Especial de Brasil de Fato por el Día Internacional de la Mujer Afrolatinoamericana y Afrocaribeña

NEGRA, SOY! O TOM, A VOZ E A RESISTÊNCIA DAS MULHERES AFROLATINAS E CARIBENHAS

Com perfis e entrevistas, especial do Brasil de Fato revela pluralidade das mulheres negras.

Pelo segundo ano consecutivo a equipe do Brasil de Fato realiza um especial em celebração ao Dia Internacional da Mulher Afro Latina-Americana e Caribenha.Neste ano, o nome do especial “Negra, soy!” faz referência ao poema “Me gritaram negra”, da poeta afro-peruana Victoria Santa Cruz.

No continente marcado pela colonização europeia, reconhecer-se negra é sinônimo de resistência. Negra soy! traz seis perfis de mulheres negras diferentes, escritos por mulheres igualmente negras e, por meio deles, revela um pouco o que é ser um corpo feminino, negro e latino em movimento no mundo.

Além disso, traz duas listas com negras cientistas e inventoras e com mulheres que vem transformando a produção audiovisual assinada por nossa repórter Norma Odara.
É com a primeira mulher negra que pretende disputar uma eleição presidencial na América do Sul que abrimos os trabalhos.

A Afro-colombiana Piedad Córdoba deu uma longa entrevista para nossa chefe de reportagem, Vanessa Martina Silva.Adentrando as fronteiras do Brasil, uma mulher paraense foi responsável pela ideia de reunir todas as mulheres negras em uma grande marcha rumo a Brasília.

Nilma Bentes, que costuma ficar nos bastidores da militância, recebeu nossa correspondente no Pará, Lilian Campelo, para falar sobre como enxerga o Movimento de Mulheres Negras.

Em São Paulo, na Zona Leste, a cozinheira e escritora Priscila Novaes, recebeu nossa editora Juliana Gonçalves para falar sobre a importância das cozinheiras em uma casa de axé e como a comida dos orixás a reconectou com o mundo.

Por fim, também em São Paulo, a repórter Rute Pina conversou com Verônica Bolina, mulher transexual que foi brutalmente violentada pelo estado que contou sobre como conseguiu seguir em frente e reconheceu negra por meio do ativismo. Além dela, a cantora Luedji Luna, dividiu com a reportagem como é ser uma artista negra fazendo o que ela chama de música na perspectiva da cura.

O 25 de Julho foi instituído em 1992 na República Dominicana, depois do primeiro encontro de mulheres negras da América Latina. De lá para cá mulheres negras e latinas de todo mundo começaram a reivindicar a data como forma de pautar as suas especificidades.

Boa leitura!

PIEDAD CÓRDOBA: A mulher que pode ser a primeira negra latina a chegar à presidência
VERÔNICA BOLINA: Transsexual que foi torturada em delegacia em São Paulo (SP) se aproxima da militância e quer voltar aos estudos
LUEDJI LUNA: Cantora baiana se prepara para gravar seu primeiro disco e já ganha reconhecimento no cenário independente
PRISCILA NOVAES: Pesquisadora e produtora cultural descobriu que na religião de matriz africana, cozinheiras são guardiãs do saber
NILMA BENTES: Realidade da população negra na Amazônia e enfrentamento ao racismo são temas da entrevista
Brasil de Fato