Elecciones en Brasil: el PT insiste con la candidatura de Lula y denuncia a Bolsonaro por incitar a la violencia

224
Contexto de Nodal
Lula fue condenado a 12 años y un mes por corrupción pasiva y lavado de dinero en el marco de la causa Lava Jato y desde el 7 de abril está preso por orden del juez Sergio Moro. Se lo acusa de haber recibido un departamento en el balneario paulista de Guarujá en carácter de soborno por parte de la constructora OAS. Lula denuncia falta de pruebas y persecución política.

Após encontro com Lula, PT decide recorrer à ONU e ao STF por candidatura

O PT vai recorrer ao Comitê de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva possa ter sua candidatura registrada para concorrer à Presidência nas eleições de outubro. Além disso, o partido promete peticionar dois recursos no STF (Supremo Tribunal Federal): – um eleitoral e um criminal – para que não haja a necessidade de substituir o nome do ex-presidente no prazo de 10 dias atribuído pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), no último sábado.

“O presidente Lula tomou a decisão de peticionar junto à ONU para que se manifeste sobre a decisão das autoridades eleitorais brasileiras em relação à determinação da ONU para que sua candidatura fosse registrada”, afirmou Fernando Haddad, vice-presidente na chapa do PT.

Além de Haddad, uma comitiva, que contou com a presença da presidente do partido, Gleisi Hoffmann, e advogados, ingressou na Polícia Federal por volta das 9h30 para se reunir com Lula. Foi o primeiro encontro de Haddad com Lula desde o julgamento do TSE que rejeitou a candidatura do ex-presidente.

Inicialmente, Haddad falaria com a imprensa por volta do horário do almoço. No entanto, as reuniões seguiram no período da tarde. Até mesmo uma agenda do candidato a vice-presidente, prevista para o fim da tarde, em Porto Alegre, foi cancelada devido à extensão da reunião.

Em visita a Alagoas, no último fim de semana, Haddad negou que o PT esteja confundindo a cabeça do eleitor com a indefinição sobre a candidatura de Lula. “Eu acredito que a população brasileira está acompanhando os nossos movimentos e os do presidente Lula, não só com muita atenção, mas também com muita sabedoria”, destacou o candidato em entrevista coletiva concedida no domingo (2), ao lado de Renan Calheiros (MDB-AL).

Durante o evento, Haddad evitou traçar um cenário eleitoral sem a presença de Lula. “A gente, desde janeiro, quando tudo começou a parecer estranho, a condenação lá do TRF-4 [Tribunal Regional Federal da 4ª Região], nós fizemos um pacto interno que não foi violado até hoje”, disse. Em entrevistas anteriores, Haddad chegou a afirmar que o pacto é ir com Lula “até as últimas consequências”.

Segundo Haddad, o PT está apenas respondendo aos fatos que estão acontecendo. “Não imaginávamos que o Brasil contrariaria uma determinação de um organismo internacional e um tratado que nós subscrevemos e foi aprovado pelo Congresso Nacional. Nosso entendimento é que os direitos políticos do presidente Lula seriam reconhecidos”, afirmou.

A tendência é que o pedido para a ONU seja enviado ainda nesta segunda-feira (3), enquanto o para o STF ocorra na terça-feira (4). Devido ao prazo dado pelo TSE, os recursos no STF devem ter um pedido de liminar, visando que sejam julgados dentro do prazo estabelecido e dando condições para que Lula continue na disputa eleitoral.

Campanha eleitoral
Após o TSE proibir o PT de veicular a campanha de rádio apresentada no último sábado, em que Lula aparecia como candidato, e estabelecer multa de R$ 500 mil para cada campanha que não estivesse em conformidade, Haddad justificou a situação devido ao prazo para ajustar a campanha em todas as plataformas (rádio, TV e internet). “Eu sou candidato a vice-presidente e vou poder figurar em até 100% do horário eleitoral. O Lula poderá figurar em 25% do tempo”, afirmou.

Segundo ele, o PT apresentou justificativas ao TSE. “Levamos ao conhecimento do tribunal todos os e-mails e medidas tomadas na madrugada para ajustar toda a comunicação à decisão”, justificou. De acordo com Haddad, após a entrevista concedida em frente à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, onde Lula está preso desde abril, ele retornaria a São Paulo para que as peças fossem adequadas à decisão.

UOL


Amenazas del ultra Bolsonaro

El candidato a la presidencia de Brasil, Jair Bolsonaro, insiste en enfatizar su postura intolerante y ultraderechista. En un acto de campaña en la ciudad de Rio Branco, capital del estado de Acre, el ex capitán del ejército usó un trípode para simular una ametralladora, acto tras el cual exclamó: “Vamos a fusilar a todos los petistas de Acre”.

El actual diputado, asimismo, mandó a los simpatizantes del Partido de los Trabajadores (PT) a irse a Venezuela. “Ya que les gusta tanto Venezuela, tienen que irse para allá. Solo que allá ni siquiera tienen mortadela, sólo van a comer pasto”, agregó Bolsonaro. En el intolerante discurso en Acre, el presidenciable, además, afirmó que, de ser elegido,: “La familia va a ser respetada. Aquí tienen macho y hembra y no vamos a admitir que nuestros niños continuen siendo pervertidos en programas de gobierno. Respeto las opciones de cualquiera, que sea feliz, pero no vamos a jugar con nuestros niños”.

Días antes, Bolsonaro había acentuado su postura de extrema derecha al afirmar que, si llegara a ganar las elecciones, los policías tendrán seguridad jurídica para actuar. “Un policía bueno no es el que muere sino el que dispara. Si un policía mata a un vago no será procesado, será condecorado”, aseguró, según informó el medio digital Tribuna Online. A pesar de ser cuestionado por sus declaraciones, el sábado en la ciudad de Porto Velho (estado de Rondonia), reafirmó su posición. “Nuestros policías civiles y militares serán reconocidas. Si durante un tiroteo con un vago, el vago muere, el oficial tiene que ser condecorado”, insistió.

Página 12


CAMPANHA DE LULA E HADDAD ENTRA COM AÇÃO CRIMINAL CONTRA BOLSONARO POR INCITAR ASSASSINATOS

O PT reagiu ao fascismo de Jair Bolsonaro, que, neste fim de semana, subiu num palanque, no Acre, e defendeu o fuzilamento de cidadãos brasileiros simpatizantes do Partido dos Trabalhadores, legenda que, segundo o Ibope, tem 29% da preferência nacional. “O candidato incorreu no crime de injúria eleitoral – quando ocorre a ofensa à honra subjetiva de alguém durante a propaganda eleitoral, ou visando a propaganda -, ameaça e incitação ao crime de homicídio”, diz a nota do PT.

Até agora, a procuradora-geral Raquel Dodge, que tem atropelado prazos para banir a candidatura de Lula, ainda não tomou providências contra o fascismo explícito de Bolsonaro.

 

Bolsonaro assume seu lado fascista e fala em fuzilar petistas no Acre. O Brasil causa espanto no mundo civilizado. Graças a Luis Roberto Barroso e companhia, cassa os direitos políticos de Lula, que deixou o cargo com 87% de aprovação, e permite a candidatura de um político que promete promover assassinatos

Publicado por Brasil 247 en Domingo, 2 de septiembre de 2018

Confira abaixo a nota do PT, a representação criminal e também o vídeo de Bolsonaro:

A coligação “O povo feliz de novo” (PT/PCdoB/Pros) entrou com representação criminal, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), contra o deputado federal Jair Bolsonaro, candidato à presidência da república pelo PSL, por ameaça. A coligação também ingressou com notícia crime pelos crimes de injúria eleitoral e incitação ao crime.

Conforme comprovado por vídeo em ato realizado no Acre, Bolsonaro fez gesto de “fuzilamento” e instou seu público a, em suas próprias palavras, “fuzilar a petralhada toda aqui do Acre”. O ódio destilado pelo deputado, em sua campanha da raiva e da truculência, parece não encontrar limites, incitando ao assassinato de cidadãos de esquerda.

O candidato incorreu no crime de injúria eleitoral – quando ocorre a ofensa à honra subjetiva de alguém durante a propaganda eleitoral, ou visando a propaganda -, ameaça e incitação ao crime de homicídio.

Vale notar que Bolsonaro já é réu no STF pelos crimes de racismo e incitação ao estupro.

Basta de ódio. É inadmissível que um candidato a presidente pregue o assassinato de quem não pensa igual a ele.

Brasil 247


Colación liderada por el PT denunció penalmente al candidato de ultraderecha de Brasil

La coalición ‘El pueblo feliz de nuevo’, conformada por el Partido de los Trabajadores (PT), el Partido Comunista de Brasil (PCdoB)y el Partido Republicano del Orden Social (Pros), interpuso una denuncia penal por amenaza contra el candidato presidencial Jair Bolsonaro, quien incitó a “fusilar” a los “petistas”.

La denuncia fue interpuesta ante la Corte Suprema de Brasil luego de que se conociera un video con unas declaraciones del candidato de ultraderecha en la ciudad de Río Branco, que fue difundido el sábado en la noche.

Durante el video el candidato Bolsonaro, quien lidera la intención de voto tras la inhabilitación de Lula, empuña un trípode como si fuese un arma y le dice a su público “vamos a fusilar la ‘petralada’ aquí en Acre”.

Por lo que por medio de un comunicado el PT señaló que “el odio destilado por el diputado en su campaña de la rabia y la truculencia, parece no encontrar límites, incitando al asesinato de ciudadanos de izquierda”, y agregó que “es inadmisible” que un candidato presidencial “pregone el asesinato de quien no piensa igual a él”.

NT24


VOLVER
Más notas sobre el tema