corrupción contra Temer y el principal partido aliado analiza si deja o no el gobierno

Contexto Nodal
La denuncia por corrupción contra Michel Temer presentada por el fiscal general, Rodrigo Janot, está ahora en la Cámara de Diputados. Si en la votación plenaria es aprobada por dos tercios (342 de los 513), Temer será suspendido por los 180 días que dure el juicio en el Tribunal Supremo y el jefe de la Cámara baja, Rodrigo Maia, asumirá la presidencia. Si la Corte condena a Temer, éste será destituido y el Congreso elegirá al encargado de finalizar el mandato iniciado por Dilma Rousseff en 2015.

En una sesión caótica, el relator de la comisión recomendó juzgar a Temer

A medida que la denuncia por corrupción contra Michel Temer avanza en el Congreso, la situación del presidente de Brasil se vuelve cada vez más delicada. Ayer, el relator de la causa en la Comisión de Constitución y Justicia de la Cámara de Diputados afirmó que hay “sólidos indicios” para juzgar al jefe del Estado, quien podría perder el poder en las próximas semanas.

En una sesión desordenada, con maniobras de último momento por parte del gobierno para modificar la composición de la comisión, el diputado Sergio Zveiter, designado relator de la demanda de la Procuraduría General de la República contra Temer, leyó su informe en el que recomendó la aceptación de la denuncia, la primera acción penal contra un presidente brasileño en ejercicio.

“Voto por la admisibilidad de la denuncia. Como mínimo existen sólidos indicios de práctica delictiva”, dio entre aplausos Zveiter, quien a pesar de ser miembro del oficialista Partido del Movimiento Democrático Brasileño (PMDB), hizo un análisis jurídico independiente sobre la demanda introducida dos semanas atrás por el procurador general, Rodrigo Janot.

En el marco del escándalo de sobornos del frigorífico JBS, Temer está acusado de recibir una coima por unos US$ 150.000 de la procesadora de carnes a través de un asesor suyo. Como parte de su acuerdo de delación premiada con la justicia, Joesley Batista, dueño de JBS, aportó la grabación de una conversación que mantuvo con el presidente en marzo último, en la que Temer daba su aval para la entrega del dinero. Aunque el Palacio del Planalto buscó cuestionar la legitimidad de aquel audio, los intereses de Batista y las motivaciones políticas de Janot, el relator del caso desestimó todos esos planteos.

“Por todo lo que vimos y oímos, la acusación no es fantasiosa”, resaltó Zveiter para luego aclarar que su rol no era condenar o absolver al acusado, sino considerar el mérito de la denuncia.

Ahora, el debate de la comisión debería ser retomado el miércoles. Durante un máximo de cinco sesiones, sus 66 miembros analizarán el informe del relator y luego votarán a favor o en contra de la admisibilidad de la denuncia. Independientemente del resultado, la demanda pasará la próxima semana al plenario de la Cámara baja, donde necesitará de un apoyo de dos tercios (342 sobre 513) para que siga al Supremo Tribunal Federal (STF).

Sólo entonces la Corte examinará el caso, y si decide aceptar la denuncia, Temer será apartado de su cargo por hasta 180 días mientras es juzgado por el STF. Asumiría el poder de forma interina el presidente de Diputados, Rodrigo Maia.

Como desde el Palacio del Planalto se teme que la decisión de la Comisión de Constitución y Justicia condicione el voto del plenario, ayer buscó alterar su estructura. A cambio de favores, se presionó a los líderes de partidos aliados para que nueve miembros titulares dejaran sus asientos a suplentes considerados más “fieles” al gobierno. No todos los diputados dejaron sus puestos en silencio.

“¡Este gobierno es una basura!”, se quejó Delegado Waldir, del Partido de la República (PR). “La organización criminal que está en el Planalto va a caer”, advirtió.

Al responder al informe del relator, el abogado de Temer, Antonio Claudio Mariz, reiteró que todas las acusaciones contra el presidente son “mentiras”, y desafió a Janot a demostrar cómo el jefe del Estado pidió, obtuvo o se benefició de los sobornos de JBS.

“Que me diga cuándo el presidente recibió un centavo siquiera; cuándo y de quién”, clamó de pie, exaltado, al exhortar a los diputados de la comisión a desechar en su votación esta denuncia que, según él, genera inestabilidad en Brasil justo cuando el país está dando pasos para salir de la peor recesión de su historia.

Sus palabras fueron rebatidas por Zveiter, al poner la acción penal en contexto, tras el impeachment político a Dilma Rousseff (Partido de los Trabajadores) que el año pasado permitió a Temer, su vicepresidente, asumir el poder.

“Impedir la continuidad de las investigaciones ampliará aún más el abismo de la clase política con la sociedad”, apuntó. “Lo que tenemos aquí es el pleno funcionamiento de los mecanismos que la Constitución prevé para una crisis de esta magnitud, sin maniobras y farsas que signifiquen el debilitamiento de nuestras instituciones”, subrayó.

Las dudas de los aliados clave del presidente

La cúpula del Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB), principal aliado del oficialista Partido del Movimiento Democrático Brasileño (PMDB), se reunió anoche en San Pablo para reconsiderar su apoyo al presidente Michel Temer.

Participaron, entre otros, el ex presidente Fernando Henrique Cardoso; el gobernador del estado de San Pablo, Geraldo Alckmin, y el actual líder del partido, el senador Tasso Jereissati. La decisión sobre el abandono de la coalición recién sería anunciada una vez que el Senado apruebe los ajustes a la reforma laboral, en los próximos días.

El respaldo del PSDB es clave para Temer; sin sus votos, es muy probable que la denuncia por corrupción contra el presidente sea aprobada por la Cámara baja. En una muestra de preocupación sobre su delicada situación, Temer invitó a Cardoso a un encuentro en Brasilia esta semana, pero el ex presidente alegó que saldría de vacaciones hoy y no podría asistir.

La Nación


Relator apresenta parecer favorável para denúncia contra Temer

O deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), relator da denúncia contra Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça, apresentou parecer favorável para a Câmara autorizar o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal da denúncia de corrupção passiva contra o atual presidente

De acordo com o relator, os indícios “são sérios o suficiente” para garantir a abertura da ação. “As provas concretas são obrigatórias no fim do processo, mas para o recebimento da denúncia bastam os indícios”, declarou Zveiter. “É preciso apurar as delações da JBS, o envolvimento de Temer no recebimento dos supostos 500 mil reais por meio de Rocha Loures, a regularidade do encontro entre Temer e Joesley Batista em horário inconveniente. Sobre a gravação, é preciso apurar se os diálogos são verídicos.” Para Zveiter, a denúncia não é “fantasiosa”.

De acordo com o deputado, o uso de gravações ambientais sem o conhecimento do outro, como aquela registrada por Joesley Batista em encontro com o atual presidente em 7 de março, é reconhecida pelo STF e não se trata de uma prova ilícita, como quer fazer crer a defesa de Temer.

O relator chegou a citar obra do ministro do STF Alexandre de Moraes, indicado por Temer à Corte, segundo a qual o chamado direito à intimidade, um dos argumentos da defesa de Temer, estão relacionados ao direito constitucional da vida privada, e não a temas de repercussão pública.

Para Zveiter, o princípio “in dubio pro reo” (na dúvida, a favor do réu) deve ser respeitado ao fim do processo. No início, a sociedade tem o direito a esclarecer as acusações. Segundo ele, esse caminho não representa “qualquer risco” ao Estado Democrático de Direito.

A leitura do relatório é o primeiro passo para a análise da denúncia pela Câmara. Além da apresentação da defesa de Temer, ao menos dois deputados serão convocados para defender Temer, e outros dois para acusá-lo. Cada um dos 132 integrantes da CCJ, entre titulares e suplentes, pode falar por 15 minutos. O tempo total dos discursos pode levar até 40 horas.

Até 21 de julho, o parecer deve ser votado na comissão pelos 66 titulares, que votam nominalmente. Passada essa etapa, a denúncia será apreciada pelo plenário da Câmara e precisa do apoio de 342 deputados, ou dois terços da Casa. Cada deputado anunciará seu voto no microfone, de forma semelhante ao rito da sessão que aceitou o impeachment de Dilma Rousseff em 2016.

Se a denúncia for aprovada pela Câmara, o STF deve avaliar se nega ou aceita denúncia. Caso a ação seja aberta, Temer será afastado por 180 dias e Rodrigo Maia, presidente da Câmara, assume de forma interina. Se o peemedebista for condenado, ele deixa o cargo em definitivo. Se for absolvido ou o julgamento não for concluído no prazo, Temer pode voltar à Presidência. Na primeira hipótese, o Congresso tem até 30 dias para convocar eleições indiretas.

Nas 60 páginas da denúncia por corrupção passiva que apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra Michel Temer, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, busca conectar dois conjuntos de fatos para provar a culpa do presidente.

O primeiro envolve a negociação da propina semanal feita entre representantes do grupo J&F, de Joesley Batista, e Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). O segundo conjunto compõe o estreito relacionamento entre Loures e Temer. Para Janot, há evidências de que, ao pedir e receber propina, Loures estava atuando em nome de Temer.

Troca de titulares na CCJ

Antes da leitura do relatório, houve diversas polêmicas relacionadas aos movimentos do governo para substituir parlamentares críticos a Temer na CCJ. A base aliada de Temer fez 12 substituições para tentar garantir os votos necessários contra a denúncia.

Substituído na comissão, o deputado Delegado Waldir (PR-GO) afirmou fora dos microfones que seu partido é “vendido” e chamou a legenda e o governo de “bandidos”. “Cambada de bandido! Tá tudo grudado no saco do governo! Quem manda é o Temer, esse bandido! É um lixo de governo! Quadrilha organizada!”, afirmou o parlamentar.

Substituído por seu partido na comissão, o deputado Major Olímpio (SD-SP) foi vaiado por parlamentares depois de afirmar que não deveria ser possível a troca de titulares após a apresentação das denúncias. Ao chamar Temer de “presidente criminoso”, o parlamentar foi vaiado. “Quem está vaiando também está recebendo para vaiar”, gritou o deputado.

Sobre a troca de titulares da comissão, o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) ironizou ao afirmar que a substituição “escusa” de parlamentares talvez “não esteja garantindo uma maioria suspeitíssima que quer se formar.”

Também antes da leitura do relatório, o deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), presidente da CCJ, rejeitou requerimentos da oposição para o colegiado ouvir o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso em 3 de julho. O parlamentar havia rejeitado outras convocações, como a de Rodrigo Janot, procurador-geral da República, e do empresário Joesley Batista, dono da JBS.

Carta Capital


Líderes do PSDB adiam decisão sobre desembarque do governo Temer

A reunião de 15 integrantes da cúpula do PSDB na noite desta segunda-feira (10) no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo, na Zona Sul da cidade, durou pouco mais de 4 horas, terminando no início da madrugada desta terça (11). As lideranças discutiram a manutenção ou não de apoio ao governo de Michel Temer (PMDB) e também a direção do partido na questão da denúncia por corrupção passiva contra o presidente.

Os caciques tucanos, porém, adiaram a definição sobre o desembarque do governo. Nova reuniões devem ser marcadas para esta terça ou para quarta-feira (12).

O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), admitiu, ao deixar o local, que o partido está desembarcando do governo Temer. “O que eu tenho dito não é consenso, mas o que eu estou observando é que o partido por si mesmo está desembarcando independentemente do meu controle e da minha vontade”, afirmou, ao deixar o Palácio dos Bandeirantes.

Ele antecipou também que o partido deverá fazer uma renovação total de seus quadros em agosto, durante convenção para a eleição da Executiva.

Encontro

A reunião acontece após o presidente ter sido denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelo crime de corrupção passiva, e o deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), relator da denúncia contra Temer na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) na Câmara, dar parecer favorável ao prosseguimento do caso.

O Palácio dos Bandeirantes é a residência oficial do governador de São Paulo e o encontro teria sido articulado por Geraldo Alckmin. A assessoria do PSDB estadual disse que o evento não é institucional.

Tasso afirmou que o partido não definiu uma posição quanto à denúncia contra Temer na CCJ.

O líder da bancada na Câmara, deputado Ricardo Tripoli (SP), disse que, na CCJ, o partido deverá votar pela admissibilidade da denúncia, com 5 votos a favor e 2 contrários. “Por maioria, deve votar pela admissibilidade. A bancada deve votar por 5 a 2 pelo acolhimento da denúncia do procurador”, disse.

Participaram também da reunião de caciques tucanos, entre outros, os governadores Marconi Perillo (GO), Reinaldo Azambuja (MS), Pedro Taques (MT) e Geraldo Alckmin (SP); os senadores Aécio Neves (MG), José Serra (SP), Paulo Bauer (SC) e Cássio Cunha Lima (PB); o ex-senador José Aníbal (SP); o prefeito de São Paulo, João Doria, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Desembarcar do governo Temer significaria entregar os cargos em quatro ministérios comandados por tucanos: Aloysio Nunes, ministro de Relações Exteriores; Bruno Araújo, ministro de Cidades; Antonio Imbassahy, ministro da Secretaria de Governo; e Luislinda Valois, ministra dos Direitos Humanos.

Alckmin

Durante inauguração de delegacia em Pindamonhangaba, no interior de São Paulo, nesta segunda, Alckmin comentou o encontro. “A reunião não é para decidir se deixa ou não o governo. Isso só quem pode fazer é a Executiva do partido. É uma reunião de conversa, conversa entre a direção partidária, governadores, líderes. Não será tomada nenhuma decisão. É apenas uma avaliação”, disse.

O Globo


LULA: NÃO VOU VOLTAR PARA FAZER O MESMO, MAS PARA FAZER MAIS E MELHOR

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou na noite desta segunda-feira 10 a importância de se discutir a democracia no atual momento político. Ele discursou na cerimônia de lançamento da segunda fase do Memorial da Democracia do Instituto Lula, em Belo Horizonte.

Segundo o petista, “falar em democracia nesse instante é muito importante e necessário. É quase que como o ar que a gente respira”. “Porque na medida em que a gente se cala e aceita as medidas que vão sendo contadas todos os dias, eles vão tomando espaço”, disse.

“Daqui a pouco a gente começa a achar normal o mundo ser assim. E daqui a pouco a gente acha normal um tipo como o Bolsonaro, resultado do ódio despejado pela Rede Globo de Televisão”, prosseguiu. “Porque eu nunca vi tanto ódio disseminado nesse país como eu vi em 2013. Eu imaginava que o ódio era contra o Lula, mas não, quando eu vi o que fizeram com a Dilma, eu vi que o ódio era contra a democracia”, acrescentou.

Ele ressaltou que a democracia “exige compromisso”. “Democracia pressupõe que a nossa capacidade de ouvir seja a mesma da gente falar”, exemplificou. “Qual é o estado democrático que queremos construir no futuro?”, indagou, lembrando que “hoje estamos com as instituições todas desmoralizadas, ninguém acredita em ninguém”. Para Lula, construir a democracia nesse País é uma tarefa que ainda está longe de ser atingida”.

O ex-presidente declarou que “não acreditava que fosse possível um trabalhador chegar à presidência”, mas que “em 89, através da democracia”, do voto, descobriu que era possível. E prometeu aos presentes: “Não vou voltar para fazer o mesmo, vou voltar para fazer mais e melhor”. Sobre seu governo, ele ainda disse que acha que dava para ter feito mais, “especialmente em relação aos meios de comunicação”.

“Eu espero que a gente possa ter logo, logo a retomada da democracia, para que possamos investir mais em pesquisa e no ensino básico”, desejou Lula.

Brasil 247