Lula, tras la ratificación de su sentencia: “condenan al pueblo brasileño”

Lula: “Esto es una venganza por sacar a tanta gente de la pobreza”

El expresidente de Brasil Luiz Inácio Lula da Silva dijo hoy que la decisión de la justicia de ese país de confirmar la condena en su contra por corrupción es una “venganza” por haber modificado la realidad económica y social de Brasil durante su presidencia.

“Esto es una venganza por sacar a tanta gente de la pobreza. Es una estrategia para transformar eso”, dijo Lula. “Nunca tuve la ilusión de ser absuelto, no esperaba otra cosa del tribunal de Porto Alegre”.

“Ellos saben que no cometí ningún crimen. Quiero que me pidan disculpas por las mentiras que dicen sobre mí. Quiero que digan cual fue el crimen que cometí”, agregó. “Le digo a la élite brasileña: vamos a volver. Vamos a probar que el pueblo no es el problema, sino la solución”.

Los camaristas Joao Gebran Neto, Leandro Paulsen y Victor Laus respaldaron fuertemente al juez Sérgio Moro y rechazaron todas las medidas presentadas por la defensa de Lula para anular la sentencia.

El escenario ahora se plantea extremo para Lula, debido a que el PT dice que será candidato y que lo inscribirá el 15 de agosto ante la justicia electoral.

En el frente penal, deberá buscar un habeas corpus y una apelación ante la corte de casación penal (El Supremo Tribunal de Justicia) y el STF.

En el plano electoral, deberá sortear la Ley de Ficha Limpia, que impide asumir a quien es condenado en dos instancias, pero eso puede llegar incluso después de la elección: una bomba de tiempo en todo sentido.

Lula fue encontrado culpable de corrupción pasiva y lavado de dinero
 

Lula fue encontrado culpable de corrupción pasiva y lavado de dinero por haber recibido de la constructora OAS un departamento tríplex en el balneario paulista de Guarujá -valuado en US$ 1,2 millones- a cambio de garantizar a la empresa contratos con Petrobras durante su gobierno.

Estas operaciones fueron el centro del escándalo en Brasil, como en el caso de la construcción de la refinería Abreu e Lima.

Esta refinería es considerada emblemática de la gestión Lula, ya que fue inaugurada por el y el entonces presidente venezolano Hugo Chávez, con el objetivo de hacer un acuerdo entre Petrobras y PDVSA que finalmente fue rechazado por los venezolanos.

La Bolsa de Valores de San Pablo saltó superando la barrera record de los 80.000 puntos y el dólar cayó más de 1%, cotizado a 3,15 reales, en una señal del mercado financiero.

El presidente Michel Temer, en Davos para el Foro Eocnómico Mundial, mandó un mensaje político de alto voltaje: “Mis adversarios o están presos o están desmoralizados”.

La Nación


Todo lo que hay que saber del caso que condenó a Lula

Lula, de 72 años, fue condenado en julio de 2017 a nueve años y medio de prisión por aceptar 3,7 millones de reales (1,18 millones de dólares) en sobornos de la firma de ingeniería OAS. El caso involucra un apartamento en el balneario de Guarujá y está enmarcado en la operación “Lava Jato” (Lavado de Autos) que investiga una red de corrupción en torno a la petrolera bajo control estatal Petrobras.

•¿De qué fue hallado culpable Lula?

Un juez dictaminó que la empresa constructora OAS preparó y renovó un departamento sobre la playa en la ciudad de Guaruja que iba a ser entregado a Lula. Se suponía que era en pago por favores, incluidos contratos con la petrolera estatal Petrobras. Lula niega ser el dueño del departamento. Afirma que nunca tuvo las llaves ni durmió allí, y que lo visitó una sola vez.

•¿Cuáles son las consecuencias del fallo?

Tras confirmarse el fallo, la ley brasileña dice que Lula no podría postularse a cargos públicos por varios años. Algunos expertos en derecho, no obstante, afirman que habría formas de burlar esa ley y permitir al dirigente de 72 años postularse este año. Lula encabeza las encuestas con miras a los comicios de octubre y ha dicho que seguirá cuestionando el fallo si es declarado nuevamente culpable. Si bien fue condenado a nueve años y medio de prisión, no está claro si irá a la cárcel ni cuándo de ser condenado de nuevo.

•¿Cómo se inició el caso? 

Es parte del escándalo de corrupción más grande jamás registrado en la región. La investigación comenzó en marzo del 2014 con el arresto del propietario de una estación de gasolina sospechoso de hacer entregas de coimas. Se implicó a Paulo Roberto Costa, ex ejecutivo de Petrobras, que llegó a un acuerdo con los fiscales y sacó a la luz todas las irregularidades. Desde entonces, decenas de ejecutivos y políticos de distintos países se han visto implicados y han cantado.

•¿Cómo funcionaban los sobornos?

Los fiscales dicen que los ejecutivos de empresas de construcción grandes como Odebrecht, OAS y Andrade Gutierrez formaron un verdadero cartel que decidía qué firmas recibirían contratos de Petrobras, a menudo por valor de miles de millones de dólares. Se inflaban los precios de los contratos para incluir las coimas a decenas de políticos y de ejecutivos de Petrobras, según los investigadores.

•¿Quiénes han sido acusados?

Decenas de empresarios y políticos han sido hallados culpables o están siendo investigados, incluidas numerosas figuras de la elite brasileña. Entre los condenados figuran el ex CEO de Odebrecht Marcelo Odebrecht y el ex presidente de la Cámara de Diputados Eduardo Cunha. El presidente Michel Temer ha sido acusado de corrupción en el marco de esta investigación, pero el Congreso se pronunció dos veces en contra de que sea enjuiciado mientras sigue en el cargo. Temer niega cualquier irregularidad.

•¿Por qué el caso estalla ahora?

Las coimas son habituales en Brasil e históricamente las elites se manejaron con impunidad. Investigaciones previas concluyeron con juicios a personas de bajo nivel. Esta vez fue distinto por el celo de un grupo de fiscales y jueces jóvenes, que convencieron a los implicados de que denunciasen a otros a cambios de sentencias más bajas, lo que permitió resolver delitos que normalmente son muy difíciles de comprobar. También se mantuvo presos a los implicados mientras esperaban sus juicios. Algunos dicen que los fiscales y los jueces se están extralimitando en sus funciones y las investigaciones perdieron un poco de ímpetu en los últimos tiempos.

•¿Cuál será el futuro de Lula?

Lula tiene pendientes otros seis juicios. Se lo acusa, entre otras cosas, de haber recibido coimas como propiedades por hacer favores y de haber aceptado pagos de Odebrecht a cambio de facilitar créditos del banco de desarrollo estatal. Los abogados de Lula rechazan todas las acusaciones, dicen que no hay suficientes pruebas o que fueron inventadas, y que los fiscales y los jueces lo persiguen porque quieren empañar su legado e impedir que vuelva a postularse a la presidencia.

Ámbito


“Quem está no banco dos réus sou eu, mas o condenado foi o povo brasileiro”, diz Lula

O primeiro pronunciamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após o resultado do julgamento realizado pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), nesta quarta-feira (24), foi acompanhado por cerca de 50 mil pessoas, na Praça da República, no centro da capital paulista.

Lula foi ovacionado e rebateu todas as acusações contra ele. Além disso, denunciou o teor político da decisão do colegiado, que manteve, por unanimidade, a sua condenação no processo da Operação lava Jato. “Quem está no banco dos réus é o Lula, mas quem foi condenado foi o povo brasileiro”, disse.

“Nunca tive ilusão com juízes da Lava Jato. Por que? Porque houve um pacto entre poder judiciário e imprensa que resolveu que era hora de acabar com o PT e nossa governança no país”, discursou.

Primeiro colocado nas pesquisas para as eleições presidenciais, Lula resgatou seu passado político. “O Brasil tem exemplo de políticas nacionais. Passamos como o presidente que mais fez universidades na história do país, que mais fez escolas técnicas. Esse analfabeto que mais assentou sem-terra, mais aumentou salário mínimo, que criou piso salarial para professores que os governadores sequer cumpriram”, disse.

Já nesta quinta-feira (25), Lula deve anunciar sua candidatura à Presidência. Quero que saibam que eu não tenho preocupação, eles não podem prender um sonho de liberdade, ideias, a esperança. Lula é apenas um homem de carne e osso. Podem prender o Lula, mas as ideias já estão colocadas na cabeça dos brasileiros”, finalizou.

Brasil de Fato


TRF4 mantém condenação de Lula; defesa irá recorrer

Por 3 votos a 0, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve sua condenação mantida em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), que desprezou os argumentos da defesa que apontavam para a nulidade do processo. A sessão, que teve início por volta das 8h30, foi finalizada pouco antes das 18h.

A defesa do ex-presidente argumentou, entre outros elementos, que a ausência de provas que condenem Lula no caso do triplex do Guarujá é marcante na sentença em primeira instância, o que a tornaria nula, pois “não se foi feita a prova de culpa, mas sim a de inocência”.

Este foi um dos argumentos refutados pelo relator João Pedro Gebran Neto, o primeiro a votar, que seguiu a tese de Domínio do Fato, isso quer dizer que ainda que não haja provas da acusação, Lula teria cometido crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro devido ao cargo que exercia como presidente da República.

Como foi o julgamento

Mauricio Gerum, da Procuradoria Regional da República da 4ª Região, representante do Ministério Público Federal (MPF) na segunda instância, manteve sua posição em defesa da condenação. Gerum estabeleceu que a nomeação dos diretores da Petrobras é o indício do envolvimento de Lula em casos de corrupção na estatal.

“A tentativa de assemelhar a qualquer ótica este julgamento a um julgamento político não é só ignorância de história, é desrespeito”, disse o procurador. “O que parecia ser construção de governabilidade nada mais era do que um mecanismo de dilapidação do patrimônio público. No começo para caixa 2, depois para enriquecimento pessoal”, afirmou.

Porém, a defesa, a última a falar antes dos votos dos desembargadores, rebateu as teses da Procuradoria. Cristiano Zanin, advogado de Lula, questionou a competência judicial do juiz Sérgio Moro para julgar o ex-presidente, ao lembrar que Moro afirmou não ter apontado uso do dinheiro da Petrobras no caso. “É uma ficção, uma competência que jamais deveria ter existido”, disse. A operação Lava Jato, a qual Moro está vinculado, responde por um conjunto de investigações referentes a crimes relacionados à Petrobras.

Outros desvios referentes ao processo e decisão em primeira instância foram mencionados durante a fala de Zanin, como no pedido para apresentação de provas pela defesa.

“O poder do Estado tem limite, e não pode ser utilizado dessa forma. O cerceamento de defesa é claro: várias provas foram pedidas e não deferidas. A defesa não teve oportunidade de produzir as provas que havia requerido”, acusou. A defesa de Zanin se focou majoritariamente em aspectos técnicos, argumentando que a “sentença se embasa apenas e unicamente na versão de Léo Pinheiro. Ele é co-réu, não tem obrigação legal com a verdade. As provas dos autos não indicam um pacto de corrupção. As palavras de Léo Pinheiro não servem à condenação de Lula nem de qualquer pessoa”, afirmou.

A delação premiada do empresário Léo Pinheiro, um dos sócios da empreiteira OAS, é considerada um elemento-chave da sentença em primeira instância. Condenado a 16 anos de prisão em agosto de 2015 por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, ele prestou uma série de depoimentos ao Ministério Público Federal (MPF) entre março e junho de 2016.

Ao terminar sua fala, Zanin disse que “o que se tem aqui é um processo nulo que gerou uma sentença nula, na qual não se foi feita a prova de culpa, mas sim a de inocência”.

A maior parte dos desembargadores, entretanto, não levou em conta a argumentação da defesa de Lula. João Pedro Gebran Neto, relator do caso e primeiro a votar, rechaçou todas as preliminares da defesa, e reforçou a mesma tese do MPF de que “indícios não são provas de menor importância”. Em sua fala, o desembargador assumiu a tese de Domínio do Fato, que pressupõe que Lula cometeu crime pelo simples cargo que ele exercia de presidente da República, mesmo que não haja provas contra ele.

No caso da suposta corrupção passiva cometida por Lula, Gebran Neto afirmou que não se exige a participação de Lula em cada contrato da Petrobras, pois o que está em jogo é a atuação dele “nos bastidores” para garantir a manutenção de uma estrutura criminosa. As afirmações do relator do caso foram baseadas fundamentalmente em depoimentos, método contestado pela defesa do ex-presidente.

Gebran também repetiu a postura de Moro, de conceder força de prova a uma hipótese aventada como possível — mas nunca provada — pelo acusador: “Me aparece singular que houve uma segunda visita para verificar a reforma. Esse fato, a meu ver, dá robustez à acusação, tendo em vista que dá corroboração a muito do que foi visto anteriormente”. Assim, interpretando os fatos e testemunhos de acordo com uma tese pré-determinada, transforma convicção em prova.

Em um total de 3:30 de leitura de sua decisão, às 13:58, Gebran Neto negou os recursos e manteve o fundamento da sentença. Mantendo a decisão de condenar Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o relator decidiu aumentar o pedido de prisão de 9 anos e 6 meses para 12 anos e 1 mês em regime fechado.

Entrevistado pela Rádio Brasil de Fato, o advogado Gabriel Sampaio avaliou como preocupante o método de não apresentar provas materiais para se basear decisões. “Da parte do relator, nos causa uma preocupação a forma como ele, enquanto relator, usou de argumentos para manter as bases centrais da sentença e aumentar a pena aplicada pelo juiz Sérgio Moro. A necessidade ou não de demonstrar alguma prova em relação ao ato de ofício determinado do ex-presidente nos causa estranheza. A manifestação [do relator] foi tão ou mais grave do que a de primeira instância, por retirar a necessidade de demonstração de provas no crime de corrupção”, analisou Sampaio, que também é assessor da liderança do PT no Senado.

Revisores

Leandro Paulsen, revisor do caso e conhecido por ter elaborado seu voto em apenas seis dias após o relator, também se colocou a favor da condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro e votou pelo aumento da pena para 12 anos e um mês.

Ele iniciou a leitura de seu voto com uma retomada histórica da Operação Lava Jato desde o caso Banestado e lembrou que a Lei da Ficha Limpa, que hoje pode impedir que Lula seja candidato, foi sancionada pelo ex-presidente quando estava no poder.

O desembargador, refutou o argumento de que Moro não teria competência para julgar o chamado caso Triplex, ressaltando que o juiz de primeira instância era o responsável “natural” do caso. Ele também citou o pedido de mandados de segurança, de suspeição, entre outros recursos impetrados pela defesa, para ressaltar que, formalmente, o caso segue o devido processo legal.

Em seu voto, ele encaminhou para a condenação de Lula pelo crime de corrupção passiva e observou que “o efetivo recebimento da propina ou sua entrega não é um requisito para a condenação” e ressaltou que para o crime de lavagem de dinheiro, “basta a ocultação do produto da ação criminosa”.

Com relação à suposta corrupção envolvendo o acervo presidencial, Paulsen manteve o entendimento de Moro e absolveu Lula. Assim, manteve a interpretação de Gebran Neto ao afirmar que houve um e não três crimes de corrupção por parte de Lula.

Assim como Gebran Neto, Paulsen citou várias vezes, durante seu voto, a Ação Penal 470, conhecida como “caso Mensalão” e mencionou o chamado “domínio do fato” para justificar que Lula deve ser condenado mesmo sem provas. Ele segue dizendo que Lula continuava ciente do pagamento de propinas envolvendo a OAS e o PT mesmo após a saída do governo federal.

Segundo o desembargador, Lula foi beneficiário pessoal e direto de parte da propina destinada ao PT, por meio do triplex, desde 2005. E ressaltou que “O triplex jamais esteve colocado à venda, e foi reformado para o ex-presidente”.

Após 1h30 lendo seu voto, Paulsen reafirmou que a pena, ou seja, a prisão de Lula, deve ser cumprida após os recursos serem exauridos na 2ª instância.

Victor Luiz dos Santos Laus, último desembargador a votar, iniciou seu voto por volta das 16h40. O revisor dedicou a maior parte do seu tempo para defender a execução da pena após o esgotamento dos recursos em segunda instância.

Conhecido pela fama de “mão pesada”, ele votou pela ampliação da pena aplicada por Moro em metade dos casos da Lava Jato que chegaram a Porto Alegre.

Em seu voto proferido nesta quarta, ele afirmou ter eliminado qualquer dúvida após escutar os desembargadores precedentes. “A operação Lava Jato tem algo de singular: a feliz reunião de talento, entusiasmo, interesse, competência e qualificação profissional”, disse. Laus também fez questão de cumprimentar o juiz Sérgio Moro em sua declaração.

Laus também reforçou o entendimento de que a execução da pena deve ocorrer após confirmação de condenação em segunda instância. Após concordar que a pena de Leo Pinheiro deve ser reduzida por haver colaborado com a Justiça, ele acompanhou na íntegra os votos do relator e do revisor.

Brasil de Fato