Brasil: Bolsonaro anunció a Ernesto Araújo como canciller

Jair Bolsonaro anunció que el diplomático Ernesto Araújo será su próximo canciller

El presidente electo de Brasil. Jair Bolsonaro, anunció este miércoles quién será su próximo canciller. Se trata de Ernesto Araújo, un diplomático de carrera desde hace 29 años, y al que Bolsonaro definió en un mensaje en Twitter como un “intelectual brillante”.

Bolsonaro ya había afirmado días atrás que el ministro de Relaciones Exteriores sería un diplomático.

Araújo es director del Departamento dos Estados Unidos, Canadá y Asuntos Interamericanos.

Según recordó el diario Folha de Sao Paulo, durante la campaña electoral, Araújo tenía un blog en el que llamaba al Partido de los Trabajadores “Partido Terrorista”, y hacía campaña por Bolsonaro, entonces candidato a presidente.

En una entrevista con varios medios brasileños este miércoles, Bolsonaro explicó que eligió a Araújo por su perfil. El objetivo, afirmó es “motivar al Ministerio de Relaciones Exteriores a incrementar los negocios en todo el mundo”.

Junto a Bolsonaro, Araújo dijo que al frente de la cancillería hará una política “efectiva en función del interés nacional”, haciendo de Brasil un país “próspero” y feliz”, según informó el portal Globo.

Clarín


Bolsonaro foge de nomes ‘óbvios’ e escolhe diplomata pró-Trump: Ernesto Araújo

O diplomata anunciado por Jair Bolsonaro (PSL) para o Ministério das Relações Exteriores (MRE), Ernesto Araújo, 51, surpreendeu a comunidade diplomática. É, conforme havia adiantado Bolsonaro, um titular bastante jovem para a função.

O chanceler no posto hoje em dia é Aloysio Nunes, 73 anos. O titular anterior da pasta, ainda sob o governo de Michel Temer, foi José Serra, 76, e o último nome do MRE sob Dilma foi Mauro Vieira, 67.

O nome de Ernesto Araújo não figurava entre os “favoritos”.
Funcionário de carreira do Itamaraty, Araújo foi Diretor do Departamento dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos. Foi recentemente promovido à diplomata de primeira classe e é, além de diplomata, autor de pelo menos três livros de ficção: A porta de Mogar, Quatro 3 e Xarab fica.

“A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores”, disse Bolsonaro nesta quarta-feira (14).

“Ele escreveu um artigo chamado ‘Trump e o Ocidente’ uma vez na revista do Itamaraty. Foi uma bomba, uma espécie de declaração da posição política dele. Ele se posicionou claramente simpático ao Trump”, disse um funcionário do Itamaraty ao UOL.

“Ele jogou muito aberto, fez jogo limpo, não é um cara de intriguinha. Queimou as naus e levou”, disse o funcionário do Itamaraty ao UOL.

Blog pessoal

O futuro chanceler é descrito como um diplomata extremamente erudito, profundo conhecedor da história antiga e exímio escritor – do tipo que “fará os próprio discursos”, diz o funcionário do Itamaraty. Acima de tudo, um “ideólogo”.
O blog que manteve para fazer apoio explícito à campanha de Jair Bolsonaro, chamado “Metapolítica 17”, é um exemplo atípico entre diplomatas – que, no geral, preferem não explicitar suas posições.

A página, ainda no ar, traz criticas ao PT, à esquerda e ao marxismo. “Tenho 28 anos de serviço público e sou também escritor. Quero ajudar o Brasil e o mundo a se libertarem da ideologia globalista”, escreve ele em um texto introdutório.

O diplomata define: “Globalismo é a globalização econômica que passou a ser pilotada pelo marxismo cultural. Essencialmente é um sistema anti-humano e anti-cristão. A fé em Cristo significa, hoje, lutar contra o globalismo, cujo objetivo último é romper a conexão entre Deus e o homem, tornado o homem escravo e Deus irrelevante. O projeto metapolítico significa, essencialmente, abrir-se para a presença de Deus na política e na história.”

A diretriz do Itamaraty sobre pronunciamentos pessoais é que sejam acompanhadas sempre de um “disclaimer”, ou seja, um aviso de que determinada manifestação não reflete a posição oficial do Governo. O blog de Araújo acrescentou o “disclaimer” após receber críticas.

É de se esperar das relações exteriores brasileiras sob seu comando uma aproximação com os EUA e com outros governos de perfil afinado ao do governo Bolsonaro. O diplomata nunca se manifestou, no entanto, sobre a questão da Palestina – cara ao Itamaraty. O governo brasileiro tem relações diplomáticas oficiais com a Palestina desde 1975, mas essas relações estão agora em risco com a constante aproximação de Bolsonaro e o governo de Israel.
Ainda que de posições consideradas radicais, porém, Araújo é considerado “versátil” e alguém que transita com certa liberdade entre diferentes círculos. “Nunca ouvi falar de casos de atrito grave. É uma pessoa de trato leve”, diz o funcionário do Itamaraty.

UOL