Brasil: entra en su fase decisiva el juicio que puede derivar en la salida de Temer

102

Contexto Nodal
El diario O Globo reveló que, en una grabación, el presidente Michel Temer avaló la compra del silencio del ex jefe de la Cámara de Diputados, Eduardo Cunha, para ocultar la corrupción en Petrobras. Cunha está condenado a 15 años de prisión por su participación en el caso de la petrolera estatal. La oposición pide la renuncia del mandatario y que se convoque a elecciones directas.

Suspenso en Brasil por el juicio electoral que podría acabar con el mandato presidencial de Michel Temer

El juicio que podría anular el mandato del presidente brasileño Michel Temer entró este jueves en su tercer día con prolongadas discusiones entre los jueces, que parecen apuntar a una absolución del mandatario, investigado en paralelo por corrupción.

Inicialmente, estaba previsto que los siete magistrados del Tribunal Superior Electoral (TSE) determinaran este jueves si la elección de 2014 en la que fue reelecta la fórmula presidencial Dilma Rousseff (PT, izquierda)-Michel Temer (PMDB, centroderecha) debía ser invalidada por “abusos de poder” y “financiación ilegal” durante la campaña.

Pero este proceso histórico -cuyas primeras denuncias se remontan a 2014, mucho antes de que Temer reemplazara a la destituida Rousseff en 2016- no es amante de las prisas: la expectativa, ahora, es que el juicio pueda alargarse hasta el fin de semana. Y no se excluye que alguno de sus jueces pida una “vista” (suspensión) para analizar mejor el expediente.

Para muchos brasileños este pleito es la vía de salida más inmediata para el Presidente, quien además de este juicio es investigado por corrupción, organización criminal y obstrucción a la justicia en la Corte Suprema. Pero esta posibilidad parece irse alejando.

¿Mayoría para Temer?

En las primeras sesiones, los jueces del TSE han discutido extensamente el pedido de la defensa de excluir como pruebas las delaciones premiadas de exejecutivos de la constructora Odebrecht.

Esas declaraciones contienen las acusaciones más graves contra la fórmula presidencial, pero no figuraban en las acciones judiciales iniciales.

“El juez no puede valerse de elementos extraños a la demanda”, dijo Tarcísio Vieira, uno de los dos magistrados recientemente nombrados por Temer.

El fundamento del proceso es “mantener la estabilidad del sistema”, manifestó el presidente del TSE, Gilmar Mendes, que ha pedido “moderación” a sus colegas por la relevancia que podría tener para el gigante sudamericano perder a un presidente por segunda vez en poco más de un año.

Juristas consultados aseguran que, por lo escuchado hasta ahora, parece que 4 de los 7 jueces del TSE serían favorables a retirar las pruebas, lo cual aumentaría la posibilidad de absolver a Temer por falta de elementos.

Esa versión llegó a los diarios locales. “La mayoría del TSE indica voto contra la inclusión de las delaciones de Odebrecht en el juicio”, tituló O Globo. El Jornal do Brasil se manifestó en el mismo sentido: “TSE: la mayoría de los jueces indica que pueden votar en contra de la inclusión de las delaciones”. Por su parte, Folha de S.Paulo informó que “las manifestaciones preliminares en el TSE indican la victoria de Temer por 4 a 3”.

Así las cosas, a pesar de que se espera que el relator del caso, Herman Benjamin, vote para anular la elección de 2014 al retomar la sesión esta tarde, cada vez más analistas consideran que Temer podría llegar a salvarse en el TSE.

Los Fantasmas del presidente

“Si el TSE decidiera absolver a Temer esta semana, las posibilidades de que él no acabe su mandato caerían considerablemente de 60% a 30%”, dijo el miércoles Eurasia Group.

Sin embargo, la consultora subrayó que hay otro factor explosivo para al presidente: la investigación de la fiscalía y en manos del Supremo Tribunal Federal (STF) en base a las declaraciones premiadas de ejecutivos del gigante cárnico JBS.

Se trata de la pesquisa paralela por corrupción que estalló cuando se filtró a la prensa una grabación hecha por el dueño de JBS, Joesley Batista, en la que Temer parece dar aval al pago de un soborno.

Desde que ese audio salió a la luz hace tres semanas, la suerte del mandatario pende de un hilo.

El viernes en la tarde, en esa causa, vence el plazo para que Temer entregue por escrito al STF las respuestas a un largo y comprometedor interrogatorio sobre el caso, que le llegaron en la víspera del juicio electoral que hoy comienza su tercera sesión.

Además, esta semana se supo que Temer usó un jet privado de Batista para trasladar gratuitamente su familia en 2011, cuando era vicepresidente.

El fiscal general, Rodrigo Janot, podría presentar formalmente cargos contra el mandatario en cualquier momento, aunque esa demanda debería ser aprobada por la Cámara de Diputados.

Pero hay más frentes abiertos que preocupan a Temer.

De un lado, hay un gran temor de que su cercano exasesor Rodrigo Rocha Loures, detenido por corrupción, haga una delación premiada con la Justicia.

Y, por otra parte, su principal socio de Gobierno, el PSDB, debe decidir el lunes si lo abandona, con la vista puesta en las elecciones de 2018.

Con cuatro ministros, entre ellos el canciller y el secretario de Gobierno, el PSDB es clave en el Congreso para el avance de la mayor bandera de Temer: sus reformas para sacar a Brasil de la peor recesión de su historia.

El partido “no necesita tener cargos y ministerios para continuar apoyando las reformas”, ha matizado el presidente del partido Tasso Jereissati.

Pero el líder del PSDB en el Senado, Ricardo Tripoli, dijo que en la cámara hay unanimidad de que “Temer no consigue terminar el Gobierno”.

Desafiante, Temer se mostró convencido de todo lo contrario el miércoles.

“Conduciremos el gobierno hasta el 31 de diciembre de 2018”, prometió ante medio millar de empresarios, apoyándose en el crecimiento económico en el primer trimestre del año.

Si las proyecciones de Temer fallan y cae, el Congreso debería elegir al nuevo presidente en un plazo de 30 días, para completar el mandato hasta fines de 2018.

¿Quién podría sucederlo?

En el caso hipotético de que Temer no sea más presidente, la Constitución de ese país determina que el camino sucesorio será por la vía indirecta.

“Son los diputados y senadores, que están muy comprometidos con el caso Lava Jato y JBS, los que deberían resolver quién es el próximo jefe de Estado de Brasil hasta las elecciones de 2018”, apuntó Gustavo Segré, CEO de Center Group.

En esta carrera, el experto anotó varios candidatos a reemplazarlo:

-Nelson Jobim, ex ministro de la Corte y gran amigo de Lula da Silva.

-Fernando Henrique Cardoso, expresidente que, con más de 80 años, dijo que no tiene ganas de volver al primer plano de la política nacional

-Henrique Meirelles, actual ministro de Economía que, según Segré, “le podría dar una tranquilidad al mercado para avalar la actual política económica”. Sin embargo, “tiene en su contra que desde 2012 hasta 2016 se desempeñó como presidente del grupo JBS”, afirmó el analista.

En paralelo, y dentro del propio Congreso, dos nombres ganan fuerza:

-El del titular de la Cámara de Diputados, Rodrigo Maia.

El problema es que “está siendo investigado por el caso Lava Jato y tiene en contra que es una persona muy joven y no tiene experiencia para manejar a tantos caciques”, apuntó Segré.

-Por otro lado, suena el nombre del actual senador del PSDB, Tasso Ribeiro Jereissati. “Si bien manifestó su interés de ayudar a la república, tiene dificultades de salud”, indicó el experto.

IProfesional


Temer acompanha julgamento no gabinete, pela TV e junto com ministros

El presidente Michel Temer acompanhou no gabinete, acompanhado de ministros, a sessão da manhã desta quinta-feira (8) do julgamento da ação que pede a cassação da chapa formada por ele e pela ex-presidente Dilma Rousseff na eleição de 2014

A agenda desta quinta do presidente só registra “despachos internos ” e até gravações que estavam programadas para os canais oficiais do governo foram suspensas.

O presidente chegou ao Palácio do Planalto por volta das 9h . Ministros que têm gabinete no Planalto foram chamados ao gabinete presidencial e se revezaram ao lado do presidente, assistindo pela TV a transmissão do julgamento.

Câmara

O julgamento no TSE é uma das batalhas que Temer enfrenta. Se o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar denúncia contra o presidente com base nas delações dos donos da empresa JBS, ele precisará dos votos de pelo menos 172 deputados na Câmara, que tem de autorizar ou não o prosseguimento da denúncia. Se autorizar, o presidente será julgado no Supremo Tribunal Federal.

Nesta quinta, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que, se a denúncia for apresentada, será encaminhada no prazo de duas sessões à Comissão de Constituição e Justiça. Em seguida, a defesa terá dez dias para se manifestar, e o relator, cinco sessões para apresentar seu relatório, antes de o caso ser levado para o plenário.

“Não temos a denúncia ainda. Vamos aguardar para ver se o dr. Janot vai apresentá-la. Apresentando, a Câmara dos Deputados vai analisar”, disse Maia.

Globo


Temer: ‘Vamos conduzir o governo até 31 de dezembro de 2018’

O presidente Michel Temer voltou a afirmar nesta quarta-feira (7), em meio a uma cerimônia no Palácio do Planalto, que conduzirá o governo federal até 31 de dezembro de 2018, data em que se encerra, oficialmente, seu mandato presidencial.

No mesmo momento em que o presidente fez a afirmação, os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) davam andamento ao julgamento que pode cassar o mandato de Temer.

Na semana passada, em um evento com empresários em São Paulo, o presidente já havia tentado demonstrar otimismo afirmando que a trajetória de seu governo não será “interrompida” e que ele chegará ao final de 2018 com a “casa em ordem”.

Na manhã desta quarta, o TSE deu prosseguimento ao julgamento da ação apresentada pelo PSDB, em 2014, contra a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer. Se forem condenados pela Corte eleitoral, Dilma pode ficar inelegível por oito anos, e Temer pode ser deposto da Presidência da República.

O julgamento, que teve início em abril, foi retomado na noite desta terça (6). Na manhã desta quarta, houve nova sessão para analisar o processo. O julgamento seguirá pelos próximos dias.

“É com satisfação extraordinária que posso dizer que vocês dão injeção de otimismo para o nosso país. É com esta aura, animação, vigor que esta solenidade produz no governo que nós vamos conduzir o governo até 31 de dezembro de 2018”, declarou o presidente ao finalizar seu rápido discurso na cerimônia de anúncio do Plano Safra 2017/2018.

Ao longo da declaração, Temer não fez qualquer menção ao julgamento em andamento no TSE. Apesar de ter optado por manter silêncio sobre a ação que pode cassar o seu mandato, o peemedebista tem acompanhado com atenção os desdobramentos na Corte eleitoral.

Na noite desta terça, o presidente chegou a cancelar de última hora uma agenda pública para assistir pela televisão, cercado de aliados políticos, a retomada do julgamento no Tribunal Superior Eleitoral.

Plano Safra

Na solenidade desta quarta-feira no Planalto, Michel Temer anunciou a liberação de R$ 190,25 bilhões para o Plano Safra 2017/18. O plano é uma linha de crédito destinada ao médio e grande produtor. O valor estará disponível a partir de julho.

No último Plano Agrícola e Pecuário, o governo havia anunciado a liberação de R$ 202,88 bilhões, mas após contingenciamento, o valor caiu para R$ 185 bilhões.

Segundo o Ministério da Agricultura, além de elevar o valor disponível para o financiamento, o Plano Safra 2017/18 também terá juros menores, variando de 6,5% ao ano a 8,5% ao ano.

Reformas

Também presente à cerimônia, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, defendeu a aprovação das reformas trabalhista e previdenciária pelo Congresso Nacional, apesar da crise política no governo. Para ele, o país deve resolver esses temas ainda durante a gestão Temer, para evitar a discussão no mandato de um novo presidente.

“Eu espero que o Congresso Nacional consiga separar as coisas que estão acontecendo. Uma coisa é a política, e outra são as investigações”, afirmou. “Tudo o que for feito agora evite que tenha de se discutir em 2019 é um avanço para o Brasil”, completou.

Além do julgamente no TSE, Temer também enfrenta investigações, na Lava Jato, por obstrução à Justiça, corrupção passiva e organização criminosa. Se for denunciado pela Procuradoria-Geral da República, o presidente terá o destino definido pelo Congresso, que decide se aceitará ou não as acusações.

Para Maggi, o presidente “tem dois momentos” pela frente. “Agora, que é esta questão do TSE, que se define por um ou dois dias, e depois Congresso Nacional, para conduzir o restante das coisas.” Ele defende que as reformas aconteçam “no caminho” entre esses dois momentos.

O Globo


Temer admite uso de avión privado del empresario que lo denunció por sobornos 

Temer confirma que viajou com a família em avião de dono da JBS

O presidente Michel Temer (PMDB) e a primeira-dama, Marcela Temer, viajaram para Comandatuba, local turístico na Bahia, utilizando um avião particular do empresário Joesley Batista, dono da JBS, e autor de delações que comprometeram o peemedebista e o levaram a ser investigado pela Polícia Federal, em inquérito que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

A admissão da viagem foi feita nesta quarta-feira pelo Palácio do Planalto, que, em nota oficial, disse que Temer usou uma “aeronave particular” para a viagem com sua família, em janeiro de 2011, ainda como vice-presidente, mas que não pagou por ela nem sabia a quem pertencia. O voo está no diário de bordo do avião particular de Joesley entregue pelo empresário ao Ministério Público Federal para confirmar a relação próxima que tinha com o presidente.

“O então vice-presidente Michel Temer utilizou aeronave particular no dia 12 de janeiro de 2011 para levar sua família de São Paulo a Comandatuba, deslocando-se em seguida a Brasília, onde manteve agenda normal no gabinete. A família retornou a São Paulo no dia 14, usando o mesmo meio de transporte. O vice-presidente não sabia a quem pertencia a aeronave e não fez pagamento pelo serviço” diz a nota.

Na noite de terça-feira, quando foram publicadas as primeiras informações de que o presidente e sua família teriam viajado a Comandatuba no avião particular de Joesley, o Planalto, então, negou que Temer tivesse sequer ido ao local turístico naquele mês. Em nota, o Planalto informou que “o então vice-presidente Michel Temer não foi a Comandatuba em janeiro de 2011”. Teria ido apenas em abril, para um evento do grupo Lide [então liderado pelo empresário João Doria, ontem prefeito de São Paulo], usando um avião da FAB (Força Aérea Brasileira). Em janeiro, informou o Planalto, Temer teria ido apenas a Porto Alegre, também em um voo da FAB.

No diário de bordo está descrita uma viagem de São Paulo a Comandatuba em 12 de janeiro daquele ano, em que os passageiros aparecem como “família Sr. Michel Temer”. Dois dias depois, o avião buscou a família do presidente em um resort em Comandatuba e a deixou no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Veja


Cuatro claves para entender la situación judicial de Michel Temer

¿Qué juicio enfrenta actualmente y por qué?

El presidente de Brasil, Michel Temer, enfrenta un juicio sobre la legitimidad de las elecciones realizadas en 2014 que definieron la reelección de Dilma Rousseff y del entonces vicepresidente. El juicio fue iniciado en el Tribunal Superior Electoral (TSE) en abril de este año y se retomó este martes.

La primera de las audiencias fue para escuchar la acusación y luego el descargo de las defensas de Dilma Rousseff y de Temer. En la acusación se señaló que existen “incontables” elementos y testimonios que prueban que la campaña de ambos constituyó “un innegable abuso de poder económico y político”.

El mecanismo de financiación de la campaña está vinculado con fondos de la petrolera estatal Petrobras, lo que dio margen al mayor escándalo de corrupción de la historia y a la investigación denominada “Lava Jato” (lavadero de autos), que desde Curitiba encabeza el juez anticorrupción, Sergio Moro.

Los siete integrantes que forman parte del TSE deberán determinar si Rousseff y Temer cometieron efectivamente los delitos de los que se los acuso en la denuncia.

Se estipula que el juicio del actual presidente terminará este jueves, pero distintos analistas creen que puede extenderse algunas semanas, si uno de los jueces se ampara en el pedido “de vista” para analizar el expediente con mayor nivel de detalle.

¿La investigación por corrupción está dentro del proceso judicial?

El Supremo Tribunal Federal (STF) inició una investigación por corrupción, organización criminal y obstrucción de la justicia por fuera del juicio. Esto sucedió luego de que se diera a conocer una grabación realizada el 17 de mayo por el empresario Joesley Batista en donde Temer parece avalar el pago de coimas al expresidente de la Cámara de Diputados, Eduardo Cunha.

El actual presidente debía responder este martes un cuestionario de 82 preguntas sobre ese caso pero consiguió una prórroga hasta el viernes para hacerlo.

Entonces, ¿qué puede llegar a pasar?

Hay varias posibilidades. Una es que se acepte la denuncia en su totalidad, se anule la elección de 2014 y el mandato de Temer, por lo que se deberá resolver si deja el cargo inmediatamente o no.

Otra de las posibilidades es que se desestimen las acusaciones que pesan en contra del presidente brasileño y que se archiven las actuaciones que están en curso.

A su vez, el Tribunal Supremo Electoral (TSE) puede rechazar las acusaciones parcialmente y decidir, por ejemplo, que Dilma Rousseff es la culpable porque Temer no estaba al tanto de nada.

O que el tribunal devuelva el caso a la fase de verificación de pruebas, con lo cual el proceso judicial se puede extender más de lo previsto.

A pesar de esto, el jefe de Estado volvió a descartar su renuncia o la posibilidad de que los tribunales recorten su mandato en una ceremonia oficial este miércoles en la que anunció un plan millonario de créditos para el sector agropecuario.

Si Temer deja el cargo, ¿habrá elecciones?

No. En ese caso, el Congreso será quien elija al sustituto en un plazo de 30 días para completar el mandato de la ley electoral constitucional que habilita elecciones directas.

El Observador


TSE retoma julgamento da chapa Dilma-Temer com “maratona” até sábado

P julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pode cassar a chapa Dilma-Temer e pôr fim ao breve mandato de presidente peemedebista entra, nesta quinta-feira (8/6), em seu terceiro dia. Nas duas sessões anteriores, a Corte Eleitoral se limitou a analisar questões preliminares apresentadas no processo pelas defesas de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) — sete até agora. O debate será retomado na manhã de ontem, às 9h, e a expectativa é de que a discussão já avance para o mérito e tome todo o dia.

Duas, das três preliminares levadas ao plenário da Corte Eleitoral na quarta-feira (7/5), ficaram com julgamento pendente: uma trata do cerceamento de defesa e a outra da extrapolação do objeto da ação devido ao que se denominou “fase Odebrecht”, com o depoimento de executivos da empreiteira. O relator, Herman Benjamin, votou para rejeitar ambas. Os demais ministros deverão decidir sobre a questão nesta quinta (8).

Na tentativa de dar um desfecho ao caso ainda nesta semana, os ministros marcaram sessões extras para quinta (8), sexta (9) e sábado (10). Os julgamentos estão previstos para ocorrer, em cada dia, das 9h às 12h, das 14h às 18h e a partir das 19h — indicativo da boa vontade dos ministros em solucionar a ação sem um possível pedido de vista.

Embates

O segundo dia de julgamento foi marcado por embates entre os ministros Herman Benjamin e Gilmar Mendes, presidente da Casa. Gilmar interrompeu a fala do relator enquanto o ministro defendia a decisão de incluir no processo depoimentos de delatores da Operação Lava Jato.

Herman Benjamin defendeu o uso de delações como prova e refutou a tese dos advogados de defesa sobre cerceamento de defesa. “O que se quer é que o TSE feche os olhos à prova da Odebrecht”, afirmou. Segundo ele, “só índios isolados da Amazônia não souberam da delação”. E afirmou com convicção que a “Odebrecht foi o maior parasita da Petrobras”.

Gilmar Mendes interrompeu o colega. Para o presidente da Corte, esse argumento é “falacioso” e, daqui a pouco, o relator vai querer incluir a delação do grupo JBS ou “na semana que vem”, a delação do ex-ministro Antonio Palocci, que ainda sequer foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “Só uma provocação”, disse.

Nesta quinta, as atenções estarão voltadas para os ânimos de Gilmar e Herman, especialmente no momento em que o relator proferir seu voto.

As acusações

A Corte Eleitoral decide se houve abuso de poder político e econômico na campanha encabeçada por Dilma Rousseff em 2014, quando Temer era candidato à vice-Presidência. Segundo o PSDB, a chapa teria recebido doações de empreiteiras contratadas pela Petrobras com dinheiro oriundo de propina.

Ainda de acordo com os autores do processo, houve desvio de finalidade em pronunciamentos oficiais feitos em cadeia nacional. A acusação é de que programas de rádio e tevê teriam sido utilizados para promoção pessoal de Dilma e Temer.

Metropoles


PSDB avalia que Temer não concluirá mandato, diz líder na Câmara

Ganhou força nas bancadas do PSDB na Câmara e do Senado, nesta quarta-feira (7), a movimentação para um desembarque do governo de Michel Temer. Senadores e deputados do partido, que é o principal aliado do PMDB no governo, se reuniram separadamente para avaliar o quadro político.

“Conversei com os senadores e a maioria deles defende a saída do governo e a entrega dos ministérios, mantendo o apoio à agenda [reformas]”, disse o líder da sigla na Câmara, Ricardo Tripoli (SP).

“Alguns acham que não é o momento de sair. Mas há uma unanimidade, ou são quase todos, que acham que o Michel Temer não consegue terminar o governo.”

As declarações foram dadas logo após reunião da bancada de deputados. Outros tucanos relataram haver divisão, mas mesmo alguns dos que defendem a manutenção do apoio a Temer afirmam que a tendência é a de que o partido saia da base do governo.

O PSDB fará uma reunião “estendida” na próxima segunda-feira (12) para debater o assunto.

O encontro ocorreria nesta quinta (8), mas acabou sendo adiado para aguardar a conclusão de um julgamento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que pode resultar na cassação de Temer.

Mesmo a atual expectativa de absolvição da chapa Dilma-Temer no tribunal não deve alterar a tendência de desembarque.

O presidente do partido, senador Tasso Jereissati (CE), disse nesta quarta que “não vai parar de ter fato novo” contra Temer e que segunda é o “limite” para essa decisão.

O partido vem adiando há quase um mês a decisão sobre sua permanência. Os tucanos têm hoje quatro ministérios: Relações Exteriores, Cidades, Secretaria de Governo e Direitos Humanos, e correspondem à segunda maior sigla da base, ficando atrás apenas do PMDB de Temer.

Tasso, que até então vinha se mantendo como defensor da manutenção do partido no governo, deu sinais de que a posição pode ser revista. Após um almoço com a bancada do partido no Senado, afirmou que a legenda “não precisa ter cargo e ministérios para continuar apoiando as reformas”.

Um tucano disse à reportagem que ao permanecer como principal aliado do Palácio do Planalto, o PSDB pode “perder o bonde da história”.

De acordo com um dos presentes, o movimento de desembarque, que era mais forte entre os deputados, “ganhou” o presidente do partido. A decisão dele de chamar para a reunião dirigentes estaduais também reforça o movimento pró-saída.

O recuo do governo sobre Temer ter viajado em um jatinho particular para a Bahia em 2011, também pesou na visão de tucanos.

Na terça (6), o Palácio do Planalto negou a afirmação do empresário Joesley Batista, de que ele emprestou um avião para a família do presidente viajar ao litoral baiano.

Inicialmente, o Palácio disse que a viagem havia sido feita em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira). No dia seguinte, admitiu que o presidente voou em uma aeronave particular. Contudo, disse desconhecer o proprietário do avião.

DENÚNCIA

Nos bastidores, tucanos dizem o desembarque é um “caminho natural” e que forçar os parlamentares a permanecer na base pode implicar em alto custo político.

Para um tucano, que falou à Folha em condição de anonimato, seria sacrificar o partido exigir dos deputados que votem de forma contrária a um eventual recebimento de denúncia de Temer, por exemplo.

A visão se deve ao fato de que a PGR (Procuradoria-Geral da República) deve apresentar em breve o pedido de uma investigação penal contra o presidente. Neste caso, como previsto à Constituição, é necessária a aprovação da Câmara por dois terços dos deputados.

Folha de S. Paulo


Lançamento de Frente Suprapartidária aumenta pressão sobre Congresso por “Diretas Já”

Enquanto o presidente golpista, Michel Temer (PMDB), é julgado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e está sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), parlamentares do PT, PCdoB, Psol, PDT, Rede e PSB se uniram para lançar, nesta quarta-feira (07), a Frente Suprapartidária por Eleições “Diretas Já”. O objetivo é ampliar a mobilização de movimentos sociais e da sociedade civil organizada para garantir que a pressão das ruas leve o Congresso Nacional a aprovar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que garanta a votação popular caso o presidente da República saia do cargo.

Coordenador da Frente das #DiretasJá, senador Capiberibe, pede mobilização por todo o país - Créditos: Lula Marques | AGPT

Para o coordenador da Frente, senador João Capiberibe (PSB-AP), só o desejo popular pode garantir as eleições diretas. “Já existe um movimento muito forte no sentido de convencimento para construir uma maioria, mas para isso, precisamos de uma mobilização da sociedade. Se não houver uma ampla mobilização em torno de uma única bandeira, nós não vamos conseguir sensibilizar o Congresso”, afirmou.

Uma das estratégias traçadas é envolver assembleias legislativas, câmaras de vereadores, sindicatos e entidades civis nos estados para fazer o movimento descer e conscientizar a população. Por isso, o senador fez um apelo aos apoiadores da Frente Suprapartidária para “espalhar” a mobilização com a formação de comitês locais. “Vamos formar comitês das ‘Diretas Já’ para que eles venham bater na porta dessa Casa e exigir que o Congresso tome rumo”, exaltou.

Na avaliação de Capiberibe, o voto popular é a maneira de reconciliar a nação brasileira e superar a crise política vivida pelo país. “O governo Michel Temer está esgotado, não existe mais, ele passa os dias tratando de estratégia para se defender na Justiça, responde a vários inquéritos, está sendo investigado, é o suspeito número um da República”.

“A única alternativa que consideramos viável para a sociedade brasileira é a eleição direta”, reforçou. De acordo com o senador, já há um movimento no Parlamento para o convencimento de deputados de partidos da base aliada do governo Temer a aderirem às “Diretas Já” e, em sua visão, o movimento pode crescer com a pressão das ruas.

Em sua fala, a presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), fez uma alerta de que é preciso desmistificar a versão de que aprovar as eleições diretas seria mais complicado e demorado do que indiretas: “O tempo que vai demorar para votar a PEC é o mesmo para regulamentar a eleição indireta”, disse.

Contra as reformas

No evento, que também contou com a participação de representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), da União Nacional dos Estudantes (UNE) e outras entidades, também houve veemente protesto contra as reformas previdenciária e tributária e demais medidas impopulares e desastrosas para o país já adotadas pelo governo Temer.

Em seu discurso, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) defendeu não só as diretas, mas a realização de um referendo popular para revogar essas medidas. Requião ainda exortou a Frente Suprapartidária a aumentar a mobilização em torno da Greve Geral marcada para o dia 30 de junho, já que a paralisação irá reforçar o apelo por eleições diretas.

PEC das Diretas Já

Atualmente, a Constituição só admite eleição direta para suprir a vacância do vice e presidente da República se isso ocorrer nos dois primeiros anos de mandato. Se eles ficarem vagos nos dois últimos anos do mandato presidencial, o texto constitucional determina a convocação de eleição indireta, em 30 dias, para que o Congresso Nacional escolha os novos presidente e vice-presidente da República que deverão concluir o mandato em curso. A eleição indireta para escolha do presidente da República está prevista no Artigo 81 da Constituição mas, a sua regulamentação ainda não foi feita.

A PEC 67/2016 do Senado, que está mais adiantada em sua tramitação, foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. Relatada pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ), a proposta determina a realização de eleição direta para presidente e vice-presidente da República em caso de vacância desses cargos nos três primeiros anos do mandato presidencial.

Na Câmara, a PEC 227/2016, do deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), que prevê eleições diretas, exceto nos seis últimos meses do mandato, está parada na CCJ da Casa, após duas tentativas de votação. A oposição pretende votar a matéria na próxima semana.

Para ser aprovada pelo Congresso, uma emenda constitucional precisa ser votada em dois turnos, com intervalo de cinco sessões entre uma e outra votação, e por três quintos dos parlamentares, após dois turnos de discussão (1º turno tem cinco sessões e 2ª turno tem três sessões) – 49 votos no Senado e 308 votos na Câmara.

Brasil de Fato

Más notas sobre el tema