Balotaje en Brasil: Bolsonaro se declara admirador de Piñera y Haddad apunta al voto religioso

“Un abrazo especial a Piñera”: Bolsonaro recibe a presidenta de la UDI y dice que “admira” al mandatario chileno

“Al pueblo hermano de Chile, soy Jair Bolsonaro, candidato a la presidencia de la República de Brasil, y si Dios quiere casi electo”.

Con esas palabras comienza el video en que Jair Bolsonaro, el líder de cara al balotaje en la elección brasileña, se dirige al pueblo chileno. ¿La razón? El encuentro con una comitiva de dirigentes de la UDI encabezado por su presidenta, la senadora Jacqueline Van Rysselberghe, quien además compite por reelegirse en la testera del partido contra el diputado Javier Macaya.

“Nos queremos acercar cada vez más a ustedes, agradeciendo la visita de esta comitiva espectacular que está aquí, entre ellos dos senadores de la República”, señaló Bolsonaro, refiriéndose a Van Rysselberghe y al senador por Arica José Durana, también presente en la cita.

La senadora, justamente, señaló que le “encantaría” recibir a Bolsonaro en Chile como jefe de Estado y que “haremos todos los esfuerzos para firmar un acuerdo de libre comercio” con Brasil.

“Queremos que la izquierda, que en distintos países elevó la corrupción en niveles increíbles, deje de ganar en América Latina”, agregó Van Rysselberghe.

El encuentro -que se realizó en Río de Janeiro- causó polémica e incluso críticas internas de parte de otras figuras de la UDI, como el senador Juan Antonio Coloma y el diputado Patricio Melero, debido al controvertido perfil del candidato, quien ha tenido diversas frases criticando a los gays y elogiando a regímenes militares como el brasileño.

Con todo, en el mensaje en video Bolsonaro envía un saludo con dedicatora al presidente Sebastián Piñera. “Un abrazo especial a Piñera. Lo admiro desde su primer mandato cuando lo conocí. Y sé que juntos, en el bilateralismo y los acuerdos, tenemos todo para traer nuestro progreso y la felicidad para nuestros pueblos”, señala.

“Quiero un Brasil grande y un Chile grande. Estamos juntos hasta la victoria si Dios quiere”, cierra el candidato brasileño en su intervención.

La Tercera


Una cuestión de fe de los candidatos

Fernando Haddad se reunió ayer en San Pablo con pastores protestantes democráticos ante quienes deploró la campaña de noticias falsas exparcidas a través de las redes sociales por grupos vinculados a Jair Bolsonaro que tiene como aliadas a las corrientes evangélicas de más peso económico, especialmente la Iglesia Universal del Reino de Dios, propietaria de la cadena de radio y televisión Record.

Conducida por el obispo electrónico Edir Macedo, la Iglesia Universal puso a sus templos y canales televisivos al servicio del capitán retirado del Ejército que lidera con holgura las encuestas hacia el ballottage del 28 de octubre. Según la última encuesta de Ibope, Bolsonaro tiene el 59 por ciento de intenciones de voto contra el 41 por ciento de Haddad.

Entre los electores evangélicos el candidato de extrema derecha se hace todavía más fuerte: cuenta con el 66 por ciento de apoyo, cuarenta y dos puntos más que su adversario.

La disputa entre votantes católicos es más equilibrada ya que el candidato del Partido Social Liberal (PSL) tiene el 48 por ciento frente al 42 del ex intendente de San Pablo Haddad.

El ascenso vertiginoso de Bolsonaro en los sondeos pocos días antes del primer turno electoral, celebrado el 7 de octubre, obedeció en buena medida a los sermones “fake” de los predicadores neopentecostales.

Mientras los pastores equiparaban al Partido de los Trabajadores (PT) con Lúcifer y el aborto obligatorio (en lugar del derecho al aborto), millones de internautas recibían mensajes a través de Whats- App en los que se acusaba al ex alcalde Haddad de incentivar conductas sexuales perversas entre los niños y convertir a las escuelas públicas en antros de promiscuidad.

Lo que se ha visto en las últimas semanas en Brasil posiblemente se convertirá en un caso de estudio sobre cómo se aniquilan las democracias.

Un plan de orientación del voto a través del discurso religioso mezclado con la saturación de mentiras a través de Internet.

Es posible que en la arquitectura de este golpe electoral esté la mano del experto norteamericano en campañas sucias Steve Bannon, el ex asesor de Donald Trump, que meses atrás se reunió con uno de los hijos de Bolsonaro.

A menos de dos semanas de los comicios que elegirán al gobernante brasileño para el período 2019 y 2022, Haddad optó por encarar sin rodeos a su enemigo político. “Cuando veo lo que dicen de mí en las redes sociales me pregunto si vale la pena ganar votos de esa manera”, aseveró el candidato del Partido de los Trabajadores (PT) ante un auditorio religioso reunido en un hotel del centro de San Pablo.

El heredero de Luiz Inácio Lula da Silva –preso y proscripto– destacó que en los gobiernos del PT se respetó la libertad de los cultos y hubo una convivencia civilizada con los protestantes.

“La mentira no es cosa de Dios”, plantearon los representantes del Frente Evangélico por el Estado de Derecho, que disienten con la agitación y propaganda bolsonarista.

“El diablo puede usar a los apóstoles para decir mentiras, y es eso lo que hemos visto” en muchos templos, abundó el pastor Ariovaldo Ramos, coordinador del Frente.

Mientras tanto, en Río de Janeiro, Bolsonaro se reunió con el arzobispo Oraní Tempesta ante quien se comprometió a luchar “contra el aborto y la legalización de las drogas”.

La posición de la Iglesia católica ha sido contenida que la asumida por los evangélicos, la semana pasada Haddad fue recibido por el religioso Leonardo Steiner, secretario general de la Conferencia Nacional de Obispos de Brasil.

Página|12


Bolsonaro diz admirar presidente chileno Piñera

Jair Bolsonaro se declarou admirador do presidente conservador chileno, Sebastián Piñera, e manifestou seu desejo de trabalhar com ele pelo progresso de Brasil e Chile, durante reunião nesta quarta-feira com senadores chilenos.

Bolsonaro, que lidera as pesquisas para o segundo turno das eleições de 28 de outubro com ampla vantagem sobre Fernando Haddad, recebeu nesta quarta um grupo de senadores chilenos do partido União Democrata Independente (UDI), aos quais manifestou sua admiração por Piñera.

“Um abraço especial para Piñera. O admiro desde seu primeiro mandato, quando o conheci, e sei que juntos, no bilateralismo e com acordos, temos tudo para trazer progresso e felicidade para nossos povos”, declarou Bolsonaro em um vídeo gravado pela comitiva chilena e amplamente difundido pela imprensa em Santiago.

“Quero um Brasil grande e um Chile grande. Estamos juntos até a vitória, se Deus quiser”, diz o capitão da reserva do Exército.

A comitiva chilena foi liderada por Jacqueline Van Rysselberghe, senadora e presidente da UDI, partido que apoia Piñera e que defendeu a ditadura de Augusto Pinochet no Chile entre 1973 e 1990, durante a qual 3.200 pessoas morreram ou desapareceram.

Bolsonaro se apresentou no vídeo como “candidato à presidência da República do Brasil e, se Deus quiser, quase eleito”.

“Queremos nos aproximar cada vez mais de vocês” chilenos, e “agradecer a visita desta comitiva espetacular que está aqui”.

Durante sua última visita à Europa, Piñera declarou ter “concordâncias no terreno das medidas econômicas” com Bolsonaro, mas também “grandes divergências” em temas como igualdade de gênero e racismo.

EM


Piada: TSE convoca representantes de Bolsonaro e Haddad e pede clima de paz

A ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, se reuniu hoje com representantes das candidaturas de Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) para discutir a difusão massiva de notícias falsas e a onda de violência durante as eleições. O tribunal vem colocando preocupações com a disseminação de conteúdos colocando em dúvida o sistema de votação e apuração nestas eleições. Participaram do encontro também os ministros Luís Roberto Barroso e Edson Fachin.

Segundo representantes das candidaturas, que falaram a jornalistas ao fim do encontro, os ministros do TSE mostraram preocupação com os conteúdos enganosos e casos de agressão. Rosa Weber teria feito um apelo para que a campanha ocorra em clima de paz e para que os candidatos incentivem apoiadores a fazer uma campanha pacífica.

Em relação a conteúdos colocando em dúvida a lisura do processo eleitoral, os ministros defenderam a segurança das urnas eletrônicas e do sistema de votação. Mas, conforme os relatos, não houve resolução ou encaminhamentos concretos, apenas recomendações dos ministros.

“As sugestões [do TSE] foram no sentido de que nós comunicássemos aos nossos clientes para que continuassem se esforçando para que houvesse cada vez mais a instrução dos eleitores para que se evite qualquer atitude que possa ser considerada violência. Embora nós tenhamos dito que isso foge ao controle de qualquer candidato. A violência existe, é um fenômeno no Brasil, e não se pode atribuir isso a um candidato”, relatou o advogado da candidatura de Jair Bolsonaro, Tiago Ayres.

Sobre as notícias falsas, o advogado da candidatura de Jair Bolsonaro acrescentou que o tema preocupa o político e sua campanha, que também estariam sendo alvos de mensagens deste tipo. Ele citou como exemplo as mensagens atribuindo ao deputado voto contra a Lei Brasileira de Inclusão, suspensas pelo TSE após questionamento da candidatura.

O coordenador da campanha de Fernando Haddad, Emídio Souza, informou que os representantes da candidatura pediram providências do TSE e de órgãos como a Polícia Federal em relação à disseminação de notícias falsas sobre o candidato do PT e da onda de violência que atribuiu aos apoiadores de Jair Bolsonaro.

“A disseminação de fake news, desta forma, deforma a democracia, altera o resultado eleitoral. Não é possível que a Justiça assista impassível tamanha agressão à democracia”, pontuou o coordenador. Sobre os atos de violência, Souza informou que solicitou um pronunciamento da presidente do TSE em defesa do bom senso. “Não é possível tamanha agressividade nesta campanha”. Não houve resposta sobre o pleito, segundo ele.

Fenômeno eleitoral

O fenômeno das notícias falsas vem marcando as eleições deste ano. A missão internacional da Organização dos Estados Americanos (OEA) manifestou preocupação com o fenômeno da desinformação durante o 1º turno e elogiou a segurança das urnas. No balanço da votação do 1º turno, a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, também alertou para o problema, em especial, vídeos e mensagens colocando em dúvida a lisura do processo eleitoral.

Nos últimos dias, o TSE mandou retirar publicações falsas contra a candidatura de Haddad tratando da distribuição do que passou a ser chamado de kit gay. Na segunda (15), nova decisão ordenou a retirada de vídeos relacionando a candidata a vice, Manuela d’Ávila à hipersexualização de crianças. Ontem, o ministro Sérgio Banhos barrou propaganda contra Bolsonaro segundo a qual o candidato do PSL teria votado contra a Lei Brasileira de Inclusão (LBI).

WhatsApp

A rede social WhatsApp tem sido o foco de maior preocupação. Estudo divulgado hoje por professores da Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e integrantes da Agência Lupa que acompanhou 347 grupos na plataforma encontrou entre as imagens mais compartilhadas um índice de apenas 8% de caráter verdadeiro.

Ontem, o conselho consultivo do TSE para notícias falsas realizou reunião à distância com representantes da plataforma de troca de mensagens WhatsApp. O objetivo foi discutir formas de garantir o alcance de respostas diante da divulgação de notícias falsas dentro da rede social.

A videoconferência foi uma providência decidida em reunião realizada na semana passada. Integrantes do colegiado manifestaram receios em relação à disseminação de notícias falsas na plataforma, especialmente mensagens e vídeos colocando em dúvida a lisura do processo eleitoral e apontando supostas fraudes nas urnas.

Uma das preocupações manifestadas por integrantes do órgão após o encontro foi como encontrar meios para garantir que desmentidos e direitos de resposta alcançassem no WhatsApp usuários atingidos pelas mensagens iniciais, objetivo que é conseguido em redes como Facebook e Twitter.

Segundo o vice-procurador eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, o WhatsApp se propôs a disponibilizar ferramentas ao TSE já adotadas por agências de checagem de conteúdos enganosos e fabricados. Mas o vice-procurador não detalhou que sistemas poderão ser aplicados e qual a serventia deles.

De acordo com Jacques de Medeiros, os representantes da plataforma relataram encontrar “dificuldades” para aplicar a metodologia de outras redes sociais, como mecanismos de checagem de fatos (como no Facebook e no Google) e possibilidades de veiculação de direito de resposta aos mesmos usuários alcançado pelas mensagens originais consideradas falsas. O WhatsApp estaria “aquém disso”, nas palavras do procurador.

Diario Centro do Mundo 


Bolsonaro e Haddad assinam termo de compromisso à Constituição

Os candidatos à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), assinaram hoje (17), um Termo de Compromisso de Respeito à Constituição da República Federativa do Brasil proposta pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI). O presidente da entidade, Domingos Meirelles, disse que a intenção é restabelecer “o fulcro natural” da campanha, para que os dois voltem a discutir propostas de governo e questões pragmáticas no lugar de trocarem insultos.

“Diante desse caos, um dos motivos que nos levou a pedir que eles assinassem [o Termo de Compromisso] era baixar a temperatura e que voltassem a discutir programa de governo e não ficar um acusando o outro. Isso foi uma conversa preliminar e eles concordaram. É uma intenção de baixar a poeira e decantar um pouco o tom de intolerância da campanha”, disse Meirelles, em entrevista à Agência Brasil.

No texto do documento, que tem a concordância dos dois candidatos, a ABI cita o fato da Carta Magna ter 30 anos e que notícias veiculadas pela imprensa indicavam uma eventual vontade dos candidatos em promover uma Constituinte para modificar os principais postulados da Constituição. A ABI destacou que é importante que a sociedade brasileira tenha tranquilidade e confiança de que o Texto Constitucional em vigor não sofrerá deformações que comprometam sua verdadeira natureza.

A entidade destacou também “a enxurrada de notícias que circulam pelas mais diversas redes sociais, na maioria das vezes de conteúdo fraudulento, enfatizando o desejo dos candidatos em transfigurar nossa Lei Maior”.

Diálogo

De acordo com o presidente da entidade, o compromisso assinado com Bolsonaro e com Haddad foi resultado de um processo que começou em um primeiro contato para saber se ambos concordavam em assinar o documento, que em seguida foi encaminhado para análise de cada um. Bolsonaro assinou no Rio e Haddad em São Paulo.

“A ABI é talvez a mais longeva entidade da sociedade civil, está completando 110 anos em 2018. Nós, diante do peso da instituição e da idade que ela tem, nos achamos no dever de fazer uma carta compromisso para os candidatos [questionando] se eles concordavam em não mexer na Constituição”.

Segundo Meirelles, pairava sobre as duas candidaturas suspeitas de modificação na Carta Magna e como a ABI defende direitos humanos, as liberdades e garantias individuais, houve a avaliação de que os dois precisavam mostrar este compromisso. O presidente da ABI disse que ficou surpreso com a concordância imediata dos candidatos em assinar o documento.

“Eles não pediram para mexer em nada. Isso é que realmente surpreendente. Senti que eles estavam assinando com um certo alívio. É como se eles estivessem se livrando de um peso que carregassem nas costas. É essa a minha leitura”, disse.

Meirelles disse que a história da ABI pode ter levado à concordância imediata dos candidatos em assinar o documento. “Talvez pelo fato de ser uma entidade como a ABI, ela tem 110 anos, a própria história em defesa da liberdade, da democracia, que teve um papel importante na luta pelo restabelecimento do estado de direito. Talvez a soma de todos esses aspectos, eles não criaram nenhum tipo de objeção”, disse.

Cláusulas

O Termo de Compromisso tem três cláusulas. A primeira destaca o Título II da Constituição e os preceitos do Caput do Artigo 5º que trata da “inviolabilidade do direito à vida, à igualdade, à segurança e à propriedade”. Na segunda, o compromisso é de respeitar as cláusulas pétreas da Carta Magna, afastando por completo qualquer tipo de manobra ou artifício que viole ou produza preceitos contrários ao atual texto Constitucional. Na última, os candidatos ratificam e enfatizam seu pacto de assegurar os direitos à informação, à liberdade de expressão e, por conseguinte, à liberdade de imprensa.

O presidente da ABI acrescentou que o compromisso está firmado, mas não pode garantir que o eleito vá respeitar o documento. “É um compromisso moral e ético”, disse.

Agencia Brasil


VOLVER