El PT tiene diez días para decidir quién va a las urnas en lugar de Lula

182
Contexto de Nodal
Lula fue condenado a 12 años y un mes por corrupción pasiva y lavado de dinero en el marco de la causa Lava Jato y desde el 7 de abril está preso por orden del juez Sergio Moro. Se lo acusa de haber recibido un departamento en el balneario paulista de Guarujá en carácter de soborno por parte de la constructora OAS. Lula denuncia falta de pruebas y persecución política.

El PT ensaya una nueva estrategia

El brasileño Partido de los Trabajadores (PT) analiza los pasos a seguir de cara a las elecciones de octubre, apuntando sus dardos de campaña, entre otros, hacia la justicia electoral que inhabilitó a su candidato, el encarcelado Luiz Inácio Lula da Silva. El ex presidente, adelantó su estado de ánimo y su proyección para lo que se viene en una frase que envió al alto mando del PT: “Vamos a radicalizar sin perder la ternura”, parafraseando al Che Guevara.

El exmandatario debe recibir hoy a su compañero de fórmula, Fernando Haddad, en la cárcel de Curitiba (sur), donde cumple una condena de más de 12 años de prisión por corrupción y lavado de dinero. En esa reunión se espera que marquen el rumbo del partido luego que el Tribunal Superior Electoral (TSE) invalidara su candidatura.

El brasileño Partido de los Trabajadores (PT) analiza los pasos a seguir de cara a las elecciones de octubre, apuntando sus dardos de campaña, entre otros, hacia la justicia electoral que inhabilitó a su candidato, el encarcelado Luiz Inácio Lula da Silva. El ex presidente, adelantó su estado de ánimo y su proyección para lo que se viene en una frase que envió al alto mando del PT: “Vamos a radicalizar sin perder la ternura”, parafraseando al Che Guevara.

El exmandatario debe recibir hoy a su compañero de fórmula, Fernando Haddad, en la cárcel de Curitiba (sur), donde cumple una condena de más de 12 años de prisión por corrupción y lavado de dinero. En esa reunión se espera que marquen el rumbo del partido luego que el Tribunal Superior Electoral (TSE) invalidara su candidatura.

“Cada semana decidimos la estrategia jurídica y política a la luz de los acontecimientos de la semana anterior. (…) Entonces si hubiera novedades (sobre cambios en la candidatura) será mañana (por hoy)”, sostuvo ayer Haddad en conferencia de prensa en Maceió (estado de Alagoas, nordeste). “Nosotros hicimos un pacto interno (en el PT) que no ha sido quebrantado hasta hoy: vamos a defender la democracia en primer lugar”, declaró Haddad ayer. El hasta el sábado candidato a vice precisó, además, que nadie ha conversado con Lula desde que el TSE tomó la decisión, ya que las visitas no están permitidas los fines de semana. “Le vamos a llevar a Lula este lunes un escenario que no estaba previsto, porque desde el jueves nadie le ha visitado”. Asimismo, Haddad explicó que el PT no esperaba que la Justicia juzgara el viernes el registro de la postulación de Lula y que, por ello, no habían llegado a discutir esa posibilidad. “Hay una legislación para Lula y otra para los demás brasileños”, completó el ex alcalde de San Pablo.

“¡El PT jamás abandonará a Lula! Defendemos su derecho a ser candidato hasta las últimas consecuencias”, desafió, por su parte, la presidenta del PT Gleisi Hoffman este domingo en Twitter, al reiterar que continuarán presentando recursos ante la justicia.

Ni Hoffman ni el PT detallaron, sin embargo, dónde interpondrán los recursos, pero estarían barajando hacerlo ante el Tribunal Superior de Justicia (STJ) y el Supremo Tribunal Federal (STF). Este último se ocupa de cuestiones constitucionales.

El TSE, que la madrugada del sábado rechazó la candidatura de Lula en el marco de la ley de “Ficha Limpia” –que impide a un condenado en segunda instancia presentarse a cargos electorales–, dio plazo al PT hasta el 12 de septiembre para encontrarle un reemplazante al líder, prohibió realizar actos de campaña por Lula y ordenó retirar su nombre de las urnas electrónicas. Pero en los anuncios de campaña transmitidos en el horario gratuito del fin de semana el partido insistió en su imagen. Y en redes sociales llama a un “#Lulaço”.

“Es la propuesta del PT desde el comienzo: extender al máximo la agonía de Lula, la posibilidad de que ocurra un milagro. O que ese drama fortalezca la campaña de Haddad” en caso que sea designado candidato, estimó el politólogo Murillo de Aragao, al diario abiertamente antipetista O Globo.

El ex mandatario, de 72 años, se mantiene como el principal favorito de las encuestas, donde amasa un 39% de las intenciones de voto, 20 puntos más que su inmediato seguidor, el ultraderechista Jair Bolsonaro, según Datafolha.

Hasta el momento, Haddad –que en un escenario sin Lula registra una intención de voto de solo 4%– realiza campaña como representante del expresidente (2003-2010). El exalcalde de San Pablo, de 55 años, fue Ministro de Educación bajo los gobiernos de Lula y de su sucesora, Dilma Rousseff (2011-2016). Su trayectoria lo colocó en el corazón de la maquinaria del PT, pero sin salir nunca de la sombra de su mentor.

Para el bloguero político Fernando Brito: “Haddad va a recorrer el país presentándose como el representante –no el ‘sustituto’ con pretensiones– de Lula. Y dejará en claro que, si tuviera que ser candidato, será para que Lula sea liberado y gobierne a través de él”.

Haddad, a pesar del revés judicial sufrido el fin de semana, tiene una visión positiva de los votantes. “Aunque falte alrededor de un mes para las elecciones, yo creo que la población está siguiendo nuestros movimientos, no sólo con atención si no también con sabiduría”, dijo el representante de Lula en Maceió. El ex ministro opinó, además, que las personas habían ganado conciencia de que la situación de Brasil era dramática y se dieron cuenta de que la solución era la democracia. “Las elecciones sirven para eso también. Sirven para esclarecer y para formar colectivamente un juicio sobre cual es el mejor camino”, finalizó Haddad.

Página|12


PT tem 10 dias para indicar substituto de Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não poderá receber votos no mês que vem, quando os brasileiros vão às urnas para escolher o novo ocupante do Palácio do Planalto, decidiu a maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na última sexta-feira, 31, em sessão extraordinária. A coligação que reúne PT e PCdoB poderá escolher agora um novo nome para encabeçar a chapa nos próximos 10 dias. Mas, quanto maior o tempo que usar esse prazo, maior será o prejuízo eleitoral devido a outra decisão do TSE.

A coligação poderia ficar fora da propaganda no horário gratuito, que começou também na sexta-feira para os candidatos a governador e se iniciou ontem para os que se candidatam à Presidência. O tribunal decidiu também a exclusão de Lula da propaganda. A decisão não está livre de controvérsia. O advogado Luís Fernando Casagrande, da defesa de Lula, disse entender que o partido continuaria com direito à propaganda política nos próximos dias. A decisão do TSE de anular a candidatura de Lula foi baseada na Lei da Ficha Limpa, sancionada por ele mesmo quando era chefe do Executivo.

O texto determina a inelegibilidade de quem é condenado por pelo menos um tribunal colegiado. É o caso de Lula, com sentença de 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, o que foi confirmado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre. “A Lei da Ficha Limpa foi resultado de mobilização popular de demanda por patriotismo”, destacou, em seu voto, o ministro Luís Roberto Barroso, relator dos vários pedidos de impugnação da candidatura de Lula. “Não estamos julgando sua culpabilidade ou seu legado político. Quem poderá fazer isso ainda é o STJ (Superior Tribunal de Justiça) ou o STF (Supremo Tribunal Federal)”, disse.

Na tentativa de manter a validade da candidatura de Lula, a defesa baseou-se em decisão liminar do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), de 17 de agosto (Leia matéria ao lado). O órgão decidiu provisoriamente que Lula deve ter assegurado o direito de concorrer à Presidência. Barroso, porém, argumentou que a decisão não tem força de lei no Brasil. E que, mesmo que seja considerada improcedente mais tarde, já terá causado um dano irreparável ao país. O julgamento do mérito da questão pelo órgão internacional ocorrerá apenas no próximo ano.

O ministro Edson Fachin divergiu de Barroso, com base na decisão do Comitê da ONU. Disse que considera Lula enquadrado na Ficha Limpa, portanto, impedido de concorrer, mas ressalvou que a decisão do órgão internacional se sobrepõe. Votaram com Barroso os ministros Fernandes, Jorge Mussi, Admar Gonzaga, Tarcísio Vieira e a presidente da Corte, Rosa Weber. Ela destacou que o comitê que deu a liminar a Lula é um órgão que está em segundo nível na hierarquia da ONU, os chamados órgãos de tratados. “Essa controvérsia nada tem a ver com a Corte Internacional de Justiça da ONU”, ressaltou.

O’Imparcial


À espera de aval de Lula, PT estuda usar ONU em recurso ao Supremo

Depois de ter a candidatura de Lula barrada pela Justiça Eleitoral, o PT avalia recorrer ao STF (Supremo Tribunal Federal) e deixar com o ex-presidente a palavra final sobre a sua substituição pelo candidato a vice, Fernando Haddad.

O recurso ao STF seria uma medida para discutir a validade dos tratados internacionais no Brasil. Na opinião dos advogados, esses acordos garantem ao petista participar das eleições.

Há duas semanas, o Comitê de Direitos Humanos da ONU se posicionou a favor de que o petista possa ser candidato até o fim dos recursos contra sua condenação na Lava Jato.

Em seu voto no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na sessão que barrou a candidatura de Lula, o ministro Edson Fachin afirmou que a posição do comitê deveria ser acatada, mas foi vencido por 6 a 1. Petistas dizem acreditar que o voto divergente de Fachin pode ser explorado para angariar apoio de outros ministros do STF para essa tese.

A estratégia, porém, ainda não está fechada e passará pela decisão do próprio Lula. Nesta segunda-feira (3), o ex-presidente vai conversar com Haddad e outros dirigentes para dar as orientações para os próximos dias.

“Infelizmente não temos a agilidade do TSE. Ainda estamos estudando o acórdão [da sessão que terminou na madrugada de sábado]. Precisamos de alguns dias para pensar nas alternativas”, disse Fernando Neisser, um dos advogados do ex-presidente.

Nos bastidores, o recurso ao STF é tratado como uma medida formal que precisa ser tomada, visto que o PT e o próprio Lula deixaram claro que recorreriam a todas as instâncias para tentar garantir sua presença na eleição.

Não há, no entanto, muito otimismo com o resultado do recurso. O que os petistas querem saber agora é quando o ex-presidente autorizará sua substituição como candidato.

A avaliação no PT é que, como conseguiu o direito de se manter no horário eleitoral até a troca de Lula, o partido ganhou tempo para esticar a corda e fazer a substituição no último dia do prazo dado pelo TSE, 11 de setembro.

A tese de Lula é de que quanto mais próximo do primeiro turno se der a substituição, maior seu potencial para transferir votos para Haddad —o ex-presidente tem 39%, segundo o último Datafolha.

Na próxima segunda (10), um dia antes do limite para a troca, o PT fará um evento em São Paulo com o mote “a arrancada para a vitória”. O ato será realizado na PUC-SP, com a presença de Haddad.

Aliados do vice apostam no simbolismo e no “timing”. Em 2016, antes do impeachment, Dilma Rousseff participou de um evento no mesmo local e conseguiu passar a imagem de que a esquerda estava unida para defendê-la.

Os advogados do PT também enfrentarão nesta semana uma série de pedidos feitos ao TSE neste domingo (2) para suspender o horário eleitoral da sigla no rádio e na TV e retirar da internet seus programas.

Representantes do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e do partido Novo acionaram o tribunal alegando que o partido apresentou Lula como candidato nos programas veiculados no fim de semana, o que foi proibido pelo TSE.

“Os representados [PT] veicularam propaganda em rede na TV em que não apenas apresentam Lula como candidato a presidente como desafiam a decisão deste tribunal ao veicular a informação de que ‘a ONU já decidiu que Lula poderia ser candidato e ser eleito presidente do Brasil’, embora essa não tenha sido a conclusão desta corte”, sustentou o Novo.

Haddad disse a jornalistas neste domingo, em Maceió (AL), que acredita que, se a candidatura de Lula fosse confirmada, ele ganharia no primeiro turno. “Acredito que a população brasileira está acompanhando os nossos movimentos e os movimentos do presidente Lula não só com muita atenção, mas com muita sabedoria”, disse. Haddad estava ao lado do senador Renan Calheiros (MDB-AL) e de Renan Filho (MDB), que busca a reeleição como governador de Alagoas. O ex-prefeito teceu elogios aos dois, afirmando que Renan é companheiro de longa data de Lula.

Os próximos passos para a candidatura do PT

1º.SET
– TSE barrou a candidatura de Lula com base na Lei da Ficha Limpa. A corte deu dez dias para a coligação do PT trocar o candidato, vedou atos de campanha ou aparições de Lula na condição de candidato no horário eleitoral e mandou retirar o nome dele da programação da urna eletrônica

– Acórdão da decisão foi publicado na própria sessão. Publicação importa para a contagem de prazo para os recursos

4.SET
– Prazo final (de três dias após a publicação do acórdão) para a defesa apresentar embargos de declaração ao próprio TSE. Tais embargos são um tipo de recurso para esclarecer pontos da decisão e em geral não conseguem revertê-la

– Também é o prazo para apresentação de recurso extraordinário direcionado ao STF (Supremo Tribunal Federal). Após ouvir o Ministério Público, caberá à presidente do TSE, Rosa Weber, fazer um juízo de admissibilidade desse recurso e, em caso de admissão, enviá-lo ao Supremo

6.SET
– Sessão do plenário que deve julgar os embargos de declaração, caso a defesa os tenha apresentado

11.SET
– Data final para o PT substituir Lula por outro candidato, conforme decisão do TSE

OUTRAS POSSIBILIDADES
– Defesa também pode ir ao Supremo por outros meios processuais, como o mandado de segurança ou a reclamação, que não obedecem àqueles prazos

– Mandado de segurança é um tipo de ação que visa assegurar à pessoa um direito líquido e certo que tenha sido ameaçado ou violado pelo poder público. Já a reclamação visa preservar a autoridade de decisões anteriores do STF (pode-se alegar, por exemplo, que a decisão do TSE contrariou em algum ponto alguma decisão anterior do Supremo)

Marina Dias , Reynaldo Turollo Jr. e Géssica Brandino

Folha


VOLVER
Más notas sobre el tema