O Brasil a caminho do rebaixamento – Por Clóvis Rossi

O Brasil a caminho do rebaixamento

Simpatia do novo chanceler é pela terceira divisão

Por Clóvis Rossi *

Desde a redemocratização e, principalmente, desde a estabilização da economia, o Brasil passou a ser convidado para a mesa dos grandes do mundo. Faz bem para a autoestima e pode ser útil diplomática, comercial e financeiramente. Agora, se o novo chanceler, Ernesto Araújo, levar a cabo as ideias estapafúrdias que destila em seu blog e em ensaio para Cadernos de Política Externa, o Brasil ficará relegado à mesa dos marginais da política. Um pouco de memória: durante a ditadura, não era de bom tom para as democracias ocidentais serem vistas abraçando o regime militar. Podiam, claro, fazer negócios, receber os ditadores, como fazem com tantos outros, mas havia sempre um certo pudor. Com a democracia, a super-inflação fazia com que americanos e europeus não conseguissem entender como o Brasil funcionava. Por extensão, tinham dificuldades para abraçar esse país tão grande e tão disfuncional. Estabilizada a economia, Fernando Henrique Cardoso passou a ser convidado para as reuniões da chamada Terceira Via, rebatizada para Governança Progressista. Congregava os então líderes dos principais países ocidentais: Tony Blair, Bill Clinton, o alemão Gerhard Schroeder, o francês Lionel Jospin, o italiano Massimo D’Alema —a nata enfim do mundo rico.

Os hidrófobos do bolsonarismo certamente dirão que se tratava de um bando de perigosos comunistas, mas o superministro de Economia, Paulo Guedes, liberal de carteirinha, teria orgasmos ao ler algumas frases do manifesto de lançamento do grupo: “O Estado não deve crescer, mas reduzir-se”; “menos regulamentação e mais flexibilidade”. Luiz Inácio Lula da Silva também foi convidado para a mesa do grupo e, depois, teve papel de destaque nas cúpulas do G20, o clubão das maiores economias. Nesse fórum, no entanto, a participação do Brasil não era escolha de qualquer governante de turno, mas imposição dos fatos: o Brasil é uma grande economia e tem, inexoravelmente, lugar à mesa. Com Bolsonaro, continuará, pois, a fazer parte do G20, se o grupo resistir à aversão de Donald Trump pelas instâncias multilaterais —aversão de resto compartilhada pelo chanceler designado pelo presidente eleito.

G20 à parte, se Ernesto Araújo levar à prática o seu ideário de cruzado disposto a salvar o Ocidente, o Brasil de Bolsonaro acabará sentando-se à mesa da terceira ou quarta divisão.

Acontece que Araújo manifestou admiração por Steve Bannon, o ideólogo da chamada “alt-right” (piedosa designação para extrema direita). Tão extrema que nem Trump o suportou na Casa Branca: demitiu-o depois de receber críticas do antigo aliado. Agora, Bannon bandeou-se para a Europa, na tentativa de criar O Movimento, um grupo da direita nacional-populista. Até agora, só tem apoio de partidos absolutamente inexpressivos. O único líder saliente na lista do Movimento é o italiano Matteo Salvini (da Liga, ex-Liga Norte, xenófoba). Mesmo assim, Salvini só chegou ao governo porque coligou-se com outro grupo populista, à esquerda, o 5 Estrelas, refratário ao clube que Bannon tenta montar. O Brasil pode estar numa draga de fazer gosto, mas, ainda assim, merece companhia mais asseada do que a desse bando de alucinados.

* Repórter especial, membro do Conselho Editorial da Folha e vencedor do prêmio Maria Moors Cabot.


VOLVER