Brasil: el Congreso decide la intervención militar de Río de Janeiro que suspendería la reforma previsional

Decreto de intervención militar es votado este lunes en Brasil

La Cámara de Diputados de Brasil votará este lunes sobre el decreto de intervención militar impulsado por el presidente de facto, Michel Temer, para frenar la ola de violencia en la ciudad de Río de Janeiro.

El decreto de intervención debe ser aprobado primero por la Cámara y luego por el Senado de Brasil, instancia en la que el Gobierno de facto posee mayoría. De aprobarse la orden, la intervención militar se extendería hasta el 31 de diciembre de 2018.

El Partido de los Trabajadores (PT) y el Partido Comunista de Brasil (PCdob) aseguraron que la solución a la violencia en Río no es una intervención militar.

Los partidos afirmaron que el decreto es parte de una estrategia política del Gobierno de facto que no quiere asumir la culpa de no tener los suficientes votos para aprobar la reforma de pensiones.

Por su parte, Temer aseguró que si conseguía los votos suspendería el decreto de intervención para iniciar los trámites de la reforma de pensiones ampliamente rechazada por las organizaciones sociales del país latinoamericano.

La diputada del PCdob- RJ, Jandira Feghali, aseguró que las Fuerzas Armadas no son policías y que se preparan para la guerra, “no son fuerzas de seguridad al ciudadano, se preparan para matar”.

“Ese Gobierno con su agenda neoliberal retiró derechos, congeló inversiones, aumentó la desigualdad, el hambre y no actuó cuando debía hacerlo: ¿Por qué en la Inteligencia no se usan recursos para detectar el lavado de dinero como se usaron en la Lava Jato?”, cuestionó Feghali.

Agregó: “¿Por qué el Banco Central no utiliza al Ejército para detectar a los comandantes del mercado de drogas y armas?”.

La diputada llamó a las fuerzas democráticas del país a movilizarse este lunes, dia de la resistencia contra la reforma previsional.

TeleSur


Después de intervenir Río de Janeiro, Temer creó un Ministerio de Seguridad

Río de Janeiro espera una decisión del Congreso para saber cómo será el resto de su año. El Parlamento brasileño debe ratificar o rechazar en estos días la decisión del presidente Michel Temer de dictar la intervención federal del estado para atribuir al Ejército la responsabilidad de su seguridad. En otra decisión adoptada el fin de semana, Temer anunció la creación de un Ministerio de Seguridad Pública.
Para algunos se trata de un endurecimiento de la política para preservar la seguridad pública; para otros, de una estrategia para evitar que el tratamiento parlamentario de la reforma del sistema jubilatorio termine en fracaso, o un intento de modificar la agenda previa a las elecciones. Son varias las interpretaciones que se le dan en Brasil a la decisión de Temer, que fue sorpresiva y que se aplica sobre un estado que últimamente ha sufrido episodios de violencia muy difundidos pero que no es el que muestra los peores indicadores de delincuencia.

De acuerdo con datos oficiales, en 2017 la tasa de homicidios en Río fue de 32 cada 100.000 habitantes, mientras que en Acre fue de 55 y en Río Grande del Norte, de 69. Sin embargo, es Río de Janeiro, sumido también en una crisis política y financiera, el estado que ha estado en el centro de la agenda de seguridad desde el año pasado. Analistas han señalado que esto puede obedecer a que Río tiene mucha visibilidad en Brasil –en parte porque es la sede del multimedio O Globo–, a que el crimen en Río es perjudicial para el turismo y a que el estado es gobernado por un compañero de Temer en el Partido del Movimiento Democrático Brasileño, Luiz Fernando Pezão, cuyo respaldo ha llegado a mínimos históricos.

En todo caso, después de ordenar intervenciones puntuales del Ejército durante el año pasado, el gobierno sorprendió el viernes al anunciar que aplicaría una intervención federal, una figura que se utiliza por primera vez desde la promulgación de la Constitución de 1988. La intervención se mantendrá hasta el 31 de diciembre, día en el que termina el mandato de Temer.

Uno de los aspectos que más llamaron la atención fue la falta de planificación. Para empezar, la decisión se adoptó sin recurrir al Consejo de la República y el Consejo de Defensa Nacional, órganos colegiados que reúnen a jerarcas del gobierno y el Congreso, que no son instancias obligatorias pero sí recomendables, y que serán consultados hoy. Pero además el interventor designado, el general del Ejército Walter Souza Braga Netto, reconoció que recién comenzará “una fase de planificación”. En la misma línea se manifestó el ministro de Defensa, Raul Jungmann.

Dos días antes de la publicación del decreto, el secretario de gobierno, Carlos Marun, decía que el Ejecutivo “no puede asumir para sí la responsabilidad de la seguridad pública” ni “transformar a las Fuerzas Armadas en fuerzas de intervención rápida”. Sin embargo, Temer no sólo ordenó la intervención militar de Río, sino que además anunció que creará el Ministerio de Seguridad Pública, un área que es dependiente de cada estado. En una conferencia, el sábado, el presidente no hizo ninguna precisión, ni sobre la intervención ni sobre la nueva cartera.

Durante el fin de semana se vio intensificada la presencia del Ejército en Río de Janeiro, pero desde el gobierno se informó ayer que mientras el Congreso no ratifique el decreto, para lo cual tiene un plazo de diez días, la intervención no se concretará completamente. De acuerdo con las pocas características que adelantó Jungmann el viernes, el Ejército estará presente en las calles de Río, y Braga será el responsable de todas las fuerzas de seguridad del estado. También aclaró que, a diferencia de otras decisiones que podría haber adoptado el gobierno, esta no implica ninguna restricción de derechos.

Sin embargo, el tema de los derechos está muy presente para la oposición y las organizaciones civiles cariocas, que rechazaron la intervención. Medios brasileños repasaban ayer la falta de avances en varias investigaciones abiertas el año pasado por denuncias por abusos contra el Ejército en Río de Janeiro. Especialistas advierten que, además, esta será la primera vez que los militares no serán supervisados por un civil, sino por un integrante del Ejército.

Otras agendas

La decisión adoptada por Temer no sólo afecta a Río y su seguridad, sino que también alcanza a la agenda electoral y el funcionamiento del Congreso.

Personas cercanas a Temer dijeron a la cadena O Globo que con esta decisión el mandatario busca aumentar su popularidad y las perspectivas electorales de un eventual candidato oficialista.

Además, de esta manera se pone el tema de la seguridad en el centro de la agenda, lo que tiene dos consecuencias: le resta visibilidad a la campaña del Partido de los Trabajadores para que sea candidato el ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva, favorito en las encuestas, y le quita fuerza a la candidatura del conservador Jair Bolsonaro, segundo en intención de voto, que venía haciendo de la seguridad su tema más fuerte. El sábado, Bolsonaro consideró que el decreto es “una burla” porque no incluye modificaciones de leyes que “protegen a los marginales”.

Pero otra consecuencia de la intervención afecta directamente al Congreso: mientras esta esté vigente, no podrán votarse reformas constitucionales. Temer pretendía que en febrero se aprobara la reforma del sistema jubilatorio, que generó rechazos tanto en la oposición como en el oficialismo y en movimientos sociales de todo tipo. El rechazo es tal que no cuenta con los votos suficientes para obtener su aprobación en el Congreso, algo que ahora pierde importancia porque la reforma no podría votarse. Sin embargo, Temer dijo que si consigue el respaldo necesario levantará durante algunas horas la intervención para que la reforma se vote, algo que varios juristas ya advirtieron que podría ser, por lo menos, irregular.

La Diaria


Deputados devem aprovar intervenção militar no Rio nesta segunda

O governo deve aprovar, com certa facilidade, a intervenção das Forças Armadas na segurança do Rio de Janeiro na noite de hoje, mas os próprios parlamentares ainda não sabem ao certo como serão os procedimentos e a atuação das Forças Armadas nas ruas do estado. Desde o anúncio, o presidente Michel Temer fez uma série de reuniões com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e ministros para discutir os termos da operação. Mas o plano não ficou claro até para a cúpula militar.

Hoje pela manhã, Temer se encontra com os conselheiros da República e de Defesa Nacional na finalidade de debater o tema, entre eles juristas, como Francisco Caputo, ex-presidente da OAB-DF, e Carlos Velloso, ex-presidente do STF. Parlamentares, por sua vez, pedem mais informações sobre a intervenção. Designada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para ser relatora do projeto, a deputada Laura Carneiro (MDB-RJ) fará um parecer favorável à intervenção, mas pedirá mais detalhes sobre como será a operação no Rio de Janeiro.

No relatório, ela vai sugerir um Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) ao Palácio do Planalto, como uma espécie de decreto complementar para o texto. Ela classifica o decreto como pouco “objetivo”, faltando informações, por exemplo, sobre a origem dos recursos a serem utilizados na intervenção e onde serão aplicados.

Os parlamentares da base aliada, principalmente os do Rio de Janeiro, avaliam que a medida de intervenção foi tomada às pressas e sem planejamento prévio, o que realça a falta de detalhes sobre a operação. Depois da votação do projeto, os deputados vão tratar da criação de uma comissão, que será responsável pela fiscalização das ações dos interventores. Serão escolhidos o presidente e o relator do grupo. Maia declarou, no último sábado, que a operação é do governo federal, mas cabe à Câmara acompanhar o andamento da intervenção.

Apesar disso, a deputada diz que o governo não deve ter dificuldades em aprovar. “A intervenção federal é uma nova forma de lidar com uma situação que ultrapassou todos os limites no Rio de Janeiro, onde vivemos uma verdadeira guerra urbana. Comunidades inteiras sob a mira de fuzis, balas perdidas matando crianças, homens, mulheres, cidadãos de bem sendo atacados por criminosos à luz do dia”, afirma.

No segundo dia da intervenção, o novo comandante da segurança pública no Rio, general Walter Souza Braga Netto, precisou aumentar o nível de preocupação. A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do estado decretou alerta máximo nas 54 unidades prisionais, que abrigam 51 mil detentos, e houve rebelião em uma delas, em Japeri. A pasta destacou que há grandes riscos de fugas e aumentou a fiscalização nos presídios.

Assim que o texto for elaborado pela relatora, Maia pautará a matéria no mesmo dia, já que tramita em regime de urgência. De acordo com a assessoria de Laura Carneiro, ela passou o dia de ontem conversando com especialistas em segurança pública no Rio de Janeiro e volta hoje cedo para Brasília para terminar as considerações. A apreciação da matéria está marcada para as 19h de hoje, na Câmara. Assinado na última sexta-feira, 16, pelo presidente, o decreto tem efeito imediato para o governo federal assumir o comando da segurança pública no Rio, mas precisa ser aprovado pelo Congresso para continuar em vigor.

Para a aprovação, o governo precisa de maioria simples, ou seja, metade dos presentes mais um. O quórum necessário é de 257 deputados. Se aprovado, o projeto vai ao Senado e seguirá o mesmo regimento. O presidente da Casa, Eunício Oliveira (MDB-CE) espera que seja votado amanhã para encerrar a questão nesta semana.

O deputado Efraim Filho (DEM-PB), líder da sigla na Câmara, afirma que a matéria deve ser aprovada com facilidade. Ele classifica a medida como dura, mas necessária para amenizar o grau de violência que o Rio atingiu. “Está em sintonia com o que pensa a sociedade. O cidadão precisa de proteção”, diz. “A gente não pode mais ser refém dos crimes e das drogas.”

O parlamentar também alega que a oposição tentará impedir a votação, mas que a base aliada não deve ter problemas para aprovar o projeto. Líder do PSOL, o deputado Glauber Braga destaca que o decreto presidencial de intervenção no Rio é uma “medida demagógica” e que o governo está mudando o foco, já que não conseguiu aprovar a reforma da Previdência. “O governo se utiliza de uma agenda que ganha o imaginário das pessoas no estado de falência no Rio.”

Tramitação

Mesmo sem detalhar como se dará a operação das Forças Armadas, o governo deve conseguir aprovar com facilidade o decreto presidencial sobre a intervenção do Exército na segurança pública do Rio de Janeiro.

Câmara dos Deputados

» A votação está marcada para as 19h de hoje. A relatora do projeto, deputada Laura Carneiro (MDB-RJ), que já se mostrou favorável à intervenção, terá de fazer um parecer aprovando ou não o decreto presidencial. Tudo será feito hoje, já que a matéria tramita em regime de urgência. O quórum necessário é de 257 deputados, sendo necessária a maioria simples para a aprovação (metade dos presentes mais um).

Senado Federal

» Na outra Casa, o regimento é o mesmo. A expectativa é de que seja apreciado amanhã, depois que aprovado hoje. Um relator será designado pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). Para a aprovação, também é necessária a maioria simples.

Correo Braziliense


Contra a reforma da Previdência: confira a agenda de mobilizações em todo o país

Independente do anúncio de intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, que impede a votação da reforma da Previdência por tempo indeterminado, movimentos populares e centrais sindicais convocam a população a ocupar as ruas do país contra a medida na segunda-feira(19).

“Essa reforma já está quase derrotada. Mas, no entanto, esse Congresso Nacional corrupto, junto com esse governo golpista está novamente trazendo essa reforma para a pauta do dia. Nós não podemos aceitar que mais uma vez esse governo tenta retirar direitos dos trabalhadores como foi com a reforma trabalhista”, defende João Paulo Rodrigues, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

O dirigente avalia que a intervenção do exército no Rio demonstra a falta de força de Temer para aprovar a reforma.

“O governo golpista fez uma medida extremamente radical justamente para encobrir a derrota que ele teria essa semana. Nós não podemos aceitar, de forma alguma, que esse governo continue com esse tipo de medida contra os trabalhadores da periferia, como é o caso do Rio”, diz.

Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) acredita que a pressão contra o governo deve ser ampliada nesse momento para garantir que o direito à aposentadoria das trabalhadoras e trabalhadores seja mantido.

“A nossa luta é para enterrar de vez a reforma. E uma das estratégias é realizar uma forte mobilização no dia 19, com greves e paralisações, além de intensificar as ações nas ruas e nas redes”, afirma Freitas.

Confira a agenda de mobilização nas principais capitais: 

BAHIA

Em Salvador, terá manifestação no Iguatemi, a partir das 7h. No período da tarde, a concentração começa às 15h para o ato no Campo da Pólvora.

CEARÁ

Em Fortaleza, haverá atos e paralisações em todas as regiões, sendo a maior delas marcada no centro, a partir das 9h. Haverá uma caminhada pelas ruas do centro com concentração na Praça da Bandeira.

Cariri: 8h – concentração na passarela da avenida Padre Cícero (na CE 292, entre Juazeiro do Norte e Crato)

Crateús: 7h – Praça da Matriz

Iguatu: 8h – concentração na Praça da Caixa Econômica

Itapipoca: 8h – em frente ao prédio do INSS

Sobral: 7h30 – Praça de Cuba

Vale do Jaguaribe: 5h – concentração no Triângulo de Peixe Gordo em Tabuleiro do Norte.

DISTRITO FEDERAL

Em Brasília, além das ações durante o dia, tem ato às 17h, no Museu da República.

ESPIRITO SANTO

Em Vitória, as 9h, tem concentração na Praça 8 e caminhada até a sede do INSS onde ocorrerá um ato público.

GOIÁS

Em Goiânia, vai ter manifestação da porta do INSS, às 8h30, na esquina da Eua 3 com a Av. Goiás.

MATO GROSSO

Em Cuiabá, às 8h, tem ato no INSS da Avenida Getúlio Vargas.

PARÁ

Em Belém, às 7h, ação nas agências bancárias da Avenida Presidente Vargas; às 11h, ato no Mercado São Brás.

Em Marabá, às 7h30, panfletagem em frente a agencia do INSS; às 9h, audiência pública na Câmara Municipal.

PARANÁ

Em Curitiba, às 8h, panfletagem no Terminal Guadalupe – esquina das Ruas Marechal Deodoro e João Negrão; 9h, panfletagem em frente a agência do INSS; 10h, concentração na Boca Maldita; 11h, aula pública na Boca Maldita; 14h, panfletagem na ALEP.

PERNAMBUCO

Em Recife, às 15h, tem ato público no Parque 13 de Maio.

PIAUÍ

Em Teresina, tem ato marcado para às 8h, na Praça Rio Branco.

No período da tarde, a partir das 14h, terá ato no Aeoroporto de Teresina.

RIO DE JANEIRO

No Rio de Janeiro, tem ação no aeroporto Santos Dumont de manhã, no embarque dos deputados; e, às 16h, tem ato na Candelária.

Em Campo dos Goytacazes, terá concentração a partir das 8h, no Sindicato dos Bancários. De lá, os manifestantes sairão em caminhada até o calçadão para o ato público.

RIO GRANDE DO NORTE

Em Natal, tem ato a partir das 14h, em frente a Agência do INSS, Rua Apodi, 2150 – Tirol.

RIO GRANDE DO SUL

Em Porto Alegre, às 5h, marcha do Laçador até o aeroporto; às 7h, concentração na rodoviária; às 9h, ato em frente a agencia do INSS; às 17h, ato na esquina Democrática.

SANTA CATARINA

Em Florianópolis, o transporte coletivo ficará paralisado durante todo o dia 19. A partir das 9h, a CUT e demais centrais sindicais e entidades farão um arrastão no centro da capital para fechar o comércio e os bancos. E, a partir das 16h, acontecerá um ato na Praça de Lutas, que terminará com uma passeata até a agência do INSS.

Região oeste

São Miguel do Oeste: 10h30 – ato na praça central contra a reforma e os devedores da Previdência

Chapecó: 9h – concentração na Praça Coronel Bertaso e ato nos bancos Itaú e Bradesco

Xanxerê: 13h30 – ato em frente ao banco Bradesco

Região Sul

Criciúma: 8h – ato em frente à agência do INSS

Região Meio Oeste

Caçador: 9h – ato no Largo Caçanjure

Lages: 14h – ato em frente ao prédio da Previdência Social

Região Vale

Blumenau: 15h – ato em frente à Prefeitura

Rio do Sul: 7h – ato em frente à agência do INSS

Região Norte

Joinville: 13h30 – concentração na empresa Tupy

16h – ato na Praça da Bandeira

Jaraguá do Sul: 13h – ato em frente à empresa WEG

Canoinhas: 9h – ato na Praça do Chimarrão.

SÃO PAULO 

Em São Paulo, às 16h, tem ato público em frente ao MASP, na Avenida Paulista.

Capital

Os municipais, filiados ao Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep), farão ato e assembleia, às 13h, na Rua da Quitanda, 162, no centro da cidade de São Paulo. Trabalhadores ligados ao Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem) farão ato em frente à Prefeitura de São Paulo, no Viaduto do Chá, 15, no centro da capital, às 14h.

Químicos e bancários também preparam mobilizações na cidade de São Paulo. Metroviários mobilizam suas bases e farão panfletagem em estações do Metrô localizadas nas zonas sul, centro, leste e oeste. São elas: Jabaquara, Itaquera, Brás, Barra Funda, Luz, Tamanduateí e Capão Redondo. À tarde, todas as categorias seguem para o ato na Avenida Paulista.

ABC

Os metalúrgicos do ABC farão greve com o objetivo de atingir a base formada por 70 mil trabalhadores. Na região, químicos e trabalhadores de confecções cruzarão os braços. Em Mauá, trabalhadores da saúde farão protestos em frente ao Hospital de Clínicas Dr. Radamés Nardini. Outras mobilizações estão sendo preparadas até o dia 19.

Baixada Santista

A CUT, sindicatos e movimentos ligados à Frente Brasil Popular da Baixada Santista organizam às 7h uma panfletagem na Alfândega de Santos, na Praça da República, s/nº, no centro histórico de Santos. Às 12h haverá panfletagem e diálogo com a população na Praça Rio Branco, s/nº, no centro da cidade de São Vicente.  Às 18h, as entidades farão ato contra a retirada de direitos, na Praça da Independência, s/nº, no bairro Gonzaga, em Santos.

Bauru

Movimentos e sindicatos farão ato em frente ao INSS, localizado na R. Azarias Leite, 10-75, no centro da cidade.

Campinas

Os trabalhadores do transporte irão paralisar na região, os urbanos e os fretados. Petroleiros, trabalhadores do setor de energia, da construção civil também irão cruzar os braços. Servidores ligados ao sistema judiciário também irão aderir aos protestos. No final da tarde, no Largo do Rosário, os movimentos farão ato, às 17h.

Guarulhos e Arujá

A greve irá atingir o transporte da cidade, puxada pelos condutores e cobradores. Os bancários confirmam paralisação nas principais agências, assim como os trabalhadores da construção civil cruzam os braços em alguns canteiros de obras. Aeroviários e aeroportuários sinalizam participação neste dia de luta.

Jundiaí

Protestos no calçadão, no centro da cidade de Jundiaí, às 9h, com participação de sindicatos e movimentos. No local haverá panfletagem de materiais e diálogo com a população.

Matão

Os metalúrgicos terão assembleias com atraso, a partir das 6h30, nas empresas da região.

Mogi das Cruzes e região

Panfletagem na estação de trem de Suzano. Em seguida concentração na Praça dos Expedicionários, a partir das 9h30, onde ocorrerá ato contra a reforma da Previdência.

Presidente Prudente

Os trabalhadores e estudantes se concentram a partir das 15h em frente ao INSS, na Rua Siqueira Campos, 1315, para ato em defesa da aposentadoria.

Ribeirão Preto

Na cidade, estão programadas assembleias dos trabalhadores pela manhã e panfletagem no calçadão, no centro. Às 17h, está previsto um ato no Campus do Hospital das Clínicas, na Avenida Bandeirantes, 3.900, na Vila Monte Alegre.

São Carlos

O Sindicato dos Metalúrgicos fará assembleia nas empresas da região. Às 9h, os movimentos que compõem a Frente Brasil Popular da cidade se concentrarão na Praça Itália para, em seguida, saírem em marcha até a estação ferroviária da cidade. Os trabalhadores de Araraquara se somam neste ato.

São José do Rio Preto e Catanduva

Bancários param as principais agências das cidades. Também haverá panfletagem no Terminal Rodoviário de São José do Rio Preto, na Rua Pedro Amaral, no centro.

Sorocaba

Os trabalhadores em empresas de transportes urbano, intermunicipal, rodoviário, de fretamento e de cargas irão cruzar os braços por 24 horas. A greve irá atingir os 42 municípios da região, de Araçariguama até Itararé, passando pelos municípios das regiões de Sorocaba, São Roque, Itapetininga e Itapeva. Os metalúrgicos e químicos também sinalizam paralisação nas fábricas.

Vale do Ribeira

Na cidade de Registro haverá ato público contra a reforma da Previdência, em frente ao INSS do município, na Avenida Wild José de Souza, 362, no bairro Vila Tupy, às 14h.

SERGIPE

Em Aracaju, às 14h, no Palácio dos Despachos, tem ato  unificado dos servidores públicos do Estado.

Brasil de Fato


VOLVER