Bolsonaro trasladará la embajada de Brasil a Jerusalén

Netanyahu confirmó que Brasil llevará su embajada a Jerusalén

El primer ministro de Israel, Benjamín Netanyahu, reveló que el presidente electo de Brasil, Jair Bolsonaro, le confirmó que trasladará la embajada brasileña de Tel Aviv a Jerusalén, siguiendo la línea diplomática inaugurada por Estados Unidos bajo la gestión de Donald Trump y rompiendo con el consenso tradicional de América Latina.
“Bolsonaro me dijo que se hará y solo que resta saber cuándo se hará”, aseguró el premier en un discurso ante la comunidad israelí en Río de Janeiro.

Netanyahu encuentra desde el viernes en Rio para participar de la asunción del excapitán del Ejército, mañana en Brasilia.

La confirmación sobre el cambio de sede de la embajada -que es rechazada por la Autoridad Palestina- fue realizada durante una reunión entre Netanyahu y Bolsonaro en Río de Janeiro.

Palestina pretende emplazar en Jerusalén oriental la capital del su futuro Estado, pero esa zona fue conquistada, anexada y colonizada por Israel desde 1967 pese a no contar con aval de la ONU ni de la comunidad internacional. Los gobiernos anteriores de Brasil y el resto de los países latinoamericanos han reconocido a Palestina y han afirmado que la frontera entre los dos Estados, así como el estatus de Jerusalén, deben surgir de negociaciones entre las partes y no de procesos de colonización ni de apropiación de territorios por la fuerza.

En un hotel de Copacabana, bajo 40 grados de calor, Netanhayu afirmó que “Brasil es el principal interés de Israel actualmente”.

El premier también había declarado el carácter estratégico de la relación con la Argentina en la visita que realizó en 2017, pero en el caso del gigante sudamericano parece ir más allá.

Estados Unidos, Guatemala y Australia ya mudaron sus embajadas en Israel a la ciudad santa, en disputa para la mayoría de la comunidad internacional, y Bolsonaro había prometido en la campaña seguir la decisión de Trump.

Netanyahu y el ultraderechista Bolsonaro hablaron además sobre la tecnología de irrigación que poseen empresas israelíes y que podrían ser aplicadas en el semiárido Nordeste brasileño, un bastión de la principal fuerza opositora, el Partido de los Trabajadores (PT).

En el marco de esta posible cooperación, Netanyahu dijo que Israel “es un país de innovación” y destacó las relaciones y acuerdos con India y Omán, dos países que históricamente mantuvieron un vínculo frío con su país por su apoyo a la causa palestina.

Dentro de la campaña de Netanyahu de ganar nuevos aliados mundiales, especialmente entre antiguos simpatizantes de la causa palestina, el premier aseguró que Brasil es un mercado en ciernes para Israel.

“Solo hay dos formas de que las empresas crezcan: con nuevos productos o con nuevos mercados”, dijo el líder del partido derechista Likud, quien también ofreció tecnología en seguridad como la utilizada por Israel en la frontera con Egipto.

El traslado de la embajada brasileña en Israel, sin embargo, no cayó bien dentro de todos los sectores de la heterogénea base de apoyos de Bolsonaro.

La decisión encendió un alerta dentro del bloque parlamentario ruralista, que apoya al futuro oficialismo pero que exporta gran parte de la producción avícola y de carne “halal” al mundo árabe y teme represalias económicas. Se calcula que están en juego ventas de carne por unos 700 millones de dólares.

Pero el traslado de la embajada fue apoyado por uno de los principales interlocutores brasileños ante sectores políticos y religiosos de Israel, el pastor Edir Macedo, líder de la Iglesia Universal del Reino de Dios, creada por él en 1979, y uno de los referentes civiles que hizo campaña a favor de Bolsonaro mediante su canal de televisión Record, el segundo en audiencia del país.

En 2014 la Iglesia Universal del Reino de Dios construyó en San Pablo una réplica del Templo de Salomón en Jerusalén, la mayor en América latina,

El grupo religioso encabezado por Macedo utilizó para ello piedras de Hebrón, una de las ciudades más violentas del territorio palestino ocupado por Israel en Cisjordania, donde se instalaron colonos israelíes con protección militar a pesar de los reclamos de la ONU y la mayoría de la comunidad internacional.

Entretanto, seguidores de Bolsonaro se reunieron ante la Granja del Torto, la residencia de campo de la Presidencia, donde el ex capitán del Ejército se prepara para asumir en la tarde de este martes 1 de enero el mando del país en lugar de Michel Temer.

Bolsonaro, al llegar al atardecer del sábado desde Río de Janeiro a Brasilia, fue recibido por un grupo de 50 motociclistas de ultraderecha conocidos como “Cruzada 17” que llegaron de todo el país para participar de la asunción.

Además, frente a la Granja del Torto se congregaron ayer fieles evangélicos de la iglesia Nucleo de Fe, del barrio Bandeitantes, uno de los suburbios más grandes de Brasilia.

En las redes sociales y mientras las fuerzas de seguridad terminaban de preparar el cerco de seguridad para su asunción. El gobierno calcula que entre 250.000 y 500.000 personas asistirán a los festejos.

Ámbito Financiero


‘Bolsonaro vai mudar a embaixada para Jerusalém’, afirma Netanyahu

O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que a embaixada brasileira naquele país será mesmo transferida de Tel Aviv para Jerusalém, afirmou neste domingo o chefe de governo do Estado judeu.

— Bolsonaro me disse que não é uma questão de se, mas de quando — afirmou Netanyahu num encontro com a comunidade judaica brasileira em um hotel de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Segundo altas autoridades israelenses ouvidas pelo GLOBO, Netanyahu entende que Bolsonaro deseja realizar a transferência de modo incondicional, sem esperar contrapartidas de Israel. A transferência da embaixada — num gesto que simboliza o reconhecimento de Jerusalém como capital israelense — é controvertida porque viola resoluções do Conselho de Segurança da ONU segundo as quais o destino da cidade deve ser decidido em negociações entre Israel e os palestinos.

No encontro com a comunidade judaica, Netanyahu, que assistirá à posse em Brasília na terça-feira, afirmou que Bolsonaro fez uma promessa de fraternidade ao seu país:

— Bolsonaro disse que somos irmãos. Não que somos aliados, nem que temos interesses comuns, mas que somos irmãos de coração.

Em conversa com jornalistas brasileiros na manhã de ontem, Netanyahu apresentou oportunidades de negócios para empresas israelenses no Brasil. Ele afirmou que seu país é líder em tecnologia, com protagonismo em áreas como cibersegurança, mobilidade e defesa. A eleição de Bolsonaro, disse, é uma “incrível oportunidade” para os dois países. O premier se referiu à gestão de recursos hídricos e à segurança como benefícios que o Brasil pode obter da relação. Disse também que a experiência israelense na defesa de seu território pode ser usada para combater o crime organizado.

Segundo autoridades israelenses próximas ao premier, questionado sobre vantagens comerciais que o Brasil poderia obter com a intensificação das relações com Israel, Netanyahu se referiu a um possível aumento das importações de café. Os principais produtos vendidos pelo Brasil aos israelenses são carne bovina, soja e suco de laranja.

Dúvida de Bolsonaro

Em visita aos Estados Unidos em novembro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente eleito, já havia afirmado que a transferência da embaixada “não era uma questão de se, mas de quando”. Porém, o próprio Bolsonaro questionou a decisão em uma entrevista que postou no sábado em seu perfil no Twitter. Na entrevista, concedida no último dia 11 a um pastor, ele afirma que ainda está avaliando a mudança, que defendeu na campanha presidencial e depois de eleito.

“Conversei com o embaixador de Israel sobre isso. Conversei com o Ernesto Araújo [futuro ministro das Relações Internacionais]. Alguns países estão realmente ameaçando boicote à nossa economia caso isso se concretize. E nós estamos conversando sobre a melhor maneira de decidir essa questão”, diz Bolsonaro no vídeo.

No começo de dezembro, a Liga Árabe, formada por 22 países, enviou uma carta a Bolsonaro com críticas à transferência. Em 2017, o Brasil registrou um superávit de US$ 7,1 bilhões no comércio com o bloco, contra um déficit de US$ 419 milhões com Israel.

Em relação à possibilidade de o Brasil se tornar alvo do terrorismo islâmico por causa da transferência, Netanyahu afirmou aos jornalistas que não a considera plausível. Ele lembrou que nem EUA nem Guatemala, os dois únicos países que até agora transferiram suas missões diplomáticas para Jerusalém, não registraram “nenhum ataque” em função disso.

O premier, argumentam autoridades israelenses, avalia que os países árabes estão cada vez mais próximos de Israel e não se importam com a transferência. Como exemplo disso, Netanyahu mencionou um encontro que teve com o presidente do Chade, Idriss Deby, em novembro. Netanyahu disse que negocia com os países árabes a autorização para que voos entre Tel Aviv e São Paulo possam cruzar seus espaços aéreos, o que encurtaria a viagem em quatro horas.

O Globo


Brasil emite una estampilla en honor de los 70 años de Israel y la visita de Netanyahu con la palabra “salvador”

El Correo de la República Federativa del Brasil emitió una estampilla en honor de los 70 años del Estado de Israel y la histórica primera visita de un jefe de gobierno hebreo, con la imagen y un epígrafe sobre Benjamín Netanyahu y la palabra en hebreo “salvador” dentro de una Estrella de David (ver captura), además de los nombres de ambos países, manos y sus banderas entrelazadas y la conocida frase “mazal tov” (felicitaciones).

Asimismo, en un encuentro en Río de Janeiro con representantes de la comunidad judía local en el tercer día de los seis que compondrán su viaje para participar en la asunción del electo mandatario, Jair Bolsonaro, el primer ministro reveló que éste le adelantó el viernes: “Mudaré la embajada a Jerusalem; no se trata de ‘si’, solo de cuándo” y agregó: “El presidente (estadounidense, Donald) Trump dijo lo mismo” y cumplió seis meses después.

Antes, Netanyahu se reunió con destacados periodistas brasileños y con los líderes de la influyente comunidad evangélica, a quienes les explicó que el primer nombre de Bolsonaro, Jair, proviene del hebreo Yair, que significa: “Quien ilumina”, y profetizó que ahora ambos tienen “la oportunidad de traer mucha luz al pueblo de Brasil y al pueblo de Israel; ésta es una alianza de hermanos”.

AJN


Apoiadores chegam a Brasília para posse de Bolsonaro

Camisetas verde-amarelas estão espalhadas por Brasília, mas não para incentivar a seleção de futebol, e sim para a cerimônia de posse de Jair Bolsonaro, que assumirá o comando do país no próximo 1º de janeiro.

Desde este domingo, dezenas de brasileiros, a maioria brancos e de classe alta, reunem-se em torno da Esplanada dos Ministérios, onde acontecia o ensaio geral para a posse do novo presidente. Mas uma forte operação de segurança os manteve distantes do cortejo que simulava o trajeto do futuro presidente.

“Estamos um pouco tristes, mas vai ser bem melhor ver a cerimônia de verdade daqui a dois dias”, diz Silvia Capital, 49, moradora de Brasília, que irá hospedar parentes do Rio de Janeiro em sua casa.

Ao seu lado, um vendedor não tem do que reclamar: em apenas uma hora e meia, vendeu 25 faixas presidenciais amarelas e verdes com o rosto de Bolsonaro, a 10 reais cada.

Os Dragões da Independêcia, regimento de cavalaria que integra a guarda presidencial, passam perto dos curiosos, que aplaudem: “Brasil!, Brasil!”, gritam. Assim como o presidente eleito, capitão reformado do Exército, eles mostram fascínio pelo mundo militar, e a maioria acha que os anos de ditadura foram bons para o país.

Alguns puxam pelo braço soldados que vigiam o ensaio, para tirar uma selfie. Outros, fazem transmissões ao vivo da cavalaria pelo Facebook.

A cerimônia será marcada por um esquema de segurança rigoroso e sem precedentes, que inclui um sistema antimísseis e a proibição de guarda-chuvas, mochilas e carrinhos de bebê.

– ‘Um momento histórico’ –

Daniel Dias Santos, 52, não se intimida com o tamanho da operação. Para chegar a Brasília, viajou por cinco dias de moto desde o Paraná. “Sempre tive vontade de conhecer Brasilia e surgiu esta oportunidade com a posse de Bolsonaro, que é uma pessoa muito honesta, uma pessoa de bem”, diz o operador de máquinas agrícolas.

Com o rosto do futuro presidente estampado em sua camiseta, ele defende a flexibilização da posse de armas, uma das promessas de campanha de Bolsonaro. “Se o bandido está armado, por que a pessoa de bem não pode estar?”, questiona. “Não possuo arma, mas se ficar mais fácil, irei adquirir uma, com certeza.”

– ‘Brasil limpo’ –

A professora María do Carmo, 62, viajou do interior de São Paulo para ver de perto seu herói. “Não quero perder nada! Nunca fui tiete de ninguém, nem de cantor, nem de político. Mas sou Bolsonaro.”

Maria comprou a passagem mesmo antes da vitória eleitoral, porque estava certa de que Bolsonaro ganharia nas urnas. “É impressionante como esse homem conseguiu mudar meu pensamento. Porque ele quer um país limpo, e é um país como esse que eu quero para meus netos.”

A professora diz que perdoa os comentários de cunho machista, racista e homofóbico feitos por Bolsonaro ao longo de sua carreira como deputado. “Ele não é homofobico, mas ele não quer, e eu também não quero, ver dois homens ou duas mulheres se beijando na rua. Tudo tem lugar certo, até para casal hetero”, opina.

O advogado Luiz Fernando Barth, 48, que viajou com a mulher e os dois filhos adolescentes do município de Jaraguá do Sul, Santa Catarina, espera que Bolsonaro “livre o país do câncer da corrupção”.

Vestindo uma camiseta de “Mulher Maravilha” com a inscrição “BolsoLinda”, a carioca Leticia Spinelli, 43, adverte: “Ele não é santo, não sou fã de nenhum politico. Da mesma forma que fui para a rua apoiá-lo, se ele não fizer um bom governo, vou lutar para ele sair. Porque o brasileiro merece um governo decente.”

Istoé


Com Bolsonaro, Pompeo tratará sobre Venezuela, Cuba e Nicarágua

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, chega amanhã (31) a Brasília e fica na cidade até o dia 2 quando embarca para Cartagena, na Colômbia. Ele virá para a posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e terá uma reunião exclusivamente sobre temas comuns aos Estados Unidos e Brasil. Na pauta, a situação política na Venezuela, Nicarágua e Cuba.

“Os Estados Unidos trabalharão com o Brasil para apoiar os povos da Venezuela, Cuba e Nicarágua que lutam para viver em liberdade contra regimes repressivos. Nós acolhemos o compromisso do presidente eleito Bolsonaro de erguer-se contra tiranos”, diz o comunicado do governo norte-americano.

Em Brasília, haverá uma reunião de Pompeo com Bolsonaro, na qual estará o futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Em nota, a Embaixada dos Estados Unidos informou que a intenção é promover a “prosperidade, segurança, educação e democracia”.

“A nossa estreita cooperação tem o potencial de tornar nossos países mais prósperos e mais seguros. Juntos, apoiaremos a democracia em todo o Hemisfério Ocidental”, diz a nota.

O comunicado detalha que Estados Unidos e Brasil, as duas maiores economias na região, com aproximadamente US$ 100 bilhões no comércio bilateral por ano, o governo Bolsonaro marca um novo momento. “Este novo capítulo na democracia do Brasil apresenta-se como uma oportunidade histórica para mais prosperidade no relacionamento bilateral entre os Estados Unidos.”

Reuniões

Pompeo também terá encontros bilaterais com o presidente do Peru, Martin Vizcarra, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. No dia 2, ele embarca para Cartagena onde se reúne com o presidente colombiano Ivan Duque.

Na Colômbia, o secretário norte-americano afirmou que pretende compartilhar com Duque os “esforços de combate às drogas, a implementação de acordos de paz, o comércio e a resposta à crise regional resultante das desastrosas políticas” desencadeadas pelo governo da Venezuela, Nicolás Maduro.

No comunicado da embaixada norte-americana, há uma síntese dos objetivos da viagem de Pompeo a Brasil e Colômbia. “Nós acolhemos essa oportunidade para forjar uma parceria próxima e abrangente com a democracia mais populosa da América do Sul e a oitava maior economia do mundo.”

Histórico

Os Estados Unidos tiveram um superávit no comércio de bens com o Brasil de US$ 7,8 bilhões em 2017. De acordo com os norte-americanos, o objetivo é aumentar o comércio e os investimentos com o Brasil, incluindo o aumento de oportunidades para negócios americanos em tecnologia, defesa e agricultura.

“As recentes eleições livres e justas no Brasil demonstram a estabilidade e a integridade das instituições democráticas do país”, diz o comunicado. “Como as duas maiores democracias no hemisfério, a nossa parceria está baseada em valores compartilhados e compromissos com a democracia e o Estado de direito, a segurança pública, a educação e os direitos humanos.”

Como já ocorre em parcerias no combate ao crime transnacional, Pompeo disse que a intenção é incrementar ainda mais as ações conjuntas: “nós procuramos aprofundar a nossa cooperação com o Brasil e a Colômbia contra o crime organizado transnacional, incluindo o combate às drogas, terrorismo e ameaças à paz e à segurança internacionais como a Coreia do Norte.”

EBC