Brasil será sede de los primeros Juegos Mundiales Indígenas

129

Encontro debate divulgação dos Jogos Indígenas no exterior

O presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Vicente Neto, reuniu-se esta semana com o prefeito de Palmas (TO), Carlos Amastha. O encontro teve como objetivo debater a divulgação dos Jogos Mundiais Indígenas (JMI) no exterior.

Os Jogos acontecerão de 15 a 27 de setembro, na capital tocantina, com a presença de mais de dois mil atletas de 30 países. “Dando continuidade à parceria de sucesso estabelecida com o Ministério do Esporte, propomos a realização de ações de promoção turística do Brasil no mercado internacional, por meio do apoio à divulgação dos I Jogos Mundiais dos Povos Indígenas”, disse Vicente Neto.

Na reunião, o presidente da Embratur reafirmou que realizar os Jogos no Brasil é uma oportunidade para mostrar ao mundo toda a nossa diversidade, além de valorizar a riqueza cultural dos povos indígenas. “O sucesso desse evento se converterá em importante promoção internacional do País, com resultados positivos para a imagem do Brasil e tem grande perspectiva de inserção de destinos turísticos do Estado do Tocantins e de outras regiões brasileiras”, disse ele.

O intuito agora é associar a promoção do Brasil às manifestações culturais indígenas mais representativas (a gastronomia, a música, a dança e o artesanato) como ferramentas de fortalecimento da imagem do País como destino turístico único.

Para cumprir o objetivo, a Embratur vai intensificar a presença da cultura indígena na feira ITB (International Tourism Bourse), em Berlim (Alemanha), de 4 a 8 de março, com ações especificas junto aos operadores e agentes de viagens, imprensa especializada e formadores de opinião. A proposta é ter um espaço de exposição da cidade de Palmas dentro do estande do Instituto, além de apresentação cultural de grupo indígena.

Crescimento

Dos turistas alemães que vem ao Brasil a lazer, quase 40% procuram o segmento Natureza, Ecoturismo e Aventura. “O apoio da Embratur é fundamental para o sucesso dos Jogos. Todo o estado de Tocantins tem um enorme potencial turístico que precisamos promover, além dos já conhecidos Jalapão e o artesanato com capim dourado. Temos cidades históricas e inúmeros locais para o Turismo de Aventura”, destacou o prefeito de Palmas, Carlos Amastha.

Também está prevista a participação da capital tocantinense em ações de relacionamentos com a imprensa internacional durante a feira e workshop para apresentar os Jogos Mundiais Indígenas ao público de interesse.

Outras iniciativas

A parceria com Embratur teve início em 2014, com a divulgação do evento durante a realização das feiras WTM – World Travel Market, em Londres (Inglaterra), e na EIBTM, em Barcelona (Espanha).

Com o mote “Em 2015, somos todos indígenas”, a capital do Tocantins está se preparando para receber atletas de dezenas de etnias de todo o mundo. Foi criada a Secretaria Extraordinária dos Jogos Mundiais Indígenas, responsável por toda a organização do evento.

Além dos indígenas das Américas, também estarão presentes os povos da Austrália, Japão, Noruega, Rússia, China e Filipinas. Do Brasil, cerca de 22 etnias devem participar da competição. Apenas no Tocantins existem sete etnias com uma população aproximada de 10 mil pessoas. Tiro com arco e flecha, arremesso de lança, cabo de força, corrida de velocidade rústica (100m), canoagem rústica tradicional, corrida de tora, lutas corporais, futebol de campo, xikunahati (futebol de cabeça), natação e atletismo estão entre as modalidades que serão disputadas em Palmas.

Os Jogos dos Povos Indígenas surgiu no Brasil em 1996, em Goiânia, realizado pelo Comitê Intertribal Memória e Ciência Indígena, com apoio do governo federal. Desde então, 13 edições nacionais já ocorreram. Agora, será a primeira vez que os Jogos serão mundiais.

Portal Brasil

Más notas sobre el tema