Brasil: más de 300 personalidades firman manifiesto “Democracia Sim” contra Bolsonaro

108

Grupo de personalidades lança manifesto contra Bolsonaro

Um grupo com centenas de personalidades, incluindo muitos notáveis de áreas como artes e negócios, lançou neste domingo um manifesto contra a candidatura de Jair Bolsonaro, do PSL, à Presidência da República.

Até o início da madrugada, mais de 300 nomes subscreviam o texto. Entre eles estão o oncologista Drauzio Varella; o músico Caetano Veloso; a historiadora Lilia Schwarcz; o empresário Guilherme Leal; os atores Wagner Moura, Camila Pitanga, Alice Braga e Fernanda Torres; a socióloga Maria Alice Setubal; a editora Marisa Moreira Salles; a ex-jogadora de vôlei Ana Moser; o publicitário Washington Olivetto; o cineasta Walter Salles; entre outros. Nem todos eles confirmaram o apoio em suas redes sociais ou declarações públicas.

No artigo do movimento, denominado “Democracia sim”, o grupo não recomenda voto em nenhum outro candidato, mas é enfático ao citar que “a candidatura de Jair Bolsonaro representa uma ameaça franca ao nosso patrimônio civilizatório primordial”.

Diz o artigo: “Tivemos em Jânio e Collor outros pretensos heróis da pátria, aventureiros eleitos como supostos redentores da ética e da limpeza política, para nos levar ao desastre. Conhecemos 20 anos de sombras sob a ditadura, iniciados com o respaldo de não poucos atores na sociedade (…). Nunca é demais lembrar, líderes fascistas, nazistas e diversos outros regimes autocráticos na história e no presente foram originalmente eleitos, com a promessa de resgatar a autoestima e a credibilidade de suas nações, antes de subordiná-las aos mais variados desmandos autoritários”.

Veja


Pela Democracia, pelo Brasil

Somos diferentes. Temos trajetórias pessoais e públicas variadas. Votamos em pessoas e partidos diversos. Defendemos causas, ideias e projetos distintos para nosso país, muitas vezes antagônicos.

Mas temos em comum o compromisso com a democracia. Com a liberdade, a convivência plural e o respeito mútuo. E acreditamos no Brasil. Um Brasil formado por todos os seus cidadãos, ético, pacífico, dinâmico, livre de intolerância, preconceito e discriminação.

Como todos os brasileiros e brasileiras sabemos da profundidade dos desafios que nos convocam nesse momento. Mais além deles, do imperativo de superar o colapso do nosso sistema político, que está na raiz das crises múltiplas que vivemos nos últimos anos e que nos trazem ao presente de frustração e descrença.

Mas sabemos também dos perigos de pretender responder a isso com concessões ao autoritarismo, à erosão das instituições democráticas ou à desconstrução da nossa herança humanista primordial.

Podemos divergir intensamente sobre os rumos das políticas econômicas, sociais ou ambientais, a qualidade deste ou daquele ator político, o acerto do nosso sistema legal nos mais variados temas e dos processos e decisões judiciais para sua aplicação. Nisso, estamos no terreno da democracia, da disputa legítima de ideias e projetos no debate público.

Quando, no entanto, nos deparamos com projetos que negam a existência de um passado autoritário no Brasil, flertam explicitamente com conceitos como a produção de nova Constituição sem delegação popular, a manipulação do número de juízes nas cortes superiores ou recurso a autogolpes presidenciais, acumulam declarações francamente xenofóbicas e discriminatórias contra setores diversos da sociedade, refutam textualmente o princípio da proteção de minorias contra o arbítrio e lamentam o fato das forças do Estado terem historicamente matado menos dissidentes do que deveriam, temos a consciência inequívoca de estarmos lidando com algo maior, e anterior a todo dissenso democrático.

Conhecemos amplamente os resultados de processos históricos assim. Tivemos em Jânio e Collor outros pretensos heróis da pátria, aventureiros eleitos como supostos redentores da ética e da limpeza política, para nos levar ao desastre. Conhecemos 20 anos de sombras sob a ditadura, iniciados com o respaldo de não poucos atores na sociedade. Testemunhamos os ecos de experiências autoritárias pelo mundo, deflagradas pela expectativa de responder a crises ou superar impasses políticos, afundando seus países no isolamento, na violência e na ruína econômica. Nunca é demais lembrar, líderes fascistas, nazistas e diversos outros regimes autocráticos na história e no presente foram originalmente eleitos, com a promessa de resgatar a autoestima e a credibilidade de suas nações, antes de subordiná-las aos mais variados desmandos autoritários.

Em momento de crise, é preciso ter a clareza máxima da responsabilidade histórica das escolhas que fazemos.

Esta clareza nos move a esta manifestação conjunta, nesse momento do país. Para além de todas as diferenças, estivemos juntos na construção democrática no Brasil. E é preciso saber defendê-la assim agora.

É preciso dizer, mais que uma escolha política, a candidatura de Jair Bolsonaro representa uma ameaça franca ao nosso patrimônio civilizatório primordial. É preciso recusar sua normalização, e somar forças na defesa da liberdade, da tolerância e do destino coletivo entre nós.

Prezamos a democracia. A democracia que provê abertura, inclusão e prosperidade aos povos que a cultivam com solidez no mundo. Que nos trouxe nos últimos 30 anos a estabilidade econômica, o início da superação de desigualdades históricas e a expansão sem precedentes da cidadania entre nós. Não são, certamente, poucos os desafios para avançar por dentro dela, mas sabemos ser sempre o único e mais promissor caminho, sem ovos de serpente ou ilusões armadas.

Por isso, estamos preparados para estar juntos na sua defesa em qualquer situação, e nos reunimos aqui no chamado para que novas vozes possam convergir nisso. E para que possamos, na soma da nossa pluralidade e diversidade, refazer as bases da política e cidadania compartilhadas e retomar o curso da sociedade vibrante, plena e exitosa que precisamos e podemos ser.

Democracia Sim


Bolsonaro prepara “manifesto à Nação”

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, está dando os retoques finais no que vem sendo chamado de “Manifesto à Nação”, no qual pretende fazer um compromisso em defesa da democracia, responder às críticas de racismo e misoginia, e reiterar ao mercado de que trabalhará pelo ajuste fiscal. O formato ainda está sendo definido – se será um texto ou um vídeo – e a ideia é divulgar a mensagem nas redes sociais.

A intenção é que o conteúdo tenha forte tom emocional e possa ser gravado ainda no quarto do hospital, onde o candidato se recupera da facada que recebeu no dia 6 deste mês, em Juiz de Fora (MG), durante agenda de campanha. A equipe de apoiadores gostaria de divulgar o manifesto “o quanto antes”, mas Bolsonaro, que é quem dá a palavra final sobre tudo em sua campanha, ainda quer discuti-lo um pouco mais.

O documento está sendo elaborado a várias mãos e um dos temas centrais, de acordo com um dos auxiliares que participaram da discussão, é rebater acusações de que o capitão da reserva não tem compromisso com a democracia e que a sua chegada ao Palácio do Planalto represente um resquício de ditadura.

Neste domingo, 23, um grupo que inclui intelectuais, juristas, artistas, esportistas, ativistas e empresários subscreveu um manifesto contra o candidato do PSL, intitulado “Pela democracia, pelo Brasil”.

Seguidores de Bolsonaro entendem que existem vários pontos que precisam ser respondidos. O candidato quer mostrar que deseja a união do País e responder que a acusação de racista não se sustenta porque ele vem de uma instituição (o Exército) que é um extrato de toda a população brasileira.

Embora inicialmente a ideia tenha sido inspirada na Carta aos Brasileiros, feita pelo então candidato petista Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002, com o objetivo de acalmar o mercado, a campanha rechaça a comparação. Diz que Bolsonaro quer somente responder aos ataques que vem recebendo.

O momento da divulgação, porém, ainda não foi definido porque o candidato teme eventuais efeitos negativos do manifesto a menos de 15 dias do primeiro turno. Apesar de não citar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), aliados de Bolsonaro usam como exemplo as críticas que o tucano recebeu ao divulgar no fim da semana passada uma carta em que defendeu a necessidade de deter a “marcha da insensatez”.

Pelo que ficou acertado até o momento, o candidato do PSL dirá que está em franca recuperação no hospital e vai agradecer ao povo brasileiro pelas orações. Ele também deverá tratar de economia, destacando a importância do ajuste fiscal e rechaçando a tese de que é estatizante. Pretende ainda reforçar que não tem divergência com seu guru econômico, Paulo Guedes, mesmo após as polêmicas da semana passada envolvendo a proposta de criação de tributos aos moldes da CPMF.

Exame


INTELECTUAIS LANÇAM MANIFESTO SUPRAPARTIDÁRIO EM APOIO A HADDAD

Intelectuais e artistas do Rio Grande do Sul lançaram um Manifesto Suprapartidário em Apoio às Candidaturas de Fernando Haddad e Manuela D’Ávila. De acordo com o texto, “a crise que atravessamos exige a coragem de decidir se manteremos o Brasil como um país dependente e desigual, com um regime político de intolerância e repressão, ou se apostaremos na capacidade de darmos um salto civilizatório e nos tornarmos uma nação soberana, com inclusão social e democracia política”.

“Essa liderança é Fernando Haddad, que, tanto em sua gestão no Ministério da Educação do governo Lula e na prefeitura de São Paulo quanto em todos os debates de que tem participado, demonstrou serenidade, respeito aos seus interlocutores, mesmo aos mais intolerantes e agressivos, e capacidade de diálogo, mantendo-se, ao mesmo tempo, firme na defesa de suas posições”, acrescenta. “Para a construção de um entendimento nacional, num país continental como o Brasil, é preciso contar com a participação de organizações sociais e partidos de regiões muito diferentes. Para fazê-lo, é fundamental ter o apoio de uma estrutura partidária e de uma organização social enraizadas nacionalmente. Haddad e Manuela têm esse apoio”.

Leia a íntegra da nota:

A crise que o Brasil vive hoje na economia, na política, nas instituições e na ética, com o avanço de forças com comportamentos fascistas, colocou diante de nós uma encruzilhada: seguir como uma sociedade dividida, cada vez mais intolerante e violenta, ou pacificar e unir o país, com o entendimento entre as diferentes forças sociais e políticas em torno de um projeto comum de nação.

Depois de uma década de afirmação de nossa soberania e de importantes conquistas econômicas e sociais, hoje somos um país em estagnação econômica, sob o controle da especulação financeira, submetido aos interesses das grandes corporações internacionais, e estamos vendendo, a preços vis, importantes segmentos do patrimônio nacional, dentre os quais o petróleo, a energia e os minerais são as expressões maiores.

Somos a quinta sociedade com maior concentração de renda do mundo, com crescentes níveis de desemprego, pobreza, criminalidade e perda de direitos resultantes das reformas e do congelamento de gastos sociais implementados pelo governo Temer.

A crise que atravessamos exige a coragem de decidir se manteremos o Brasil como um país dependente e desigual, com um regime político de intolerância e repressão, ou se apostaremos na capacidade de darmos um salto civilizatório e nos tornarmos uma nação soberana, com inclusão social e democracia política.

Para isso, é preciso um entendimento social e político, com a participação de entidades de empresários, de trabalhadores e de diferentes segmentos que compõem a complexa e diversificada sociedade civil brasileira. Esse acordo só será possível sob a liderança de um presidente para quem a democracia seja um valor universal, que respeite todas as diferentes forças sociais e políticas e com elas dialogue.

Essa liderança é Fernando Haddad, que, tanto em sua gestão no Ministério da Educação do governo Lula e na prefeitura de São Paulo quanto em todos os debates de que tem participado, demonstrou serenidade, respeito aos seus interlocutores, mesmo aos mais intolerantes e agressivos, e capacidade de diálogo, mantendo-se, ao mesmo tempo, firme na defesa de suas posições.

Somente com o diálogo, marca registrada de Haddad e Manuela, o governo federal poderá construir uma base de apoio no Congresso Nacional. Para isso, Haddad conta com a importante experiência parlamentar de Manuela, sua vice-presidente, que foi vereadora, deputada estadual e deputada federal, sempre eleita com uma das maiores votações no Rio Grande do Sul.

Formado em Direito, com Mestrado em Economia e Doutorado em Filosofia, Haddad já demonstrou ter a competência necessária para a formulação de políticas públicas exitosas. À frente da Prefeitura de São Paulo, foi um dos quatro ganhadores das Melhores Práticas Inovadoras da Nova Agenda Urbana da ONU Habitat. Como ministro da Educação, criou o FUNDEB, ampliando o financiamento da educação pública fundamental para toda a educação básica, e estabeleceu o piso nacional para os professores.

Haddad implantou também o ProUni e ampliou o acesso ao FIES, instalou 14 novas universidades federais e criou os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Ao final de sua gestão, o investimento público em educação passou de 3,9% para 5,1% do PIB.

Para a construção de um entendimento nacional, num país continental como o Brasil, é preciso contar com a participação de organizações sociais e partidos de regiões muito diferentes. Para fazê-lo, é fundamental ter o apoio de uma estrutura partidária e de uma organização social enraizadas nacionalmente. Haddad e Manuela têm esse apoio.

São lideranças jovens, com perspectiva de futuro, rica experiência política e administrativa e forte convicção democrática. Por isso, apoiamos suas candidaturas para liderarem o projeto de desenvolvimento com inclusão social, soberania nacional e democracia de que o Brasil urgentemente necessita.

Porto Alegre, setembro de 2018

Brasil 247


VOLVER
Más notas sobre el tema