Bolsonaro no asistirá a la cumbre del G20 y se reunirá con el asesor de seguridad de EEUU

200

Un desaire más: Bolsonaro no vendrá a la Argentina ni para el G20

La cancillería de Brasil confirmó que el presidente electo Jair Bolsonaro no participará de la cumbre de Líderes del G20 que se realizará en Buenos Aires el viernes 31 de noviembre y sábado 1 de diciembre. El dirigente ultraderechista había sido invitado por el presidente en funciones, Michel Temer, pero el Planalto ratificó la primera ausencia de la reunión que este año organiza el presidente Mauricio Macri.

Según la agencia de noticias del país vecino, el Ministerio de Relaciones Exteriores brasileño aseguró que Bolsonaro no será parte de la comitiva que viaje a Buenos Aires, en un nuevo desaire al presidente Macri. Si bien el excapitán asumirá recién en enero de 2019, Bolsonaro era una de las figuras que el gobierno esperaba para la cumbre del G20.

La decisión llega además tras las advertencias de su futuro ministro de Hacienda, Paulo Guedes, quien poco antes de ser designado criticó al Mercosur y declaró que la Argentina no sería “una prioridad” para el futuro gobierno brasileño. Aquella afirmación desató un pequeño entredicho diplomático, que se complementó con la decisión de Bolsonaro de romper la tradición y elegir a Chile como anfirión de su primer viaje al exterior.

En ese momento, y para intentar calmar las aguas, Guedes había deslizado la posibilidad de que el sucesor Temer participe de la reunión de presidentes que se realiza este año en la Ciudad de Buenos Aires. Con ese mismo objetivo, el canciller argentino Jorge Faurie le había restado importancia al anuncio de la visita Sebastián Piñera y no había descartado la presencia de Bolsonaro en el G20.

Para disimular la ausencia del presidente electo, Luis Cesar Gasser, director del Departamento de Asuntos Financieros y Servicios del Ministerio de Relaciones Exteriores, señaló que “el comercio internacional es un tema que le preocupa al gobierno brasileño”. “Es de extrema relevancia y será uno de los ejes que serán tratados por Brasil en Buenos Aires”, agregó.

De hecho hoy la futura ministra de Agricultura, Tereza Cristina, exigió cambios profundos en el Mercosur y advirtió que si no se efectúan Brasil podría abandonar el bloque regional. “Necesitamos ver nuestros intereses”, advirtió Cristina.

Página|12


Assessor de Segurança Nacional de Trump anuncia reunião com Bolsonaro

O assessor de Segurança Nacional da Presidência dos Estados Unidos, John Bolton, anunciou hoje (21) que se reunirá com o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, no dia 29 no Rio de Janeiro.

“Verei o próximo presidente do Brasil, @JairBolsonaro, no Rio, em 29 de novembro. Compartilhamos muitos interesses bilaterais e trabalharemos de forma próxima para expandir a liberdade e a prosperidade por todo o continente americano”, escreveu Bolton no Twitter.

Este será o primeiro encontro oficial entre o governo americano e Bolsonaro e ocorrerá na véspera da cúpula de líderes do G20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo) em Buenos Aires, da qual o presidente norte-americano Donald Trump participará.

O presidente Michel Temer convidou Bolsonaro a acompanhá-lo na cúpula do G20, mas fontes da equipe de transição disseram que a viagem não será possível porque o presidente eleito ainda precisa de cuidados médicos devido à facada que sofreu durante a campanha.

Bolton aproveitará a viagem a Buenos Aires para fazer uma parada no Brasil em um novo gesto do interesse da Casa Branca em estabelecer uma relação produtiva com Bolsonaro.

Trump ligou para Bolsonaro depois das eleições para parabenizá-lo pela vitória Os dois acertaram trabalhar conjuntamente em matéria comercial, militar e “tudo mais”, segundo o presidente americano.

Já o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca descreveu Bolsonaro como um “aliado” durante um discurso sobre a América Latina feito recentemente em Miami. Além disso, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, também conversou com o presidente eleito sobre a situação da Venezuela.

Por Da Agência EFE Washington

Agencia Brasil


Equipe de Jair Bolsonaro divulga novos nomes do futuro governo

O presidente eleito anunciou, nesta quarta (21), novos nomes do futuro governo. Jair Bolsonaro passou o dia trabalhando no gabinete de transição, em Brasília.

O presidente eleito recebeu embaixadores da Rússia, do Líbano e de Portugal na sede transição e também o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux. Mas o dia foi mesmo de cuidar da engenharia do futuro governo. Jair Bolsonaro fez uma espécie de reunião ministerial, com novos ministros e assessores. Na pauta o planejamento para o ano que vem: além de menos ministérios, estruturas enxutas.

“A gente tá trocando o pneu com carro andando. Então o que ocorre? Tem programas, projetos, concessões, licitações que estão em processamento, em andamento que vão literalmente cair no colo do governo Bolsonaro. Como é que a gente faz? Pra que lado a gente direciona? Isso, os futuros ministros têm que ter isso claro como medidas de que o que o governo vai fazer e poder explicar pra sociedade”, destaca Onyx Lorenzoni, futuro ministro da Casa Civil.

O articulador político do futuro governo disse que a montagem da equipe deve estar pronta até o fim do mês. Nesta quarta (21) já foram anunciados novos nomes. Em uma rede social, Jair Bolsonaro divulgou o nome do escolhido para liderar a Advocacia Geral da União: André Luiz de Almeida Mendonça, atual corregedor geral da AGU. Ele é pós-graduado em direito pela UNB, mas ainda não decidiu se o cargo continuará com o status de ministro.

E Gustavo Bebianno, ex-presidente do PSL, partido de Bolsonaro, vai assumir a super Secretaria Geral da Presidência da República, que toca o PPI, Programa de Parcerias de Investimentos, responsável pela agenda de concessões e privatizações. Também vai cuidar da Secretaria de Comunicação.

“A principal tarefa da secretaria é o trabalho de modernização do Estado, desburocratização, Gov-Itec. Talvez pela primeira vez o governo federal olhando para a sua atividade fim que é servir bem a população”, afirma Bebianno.

O futuro ministro da Defesa, General Azevedo e Silva, apresentou, o novo comando das Forças Armadas. Da Marinha, será o almirante de esquadra, Ilkes Barbosa Junior; do Exército, general Edson Leal Pujol; e da Aeronáutica o tenente brigadeiro do ar, Antonio Carlos Moreti Bermudez. Questionado sobre a intervenção no Rio, o general disse que ela acaba em 31 de dezembro e que é possível prorrogar a GLO, Garantia da Lei e da Ordem.

Enquanto Jair Bolsonaro cuida da montagem do governo, a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, prepara a mudança de endereço da família. Ela veio a Brasília para conhecer o Palácio da Alvorada. Foi a atual primeira-dama Marcela Temer que fez as honras da casa. Mostrou cômodo por cômodo do palácio, onde o futuro presidente pretende morar.

Michelle Bolsonaro deixou claro que quer cuidar de assistência social: “todos os projetos sociais possíveis. Até porque era algo que eu já fazia antes de me casar com o Jair. Então eu tenho um chamado pra ação social. Comunidade surda, pessoas com deficiência e portadores de síndromes”.

No fim do dia, Bolsonaro e a mulher visitaram a Residência Oficial do Torto, que passará a ser usada por eles até a posse.

Nesta quarta, o assessor de segurança nacional dos Estados Unidos, John Bolton, publicou numa rede social que virá ao Brasil se encontrar com Jair Bolsonaro. Bolton disse que os dois têm interesses em comum e vão trabalhar em conjunto para ampliar a liberdade e a prosperidade no hemisfério ocidental.

Globo


Bolsonaro pode nomear o própio filho para tocar cominicacao federal 

Indicado nesta quarta-feira como ministro da secretaria-geral da Presidência, o advogado Gustavo Bebbiano adiantou que o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Bolsonaro, poderá assumir a Secom, responsável pela política de comunicação pública e também pela gestão da publicidade federal. “Ele sempre esteve à frente dessa comunicação. É uma pessoa muito importante para a equipe e para o presidente”, disse Bebbiano.

Confira, abaixo, a reportagem da Agência Brasil e também alguns tweets de Carlos Bolsonaro, que adota, com frequência, uma linha de questionamento da mídia tradicional:

O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, confirmou hoje (21) o nome do advogado Gustavo Bebianno como ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência. Segundo Onyx, ele é um “homem preparado e da absoluta confiança” do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Bebianno agradeceu a indicação e adiantou que a principal atividade de sua pasta será a modernização e a desburocratização do Estado. “Será o governo olhando para sua atividade de servir a população”, afirmou em coletiva no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde a equipe de transição do governo está instalada.

Perguntado, o futuro ministro disse que há uma lista em estudo para composição de sua equipe. Um dos nomes apontados por ele é o de Carlos Bolsonaro, filho do presidente eleito, que poderá assumir a Secretaria de Comunicação da Presidência.

“Ele sempre esteve à frente dessa comunicação. É uma pessoa muito importante para a equipe e para o presidente.”

Bebianno e Onyx participaram hoje da primeira reunião com todos os ministros confirmados e integrantes de 14 grupos técnicos. Esses encontros devem se repetir todas as quartas-feiras, às 10h. Essa é a primeira agenda fixa da equipe de Bolsonaro. A proposta é que, nos próximos dias, ministros e grupos técnicos apresentem ideias e projetos “que serão construídos paulatinamente”, descreveu Onyx.

O desenho ministerial estará pronto até meados de dezembro e deve refletir as promessas de enxugamento da estrutura da máquina pública.

Brasil247


VOLVER
Más notas sobre el tema