Jair Bolsonaro gana las elecciones presidenciales en Brasil

8

Bolsonaro cita la Biblia y critica a la prensa en primer discurso como presidente electo

RÍO DE JANEIRO (Sputnik) — El presidente electo de Brasil, Jair Bolsonaro (Partido Social Liberal), citó a la Biblia y a Dios en su primer discurso tras ser elegido el 28 de octubre y criticó a los grandes medios de comunicación.

Asimismo, el militar reservista criticó la “situación vejatoria” en que gran parte de la prensa le colocó, y destacó que logró llegar al Gobierno sin un gran partido detrás ni grandes medios económicos.Siguiendo la línea de su campaña, Bolsonaro aseguró que Brasil no podía seguir “filtreando” con el comunismo y el populismo de izquierda.

“Vamos a cambiar el destino de Brasil, sabíamos adónde estábamos yendo, ahora sabemos adónde queremos ir: mi querido pueblo brasileño, gracias por la confianza”, afirmó.

Bolsonaro hizo una transmisión para las redes sociales desde su casa, y no en una rueda de prensa como suele ser habitual en estas ocasiones.

Sputnik


Jair Bolsonaro es el nuevo presidente de Brasil

El candidato del Partido Social Liberal ganó en la segunda vuelta con el 55,6% de los votos. Su oponente del Partido de los Trabajadores, Fernando Haddad, obtuvo el 44,4%.

El líder ultraderechista del Partido Social Liberal (PSL) , Jair Bolsonaro, se convirtió en el nuevo presidente de Brasil. En la segunda vuelta de las elecciones, el candidato del PSL ganó con el 55,7% de los votos ante su oponente del Partido de los Trabajadores, Fernando Haddad, el delfín de Luiz Inácio Lula da Silva, que obtuvo el 44,3%.

Después de una campaña presidencial muy polarizada y con más del 90% de las urnas escrutadas, el polémica candidato de la derecha brasileña logró sacarle 12 puntos al reemplazante del expresidente preso, un resultado similar al previsto por los sondeos.

En medio de fuertes medidas de seguridad en Río de Janeiro, el ultraderechista votó a en un centro en Villa Militar, escoltado por una caravana de policías y evitó hablar con la prensa.

Favorito en las encuestas, Bolsonaro se había posicionado entre los favoritos durante la última parte de la campaña. Sin embargo, para muchos analistas el exmilitar es un peligro para la democracia brasileña, por su ferviente defensa de la dictadura (1964-1985); sus comentarios machistas; y sus declaraciones en contra de los ciudadanos negros y homosexuales.

TN


Eleições 2018: Acompanhe a repercussão do 2º turno em tempo real

Em todo o País, os eleitores foram às urnas neste domingo para escolher presidente e 14 governadores.

Jair Bolsonaro está eleito presidente do Brasil. Com 99,1% das urnas apuradas, ele aparece com 55,2% dos votos contra 44,7% de Fernando Haddad (PT).

Em São Paulo, João Doria (PSDB) derrotou Márcio França (PSB) por 51,7% a 48,2%.

No Rio de Janeiro, o juiz Wilson Witzel (PSC) derrotou o candidato do Democratas (DEM), Eduardo Paes.

No Distrito Federal, o candidato Ibaneis Rocha (MDB) está eleito governador.

Em Minas Gerais, Zema foi eleito governador; enquanto o Rio Grande do Sul elegeu Eduardo Leite (PSDB), que derrotou o atual governador José Ivo Sartori (MDB).

Os presidenciáveis Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) votaram durante a manhã e demonstraram otimismo em relação aos resultados das urnas. No Rio, Bolsonaro votou na Escola Municipal Rosa da Fonseca, na Vila Militar, zona norte da cidade. Em São Paulo, Haddad votou na Brazilian International School no bairro de Moema, na zona sul. Em uma rápida entrevista coletiva, o petista disse que o que está em jogo hoje no Brasil são as liberdades individuais, a democracia e a própria Nação.

Estadao


Com 4 governadores e 5 aliados, PT triunfa em todo o Nordeste pela

1ª vez

Apesar da derrota presidencial de Fernando Haddad para Jair Bolsonaro (PSL), PT conseguiu uma hegemonia inédita nos governos estaduais do Nordeste.

Com a vitória de Fátima Bezerra no Rio Grande do Norte neste domingo (28), o Partido de Trabalhadores fecha esta eleição com quatro governadores eleitos.

Além dela, já haviam sido eleitos no primeiro turno Camilo Santana, no Ceará,
Wellington Dias, no Piauí, e Rui Costa, na Bahia. A região foi a única do país a
eleger petistas para o Executivo neste ano.

O partido também está nas coligações vencedoras de outros cinco estados, após a
escolha de Belivaldo Chagas (PSD) para governar Sergipe.

No turno anterior, já haviam vencido Renan Filho (MDB), em Alagoas, Flávio Dino (PCdoB), no Maranhão, João Azevêdo Apuração.

É a primeira vez que um partido vence em todos os estados da região. Mas esse
aumento da força da legenda é recente. Em 2002, quando elegeu Luiz Inácio Lula da Silva como presidente, o partido fez apenas um governador (Wellington Dias, no Piauí) e seus candidatos e apoiados perderam em todos os demais estados.

Quatro anos mais tarde, começava o salto petista na região: o partido melhorou seu
resultado, com três governadores eleitos, inclusive na Bahia, o maior colégio eleitoral da região, com a vitória de Jaques Wagner. Outros dois aliados venceram.

Em 2010, mais uma alta: apesar de vencer como cabeça de chapa em apenas dois
estados, o PT saiu vitorioso por coligações em outros quatro Estados, integrando seis governos favoráveis.

Na eleição passada, em 2014, foram três governadores eleitos e três aliados vencedores.

Das três maiores vitórias no primeiro turno em termos percentuais, o PT teve duas: a primeira no Ceará, com Camilo Santana; e a terceira na Bahia, com Rui Costa. Em Alagoas, Renan Filho (MDB) estava coligado com o PT e teve a segunda eleição com maior diferença de votos.

Para a cientista política da Ufal (Universidade Federal de Alagoas) Luciana Santana, o bom resultado petista é um resultado direto da aprovação dos nordestinos às políticas públicas dos governos Lula e Dilma Rousseff.

“A região ainda apresenta sérios problemas estruturais, mas, se compararmos à realidade de 20, 30, 40 anos atrás, as mudanças foram significativas, especialmente para as classes mais baixas”, afirma.

“A conjuntura nacional também favoreceu a consolidação de uma resistência de oposição eleitoral no Nordeste. Fora isso, não se pode desconsiderar a desidratação de partidos como PSDB e MDB na região”, diz.

UOL

 

Más notas sobre el tema