Brasil: ya son 58 las personas muertas y 305 las desaparecidas por la ruptura del dique minero

116

Aumentan a 58 los muertos por ruptura de dique minero en Brasil

La ruptura el pasado viernes de una represa de la empresa minera Vale en la ciudad de Brumadinho, en el sureste de Brasil, ya dejó al menos 58 personas fallecidas y más de 305 desaparecidas, informaron el cuerpo de Bomberos de Minas Gerais y autoridades de Defensa Civil este domingo.

Unos 140 efectivos continúan las labores de rescate y búsqueda de sobrevivientes, que se estima podrían prolongarse durante varias semanas. Asimismo, se han llevado a cabo evacuaciones de dos comunidades ubicadas en área de riesgo ante la posibilidad de la ruptura de otros diques mineros en la zona.

En tanto, el Gobierno brasileño creó un gabinete de crisis que contará con la asistencia tecnológica y humanitaria del régimen de Israel. El presidente Jair Bolsonaro sobrevoló este sábado la zona afectada en helicóptero.

“El Gobierno hará todo lo que esté a su alcance” para “pedir justicia” y “prevenir nuevas tragedias”, indicó el mandatario.

La Fiscal general de Brasil, Raquel Dodge, también visitó la región y aseguró que el Ministerio Público “actuará firmemente”. “Las medidas que se aplicarán a Vale están siendo examinadas de forma conjunta”, señaló la funcionaria.

Este sábado la Justicia bloqueó cuentas bancarias de la empresa minera por el valor de 6.000 millones de reales (unos 1.621 millones de dólares) para resarcir a las familias de las víctimas. Por su parte, el Instituto Brasileño de Medio Ambiente (Ibama), aplicó a la minera una multa de 250 millones de reales (alrededor de 66.5 millones de dólares) por el desastre, confirmó el ministro de Medio Ambiente, Ricardo Salles.

La tragedia desató críticas y denuncias de distintas organizaciones ambientalistas, líderes políticos y expertos en gestión de riesgos, que señalan lo ocurrido como un crimen por negligencia de la empresa Vale, la mayor productora mundial de hierro.

teleSUR


Número de mortes em Brumadinho chega a 58, segundo Corpo de Bombeiros

No início da noite deste domingo (27/1), o Corpo de Bombeiros divulgou, em coletiva de imprensa, a atualização do número de mortos do desastre de Brumadinho, em Minas Gerais. Segundo a corporação, o número oficial de vítimas fatais subiu de 37 para 58.

Os bombeiros revelaram ainda que um ônibus com alguns corpos — a quantidade ainda não foi contabilizada — foi encontrado próximo da administração da Vale. Por conta disso, a operação de buscas e resgate será estendida neste domingo, o que deve aumentar o número oficial de mortos do rompimento da barragem, que será divulgado novamente na manhã de segunda-feira (28).

Até a noite de domingo, 361 pessoas foram localizadas, 192 resgatadas pelos bombeiros e 19 corpos identificados. O número de pessoas desaparecidas subiu para 305. De acordo com a corporação, o motivo é que algumas famílias foram cadastradas na lista na manhã deste domingo.

O Corpo de Bombeiros aproveitou para agradecer as doações dos brasileiros e afirmou que, no momento, não é necessário o envio de mais mantimentos às vítimas de Brumadinho.

Ônibus encontrado

Este é o segundo coletivo encontrado em meio a lama de rejeitos. Ações também continuarão em uma casa próximo ao refeitório localizado na área administrativa da Vale. Na manhã de sábado, um outro veículo já tinha sido encontrado. Dentro dele, estavam alguns funcionários, que não resistiram ao acidente.

De acordo com o tenente Pedro Aihara, porta-voz dos Bombeiros, moradores já tinham indicado que poderia haver um ônibus na região. Durante sobrevoo, os militares conseguiram encontrar o veículo. “Recebemos a notícia de localização do ônibus. É um segundo ônibus. Vamos trabalhar com cortadores para estabelecer um canal de acesso”, explicou Aihara.

Segundo o tenente Aihara, as buscas se concentram no refeitório da área administrativa da Vale e na pousada que foi atingida, porém, os militares estão tendo dificuldades nesses locais. No centro administrativo, a corporação acredita que a lama pode ter deslocado a estrutura, que pode ter mudado de local. Já na pousada há dificuldade de acesso.

Correio Braziliense


Militares israelenses começam hoje resgate de vítimas em Brumadinho

Um grupo de cerca de 130 militares médicos, engenheiros, bombeiros e técnicos de Israel começa a trabalhar nas primeiras horas de hoje (28) nas operações de resgate na região de Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte (MG). Os israelensestrouxeram equipamentos modernos para rastreamento, com capacidade de captação de imagens e detectores de vozes e ecos.

Os homens e mulheres israelenses chegaram por volta das 21h30 a Belo Horizonte e foram recebidos pelo governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), na pista do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na região metropolitana da capital.

Os militares israelenses vão ajudar nas buscas por vítimas do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, da empresa Vale, em Brumadinho.

Na conta das Forças Armadas de Israel, no Twitter, há um vídeo em que relatam o trabalho que será feito no Brasil, semelhante a outros realizados em distintos países, como Estados Unidos, Sri Lanka, Índia, Cambodja, Congo, Argentina e Colômbia. O vídeo mostra as bandeiras do Brasil e da Índia.

Em sua conta pessoal no Twitter, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, postou ontem (27) imagens dos militares enviados para o Brasil e destacou a importância da operação. “A delegação israelense está a caminho do Brasil para ajudar as vítimas do desastre do desabamento da barragem. Nós ajudamos nossos amigos.”

EBC


Brumadinho: Vale já tem R$ 11 bilhões bloqueados pela Justiça 

Até a tarde deste domingo (27), a Justiça mineira já havia bloqueado R$ 11 bilhões da mineradora Vale para garantir a recuperação dos danos causados pelo rompimento da Barragem de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte. Além dos bloqueios, a empresa recebeu duas multas que totalizam R$ 349 milhões.

O primeiro bloqueio, no valor de R$ 1 bilhão, foi feito ainda sexta-feira (25), no dia da tragédia. O Juiz de plantão da Vara de Fazenda Pública de Belo Horizonte, Renan Carreira Machado, determino que o dinheiro fosse transferido para uma conta judicial, a pedido do Governo de Minas Gerais.

Neste sábado (26), o MPMG (Ministério Público de Minas Gerais) conseguiu a contenção de R$ 5 bilhões das contas da companhia para garantir a reparação dos danos ambientais causados pelo rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão. Segundo a Vale, 12 milhões de metros cúbicos de lama vazaram do complexo com o acidente.

Já neste domingo (27), a juíza Perla Saliba Brito determinou o bloqueio de outros R$ 5 bilhões para a reparação dos danos causados às vítimas do rompimento. Procurada pela reportagem, a Vale informou que vai se manifestar em breve sobre o atendimento às decisões da Justiça.

Confira os bloqueios judiciais e multas recebidos pela Vale:

    •  R$ 1 bilhão bloqueado em ação movida pelo Governo (para atendimento às vítimas)

• R$ 5 bilhões bloqueados em ação movida pelo MP (para reparação ambiental)

 R$ 5 bilhões bloqueados em ação movida pelo MP (para reparação de danos às vítimas)

 Multa de R$ 250 milhões aplicada pelo Ibama

• Multa de R$ 99 milhões aplicada pelo Governo de MG

R7

Más notas sobre el tema