Brasil y Chile acuerdan intercambiar información sobre las dictaduras

Dilma e Bachelet combinam troca de informações sobre ditaduras

A presidente Dilma Rousseff e a presidente do Chile, Michelle Bachelet, acertaram nesta quinta-feira (12/06) que ambos os governos trocarão informação sobre violações de direitos humanos ocorridas durante as últimas ditaduras em seus países. O acordo foi assinado durante uma rápida visita de Bachelet a Brasília. As duas irão depois para São Paulo para assistir à partida de abertura da Copa do Mundo.

Fontes oficiais brasileiras disseram à Agência Efe que os dados que o Chile possa apresentar sobre a cooperação que os governos militares de ambos os países tiveram durante a década de 70 serão entregues à Comissão da Verdade, criada por Dilma há três anos com a intenção de esclarecer crimes ocorridos durante a ditadura.

Diplomatas chilenos, por sua vez, explicaram que seu país tem informações sobre brasileiros que foram sequestrados nos primeiros dias do golpe que derrubou o presidente Salvador Allende em 11 de setembro de 1973.

Além disso, tanto no Brasil quanto no Chile existem arquivos que podem ajudar nas investigações sobre a chamada Operação Condor, uma operação mediante a qual as ditaduras que imperavam então no Cone Sul coordenaram a repressão política.

O convênio foi assinado pelos ministros das Relações Internacionais do Chile, Heraldo Muñoz, e do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo, na presença de Dilma e Bachelet, que além de uma forte amizade pessoal têm em comum o fato terem sido perseguidas pelas ditaduras.

Dilma passou dois anos e meio na prisão por supostos vínculos com grupos guerrilheiros contrários ao regime militar, o mesmo que ocorreu com Bachelet após o golpe de Estado liderado pelo general Augusto Pinochet.

CNI

Na reunião realizada em Brasília, também foi assinado um acordo mediante o qual a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Sociedade de Fomento Fabril (Sofofa), equivalente a CNI no Chile, se comprometeram a impulsionar a cooperação entre os setores privados de ambos os países.

Segundo o documento, divulgado pela CNI, ambos os órgãos desenvolverão projetos conjuntos para “ampliar e diversificar” as relações econômicas bilaterais, assim como desenharão “estratégias para melhorar as infraestruturas e reduzir os preços dos fretes”.

No mesmo texto, a CNI mostrou sua intenção de participar como observadora das entrevistas de empresários dos países da Aliança do Pacífico, integrada por Chile, México, Colômbia e Peru. Segundo fontes da CNI, o objetivo é expandir os horizontes comerciais da indústria brasileira além do Mercosul, que o Brasil integra com a Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela.

Após a reunião em Brasília, nem Bachelet nem Dilma falaram com os jornalistas. A presidente brasileira comentou que estavam com pressa para viajar rumo a São Paulo para a abertura da Copa.

Além da presidente chilena, também assistirão à partida de abertura o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e os presidentes de Bolívia, Evo Morales; Equador, Rafael Correa; Paraguai, Horacio Cartes; Uruguai, José Mujica; Suriname, Dési Bouterse; Angola, José Eduardo dos Santos; e do Gabão, Ali Bongo. O vice-presidente Kwesi Bekoe Amissah-Arthur; o emir do Catar, At-Tamim bin Hamad Al- Thani, e o primeiro-ministro da Croácia, Zoran Milanovic, também participarão.

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/35650/dilma+e+bachelet+ combinam+troca+de+informacoes+sobre+ditaduras.shtml