Brasil: el patrimonio del hijo de Bolsonaro aumentó casi 400% en 12 años

PATRIMÔNIO DE FLÁVIO BOLSONARO AUMENTOU 397,1% EM 12 ANOS

O patrimônio que o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) declarou à Justiça Eleitoral cresceu 397,1% entre 2006 e 2018, intervalo de 12 anos em que o filho do presidente Jair Bolsonaro exerceu três de seus quatro mandatos como deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Reeleito pela primeira vez em 2006, quando tinha R$ 385 mil em bens, o parlamentar é hoje dono de um patrimônio de R$ 1,74 milhão.

O crescimento no patrimônio, de acordo com as declarações de Flávio à Justiça Eleitoral, deve-se a compra de imóveis na Zona Sul e na Zona Oeste do Rio; a substituição do carro particular dele por modelos mais novos e modernos e por investimentos em empreendimentos próprios, como uma loja de uma franquia de chocolates que ele administra na Barra da Tijuca. Em 2002, quando eleito pela primeira vez, Flávio era dono de apenas um automóvel do modelo Gol 1.0, datado do ano anterior, no valor de R$ 25.500.

No fim de abril, o sigilo bancário de Flávio foi quebrado junto de familiares, de empresários com quem realizou transações imobiliárias e de Fabrício Queiroz, que foi seu motorista enquanto deputado estadual do Rio de Janeiro. As suspeitas sobre as finanças do senador vêm desde o ano passado, quando o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou movimentações atípicas na conta dele.

No pleito de 2006, Flávio declarou que era dono de um carro mais novo (um Peugeot 2003), no valor de R$ 35 mil. Àquela altura, ele havia adquirido um imóvel na Urca, Zona Sul do Rio, declarado no valor de R$ 350 mil. Ao todo, o patrimônio de Flávio era de R$ 385 mil.

Em 2010, ao buscar a aprovação das urnas para um terceiro mandato na Alerj, o total de bens chegou a R$ 690.900. Na declaração, havia um carro mais novo (outro Peugeot, dessa vez datado de 2008) no valor de R$ 58 mil; o apartamento na Urca; aplicações e investimentos no valor de R$ 4.500; créditos de R$ 10 mil no Banco Itaú e R$ 268.300 referentes a um conjunto de salas comerciais na Barra da Tijuca, que foram vendidos à empresa MCA Exportação e Participações.

Época