Brasil: Lula sigue preso y Moro declarará ante el Congreso la próxima semana

Corte negó la liberación de Lula mientras juzga a Moro

El expresidente Luis Inácio Lula da Silva seguirá preso. La Corte Suprema de Brasil rechazó ayer martes liberar a Lula mientras analiza la actuación del exjuez de la operación anticorrupción Lava Jato y actual ministro de Justicia, Sergio Moro.

Por tres votos contra dos, los jueces de la segunda corte del Supremo Tribunal Federal (STF) decidieron postergar para el próximo semestre el debate sobre la conducta de Moro y rechazaron una propuesta de conceder hasta entonces la libertad provisoria a Lula. Los magistrados habían rechazado previamente, por cuatro votos contra uno, otro recurso que también pedía la liberación de Lula, que se había presentado el año pasado.

Aunque habían sido retirados de su agenda para este martes, la Corte acordó tratar los dos recursos: uno por supuestos vicios en el juicio de tercera instancia y otro por sospechas contra Moro.

Lula, de 73 años, purga desde abril de 2018 una pena de ocho años y 10 meses de cárcel por corrupción y lavado de dinero. La pena la cumbre en una dependencia policial en la ciudad de Curitiba.

Su defensa busca anular la sentencia de Moro en primera instancia, alegando que el juez forma parte de una conspiración para impedir el retorno del Partido de los Trabajadores (PT) de Lula al poder.

Los abogados de Lula presentaron el recurso que cuestiona la actuación del exmagistrado en diciembre pasado, después de que Moro aceptara ser ministro de Justicia del presidente Jair Bolsonaro, quien derrotó en octubre al delfín de Lula, Fernando Haddad.

Pero sus argumentos ganaron fuerza este mes cuando el portal The Intercept Brasil publicó presuntos mensajes de Moro con los fiscales del Lava Jato, que aparentan una voluntad de perjudicar políticamente al expresidente.

“Ya habíamos presentado incontables pruebas de que el expresidente no tuvo un juicio justo, imparcial, independiente. No cometió ningún delito y tiene derecho a ser juzgado por un magistrado imparcial”, afirmó ayer uno de sus abogados, Cristiano Zanin Martins.

En 2017, Moro declaró a Lula culpable de corrupción y lavado de dinero por haberse beneficiado de un apartamento tríplex puesto a su disposición por OAS, una de las constructoras involucradas en el escándalo de sobornos de Petrobras.

Ese dictamen fue confirmado por un tribunal de apelaciones y luego el Supremo Tribunal de Justicia (STJ).

Pero la historia podría dar un giro favorable al expresidente si la máxima corte del país considerase que Moro no actuó con imparcialidad, coordinando acciones con la parte acusatoria del caso, como afirma The Intercept.

El ahora ministro Moro, que no reconoce la autenticidad de los mensajes revelados por The Intercept, niega haber confabulado con los fiscales de la operación Lava Jato.

“No es inusual que un juez converse con un abogado, con un fiscal, con la policía”, defendió la semana pasada ante una comisión de senadores que lo interrogó sobre las revelaciones del portal, sin reconocer la veracidad de los mensajes y afirmando que estos pudieron ser “adulterados” por hackers.

The Intercept Brasil -que obtuvo los mensajes a través de una fuente anónima- cuenta entre sus fundadores al periodista estadounidense Glenn Greenwald, quien en 2013 reveló los programas de vigilancia masiva implementados por la Agencia Nacional de Seguridad (NSA) de Estados Unidos.

Folha de Sao Paulo publicó eel pasado domingo nuevos mensajes privados de miembros de la operación Lava Jato, que sugieren que fiscales actuaron para evitar que tensiones entre Moro y la Suprema Corte paralizaran las investigaciones.

Folha y The Intercept anunciaron una asociación para verificar y publicar una serie de reportajes sobre el contenido de estos mensajes, que han puesto en tela de juicio la imparcialidad de la operación Lava Jato.

De acuerdo con Folha, los diálogos indican que tanto los fiscales como Moro temían que el entonces magistrado del Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, muerto en un accidente aéreo en 2017, repartiera las investigaciones bajo el control de Moro en Curitiba en un momento considerado “crítico”, ya que las investigaciones de las corruptelas de la constructora Odebrecht avanzaban a pasos largos.

El País


Exjuez Moro explicará a diputados el 2 de julio sobre escándalo

El exjuez y ministro de Justicia y Seguridad Pública de Brasil, Sérgio Moro, comparecerá el 2 de julio ante la Cámara de Diputados para explicar el escándalo que enfrenta hoy por inéditos y comprometedores mensajes.

El presidente de la Comisión de Constitución y Justicia de la Cámara, Felipe Francischini, confirmó la presencia ese día de Moro, quien este miércoles debió asistir a esa asamblea, pero justificó su ausencia con un viaje a Estados Unidos dentro del marco de una visita en materia de Inteligencia y Seguridad.

Desde el 9 de junio el sitio digital The Intercept publica una serie de conversaciones de Moro con fiscales e investigadores de la operación anticorrupción Lavo Jato a través de diferentes plataformas de mensajería.

Tales contactos demuestran una violación del Código de la Magistratura, por lo que la pasada semana Moro compareció y trató de justificar cínicamente en el Senado sobre el contenido de los mensajes.

La sorpresiva comunicación con agentes públicos hacen emerger la duda sobre su imparcialidad, así como su falta de ética cuando era un magistrado federal y encarceló al expresidente Luiz Inácio Lula da Silva por supuestos hechos de corrupción.

Al respecto, la presidenta del Partido de los Trabajadores, Gleisi Hoffman, escribió en la red social Twitter: ‘Se escapó?! ¿A que le teme Moro? La convocatoria fue transformada en invitación y él había marcado su ida. Ahora volverá a ser convocatoria. Moro tiene que dar muchas explicaciones a Brasil’, subrayó.

Prensa Latina


STF nega liminar e julgamento de Lula fica para segundo semestre

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou liminar pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva até que seja julgada a suspeição do juiz que o condenou. Em julgamento que durou mais de cinco horas, na tarde desta terça-feira (25), os ministros decidiram manter em aberto o julgamento do mérito do pedido do habeas corpus (HC) que trata da parcialidade do ex-juiz Sergio Moro, e a consequente anulação da condenação de Lula.

Como essa é a última sessão do semestre na Segunda Turma da Corte, que analisa a maior parte dos processos da Lava Jato, os julgamentos serão retomados somente em agosto.

O ministro Gilmar Mendes, ao pedir o adiamento do julgamento do HC, propôs à Segunda Turma a concessão de liminar – decisão provisória – para que o ex-presidente Lula permanecesse em liberdade até a decisão definitiva sobre o mérito do HC. Segundo Mendes, alguns pontos trazidos pela defesa, quanto à suspeição do ex-juiz, têm plausibilidade e, em razão de novos fatos surgidos, o caso precisa ser melhor analisado.

O ministro Edson Fachin votou contra a concessão de liminar pela libertação de Lula. Fachin já havia votado em dezembro contra o habeas corpus. Assim como a ministra Cármen Lúcia. Na ocasião, em dezembro, Gilmar pediu vistas para só agora devolver o processo à apreciação da Segunda Turma. Para Fachin, os novos fatos apresentados pela defesa no pedido precisam passar por “análise”. E os diálogos divulgados pelo The Intercept não comprovariam novidades em relação à atuação da autoridade jurídica (Moro) na ação penal de origem. Ou seja, se não via suspeição de Moro antes, não verá agora.

O ministro Ricardo Lewandowski deu voto favorável à libertação de Lula. Ele disse acreditar que as informações que a defesa exibiu nos autos já seriam suficientes para o julgamento do habeas corpus. Superado isso, o ministro afirma entender que há plausibilidade para conceder a liminar em favor da liberdade do ex-presidente.

Lewandowski criticou, ainda, o julgamento no STJ que não abriu a possibilidade de os advogados de Lula fazerem sustentação oral frente aos ministros. Foi o primeiro recurso da defesa de Lula julgado hoje. A decisão do Superior Tribunal de Justiça, que ratificou a decisão da segunda instância (TRF4), foi tomada por um único juiz, Félix Fisher, nomeado por Fernando Henrique Cardoso em 1996 para aquela corte. E não por um colegiado, no caso a Quinta Turma do STJ, da qual Fisher faz parte.

Lewandowiski atribuiu indiretamente a decisão de hoje ao fato de ser Lula o réu. “Não sei se é porque o paciente ou o réu é uma determinada pessoa, mas eu me lembro que aqui inúmeras vezes em circunstâncias análogas, quando houve uma lesão a esse direito fundamental que é o da participação do advogado em julgamento, inclusive com sustentação oral, com prévia intimação, quantos e quantos processos anulamos porque o advogado não foi intimado? Até esqueço quantos, tão grande foi o número”, destacou.

O decano Celso de Mello e a presidenta Cármen Lúcia votaram contra a concessão de liminar. O colegiado passou então a analisar concessão de liminar que garantisse a Lula esperar em liberdade o julgamento do segundo pedido de habeas corpus pautado para a sessão de hoje, a suspeição de Moro. Por três votos contrários e dois favoráveis, a liminar foi rejeitada.

Entenda o julgamento

Durante toda a segunda-feira (24), não havia certeza se o julgamento ocorreria hoje (25). No fim do dia, houve confirmação de que havia sido adiado. O tema, no entanto, voltou à pauta no início da sessão desta terça, quando o ministro Gilmar Mendes propôs que Lula aguardasse em liberdade o julgamento do habeas corpus no qual a defesa alega suspeição do então juiz Moro.

Diante disso, a presidente da Segunda Turma, ministra Cármen Lúcia, devolveu para julgamento os dois pedidos de habeas corpus. No primeiro, a defesa de Lula pedia revogação da decisão monocrática do ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que negou recurso de Lula àquela corte e rejeitou sua absolvição. Esse HC foi votado e rejeitado pela maioria dos ministros.

No segundo, a defesa do ex-presidente pede a suspeição de Moro e a consequente anulação de sua condenação em primeira instância. O pedido não se baseou nas revelações do Intercept. São apontados diversos episódios ao longo da Lava Jato para argumentar que Sergio Moro, então juiz responsável pelos processos da operação, não foi imparcial no julgamento do caso do apartamento tríplex de Guarujá (SP).

A indicação de Sergio Moro para ocupar cargo no Ministério da Justiça de Jair Bolsonaro, principal opositor político de Lula na campanha eleitoral de 2018, é um dos deles.

A defesa cita ainda episódios como a interferência de Moro contra a concessão de habeas corpus por um juiz plantonista, em 2018, em plenas férias, e a liberação de detalhes da delação do ex-ministro Antonio Palocci que citavam o PT e interceptações telefônicas que atingiram advogados de Lula, em 2016.

Neste mês, a defesa anexou no mesmo pedido as trocas de mensagens entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol reveladas pelo site The Intercept Brasil.

Esse é o HC que será votado a partir de agosto.

Violação do Estado de direito

Em sua sustentação oral, advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin, reiterou a necessidade de concessão do habeas corpus. E reforçou, caso não seja possível finalizar o julgamento das ações, que o ex-presidente deveria ter sua liberdade restabelecida liminarmente, até que o julgamento tenha uma decisão final.

“Vemos um cenário de manifesta violação ao Estado de Direito”, afirmou Zanin. “A defesa era apenas tratada no seu aspecto formal. Hoje sabemos que os privilegiados eram os procuradores”, disse o advogado, em referência às mensagens reveladas pelo Intercept.

“O que nós pedimos, inclusive por petição protocolada ontem (segunda-feira 24), é que sejam dadas as prioridades regimentais, uma vez que já paciente preso há mais 400 dias, e estamos diante de um caso cujo julgamento já foi iniciado. Há preferências regimentais que deveriam, a nosso ver, ensejar a continuidade do julgamento para que sejam apreciadas as teses defensivas que foram colocadas em novembro do ano passado”, ressaltou Zanin.

Rede Brasil Atual


Após 2 dias com agenda secreta, Moro divulga compromissos nos EUA

Após dois dias sem revelar detalhes de seu paradeiro, o ministro Sergio Moro (Justiça) finalmente divulgou sua agenda nos Estados Unidos.

A publicação dos compromissos foi feita na noite desta terça-feira (25), depois de reportagem da Folha mostrar que, mesmo sob solicitação formal, o ministro não dava acesso à agenda oficial que cumpria no país desde o fim de semana.

Como ministro de Estado, ele deve informar via assessoria ou no site do ministério qual é —com horário e local definidos— o roteiro oficial ao longo de cada dia. Das outras vezes que esteve nos EUA neste ano, já como integrante do governo de Jair Bolsonaro (PSL), sua agenda foi divulgada previamente aos jornalistas.

Segundo o que foi repassado à imprensa nesta terça, Moro esteve no domingo (23) e na segunda (24) na cidade de El Paso, no Texas, fazendo uma visita técnica às instalações do centro de inteligência do governo americano na fronteira dos EUA com o México.

Depois, participou de reunião na Agência Antidrogas, foi ao Centro Internacional de Operações e Inteligência Anticrime Organizado e ao Departamento de Estado americano, em Washington, entre outros encontros nesta terça.

Na quarta (26), a previsão é que o ministro vá para o estado de Virgínia, em visita à sessão de antiterrorismo do FBI e ao National Targeting Center.

Pressionado pela crise causada com a divulgação de trocas de mensagens com o procurador Deltan Dallagnon, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Moro resistiu em divulgar sua agenda oficial nos EUA até a última hora.

Ele chegou ao país no sábado (22) e, desde terça-feira (18), a Folha solicita o roteiro da visita do ministro via sua assessoria.

No início da noite desta segunda (24), o Ministério da Justiça afirmou, em e-mail encaminhado após pedido da reportagem, que Moro visitaria “agências encarregadas da aplicação da lei nos EUA” e que, por questões de segurança, os detalhes só seriam divulgados ao final de cada dia.

Inicialmente, a assessoria havia informado que estava esperando fechar o roteiro completo para passá-lo à imprensa; depois, que não tinha conhecimento da logística do ministro nos EUA e, por fim, alegou segurança.

Agora, após a reportagem da Folha, divulgou a íntegra dos eventos.

Moro adiou participação em audiência na Câmara —prevista para quarta-feira (26)— em decorrência da viagem oficial aos EUA. Durante a sessão, o ministro daria esclarecimentos sobre os diálogos com os procuradores da força-tarefa da Lava Jato revelados nas últimas semanas pelo site The Intercept Brasil.

As mensagens aumentaram a pressão e as suspeitas sobre sua atuação como juiz das investigações do esquema da Petrobras. Na quarta (19), Moro prestou esclarecimentos no Senado.

Em março, quando o ministro viajou a Washington para acompanhar Bolsonaro em visita de Estado, sua agenda foi divulgada com antecedência, incluindo uma reunião com a então secretária de Segurança Nacional, Kirstjen Nielsen, e com o diretor do FBI, Christopher A. Wray.

Na semana passada, um texto sobre a missão de Moro nos EUA foi publicado no site ministério. Segundo a publicação, a viagem tinha “o intuito de reunir experiências e boas práticas para fortalecer operações integradas no Brasil”.

Entre os compromissos, apareciam uma patrulha na fronteira entre EUA e México em El Paso, no Texas, e visitas à Divisão de Operações Especiais da DEA (Drug Enforcement Administration) e ao Centro Internacional de Operações e Inteligência Anti Crime Organizado (IOC-2), entre outros.

A versão inicial do texto dizia que os órgãos estão localizados no estado de Virgínia, mas as referências foram suprimidas e já não apareciam no que estava publicado no portal nesta segunda.

Nesta segunda, com Moro no país há pelo menos dois dias, a assessoria disse que não tinha conhecimento da logística de deslocamento do ministro.

Segundo a embaixada do Brasil em Washington, somente os auxiliares de Moro em Brasília poderiam informar a agenda.

Junto com Moro estão o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, o diretor-executivo da Polícia Rodoviária Federal, José Lopes Hott Junior, e o diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado, Igor Romário de Paula.

Procurada, a assessoria da PF diz que a agenda de Valeixo só é divulgada sob orientação do gabinete e que não houve nenhum encaminhamento nesse sentido em relação à viagem aos EUA.

Folha


‘Moro era o chefe da força-tarefa da Lava Jato’, diz fundador do The Intercept

O jornalista Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil, afirmou nesta terça-feira (25) que as trocas de mensagem reveladas pelo site mostram que o ministro da Justiça, Sergio Moro, era o “chefe da força-tarefa da Lava Jato”.

“O material já mostrou e vai continuar mostrando que Moro era o chefe da força-tarefa da Lava Jato, que era o chefe dos procuradores. Ele [Moro] está o tempo todo mandando o que os procuradores deveriam fazer e depois entrando no tribunal e fingindo que era neutro. Já mostramos isso, mas vai ter muito mais material ainda”, declarou o jornalista, em audiência pública na Câmara dos Deputados.

O site fundado por Greenwald tem publicado mensagens de integrantes da força-tarefa e do próprio Moro que indicam que o ministro, enquanto juiz da Lava Jato, interferiu na atuação dos procuradores, sugerindo que eles invertessem a ordem de operações e dando pistas de investigações.

Reportagem da Folha de S.Paulo e do The Intercept Brasil neste domingo (23) mostrou que procuradores da Operação Lava Jato se articularam para proteger Moro e evitar que tensões entre ele e o Supremo Tribunal Federal paralisassem as investigações num momento crítico para a força-tarefa em 2016.

Moro diz não reconhecer a autenticidade das mensagens obtidas pelo Intercept e nega ter cometido ilegalidades na condução da Lava Jato.

“Nos Estados Unidos é impensável que um juiz consiga fazer isso”, disse o jornalista nesta terça-feira.

Segundo ele, em outros países democráticos juízes que tenham feito uma atuação semelhante perderiam o cargo e seriam proibidos de exercer suas funções.

A audiência pública na Câmara dos Deputados teve a presença principalmente de parlamentares da oposição.

Uma das poucas aliadas de Moro que falaram foi a deputada Policial Katia Sastre (PL-SP), que disse que Greenwald deveria ser preso.

“Quem deveria ser julgado e condenado e sair daqui preso é o jornalista, que em conjunto com o hacker cometeu crime”, disse a parlamentar.

JB


VOLVER