Brasil: convocan a marchas y huelgas en apoyo a la candidatura de Lula y un juez le prohíbe salir del país

Contexto NODAL
Lula fue condenado por los tres jueces del tribunal de segunda instancia quienes aumentaron la pena de nueve años y seis meses a 12 años y un mes de prisión por corrupción pasiva y lavado de dinero en el marco de la causa Lava Jato. Se lo acusa de haber recibido un departamento en el balneario paulista de Guarujá en carácter de soborno por parte de la constructora OAS. Lula denuncia falta de pruebas y persecución política. Si se ratifica la condena, es probable que no pueda competir en los comicios presidenciales de 2018.

PT de Brasil convoca a movilizaciones en apoyo a Lula

El Partido de los Trabajadores (PT) de Brasil convocó este jueves a una campaña de movilizaciones en apoyo y solidaridad al expresidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado a 12 años de prisión por supuesta corrupción pasiva y lavado de dinero.

Durante el lanzamiento oficial de la candidatura de Lula, como precandidato para las elecciones presidenciales de Brasil, el PT presentó su agenda de movilizaciones 2018.

De acuerdo al partido del líder brasileño, los actos de protesta iniciarán el 19 de febrero de 2018 con una huelga general , bautizada como “Lucha contra la reforma jubilatoria”.

Mientras que para el 20 de febrero está previsto una caravana por las regiones del sur de Brasil, que partirá desde San Borja, en Rio Grande do Sul, y pasará a través de Santa Catarina y Paraná.

“Va a ser la caravana de la resistencia y defensa de la democracia. Vamos a hacer una visita a la tumba de Getulio Vargas, Jango, Brizola y vamos a discutir diversos temas como lo hicimos en las otras etapas, especialmente la educación”, precisó Macedo.

Asimismo, para el 8 de marzo se realizará una marcha de las mujeres.

Se prevé para agosto de este mismo año, un Congreso del Pueblo con alrededor de 100.000 personas, en el estadio Maracaná, en la ciudad de Río de Janeiro.

Para finalizar, el partido desarrollará en octubre una movilización en defensa de la candidatura y elección de Lula.

Lula fue sentenciado por el Tribunal Regional Federal de la 4ª Región (TRF-4), en Porto Alegre, conformado por los jueces Joao Pedro Gebran Neto, Leando Paulsen y Victor Luiz dos Santos Laus. Los tres votaron por aumentar la condena de 9 años y 6 meses a 12 años y un mes de prisión.

La defensa de Lula y la mayoría de los juristas descartan que el exmandatario vaya a prisión de forma automática y esto solo ocurrirá después del análisis de todos los recursos.

La condena se basó en un supuesto apartamento en una playa de São Paulo que obtuvo el exmandatario coima de la constructora OAS para favorecer contratos millonarios con Petrobras. Sin embargo, esa propiedad nunca ha estado a nombre de Lula, sino de la constructora que compró el apartamento a la cooperativa Bancoop cuando esta se declaró en bancarrota.

En decenas de ciudades del país organizaciones sociales, sindicales, de trabajadores y movimientos populares se han movilizado para denunciar las maniobras de persecución política que sufre el líder de izquierda, y en defensa de su candidatura presidencial.

TeleSur


Juiz do DF proíbe Lula de sair do Brasil; PF já foi informada

O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal no Distrito Federal, proibiu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de sair do país e ordenou a apreensão de seu passaporte.

A decisão é ligada a um processo que não trata da condenação de Lula, na quarta (24), pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), a 12 anos e um mês de prisão.

O juiz do DF atendeu a um pedido do Ministério Público Federal no DF relativo a uma ação penal que trata de supostos crimes na aquisição, pelo governo federal, de aviões caças da Suécia. Essa é uma das quatro ações penais em que Lula é réu na 10ª Vara Federal.

Com a medida, Lula cancelou uma viagem que faria para a Etiópia na madrugada desta sexta (26).

A ordem para apreender o passaporte foi passada no início da noite desta quinta (25) ao diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, que comunicou o ministro da Justiça, Torquato Jardim. O ministro orientou que o diretor da PF informasse Lula sobre a decisão em sua casa.

Lula participaria no fim de semana de um debate na cidade de Adis Abeba, sobre ações de combate à fome da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), durante cúpula da União Africana.

O compromisso havia sido anunciado antes da condenação pelo TRF-4 e confirmado na quinta pela manhã pela assessoria de Lula. O tesoureiro do PT, Emídio de Souza, já havia manifestado o receio de que o passaporte de Lula fosse apreendido por decisão judicial.

A fim de evitar um constrangimento do ex-presidente no momento do embarque —Lula poderia ser barrado no setor de imigração do aeroporto— a PF procurou avisar aos advogados o mais rápido possível para que a viagem fosse cancelada.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, informou que o passaporte do petista será entregue na manhã desta sexta (26) à PF. Em nota, ele disse ter recebimento a decisão da Justiça com “grande estarrecimento”. “O juiz fundamentou a decisão em processo que não está sob sua jurisdição – a apelação relativa ao chamado caso do tríplex”, disse.

“O ex-presidente Lula tem assegurado pela Constituição Federal o direito de ir e vir (CF, art. 5º, XV), o qual somente pode ser restringido na hipótese de decisão condenatória transitada em julgado, da qual não caiba qualquer recurso”, afirmou.

O juiz que determinou a apreensão do documento de Lula, Ricardo Leite, já havia tomado decisões contrárias ao ex-presidente. Ele chegou a determinar a suspensão das atividades do Instituto Lula, medida que depois foi revista pelo TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região.

PETIÇÃO

No início da tarde desta quinta, um advogado também entrou com um pedido no TRF-4 para que Lula seja proibido de deixar o país.

A petição do advogado Rafael Costa Monteiro foi protocolada às 13h02 e juntada ao processo julgado nesta quarta. De acordo com a assessoria de imprensa do TRF-4, não há previsão para que o presidente da turma, o juiz federal Leandro Paulsen, analise o pedido.

Folha de S. Paulo


Lula: “No soy candidato para protegerme, soy candidato para gobernar”

Lo que yo puedo ofrecer a todos ustedes es mi inocencia. Yo no estoy queriendo ser candidato para protegerme. No acepto la pre candidatura por eso. Mi protección es mi inocencia, y si soy candidato es para gobernar”.

Con esas palabras el ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva aceptó la propuesta del Partido de los Trabajadores (PT) de tornarse pre candidato a la Presidencia de la República en las elecciones de 2018. La declaración ocurrió durante una reunión de la Comisión Ejecutiva Nacional del PT, en la mañana de este jueves (25), en la sede de la Central Única de los Trabajadores (CUT), en São Paulo.

La declaración fue hecha un día después de Lula ser condenado en segunda instancia por el Tribunal Regional Federal de la Cuarta Región (TRF4) de Porto Alegre, que mantuvo la condena del ex presidente por corrupción pasiva y lavado de dinero referente al caso del tríplex de Guarujá, en la tarde del miércoles (24).

“Hoy es un día especial, entre tantos que ya viví, y me da orgullo. Durante muchos años de persecución, los jueces hablaron por horas, pero la prensa hoy no puede hablar de corrupción, porque no he cometido ningún crimen. Ayer no los vi [los jueces] acusandome de ningún crimen. Creo que estaban efectivamente intentando condenar a una gran parcela del pueblo brasileño, que insiste en reconocer en el PT y en Lula la posibilidad de este país volver a ser bien gobernado, y del pueblo volver a vivir feliz”, dijo el ex presidente durante su discurso.

Lula afirmó, sin embargo, que su candidatura no depende apenas de él, pero que sólo tiene sentido si se pone “al pueblo brasileño en movimiento”.

El inicio de la reunión fue marcado por un análisis jurídico de la decisión del tribunal regional en Porto Alegre, hecha por ex ministro de Justicia Eugênio Aragão. En su discurso, destacó las fases que aún serán encaradas por Lula en el proceso, y cuestionó las irregularidades de la decisión.

El evento reunió a diversos líderes políticos, sindicales y de movimientos populares, como el presidente de la CUT, Vagner Freitas; la senadora y presidenta del PT, Gleisi Hoffman; el integrante de la dirección nacional del Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra, João Pedro Stedile, y la ex presidenta Dilma Rousseff.

Vagner Freitas criticó la condena de Lula y alertó sobre los impactos de la decisión para los trabajadores.

“Brasil vive una crisis política y económica sin precedentes. Ayer el TRF4 aumentó la crisis aún más. Ellos trajeron aún más la inseguridad política y social en el país, porque vamos a enfrentarlos en las calles y desautorizar el TRF4”, dijo el presidente de la CUT.

Por su vez, Stedile presentó el apoyo de los militantes del MST y de la Vía Campesina al ex presidente. “Lula no es el candidato del PT, es el candidato del pueblo. La clase trabajadora ya lo eligió y por eso el MST está con Lula. El pueblo no se engaña, el Poder Judicial no tiene el menor compromiso con el pueblo brasileño”, afirmó.

Dilma Rousseff recordó que hace parte del golpe la radicalización de sus métodos antes de su fin. “No tenemos la culpa si ellos transformaron el combate a la corrupción en una forma de destrucción de un partido. Pero tienen un gran problema: nosotros no fuimos destruidos. Sobrevivimos a los ‘pixulecos’ [muñecos gigantes de Lula vestido como un preso], patos amarillos [el símbolo de la Federación de la Industria de São Paulo que remite a la frase “no vamos a pagar el pato” respecto a la crisis, pero en realidad es ataque al PT], y la destrucción de mi mandato. La gran disputa no empezó ni terminó ayer, será en octubre”, destacó.

Gleisi Hoffmann, por su parte, indicó un motivo por lo cual la derecha pretende inviabilizar la candidatura de Lula. “Quieren una elección sin Lula, porque es simple: cambian las caritas y continúan aplicando el golpe. Quiero reafirmar aquí que no tenemos un plan B, y que Lula es nuestro candidato. Dijeron que estamos aislados, ¿cómo alguién que tiene más de 40% de intención de votos está aislado?”, cuestionó, en relación a la popularidad del ex presidente según las últimas encuestas de intención de voto.

Brasil de Fato


PT lança carta e reafirma Lula candidato: ‘Lutamos e lutaremos pela recuperação da democracia’

Um dia depois do julgamento que confirmou a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), governadores, senadores, deputados, dirigentes e movimentos convidados da Comissão Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores se reuniram em São Paulo para reafirmar a candidatura Lula 2018.

O partido lançou ainda uma carta onde se manifesta sobre o resultado do processo e explica como irá se organizar nos próximos meses para levar o debate de seu programa político a todo o país.

O texto reafirma que o resultado contra Lula é uma continuação do golpe parlamentar contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, em 2016. “Quase dois anos depois do golpe que rasgou a Constituição, vem rasgando os direitos dos trabalhadores e destruindo a soberania nacional, o ex-presidente Lula é alvo de uma violência judicial”, diz.

Os petistas também afirmam, como vêm fazendo em atos e caravanas, que “Lula não cometeu nenhum crime e que sua condenação a pena de 12 anos e um mês de prisão é “uma farsa judicial”.

“Para condenar Lula, sem provas e sem crime, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região decretou que juízes e promotores da Lava Jato não precisavam seguir as normas da lei observadas nos “casos comuns”. Decretado o estado de exceção, os direitos de Lula e sua família foram violentados ao longo do processo. Agora, a indecente combinação de votos dos três desembargadores da 8ª turma do TRF-4, no julgamento do recurso da defesa, escancarou o caráter do juízo político”, segue o texto.

Entre as resoluções está “aprofundar o diálogo com os partidos e forças sociais” e “criar cada vez mais Comitês Populares em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser Candidato”.

Confira o texto na íntegra, abaixo:

Uma onda de indignação percorre o Brasil, na hora mais difícil do país desde que reconquistamos a democracia, há quase 30 anos.

Quase dois anos depois do golpe que rasgou a Constituição, vem rasgando os direitos dos trabalhadores e destruindo a soberania nacional, o ex-presidente Lula é alvo de uma violência judicial.

Em defesa de Lula e da democracia, multidões se mobilizaram em caravanas, atos públicos, nas escolas, nas ruas, nas redes sociais, em manifestos e canções.

Tantas vezes caluniado pelos inimigos da nossa gente, da democracia e do nosso país, Lula resiste com a força do povo, que nele vê refletida sua própria imagem, seus mais caros sonhos e as mais fortes esperanças.

Lula não cometeu nenhum crime. Seus acusadores sabem disso. Sua condenação é uma a farsa judicial que envergonha o Brasil perante o mundo.

Os procedimentos no Caso Lula fogem à normalidade da lei, como foi afirmado pelos maiores juristas brasileiros e de outros países.

Para condenar Lula, sem provas e sem crime, o Tribunal Regional Federal da 4a. Região decretou que juízes e promotores da Lava Jato não precisavam seguir as normas da lei observadas nos “casos comuns”. Decretado o estado de exceção, os direitos de Lula e sua família foram violentados ao longo do processo. Agora, a indecente combinação de votos dos três desembargadores da 8a. turma do TRF-4, no julgamento do recurso da defesa, escancarou o caráter do juízo político.

Lula foi perseguido, acusado, julgado e condenado num processo de exceção que é a continuidade do golpe do impeachment de 2016 contra presidenta Dilma Rousseff.

Os cordões que moveram a Lava Jato e o tribunal de Porto Alegre num processo viciado para condenar Lula, sem provas e sem crime, são manipulados pelos mesmos setores que rasgaram a Constituição e os votos de 54 milhões de eleitores para instalar uma quadrilha no Palácio do Planalto.

Lutamos e lutaremos para retomar o processo de desenvolvimento com inclusão social que retirou mais de 32 milhões da pobreza, criou mais de 20 milhões empregos, abriu as portas da universidade para os negros, os indígenas e os filhos dos trabalhadores, que acabou com a fome neste país.

Lutamos e lutaremos pela recuperação da democracia. E que seja a democracia plena, o que implica em democratizar o acesso aos meios de comunicação, rompendo o monopólio e garantindo a todos o direito à informação correta.

Lutamos para fechar a página do golpe, pela convocação de uma Assembleia Constituinte soberana, que adote reformas populares e revogue as medidas que prejudicaram o povo e o país, como a chamada PEC da morte, inclusive por meio de plebiscitos e referendos revogatórios.

Por todas essas razões – e às vésperas de comemorar nosso 38o. aniversário -, nesta hora tão decisiva para o futuro do país, a Comissão Executiva Nacional do PARTIDO DOS TRABALHADORES, reunida em sessão pública com a presença de nossos governadores, senadores, deputados, dirigentes nacionais e estaduais, e de representantes dos mais expressivos movimentos sociais, adota a seguinte Resolução:

1.Reafirmar a decisão do Diretório Nacional do PT de que o companheiro Luiz Inácio Lula da Silva será candidato à Presidência da República nas eleições de outubro de 2018;

2. Denunciar ao país e ao mundo a farsa judicial contra Lula com a cumplicidade da mídia, liderada pela Rede Globo: as ações ilegais dos policiais e procuradores da Lava Jato, a sentença injusta e ilegal de Sérgio Moro, e o voto indecentemente combinado dos desembargadores do TRF-4;

3.Saudar e agradecer os partidos políticos, movimentos sociais, organizações e personalidades que, no Brasil e em todo o mundo, condenaram a perseguição e proclamaram o sentido democrático da participação de Lula no processo político e eleitoral;

4.Aprofundar o diálogo e manter a unidade com os partidos e forças sociais, buscando formar ampla e sólida aliança, com todos que se coloquem de acordo com o programa de governo que estamos construindo e apresentaremos ao país;

5.Criar cada vez mais Comitês Populares em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser Candidato, envolvendo companheiros e companheiras de diversos horizontes políticos, para dialogar com o povo sobre a perseguição a Lula.

6.Orientar os Comitês Populares a se fazer presentes com nossa mensagem nos festejos do carnaval; a participar do apoio à greve das centrais sindicais contra a reforma da Previdência, no dia 19 de fevereiro; participar ativamente das atividades do Dia Internacional da Mulher, 8 de março, e participar do Fórum Social Mundial, em Salvador, em março.

Com Lula e com o povo, até a vitória em outubro!

São Paulo, 25 de janeiro de 2018

Comissão Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores

Sul 21


Faremos a maior greve geral da história do país, diz presidente da CUT

Se o governo e a Câmara dos Deputados tentarem pôr em votação a “reforma” da Previdência no dia 19 de fevereiro, como têm anunciado, o Brasil terá a maior greve geral de sua história. A declaração foi feita pelo presidente da CUT, Vagner Freitas, nesta quinta-feira (25). A CUT foi anfitriã da reunião da direção do PT que oficializou ontem a indicação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a disputa presidencial em outubro.

“Temos que fazer uma rebelião para garantir o Estado Democrático de Direito e não vamos deixar os capitalistas rasgarem a Constituição. Eles serão derrotados nas ruas se não recuarem. Vamos desautorizar o TRF4”, avisou Vagner, associando a luta pelo direito de Lula de disputar a eleição à luta em defesa dos direitos dos trabalhadores. “A CUT nasceu defendendo a democracia e, por isso, este é o local adequado para este ato de resistência aos ataques golpistas contra os trabalhadores e contra Lula.”

Para o presidente da central, a decisão do TRF4 de manter a condenação do ex-presidente trouxe ainda mais insegurança jurídica e social para o Brasil, que desde o golpe de 2016 também vem atravessando um grande revés econômico. “Será que os capitalistas brasileiros, que foram os pais do golpe, acham que vão ter condições de crescer com o país arrebentado e com os trabalhadores descontentes?”, questionou. “Vamos fazer greve nos bancos de vocês, vamos fazer greve nas empresas de vocês, vamos fazer greve no agronegócio. O desempenho das empresas vai cair ainda mais, porque vocês arrebentaram as relações de trabalho e ganharam ainda mais insegurança jurídica. E a greve do dia 19 será ainda maior do que a de 28 de abril, quando milhões de trabalhadores cruzaram os braços.”

Candidato do povo

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, defendeu, minutos antes, além da greve no dia 19, uma agenda prolongada de resistência à consolidação do “golpe” que tenta tirar Lula da disputa. “No TRF4 o jogo era deles, deixando mais claro que o Poder Judiciário é contra o povo, que não tem compromisso com o Brasil. Isso não vai nos intimidar. Saímos mais revigorados”, afirmou.

O líder do MST disse ainda que “quem escolheu Lula como candidato foi o povo e não o PT”, mandando outro recado ao Judiciário e aos golpistas: “Não pensem que vocês mandam no país. Nós vamos impedir que Lula seja preso”. Stédile disse que, além do 19 de fevereiro, as ações do Dia Internacional da Mulher, no 8 de março, também terão essa abordagem de resistência em defesa de Lula, da democracia e dos direitos.

Ao lado de Raimundo Bonfim, coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP), Stédile anunciou ainda que a Frente Brasil Popular – integrada por CUT, CMP, MST e outras dezenas de entidades – realizará “congressos populares” no maior número possível de cidades do país. O objetivo é ampliar a organização pela resistência nas ruas e discutir projetos para o Brasil “junto com o povo”. Os passos seguintes seriam a realização desse eventos em nível estadual, em julho. “Vamos encher o Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, para definir a plataforma nacional dos trabalhadores.

Raimundo Bonfim reforçou que o povo brasileiro não vai se aquietar. “Não vamos respeitar a farsa construída pelo Judiciário. Não há outro caminho senão o povo nas ruas, senão a desobediência civil. Se eles não respeitam a Constituição de 1988, também não serão respeitados”, afirmou, referindo-se ao uso do sistema de Justiça para criminalizar as forças populares e a política.

Rede Brasil Atual