Lula envía carta a manifestantes: “Estoy muy agradecido por la resistencia”

Título de caja
Lula fue condenado a 12 años y un mes por corrupción pasiva y lavado de dinero en el marco de la causa Lava Jato y desde el 7 de abril está preso por orden del juez Sergio Moro. Se lo acusa de haber recibido un departamento en el balneario paulista de Guarujá en carácter de soborno por parte de la constructora OAS. Lula denuncia falta de pruebas y persecución política. Se prevé que en agosto el Tribunal Electoral defina si Lula –favorito en las encuestas- podrá competir en las elecciones presidenciales de octubre.

“Estoy muy agradecido por la resistencia”

Luiz Inácio Lula da Silva envió su primera carta dirigida a los militantes acampados frente a la Superintendencia de la Policía Federal donde está preso desde el 7 de abril. “Yo los escuché a ustedes cantando, estoy muy agradecido por la resistencia y la presencia de ustedes en este acto de solidaridad”, dice el primer párrafo de la misiva escrita en la celda de quince metros cuadrados en el cuarto piso del reclusorio en Curitiba.

“Tengo la certeza de que no está lejos el día en el que la Justicia valdrá la pena”.

“Continúo desafiando a la Policía Federal de Lava Jato, al Ministerio Público de Lava Jato, a (Sergio) Moro a que prueben el crimen que alegan que cometí”, sobre un presunto soborno de la constructora OAS.

La carta fue divulgada en la noche de ayer por el Comité Popular en Defensa de Lula y la Democracia, que funciona debajo de toldos y entre los fogones montados en el barrio curitibano Santa Cándida, a unos doscientos metros de prisión.

Se espera que hoy Lula reciba una decena de senadores, en la primera reunión política desde que está en cautiverio. La jueza federal, Carolina Lebbos, que la semana pasada había prohibido un encuentro con nueve gobernadores, ayer autorizó la reunión con los legisladores.

Este antecedente alimenta la expectativa de que el próximo viernes Lula pueda reunirse con el premio Nobel de la Paz, Adolfo Pérez Esquivel, que ya presentó su solicitud para ingresar a la Superintendencia Regional de la Policía Federal de Curitiba.

El argentino ya recogió más de doscientas mil firmas en respaldo de la candidatura del líder brasileño al Nobel de la Paz.

Ocupación relámpago
En las primeras horas de la mañana el Movimiento de los Trabajadores Sin Techo (MTST) ocupó un departamento en el balneario Guarujá, que es la piedra de toque del proceso sustanciado por Moro.

Pese a carecer de pruebas y basado en delaciones premiadas (generalmente forzadas), Moro condenó a Lula por haber recibido como forma de “propina” el inmueble de la constructora OAS, una de las empresas envueltas en la causa Lava Jato.

En su sentencia de 218 páginas el afamado juez, que ayer viajó nuevamente a Estados Unidos, admitió que el imputado no es propietario del “triplex”, al cual entraron sin permiso decenas de militantes sin techo, en su mayoría jóvenes.

Los ocupas llegaron bien temprano al Edificio Solaris frente a la playa Asturias, de la popular ciudad balnearia en el litoral sur de San Pablo.

Había poca gente en un predio que suele estar repleto durante la temporada estival.

Esta circunstancia facilitó el desplazamiento de los muchachos que subieron sin problemas hasta el último piso y luego ingresaron en el inmueble desocupado. El cual nunca fue vendido por la constructora OAS, según demostró, con documentos, el abogado Cristiano Zanin Martins, defensor del ex tornero mecánico que cumple una condena de doce años y un mes de prisión.

La acción fue transmitida en tiempo real por el MTST a través de las redes sociales. Poco después de iniciada la conexión, el tema ya se había instalado en las portadas de los portales de medios dominantes y en los blogs alternativos.

Un periodista de la radio Jovem Pan bramó “estos delincuentes tienen que ir presos, es un atentado a la propiedad privada, ¿donde está la policía?”.

El relato de la eficaz acción propagandística por Internet estuvo a cargo de una chica mientras recorría con su celular los cuartos vacíos repitiendo que “esta es una ocupación política”.

En una de las piezas había al menos tres camas cuchetas, sencillas, en el último piso una parrilla.

La cronista sin techo mostraba a sus compañeros de la cintura para abajo para preservarles la identidad.

Los activistas colgaron un pasacalles en lo alto del edificio y otros en el ingreso, donde poco después llegaron vehículos policiales.

“Si el departamento es de Lula el pueblo podrá quedarse, ¿si no lo es por qué está preso?”, desafiaron los manifestantes Sin Techo, movimiento liderado por Guilherme Boulous.

“Esta ocupación viene a revelar la farsa judicial, Lula fue preso sin ninguna prueba, en una condena política, que tiene como objetivo retirarlo del proceso electoral” dijo Boulous. La medida duró menos de cuatro horas; los jóvenes se retiraron cuando llegó la policía y no hubo detenidos.

A pesar de su arresto y virtual aislamiento Lula continúa como favorito para los comicios del 7 de octubre con el 31 por ciento de las intenciones de voto, más del doble de Jair Bolsonaro, el capitán retirado del ejército y popular diputado por Río de Janeiro.

Psicólogo y candidato presidencial por el Partido Socialismo y Libertad, Boulous estuvo la semana pasada en el campamento montado frente a la Superintendencia de la Policía en la sureña Curitiba.

Y antes de ello, el sábado 7 de abril, había acompañado a Lula cuando se presentó ante a la policía después de dos días de atrincheramiento en el Sindicato de los Metalúrgicos en San Bernardo do Campo.

Página 12


“Estou tranquilo, mas indignado como todo inocente injustiçado”, afirma Lula em carta

A presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, leu uma carta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no início da noite desta segunda-feira (16) para os militantes que se concentram no acampamento Lula Livre, em Curitiba (PR).

Em sua primeira manifestação após a prisão, Lula agradeceu a resistência, os gritos diários de “bom dia” e “boa noite” dos apoiadores em frente à Polícia Federal e se disse tranquilo.

“Eu ouvi o que vocês cantaram. Estou muito agradecido pela resistência e presença de vocês neste ato de solidariedade. Tenho certeza que não está longe o dia em que a Justiça valerá a pena. Na hora em que ficar definido que quem cometeu crime seja punido. E que quem não cometeu seja absolvido. Continuo desafiando a Polícia Federal da Lava Jato, o Ministério Público da Lava Jato, o Moro e a segunda instância a provarem o crime que alegam que eu cometi. Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como todo inocente fica indignado quando é injustiçado”, escreveu o ex-presidente.

A carta foi entregue à Hoffman pelos advogados de Lula. Amanhã, a presidenta do PT se encontrará pela primeira vez com o petista. Ela integrará a Comissão de Direitos Humanos que foi autorizada pela Justiça a visitar Lula na Polícia Federal.

Brasil de Fato


Solidariedade e organização mantêm e ampliam acampamento por Lula em Curitiba

O acampamento em solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começa sua segunda semana de vigília de forma organizada e pacífica. Desde a prisão de Lula, no dia 7, cerca de mil manifestantes se revezam e exigem a liberdade do ex-presidente, que está detido na Superintendência da Polícia Federal do Paraná, no bairro de Santa Cândida, em Curitiba.

Surgiram rumores sobre uma possível mudança de local do acampamento, o que foi desmentido pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ) em coletiva concedida no final da tarde. “Nossa decisão é de só sair dessa vigília quando o Lula sair da prisão. Vamos manter as tendas, vamos colocar algumas barracas de dormir em um terreno aqui do lado e também as barracas de alimentação. Não temos nenhum tipo de problema com a vizinhança. As informações são inverídicas”, disse.

Em nota, a organização do acampamento disse ter firmado um acordo com a prefeitura. “A partir de acordo entre as lideranças do movimento com a Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito de Curitiba, a Superintendência da Defesa Social e Procuradoria Geral do Município, acertou-se a manutenção do espaço da vigília e o direito à livre manifestação nas imediações da Superintendência da Polícia Federal, onde o ex-presidente Lula é mantido como preso político”. Também fica suspensa a multa fixada na sexta-feira (14), pela 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, de R$ 500 mil por dia de acampamento.

Lindbergh afirmou à RBA que “o acampamento é muito bem organizado. Todos fazem revezamentos, comidas, aqui não tem nada de improvisado. Tem esquema de segurança e conversa com moradores. O acesso à sede da Polícia Federal não está interrompido, tem várias ruas que as pessoas podem acessar”. Ontem (16) mesmo, a presidenta do PT, a senadora paranaense Gleisi Hoffmann, assinou ficha de filiação ao partido de uma moradora do entorno do acampamento, identificada como dona Rosa.

Muita gente visita diariamente o acampamento para uma extensa agenda de atos políticos e culturais, com a presença frequente de lideranças e artistas. Os acampados fixos se organizam em frentes separadas por estados. A vendedora Maria de Nazaré Gomes, veio da capital paulista para apoiar o movimento. “Vim ser voluntária, trabalho com vendas, estou de férias e aproveitei para vir somar aqui. Estou muito bem, temos tudo de bom aqui. Todas as atividades, música, cozinha para ajudar”, disse.

A artesã Georgete Pinheiro de Oliveira completou hoje 51 anos. Ela também é uma das representantes dos paulistas no acampamento, moradora do bairro da Bela Vista, em São Paulo. “Estamos aqui lutando pelo nosso governo, pelo nosso amado presidente Lula”, disse.

“Sou do Movimento de Moradia para Todos e estou nele há oito anos. Para começar a entrar no assunto, morava no Rio de Janeiro com meus filhos. Sou viúva e cheguei em São Paulo com uma mão na frente e outra atrás. Esse movimento me recebeu e ainda não tenho moradia, porque sofremos um golpe e teve uma paralisação no programa Minha Casa, Minha Vida”, completou.

Georgete conta que as movimentações começam cedo, com um “bom dia” entoado em coro ao ex-presidente. De acordo com as lideranças, os advogados de Lula afirmam que ele ouve a recepção diária. “Nossa barraca começa as 7h com o café da manhã”, disse a acampada, que trabalha com a alimentação. “Começamos a pegar voluntários que se inscrevem para a continuidade dos trabalhos (…) Hoje é dia das mulheres, ontem foi dos homens. Aí, começa o café das 7h até as 11h então, paramos para começar a fazer o almoço. Depois do almoço temos o café da tarde, das 15 às 16h, quando damos boa tarde ao Lula. Então, organizamos o jantar e, depois do boa noite, vem o cafezinho da noite, porque está muito frio”, descreve.

A ativista ainda lamentou os incidentes localizados de pessoas contrárias ao acampamento que, por vezes, aparecem nas cercanias. “Eles não entendem que o Lula fez algo pelo Brasil (…) Esse povo, que diz que algo está sendo roubado, o que eles fazem por nós? (…) É dolorido escutarmos isso, mas estamos firmes passando essa ajuda brasileira, essa harmonia de luta. Lula é muito querido não só no Brasil mas no mundo. Lula vai ser livre, estou muito alegre de passar meu aniversário aqui”, disse.

Diálogos dos trabalhadores

Para falar da imagem de Lula no exterior, ponto destacado por Georgete, a reportagem ouviu a geógrafa norueguesa Kine Fristad, que está no acampamento representando o Comitê Norueguês de Solidariedade à América Latina (LAG), uma organização que existe há 40 anos. “Achamos muito importante virmos aqui para mostrar solidariedade e apoiar o povo brasileiro nesta luta que é bem importante para divulgar que o Lula é inocente e que tem um ataque bastante grande contra a democracia brasileira”, disse.

Apesar do sotaque, Kine fala um bom português e tem acompanhado o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST). “Somos em 12 pessoas. Estamos no Paraná aqui, depois vamos ficar em assentamentos do MST. Estamos aqui e tentamos também fazer comunicação com a Noruega, para passar o que está acontecendo. Temos que divulgar esse caso horrível para a democracia brasileira.”

O diálogo da articulação da defesa de Lula dentro do PT com líderes de movimentos sociais foi exaltado pelo ex-vereador paulistano Chico Macena, membro da direção estadual do partido em São Paulo. “Agora, o partido está restabelecendo suas relações com o movimento social. Aqui é um espaço maravilhoso, não só na barraca, no pessoal de São Paulo, mas o Brasil inteiro. Tem gente de todo o país, do movimento sindical e de outros partidos aliados”, diz o petista, que está acampado e é um dos elogiados cozinheiros de uma das tendas de alimentação. Aqui é uma energia levada para o Lula, todo nosso pensamento. Estaremos junto com ele para o que der e vier para poder libertá-lo.”

“O importante aqui é poder dialogar com os companheiros da base. Podemos ouvir companheiros dos movimentos sociais. Hoje de manhã teve um ato com o pessoal haitiano, peruanos, venezuelanos que estão aqui no acampamento também trazendo solidariedade. Isso que devemos fazer daqui para frente. Cada delegação, cada estado tem um representante na reunião da coordenação do acampamento. Lá vamos organizar as atividades do acampamento, a disciplina, limpeza, tudo que vai acontecer aqui. Tem Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro, Mato Grosso, São Paulo, entre outros”, completou.

Rede Brasil Atual


Brasil: Frente Pueblo Sin Miedo ocupa triplex que el juez Moro dice pertenece a Lula

Los movimientos populares en lucha por la vivienda que integran el Frente Pueblo Sin Miedo (Frente Povo Sem Medo, en portugués) ocuparon en la mañana de este lunes (16) el triplex en Guarujá, falsamente atribuido al ex presidente Lula da Silva en el ámbito de la Operación Lava Jato, sin que fuera presentada ninguna prueba de ello.

Los manifestantes colocaron carteles en el balcón del inmueble que queda en Guarujá, en el litoral de São Paulo, y está valorado en cerca de US$ 640 mil. “Es una denuncia de la farsa judicial que llevó a Lula a la cárcel. Si el triplex es de él, entonces el pueblo está autorizado a quedarse allá. Si no es, necesitan explicarnos porqué está preso”, dijo Guilherme Boulos, coordinador del MTST (Movimiento de Trabajadores Sin Techo) y precandidato a presidente de la República por el Partido Socialismo y Libertad (PSOL).

Lula se presentó a la Policía Federal de Curitiba el día 7 de abril, luego de la emisión de una orden de prisión por parte del juez de primera instancia Sérgio Moro. El ex presidente está, desde entonces, en condición de preso político. El candidato del Partido de los Trabajadores (PT) lidera las encuestas de intención de voto. Conforme datos publicados este domingo (15), de la encuesta realizada por el Instituto Datafolha, Lula aparece con 30 y 31% en diversos escenarios, siempre al menos doblando a su inmediato sucesor.

De acuerdo con Josué Rocha, coordinador nacional del MTST, cerca de 150 personas participan en la ocupación, que comenzó alrededor de las 8h30. “Queremos cuestionar que [en el proceso] no existe ninguna prueba que otorgue la propiedad a Lula. Y, por eso lo ocupamos, justamente para colocar este debate”, dijo.

El triplex quedó ocupado durante poco más de dos horas. Con la llegada de la Policía Milita al local, el MTST llegó a un acuerdo para dejar el apartamento. Los manifestantes salieron por las escaleras, como fue acordado con los abogados y policías.

Brasil de Fato


Câmara pode passar à frente do STF em discussão sobre prisões na 2ª instância

A Câmara dos Deputados pode tomar a dianteira do Supremo Tribunal Federal (STF) na discussão a respeito do cumprimento provisório de penas para réus condenados na segunda instância da Justiça. O tema é considerado vital para a Operação Lava Jato e é capaz, por exemplo, de reverter a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A comissão especial que analisa o novo Código de Processo Penal (CPP) na Câmara se reúne na tarde desta terça-feira (17) para a apresentação da primeira versão do substitutivo elaborado pelo relator, João Campos (PRB-GO). O deputado disse, conforme reportou a Agência Câmara Notícias , que pretende incorporar ao novo CPP o entendimento firmado pelo STF em 2016 no sentido de autorizar a execução imediata da pena a partir de decisão colegiada na segunda instância.

O debate sobre as prisões antecipadas, deste modo, pode ter um encaminhamento no Congresso durante o período em que a ação acerca do tema está paralisada no Supremo.

Na semana passada, o relator da Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) que questiona as prisões após segunda instância, ministro Marco Aurélio, suspendeu a discussão do processo pelo prazo de cinco dias – que se encerra apenas na quinta-feira (19). A medida atendeu a pedido do próprio autor da ação, o Partido Ecológico Nacional (PEN), que agora deseja que a discussão fique mesmo para a Câmara dos Deputados.

PEN quer barrar ação levada ao STF pelo próprio partido
O presidente nacional do PEN, Adilson Barroso, explicou que “foi convencido no passado” de que a autorização para o cumprimento provisório de penas faria com que “muita gente fosse injustiçada”. Ele garantiu que a ação levada ao Supremo não visava “defender qualquer político”.

“Entramos com esse processo em 2016 para reconhecer o direito do cidadão brasileiro, e não para um ou outro político. Ficam levantando lebre sobre ele [o processo] toda vez que vem um nome grande do País”, afirmou Barroso em seu Facebook.

“Eu defendo que o condenado vá preso até na primeira instância. Nós defendemos a revisão da Constituição e provocamos isso, mas sem pensar, dois anos atrás, que poderia ser o político A ou B que poderia estar precisando isso. Nunca entrei em processo nenhum para defender qualquer político na Lava Jato”, garantiu o presidente do PEN.

Atualmente, cinco ministros do STF se posicionam abertamente contra o cumprimento provisório de penas (Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Celso de Mello) e cinco magistrados defendem a prisão antecipada (Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Cármen Lúcia). A ministra Rosa Weber é pessoalmente contrária às prisões após segunda instância, mas têm proferido decisões alinhadas com o entendimento adotado em 2016, quando a Corte decidiu autorizar essa medida.

Último Segundo


Vox Populi Lula ficou mais forte após prisão

Pesquisa do Instituto Vox Populi, realizada entre os dias 11 e 15 de abril, mostra que o ex-presidente Lula, mesmo depois de ter sido preso, mantém a liderança e até ampliou sua vantagem sobre os demais candidatos às eleições de outubro.

Segundo a pesquisa, 41% dos brasileiros consideram que Lula foi condenado sem provas, 44% consideram que a prisão de Lula foi injusta e 58% acham que ele tem o direito de ser candidato novamente à presidência da República, mesmo depois da prisão.

Na pergunta espontânea sobre intenção de votos para presidente da República, Lula marcou 39% (eram 38% na pesquisa Vox de dezembro de 2016).

Nos cenários comparáveis de segundo turno, Lula marca 56% x 12% contra Geraldo Alckmin do PSDB (eram 50% x 14% em dezembro), 54% x 16% contra Marina Silva, da Rede, (eram 52% x 21%) e 54% x 20% contra Joaquim Barbosa, do PSB (eram 52% x 21%).

Segundo o diretor do Vox Populi, Marcos Coimbra, a pesquisa mostra que aumentou o sentimento de que o ex-presidente é vítima de uma injustiça e de que recebe um tratamento desigual por parte do Judiciário”.

A pesquisa constata o aumento da simpatia ao PT e a diminuição da rejeição a Lula. “A prisão de Lula, da forma como ocorreu, parece ter afetado a visão do cidadão comum, de forma a torná-la mais favorável ao ex-presidente”, avalia Coimbra.

Brasil 247