Brasil: refuerzan la defensa de Lula para evitar la prisión y el PT relanzará su candidatura esta semana

Contexto NODAL
Lula fue condenado en segunda instancia a 12 años y un mes de prisión por corrupción pasiva y lavado de dinero en el marco de la causa Lava Jato. Se lo acusa de recibir un departamento en carácter de soborno por parte de la constructora OAS. Ante la falta de pruebas, diversos sectores denuncian que se trató de una maniobra para impedir que Lula pueda presentarse a las elecciones presidenciales de este año.

Apuran en Brasil el recurso que puede salvar a Lula de la cárcel

La posibilidad de que su candidatura presidencial encalle definitivamente en la Justicia electoral es motivo de desvelo para Luiz Inácio Lula da Silva después del fallo del Tribunal Regional Federal de la 4a Región, que la semana pasada confirmó su culpabilidad por corrupción pasiva y lavado de dinero y elevó la pena de prisión a 12 años y un mes de cárcel. Ese trámite, apelaciones mediante, puede resultar relativamente extenso. En cambio, otro, más apremiante porque podría llevarlo a prisión, no lo será. De acuerdo con la jurisprudencia en vigor, es posible hacer efectivas las penas de privación de la libertad tras fallo de segunda instancia, sin que , llamativamente, exista cosa juzgada.

Dado que el fallo del TRF4 de Porto Alegre fue unánime, el único recurso que le cabe dentro de esa instancia de apelación es solamente el de un “embargo de declaración”, de alcances meramente aclaratorios y que no llevará a una revisión de la sentencia en sí.

Dados los plazos previstos para la publicación de ese fallo de cámara, las 48 horas posteriores que tiene la defensa para presentar dicho embargo, la feria judicial y los tiempos para agotar las aclaraciones, Lula podría ser detenido dentro de 40 días a dos meses.

Así las cosas, la Policía Federal ya proyecta cómo realizar ese operativo, de modo que sea discreto, eficaz y no naufrague en medio de una ola nacional de protestas o, incluso, de hechos de violencia. “Un acto así podría incendiar el país”, se alarmó la semana pasada el juez supremo Marco Aurélio Mello. Brasil se asoma a otro momento de conmoción nacional, tal vez el más grave de los numerosos que vimos en los últimos años.

Sin embargo, una presentación ante el Supremo Tribunal Federal, pautada con anterioridad y ajena al caso de Lula, podría, curiosamente, modificar el curso de los acontecimientos (se la puede encontrar en: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/ADC44.pdf).

“Soy uno de los impulsores de la Acción Directa de Constitucionalidad, la ADC 44, contra la decisión del STF que decidió a favor de la posibilidad de que se hagan efectivas las penas de prisión antes de lo que en la jerga jurídica se conoce como ‘transición en juzgado’, que no es otra cosa que el final de un proceso criminal. Aquel resultado fue, ante la presentación de una cautelar, de 6 a 5 a favor del mantenimiento de la decisión de anticipar la prisión. Pero en febrero o en marzo podría conocerse la sentencia definitiva. Yo mismo haré la sustentación oral ante el STF”, le dijo a Ámbito Financiero el jurista brasileño Lenio Luiz Streck, de viaje en Grecia. El “timing” es perfecto para Lula.

Streck no es un abogado, sino que se trata de un jurista de prestigio en Brasil. Fue procurador del estado Rio Grande do Sul entre 1986 y 2014 y, en el plano académico, se ha especializado en Filosofía del Derecho e interpretación jurídica. “Soy un constitucionalista de línea ortodoxa. Un conservador de la Constitución”, se define.

El jurista es, además, un columnista activo y profesor universitario que se declara alarmado por las contorsiones argumentales una nueva camada de jueces y fiscales que, considera, tuercen la Constitución y las garantías individuales consagradas en ella como atajo para, supuestamente, probar delitos de corrupción y encarcelar a sus responsables. “Me pregunto qué es lo que va a ocurrir con el Derecho brasileño después de todo esto. Si la moral y las subjetividades valen más que el Derecho, ¿qué van a terminar enseñando los profesores a sus alumnos?”, se preguntó en uno de sus textos recientes.

Ante la pregunta de si el recurso que defenderá ante el Supremo puede beneficiar a Lula y evitarle el ingreso en prisión, Streck responde que sí, aunque aclara: “No soy abogado de Lula”. “Si es juzgada de modo favorable, esta acción puede cambiar el destino no solo de Lula sino de miles de personas. Hoy hay más de trescientas mil personas encarceladas preventivamente en Brasil, que no están condenadas. Una decisión favorable a la ADC 44 podría beneficiar a mucha gente, principalmente a los más pobres”, explicó.

En rigor, continúa, “cuando presentamos la ADC 44, el caso de Lula no estaba ni siquiera en consideración. Luchamos por la libertad y por el respeto a la Constitución”.

No se trata de una quijotada individual sino una iniciativa de un grupo de juristas encargados por la prestigiosa Orden de Abogados de Brasil (OAB). “Yo fui designado junto a otros tres abogados para hacer la ADC 44”, explicó Streck.

Los mencionados tienen la expectativa de que, en base a sus antecedentes, dos ministros del alto tribunal, Gilmar Mendes y Alexandre de Moraes, cambien su posición. Con uno solo de esos votos, aquel 6 a 5 quedaría revertido y el destino de Lula da Silva (y de otros trescientos mil brasileños, como recuerda Streck) cambiaría radicalmente.

Lo que está en juego es, nada menos, el principio de presunción de inocencia, establecido en el artículo 5°, inciso LVII de la Constitución, según el cual “nadie será considerado culpable hasta el tránsito en juzgado de sentencia penal condenatoria”. El tránsito en juzgado de sentencia penal no es otra cosa que un fallo firme y definitivo. Cuesta entender cómo ese principio pudo haber derivado en una “jurisprudencia creativa”, destinada a satisfacer los deseos punitivos de una sociedad justamente indignada con una corrupción endémica, estructural y descontrolada, pero que no debería presionar por salidas facilistas.

Hay que tener cuidado para no caer en una suerte de “populismo judicial”, algo muy discutido en el Brasil de la operación “Lava Jato”, que tiene el mérito de pretender sanear un sistema podrido pero que se ha permitido (con la anuencia de los tribunales de alzada) caer en excesos como las prisiones preventivas prolongadas con el único fin de quebrar a los sospechosos de modo de convertirlos en delatores, tal como surge de una artículo publicado por Sérgio Moro, el emblema de esa ofensiva, en 2004, en el que estudió el “Mani Pulite” italiano y mostró su entusiasmo por aplicarlo a Brasil (https://www.conjur.com.br/dl/artigo-moro-mani-pulite.pdf).

Se sabe bien, a esta altura, cómo comienzan las excepciones constitucionales, los argumentos creativos y las jurisprudencias de emergencia. También se sabe cómo terminan.

Ámbito


PT lançará pré-candidatura de Lula pelo País nesta semana

O PT anunciou que a pré-candidatura à presidência da República do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ser lançada em todos os Estados, conforme nota do partido divulgada em seu site oficial na noite deste sábado, 27.

“A partir da semana que vem devemos ter atos de lançamento, independente da presença de Lula, em cada canto do Brasil!” “A candidatura de Lula ou de qualquer outra pessoa resolve-se na Justiça Eleitoral, a partir do registro no dia 15 de agosto. Lula é nosso candidato!”, reafirmou o partido.

Apesar da condenação de Lula em segunda instância no caso do tríplex do Guarujá na última quarta-feira, que abre espaço para que o ex-presidente se torne inelegível com base na Lei da Ficha Limpa, a Executiva Nacional do PT aprovou a pré-candidatura de Lula ao Planalto em reunião em São Paulo na última quinta-feira.

A Lei da Ficha Limpa prevê que políticos condenados em segunda instância não podem ser candidatos, mas a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) não tira Lula da eleição automaticamente. Uma possível impugnação da candidatura do petista cabe ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deverá levar em conta o que prevê a Ficha Limpa na hora de analisar o caso do ex-presidente.

Na nota divulgada anteontem, a sigla criticou mais uma vez o julgamento do TRF-4, a que chamou de “injusto e persecutório” e dá nove orientações às direções estaduais e municipais para executar ações de estado de permanente mobilização, usando, inclusive, o carnaval para tal propósito. “Vamos organizar blocos, marchinhas, fantasias que possam dialogar com a população sobre esse momento do País.”

Segundo a nota, a partir de terça-feira, a direção nacional do partido enviará para os comitês locais materiais que criticam a sentença e reafirmam a candidatura de Lula. “É fundamental voltarmos a fazer as velhas e boas panfletagens nos bairros, com a presença de militantes e dirigentes.”

O PT ainda orienta os diretórios nos municípios e Estados a criarem um núcleo de juristas locais, além de intelectuais e artistas, que possam dar depoimentos, escrever artigos e gravar vídeos a favor de Lula. A sigla também aconselha a articulação da campanha em defesa do ex-presidente com as manifestações contra a reforma da Previdência, no dia 19 de fevereiro, data para qual está marcada a votação da medida na Câmara dos Deputados.

Estadão


Derrota no TRF4 expõe insatisfação com defesa de Lula

A condenação, por unanimidade, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) na semana passada fez aumentar a pressão de aliados e advogados próximos do petista por um reforço na equipe de defesa, hoje comandada por Cristiano Zanin Martins. O nome mais citado entre os petistas é o do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Sepúlveda Pertence.

Na cúpula petista e nos grupos de discussão de advogados em redes sociais, um dos principais temas dos comentários é a necessidade de acrescentar à defesa de Lula um nome que tenha livre trânsito nos tribunais superiores. Petistas falam em um nome com mais “senioridade” do que Zanin, que tem 41 anos. “Que me perdoem Cristiano e Valeska (mulher e sócia de Zanin), mas precisamos de um medalhão”, disse um integrante.

Amigo de Lula, cotado para ser candidato a vice do petista na eleição presidencial de 1998, Pertence é próximo da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia. Ele teria sido a primeira pessoa a sugerir o nome de Cármen para Lula, em 2006.

Procurado, Pertence não atendeu às ligações. Pessoas próximas a ele disseram que o ex-ministro já foi consultado pela defesa de Lula antes do julgamento no TRF4, mas não chegou a um acordo porque existiria um conflito de interesses pelo fato de já defender o banqueiro André Esteves. Petistas com trânsito na área jurídica, no entanto, dizem que o motivo foi outro. Zanin não teria aberto mão de fazer a sustentação oral no TRF4, o que teria feito Pertence desistir da causa.

Conflito

Outro nome citado é o do criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. Ele é o preferido entre os aliados de Lula que defendem a manutenção da linha de enfrentamento ao Judiciário, adotada por Zanin. Kakay, porém, defende 18 envolvidos na Lava Jato, o que também pode gerar conflito de interesses. Outra saída comentada seria aumentar o protagonismo do experiente advogado José Roberto Batochio, que já trabalha na equipe de defesa do ex-presidente.

Integrantes da cúpula petista avaliam que foi ineficaz a estratégia “palanqueira” de Zanin de partir para o enfrentamento contra a Lava Jato e pedem uma linha de defesa mais técnica nos tribunais superiores. Alguns lembram que um dos argumentos da defesa foi usado pelos desembargadores para aumentar a pena imposta a Lula.

De acordo com um influente criminalista que orbita no campo petista, em Cortes como o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo, a contundência da argumentação geralmente é menos importante do que a capacidade do advogado de defesa de “ser ouvido” pelos ministros. Daí a importância de um defensor com um bom trânsito nos tribunais superiores.

Por outro lado, a postura de enfrentamento adotada por Zanin também recebeu elogios. Para alguns aliados de Lula, poucos advogados teriam coragem de pôr em prática a estratégia de partir para cima do Judiciário, o que, segundo petistas, foi uma decisão política do próprio Lula. “A defesa foi irrepreensível. Recebeu reconhecimento e apoio expressivo da comunidade jurídica mas o julgamento foi político, atécnico e com cartas indiscutivelmente marcadas”, afirmou o advogado Marco Aurélio Carvalho, um dos principais articuladores dos juristas simpáticos ao PT.

Também foi alvo de críticas entre petistas e advogados o formato usado por Zanin na entrevista coletiva que sucedeu o julgamento. A defesa alugou uma sala no Sheraton, um dos hotéis mais caros de Porto Alegre. No local foi montada uma cabine para tradução da entrevista em tempo real do inglês para o português, e vice-versa, por causa da presença do advogado britânico Geoffrey Robertson, conselheiro da rainha da Inglaterra. Contratado para defender Lula nas cortes internacionais, Robertson não tem a simpatia de juristas brasileiros.

Ao fundo da mesa dos entrevistados havia um painel com o logotipo do escritório Teixeira, Martins & Associados, o que irritou parte dos petistas. A Comissão de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul recebeu várias denúncias de que o painel pode configurar propaganda vedada pelo Código de Ética da advocacia.

Um procedimento preliminar foi instaurado para verificar a possibilidade de abertura de processo disciplinar contra o escritório. “Não chegamos a receber uma representação, mas chegaram notícias e fotografias. Já estamos trabalhando para termos um parecer sobre a necessidade de abrir ou não um processo”, disse o presidente da comissão, César Souza.

Petistas envolvidos com a defesa de Lula também reclamam que Zanin é refratário a opiniões de fora. Um grupo de petistas gaúchos chegou a sugerir que o ex-presidente contratasse um auxiliar de defesa com bom trânsito no TRF-4. O nome recomendado foi o de Jáder Marques, que defendeu os donos da boate Kiss, de Santa Maria (RS), onde 242 pessoas morreram em um incêndio em 2013. Zanin teria barrado a iniciativa.

As pressões para Lula mexer na equipe de defesa cresceram antes mesmo da derrota no TRF4. Alguns petistas chegaram a aconselhá-lo a simplesmente substituir Zanin, o que foi rejeitado pelo ex-presidente. Na quinta-feira anterior ao julgamento, em evento com artistas e intelectuais em São Paulo, Lula foi obrigado a fazer uma defesa pública de sua equipe para eliminar ruídos.

“As pessoas diziam para mim, ‘Lula, você tem que contratar grandes nomes do direito, pessoas top’. ‘Top’ são as pessoas que defenderam os companheiros no mensalão. Quase todos foram condenados. ‘Top’ são ex-ministros, por quem tenho profundo respeito, mas quero pessoas que acreditem na causa”, disse Lula.

‘Compadrio’

Aos 41 anos, nascido em Piracicaba (SP), Zanin é casado com Valeska Teixeira Martins, sua sócia e filha do também advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula. Formado pela PUC de São Paulo em 1999, Zanin é especialista em direito processual e não tinha, até assumir o caso de Lula, familiaridade com direito criminal.

No mesmo evento em São Paulo, Lula falou sobre a relação que tem com sua equipe. “Tenho um problema com meus advogados. Eles são muito jovens. Eles nem eram criminalistas, se aperfeiçoaram no meu caso. É uma relação de compadrio. Essa moça (Valeska) eu conheço desde que tinha 3 ou 4 anos. Ela ainda me chama de tio. O Cristiano é um jovem”, disse o ex-presidente. Zanin foi procurado, mas não quis se manifestar.

Veja


Comunicado del PT: Estamos em estado permanente de mobilização

Conforme já explicitado na Resolução da CEN, aprovada no dia 25 de janeiro, “Com Lula e com o povo até a vitória em outubro”, não recuaremos diante das injustiças e perseguições a Lula, materializadas no acórdão descabido e inconstitucional do TRF4 que o condenou. Muito pelo contrário, cumpriremos, cada vez mais, nosso papel histórico de defender a democracia, o povo brasileiro e a justiça social. A partir de agora estamos EM ESTADO PERMANENTE DE MOBILIZAÇÃO!

Para tanto, é preciso que as direções partidárias concentrem todas as energias e esforços para a mobilização e conscientização popular sobre o grave momento por que passa nosso país, aglutinando forças com os partidos de centro esquerda e com todas as forças progressistas e populares da sociedade, em especial com as Frente Brasil Popular e Frente Povo sem Medo.

1. LANÇAR A PRÉ-CANDIDATURA DE LULA EM TODOS OS ESTADOS DO PAÍS! A partir da semana que vem devemos ter atos de lançamento, independente da presença de Lula, em cada canto do Brasil! Seu discurso na reunião da CEN deve ser reprisado. É urgente reafirmarmos a candidatura do presidente Lula. Este julgamento injusto e persecutório teve o claro objetivo de confundir a opinião pública sobre a certeza de sua candidatura ao dar argumento, falso, à grande mídia, articulistas de direita e nossa oposição, para questioná-la. A candidatura de Lula ou de qualquer outra pessoa, resolve-se na Justiça Eleitoral, a partir do registro no dia 15 de agosto. Lula é nosso candidato!

2. Reforçar e ampliar os comitês populares é fundamental para enfrentarmos este momento. É perto do povo e com sua organização que conseguiremos resistir e avançar. A SORG já enviou aos diretórios do PT orientação detalhada para essa tarefa e haverá, em conjunto com a Secretaria de Movimentos Populares, teleconferência com os secretários nacionais setoriais para a organização dos comitês setoriais nos estados e agenda de luta;

3. A partir de terça-feira, a Direção Nacional enviará aos estados material para que os comitês distribuam, falando da sentença injusta e persecutória ao presidente Lula e reafirmando sua candidatura. O jornal Brasil de Fato que por ventura sobrou também deve ser distribuído. Têm muitos argumentos contra essa sentença. As redes sociais são importantes na disputa de narrativa neste momento, mas nada substitui o contato direto com o povo, o olho no olho, para argumentar sobre a situação atual e a defesa de Lula. É fundamental voltarmos a fazer as velhas e boas panfletagens nos bairros, com a presença de militantes e dirigentes. As reuniões de base e os pequenos atos de mobilização;

4. Constituir núcleos de juristas locais, também de intelectuais e artistas, que possam dar depoimentos, fazer artigos, gravar vídeos em favor de Lula e da democracia, bem como realizar atos e atividades culturais, como saraus, aulas públicas, seminários, em que sejam explicitadas a inconstitucionalidade e as injustiças da sentença do TRF4;

5. Articular nossa campanha em defesa de Lula e da democracia com a luta contra a Reforma da Previdência, marcada para ser votada a partir do dia 19 de fevereiro, que será mais um revés nos direitos do povo brasileiro. As Centrais Sindicais estão preparando grandes manifestações para a semana do dia 19, inclusive o chamamento de uma greve geral. Devemos estar juntos, atuantes, em apoio a todos esses movimentos;

6. O carnaval é também uma grande oportunidade de passarmos mensagens a população sobre a defesa de Lula e da democracia e sobre as injustiças e perseguições da sentença do TRF4. Vamos organizar blocos, marchinhas, fantasias que possam dialogar com a população sobre esse momento do país;

7. Não faremos festa no aniversário do PT este ano. Faremos exposição de nossa história de lutas e os avanços de nossas administrações ao longo desses 38 anos de existência. A Fundação Perseu Abramo está responsável pela organização da exposição nacional, que depois ficará itinerante. Os Estados poderão fazer o mesmo a partir de sua realidade. O evento nacional do aniversário do PT será no dia 22 de fevereiro em São Paulo. A data foi marcada em razão do carnaval e da possível votação da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados;

8. No dia 8 de março, dia Internacional da Mulher, devemos reforçar a organização dos atos, manifestações e eventos, puxados pelas Plenárias de Mulheres, responsáveis pela organização da data em cada Estado. Mais uma vez devemos ter uma articulação internacional e repetir o sucesso e protagonismo da luta das mulheres no calendário de lutas do povo brasileiro, tal qual aconteceu em 2017. Para esse dia devemos levar nosso material em defesa de Lula e da democracia;

9. O PT participará, também, das atividades nacionais e internacionais do Fórum Social Mundial na Bahia, de 13 a 17 de março, reforçando as iniciativas dos movimentos sociais em defesa da democracia e da solidariedade entre os povos. Estaremos lá com nossa bandeira, defendendo Lula e a democracia brasileira!

Comissão Executiva Nacional, 27 de janeiro de 2018

Baixe aqui o panfleto “O povo precisa de Lula”

Acompanhe o trecho do  discurso do ex-presidente Lula durante a reunião da Comissão Executiva Nacional do PT, realizada na última quinta-feita (25):

PT