Rousseff propone el despliegue de fuerzas militares para el Mundial

Dilma oferece militares nas ruas para vigiar cidades-sede

O governo Dilma Rousseff ofereceu homens do Exército para atuar nas ruas e ajudar no patrulhamento das 12 cidades-sede da Copa.

A capital paulista, onde será realizada a abertura do evento, no próximo dia 12, já aceitou a oferta. Serão 4.000 homens, que também irão atuar nas cidades do interior que vão abrigar seleções.

O Rio ainda não aceitou, mas o tema está sendo discutido pela cúpula da Segurança e a tendência é que o reforço seja confirmado.

As Forças Armadas acreditam que os outros Estados também aceitarão a ajuda. Analistas entendem que nenhum deles irá recusar e correr o risco de ser responsabilizado por algum problema que venha a acontecer.

Dilma destacou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, o general José Carlos De Nardi, para percorrer as outras cidades e apresentar a proposta.

O plano é diferente da ideia inicial, em que a presença militar seria restrita à segurança de estruturas estratégicas.

Agora, os militares estarão espalhados em pontes, viadutos e vias de acesso às cidades-sede. As tropas também ficarão ao longo de rotas e ao redor de hotéis usados por autoridades e chefes de Estado, em aeroportos e outros pontos estratégicos.

Os militares, porém, não irão trabalhar diretamente no combate ao crime ou nas manifestações –sua presença nas ruas será para aumentar a sensação de segurança.

As tropas federais ficarão subordinadas aos centros de comando regionais da Copa, coordenados pelos secretários estaduais de Segurança, mas que contam com representantes da PF e Exército.

O governo usará os 21 mil militares que, inicialmente, ficariam aquartelados como equipe de contingência para atuar durante o Mundial.

Eles repetirão em escala nacional o plano das Forças Armadas desenvolvido na segurança de chefes de Estado, durante a Rio+20, em 2012.

Na ocasião, os militares foram vistos de prontidão por toda a cidade do Rio. Não serão usados tanques nas ruas.

Nesta segunda (2), o secretário da Segurança de São Paulo, Fernando Grella, reuniu-se com Cardozo e De Nardi para acertar detalhes. O acordo foi noticiado pelo jornal “O Estado de S. Paulo”.

“Que fique claro: o Exército não vai ter atuação operacional, é simplesmente presença ostensiva para mostrar, estar presente, apoiando as atividades que continuarão sendo da PM”, disse Grella.

Ele também afirmou que os militares não irão atuar em manifestações e que eventual ação “depende de pedido do governador”.

O general De Nardi disse se tratar de ação preventiva, mas que, “no caso de eles serem atacados, irão se defender”.

Desde março, Dilma já discutia com assessores a possibilidade de que os militares tivessem maior atuação na Copa, mas a ideia vinha desagradando a alguns setores.

A possibilidade de greves de policiais em alguns Estados e o temor de delegações estrangeiras no quesito segurança levaram a presidente a levar o plano adiante.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/169152-dilma-oferece-militares-nas-ruas-para-vigiar-cidades-sede.shtml