Brasil: movimientos populares y gremios se movilizan en rechazo a la condena contra Lula

Movimientos y sindicatos de Brasil manifiestan en apoyo a Lula

Movimientos populares y centrales sindicales, organizados en el Frente Brasil Popular, convocaron manifestaciones en diversas ciudades del país, tras la divulgación de la sentencia aprobada este miércoles por el juez de primera instancia Sérgio Moro, que condena el expresidente Luiz Inácio Lula da Silva a nueve años y seis meses de prisión por supuesta corrupción y lavado de dinero, en el caso del “triplex de Guarujá”.

São Paulo, Brasilia, Salvador, Belo Horizonte, São José do Rio Preto y Maringá, son algunas de las ciudades donde se convocó la manifestación.

Medios locales reseñaron que en la capital de São Paulo, la manifestación comenzó este miércoles en horas de la tarde, frente al Museo de Arte de São Paulo, tradicional punto de manifestaciones en la ciudad. En la convocatoria los movimientos utilizaron consignas como “¡Abajo el golpe!”, “Abajo el fascismo!”, “¡Abajo las prisiones arbitrarias!”.

En Brasilia, el “Acto de la militancia en solidaridad al compañero Lula”, ocurrió en el auditorio de la Central Única de Trabajadores (CUT).

En el Campo da Pólvora, ciudad de Salvador, ubicado al nordeste del país, quienes apoyan al expresidente brasileño invitaron a los partidos de izquierda, centrales sindicales, sindicatos, militantes, movimientos sociales y populares justo al frente del foro Rui Barbosa para la concentración.

En Maringá, ciudad del estado de Paraná, en sur del país, la manifestación también inició en horas de la tarde de este miércoles, justo al frente de la Justicia Federal.

Demás movimientos y organizaciones políticas se organizan en diferentes ciudades de Brasil para realizar una amplia manifestación nacional para este jueves.

Telesur


Ato em defesa de Lula em São Paulo ataca motivação política de Moro

Movimentos sociais e sindical realizarom, na noite desta quarta (12), ato em defesa do ex-presidente Lula no vão livre do Masp, na avenida Paulista, região central da capital. A manifestação havia sido convocada horas antes, em resposta à sentença do juiz Sergio Moro, que condenou Lula a nove anos e seis meses de prisão por conta do processo que envolve um apartamento no Guarujá, no litoral paulista. Segundo os organizadores, cerca de 4 mil pessoas compareceram ao protesto.

Em seu discurso, o presidente do diretório estadual do PT de São Paulo, Luiz Marinho, afirmou não estar surpreso com a decisão. “Vemos uma cronologia. Toda vez que tem acontecimento de conjuntura política, o juiz apresenta alguma novidade”, disse, em referência à tramitação da denúncia contra Michel Temer na CCJ da Câmara dos Deputados, que já conta com parecer favorável do relator, deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ).

“O resultado não surpreende pelo comportamento do juiz Sergio Moro”, disse Marinho, sobre o magistrado responsável pelas decisões em primeira instância da Operação Lava Jato em Curitiba. “A única prova existente no processo é de inocência do presidente. Como ele mesmo diz, se uma mulher experimenta sapatos em uma loja, ela é dona dele automaticamente? Foi isso que aconteceu no caso do tríplex”, completou.

Vagner Freitas, presidente nacional da CUT, também compareceu ao ato. “Não tem nada a ver com justiça o que foi feito hoje. Foi apenas a tentativa de impedir Lula de disputar a presidência. Eles sabem que Lula será eleito pelo povo brasileiro. Temos que dar respostas políticas. Devemos fazer uma campanha para que o PT lance ‘amanhã’ a campanha para Lula presidente. Brasil, urgente, Lula presidente! Essa é a nossa resposta.”

Guilherme Boulos, coordenador nacional do MTST, contou ter conversado ontem com o presidente Lula, que saudou o ato. “É escandaloso o que se consumou hoje, uma farsa judicial. Um juiz que sempre se comportou como acusador. A sentença que ele deu hoje apenas consumou o absurdo. Não é admissível condenação sem provas. Se querem tirar o Lula, que tirem no voto, e não no tapetão. É mais um de tantos golpes de nossa democracia capenga. Por isso, é importante resistir”, pontuou.

Também esteve na manifestação a ex-ministra da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres Eleonora Menicucci. “Essa condenação representa a consolidação do golpe que sofremos em 2016”, disse, em referência ao processo que culminou no impeachment da presidenta eleita em 2014, Dilma Rousseff (PT). “O golpe não foi contra a presidenta, foi contra um projeto que tem o Lula como maior liderança. Ele simboliza o maior perigo para as elites nacionais e multinacionais, porque ele representa os pobres e a inclusão social”, completou.

“O golpe não teria sentido sem impedir o Lula de se candidatar em 2018. Eles não têm o interesse em prendê-lo, apenas em impedir sua candidatura. Mas não haverá democracia no nosso país se cassarem esse direito do Lula”, apontou a ex-ministra. Eleonora também lembrou da aprovação da reforma trabalhista no Senado, ontem. Para ela, a sentença também serve ao propósito de desviar o foco da opinião pública do que chamou de “fim da CLT”.

Por fim, Eleonora disse acreditar que a sentença de Moro contra Lula será revertida. “Minha expectativa é pela sua absolvição na segunda instância. Já tem jurisprudência no Tribunal Regional Federal da 4ª Região que inocentou o João Vaccari”, afirmou, referindo-se ao ex-tesoureiro do PT. “Então (a condenação de Lula) só serviu para desviar a atenção”, concluiu.

Para o fundador da Gaviões da Fiel, torcida organizada do Corinthians, Chico Malfitani, a condenação do ex-presidente carece de materialidade. “Temos que clamar por justiça. É o que falta. Isso só prova que temos um Judiciário parcial e partidário. Aonde está o Ministério Público para investigar o ladrão de merendas, as fraudes nas privatizações e a corrupção no Metrô de São Paulo? Parece que nosso estado é um mar de honestidade. Não tem processo nenhum aqui.”

“Tem contas de tucanos no exterior, malas de dinheiro. Mas tem contas no exterior do Lula? Tem alguma acusação com fundamento? Se tivesse, tudo bem. Mas condená-lo só para ele não poder se candidatar em 2018 é gritante. Aos poucos a população vai percebendo. Do outro lado estão todos soltos, olha o Aécio Neves. Estão destruindo o país e quem está pagando o pato da Fiesp é o povo”, completou Malfitani.

Rede Brasil Atual


Ex presidente Lula da Silva es condenado a 9 años de cárcel y se teme por su futuro político

En un fallo histórico, el ex mandatario ha sido condenado por corrupción y lavado de dinero en la causa del Lava Jato. El fallo no estipula que Lula entre en prisión de inmediato.

El juez de primera instancia Sergio Moro condenó al ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nueve años y medio de prisión por corrupción pasiva y lavado de dinero. La decisión fue divulgada este miércoles (12), pero el político sólo iría a la cárcel si el fallo es confirmado por un tribunal de segunda instancia.

La decisión judicial no tiene precedentes: se trata de la primera vez en la historia de Brasil que un ex presidente es condenado a prisión por corrupción.

Lula está acusado de haber recibido sobornos por parte de la constructora OAS, en forma de un apartamento en el litoral paulista, entre otras ventajas. OAS era contratista asidua de Petrobras, y los sobornos habrían sido a cambio de contratos con la petrolera estatal. El apartamento -un tríplex frente a la playa de Guarujá- está confiscado por decisión de Moro.

El juzgado del juez Moro nunca pudo demostrar que el apartamento playero pertenezca al ex presidente o sus familiares, por lo cual sus defensores legales y políticos argumentan que el objetivo de la causa es inhabilitarlo para que sea inelegible. Lula está bajo investigación en otros cuatro procesos, pero ha declarado sus intenciones de postularse a la presidencia.

La defensa de Lula apelará la decisión de Moro -que ya se daba por descontada- y si el tribunal de segunda instancia no decide antes de octubre de 2018, podrá ser candidato presidencial representando al Partido de los Trabajadores.

Según los investigadores del Lava Jato, Lula fue el jefe de un esquema de corrupción que funcionaba en Petrobras, y junto a OAS habría desviado cerca de 30 millones de dólares de la petrolera.

Reporte Brasil


Ley brasileña permitiría que Lula sea elegido presidente aún condenado por corrupción

El ex presidente y precandidato presidencial Luiz Inácio Lula da Silva fue condenado este miércoles (12) en primera instancia a nueve años y medio de prisión por corrupción y lavado de dinero. Ahora la incógnita es si podrá seguir su carrera política tras el fallo.Según el juez Sergio Moro, Lula recibió más de un millón de dólares de una constructora que era contratista de la estatal Petrobras. La prueba que esgrime Moro es la posesión y uso de un apartamento en el litoral paulista por parte de la familia del ex presidente.

La sentencia no estipula que Lula vaya a prisión hasta ser confirmada en segunda instancia, ya que Lula había desmentido las acusaciones (no hay pruebas documentales que lo vinculen al inmueble) y anunciado que apelaría en caso de ser condenado por Moro.

La ley brasileña establece que sólo políticos condenados por más de un tribunal sean inhabilitados para cargos electivos. Es decir, que con este fallo, Lula no queda fuera de juego hasta que un nuevo fallo ratifique la sentencia en su contra.

Pero en el intrincado sistema legal brasileño, incluso una condena en segunda instancia no garantiza la inhabilitación. Si el tribunal de segunda instancia lo condena antes de las presidenciales de octubre de 2018, por caso, su candidatura queda sin efecto. Pero si el fallo es posterior al registro de la candidatura, aún podría ser candidato “sub judice” (en suspenso). Y en caso de ganar, la Constitución prevé una eventual suspensión del proceso legal en su contra.

Y hay jurisprudencia: el diputado federal Paulo Maluf fue condenado por improbidad administrativa en Sao Paulo (durante su mandato como alcalde en la capital paulistana), y apeló la negativa de su inscripción como candidato a diputado. Mientras el fallo no salía, mantuvo su candidatura; el Tribunal Regional Electoral de Sao Paulo falló en su contra, pero el Tribunal Superior Electoral dictaminó a su favor y Maluf asumió como diputado federal, a pesar de contar con un amplio prontuario local y global por desvío y lavado de fondos públicos.

Reporte Brasil


Comunicado del PT sobre la condena de Lula a 9 años y medio de prisión

Nota oficial: Condenação de Lula representa ataque à democracia

A condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva representa um ataque à democracia e à Constituição Federal. Embora seja uma decisão de primeira instância, trata-se de medida equivocada, arbitrária e absolutamente ilegal, conduzida por um juiz parcial, que presta contas aos meios de comunicação e àqueles que não aceitam a trajetória de sucesso de Lula na presidência.

A sentença está baseada exclusivamente em delações premiadas negociadas ao longo de meses com criminosos confessos, e simplesmente validam as convicções contidas na acusação de procuradores do Ministério Público Federal, sem que houvesse a apresentação de provas que justifiquem a condenação nos termos expressos pelas leis brasileiras.

Lula não está acima da lei, tampouco abaixo dela. O que ocorre é um processo de perseguição que se constitui em uma aberração constitucional; um caso típico de lawfare, em que se utilizam recursos jurídicos indevidos como fim de perseguição política. Em seu caso, busca-se imputar-lhe crimes com base em teorias respaldadas apenas pela palavra de condenados, incapazes de comprovar suas afirmações por meio de documentos ou de transferências bancárias.

A condenação de Lula é mais um capítulo da farsa capitaneada pelo consórcio golpista que assumiu o País para suprimir direitos sociais e trabalhistas, ampliar o tempo para as pessoas se aposentarem, cortar gastos essenciais em Saúde e Educação e, principalmente, vender empresas estatais importantes como a Petrobras, a Infraero, a Caixa Econômica e o Banco do Brasil.

Curiosamente, a sentença saiu um dia depois da votação de medidas que retiraram direitos dos trabalhadores, e agora serão esquecidas.

O PT vai manter sua defesa intransigente a Lula, por acreditar em sua absoluta inocência. Lula é uma liderança reconhecida no mundo pelos avanços promovidos à frente da Presidência. Hoje, mais do que nunca, nos solidarizamos com Lula, e com seus filhos e netos. Além disso, reforçamos nosso pesar pela morte de sua mulher Marisa Letícia Lula da Silva. Sabemos que haverá Justiça nas outras instâncias do julgamento e que toda a verdade virá à tona. A história será a principal testemunha de sua absolvição e de sua grandeza.

Viva Lula!

Partido dos Trabalhadores

PT


Sentencia íntegra al expresidente Lula da Silva