Brasil: el PBI cierra el tercer trimestre con una caída del 1,7%

PIB cai 1,7% no terceiro trimestre deste ano

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro fechou o terceiro trimestre de 2015 com queda de 1,7% em relação ao trimestre imediatamente anterior, segundo informações divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (1). Trata-se da maior retração da economia do país em terceiros trimestres desde o início da série histórica, em 1996.

Após revisão, o IBGE também informou que o recuo do PIB no segundo trimestre deste ano foi de 2,1% ante os primeiros três mese. Inicialmente, o instituto havia divulgado queda de 1,9%.

Se comparado com igual período de 2014, a queda do terceiro trimestre deste ano chega a 4,5%, sexta retração consecutiva nesta base de comparação e pior resultado desde 1996. O indicador contrariou expectativas do mercado, que esperava, em média, recuo de 4,2%. Nos últimos 12 meses, o PIB brasileiro acumula queda de 2,5%. No ano, baixa é de de 3,2%.

Em valores correntes, o PIB do Brasil somou R$ 1,481 trilhão entre os meses de julho e setembro deste ano. Deste montante, R$ 1,267 trilhão se refere ao Valor Adicionado e R$ 214,2 bilhões são relativos aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios.

Na análise dos subsetores da economia, a agricultura teve retração de 2,4% no período analisado pelo IBGE, a indústria caiu 1,3% e o setor de serviços registrou queda de 1%. As exportações cederam 1,8% e as importações diminuíram 6,9%, ambas na comparação com o trimestre imediatamente anterior.

Consumo

O consumo das famílias caiu 1,5% no terceiro trimestre de 2015, ante a baixa de 2,4% registrada no período imediatamente anterior. Na comparação com iguais meses de 2014, o indicador desceu 4,5%.

A demanda do governo subiu 0,3%, contrariando projeções de analistas que esperavam a estabilidade. Nos três meses anteriores, o indicador marcou alta de 0,7%. Na comparação anual, porém, os gastos da administração pública declinaram 0,4%.

Investimentos, poupança e financiamentos

A taxa de investimento respondeu por 18,1% do PIB entre julho e setembro deste ano. Em igual período de 2014, ela correspondia a 20,2%.

Já a taxa de poupança equivaleu a 15% no terceiro trimestre de 2015, ante os 17,2% registrados no ano anterior.

A necessidade de financiamento no Brasil correspondeu a R$ 39,9 bilhões nos três meses terminados em setembro deste ano. No terceiro trimestre de 2014, correspondia a R$ 60,2 bilhões.

Jornal do Brasil