Incendios en la Amazonía: marchan a las embajadas de Brasil en el mundo y Bolsonaro sigue culpando a las ONGs

69

Fuego en el Amazonas: convocan a protestar frente a las embajadas de Brasil

La red global de organizaciones Juventudes por el Clima, más conocida por su acción #FridaysForFuture, convocaron a manifestarse frente a las embajadas de Brasil de todo el mundo para reclamarle al gobierno de Jair Bolsonaro medidas urgentes contra los incendios forestales desatados en la región amazónica .

Este “no es un problema local” sino un “problema que tiene repercusiones globales”, afirmaron desde la organización en un comunicado, desde donde pidieron a los políticos de todo el mundo “tomar medidas y denunciar la destrucción de ese ecosistema esencial”.

“Aunque somos de muchos países y culturas diferentes, y tenemos visiones diferentes del mundo, todos nos mantendremos unidos detrás de un objetivo común: expresar nuestra consternación y enojo por las políticas del gobierno brasileño que aceleran enormemente la crisis climática”, sostuvieron los jóvenes.

¡CAMBIAMOS LA CONCENTRACIÓN!Ante lo sucedido en los últimos días sobre el incendio en el Amazonas, decidimos concentrar…

Publicado por Fridays For Future Uruguay en Miércoles, 21 de agosto de 2019

El objetivo de la organización es que los gobiernos pongan en marcha políticas económicas y medioambientales para que la temperatura global no suba más de 1,5 grados en el año 2100. “Es nuestra obligación solidarizarnos con el pueblo de Brasil, especialmente con las comunidades de primera línea y los pueblos indígenas, que son los más afectados por la destrucción de los bosques amazónicos”, remarcaron.

La convocatoria remarca que “la terrible política ambiental del Gobierno brasileño, que ve al Amazonas como una bolsa de dinero” tuvo consecuencias directas sobre los incendios forestales, que aumentaron en los últimos años.

En Argentina, la convocatoria se viralizó desde diferentes organizaciones ambientalistas. El punto de encuentro fue convocado para las 16, en la embajada brasileña, ubicada en Cerrito 1350. “Nos vemos frente a todas las embajadas y consulados de Brasil para exigir a los gobiernos a nivel mundial que frenen la destrucción de la Amazonia”, reza la convocatoria que se difunde a través de las redes sociales.

También se realizarán distintas actividades en el Interior del país, como en la Plaza 25 de Mayo en Santa Fe; el Monumento a San Martín en Neuquén; la Casa de Gobierno en Paraná; y en Patio Olmos en Córdoba.

Página 12


ONGs europeias organizam protestos pela Amazônia em frente a embaixadas brasileiras 

A atual onda de queimadas na Amazônia desencadeou uma avalanche de críticas ao governo brasileiro feitas por ONGs na Europa. Diversas organizações têm se mobilizado para promover eventos de protesto em frente a embaixadas e consulados brasileiros na sexta, 23.

Já há manifestações em defesa da floresta confirmadas em Londres, Lisboa, Madri, Paris e outras capitais.

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, manifestou preocupação pela situação da Amazônia nesta quinta, 22. “Estou profundamente preocupado com os incêndios na floresta amazônica. No meio da crise climática global, não podemos permitir mais danos a uma fonte importante de oxigênio e biodiversidade. A Amazônia deve ser protegida”, escreveu.

“A Amazônia está em chamas. Os pulmões do planeta estão pegando fogo. Se você puder, por favor, mostre alguma solidariedade pelas pessoas que mais irão sofrer com os incêndios. Proteste amanhã em frente à embaixada do Brasil”, pede o Greenpeace do Reino Unido.

Sediada na Irlanda, a People Before Profit usa imagens das chamas na floresta para convocar para os protestos em frente a representação consular brasileira em Dublin.

Também convocando para os protestos, a organização “Fridays for the Future”, criada por estudantes na Suécia, critica a falta de resposta global para a situação da Amazônia.

“Ganhos de curto prazo nunca devem prevalecer sobre futuras perdas devastadoras das gerações atuais e futuras. Nossos pulmões estão em chamas. Por que não estamos fazendo nada para impedir que se tornem cinzas?”, diz David Wicker, porta-voz do grupo na Itália.

Idealizadora do grupo (e atualmente navegando alto-mar para uma viagem menos poluente entre a Europa e os EUA), a jovem ativista Greta Thunberg, 16, também se manifestou sobre a situação brasileira.

“Mesmo aqui no meio do oceano Atl’nto eu escuto sobre a quantidade recorde de incêndios devastadores na Amazônia. Meus pensamentos estão com as pessoas afetadas. Nossa guerra contra a natureza precisa acabar”, disse, no Twitter,

Em Portugal, onde os brasileiros formam a maior comunidade estrangeira, os incêndios na Amazônia têm tido ampla repercussão e estamparam as capas de grandes jornais.

“O governo brasileiro, após exposição tardia desta catástrofe, descarta-se de culpas depois de descaradamente apoiar a caça e tudo fazer para vender a floresta aos produtores da agropecuária. Não fiquemos parados! Não deixemos esta chacina impune!”, pede a convocatória para a manifestação de Lisboa.

Nas redes sociais, um abaixo-assinado que pede a suspensão das negociações para um acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia voltou a ganhar força. O documento já foi endossado por mais de 600 cientistas europeus.

Em Portugal, na Alemanha e na França, menções à Amazônia estiveram durante toda esta quinta, 22, entre os assuntos mais comentados no Twitter.

Embaixadas Enquanto isso, a diplomacia brasileira contra-ataca nas redes sociais, em cartas a jornais e em conversas de bastidores com os governos.

Conforme a Folha de S.Paulo noticiou, uma circular do Ministério das relações Exteriores enviada a postos fora do Brasil instruiu diplomatas a defender a política ambiental do governo Jair Bolsonaro (PSL).

A embaixada do Brasil em Lisboa, por exemplo, divulgou em suas redes sociais imagens que reforçam o tom de questão de soberania sobre a floresta que tem sido a retórica do governo Bolsonaro.

“Quem vai salvar a Amazônia? O BRASIL (em caixa alta mesmo)”, anuncia uma imagem no Facebook da repartição.

O atual embaixador em Portugal, Luiz Alberto Figueiredo Machado, foi durante vários anos o negociador-chefe do Brasil em conferências internacionais de mudanças climáticas e preservação da biodiversidade.

Amazonas Atual


Incendios en el Amazonas: Bolsonaro sigue culpando a las ONG y a los periodistas

Continúa la batalla del presidente de Brasil Jair Bolsonaro contra las ONG protectoras del medio ambiente. Volvió a acusarlas de ser las “mayores sospechosas” de los incendios en el Amazonas y manifestó que “intentan derrocar” a su gobierno. Sin embargo admitió que no tiene pruebas para acusarlas. También acusó a la prensa de “cometer un suicidio” por sus críticas al agronegocio. Mientras tanto continúan los focos de incendio que afectan al territorio de Brasil, Bolivia y Paraguay.

“Las ONG perdieron dinero, están desocupadas y me intentan derrocar”, afirmó Bolsonaro. Sin embargo admitió que los hacendados también pueden ser responsables de las quemas de pastizales. El presidente brasileño negó que sus políticas sean causantes de los incendios que se propagan y acusó a la prensa de perjudicar los intereses del país.

“Imagínense si el mundo empieza a imponer barreras comerciales: se caerá nuestro agronegocio, retrocederemos, la economía empeorará; la vida de ustedes, de los editores de diarios, de los dueños de televisiones, se complicará como la vida de todos los brasileños, de todos sin excepción. Ustedes están cometiendo un suicidio. La prensa está cometiendo un suicidio”, agregó. “No defiendo los incendios, porque siempre los hubo y los habrá. Desgraciadamente eso ocurre en el Amazonas”, dijo Bolsonaro a periodistas a la salida de su residencia oficial en Brasilia.

El presidente brasilero niega el cambio climático y defiende la apertura de reservas indígenas y de zonas protegidas de la selva para realizar actividades agropecuarias y mineras. “Esta psicosis ambiental no deja hacer nada. Yo no quiero acabar con el medio ambiente. Yo quiero salvar a Brasil”, declaró. Además defendió el cambio de su gobierno con respecto a este tema: “si era para hacer lo mismo que hasta ahora, el pueblo tendría que haber votado a otras personas. El pueblo está con nosotros. Mi base es el pueblo”, sentenció.

Bolsonaro levantó sospechas ayer de que las ONG que reciben ayuda extranjera podrían haber provocado los incendios de manera voluntaria . Este jueves se indignó por publicaciones que habrían dicho que se trataba de acusaciones formales. “Nunca acusé a las ONG”, afirmó, antes de aclarar: “Dije que sospechaba de las ONG”.

A su vez, un funcionario de su gobierno fue abucheado, interrumpido y criticado por decenas de personas durante su intervención en la Semana del Clima de Latinoamérica y Caribe celebrada en la ciudad brasileña de Salvador. Las críticas contra Roberto Castelo Branco, secretario de Relaciones Internacionales del Ministerio de Medio Ambiente de Brasil, llegaron al hacer su defensa a las actuales políticas de combate a la deforestación en el Amazonas. “Tenemos el compromiso de llegar a la deforestación ilegal cero en 2030”, aseveró el secretario. Su afirmación fue contestada por fuertes abucheos y gritos de “mentira” y “el amazonas se quema” por la mayor parte de los asistentes que participaron en la conferencia.

También el secretario general de Naciones Unidas, António Guterres, se mostró “profundamente preocupado” por los incendios. “En medio de una crisis climática internacional, no podemos permitir que se produzcan más daños en una importante fuente de diversidad y oxígeno”, dijo Guterres a través de su cuenta de Twitter.

Entre enero y el 21 de agosto de este año se han registrado 75.336 focos de incendio en Brasil, un 84% más que en el mismo periodo de 2018, según datos del Programa de Quemas del Instituto Nacional de Investigaciones Espaciales (INPE). Ese número muestra un aumento de 2.493 focos respecto al lunes. “El número de focos de calor registrado en la Amazonía ya es en un 60 % superior al de los últimos tres años y ese pico tiene relación con la deforestación y no con una sequía más fuerte como podría suponerse”, denunció la organización. De acuerdo con especialistas, esos focos se intensificaron en un marco de avance rápido de la deforestación en la región amazónica, que en julio se cuadruplicó respecto al mismo mes de 2018, según datos del INPE. Además, el gobierno de Bolsonaro redujo el presupuesto para la fiscalización de la tala ilegal en la Amazonas y echó a parte del equipo del Instituto Brasileño de Medio Ambiente (IBAMA).

Mientras tanto densas nubes de humo provenientes del Amazonas siguen extendiéndose sobre importantes ciudades del mayor pulmón vegetal del planeta y hasta llegan a enormes centros urbanos, como la ciudad de San Pablo.

La magnitud de los incendios también afecta territorio de Bolivia y Paraguay. Ambos gobierno acordaron unir esfuerzos para combatir el gigantesco incendio forestal que depreda flora y fauna, informó este jueves el ministro boliviano de Medioambiente y Agua, Carlos Ortuño. La superficie afectada por incendios en el departamento boliviano de Santa Cruz de la Sierra (este) alcanza las 654.000 hectáreas, mientras que en Paraguay los terrenos implicados, en la frontera entre ambas naciones, no han sido todavía determinados.

“Hemos estado en contacto con nuestros pares de la república de Paraguay, tenemos un compromiso de trabajo conjunto de los dos países, tanto en el territorio boliviano como en el paraguayo”, dijo Ortuño en rueda de prensa, en Santa Cruz. El funcionario agregó que por el momento autoridades de ambos países están en plena implementación de medidas de contingencia.

Página 12


Incêndios na Amazônia: 118 ONGs assinam manifesto contra Bolsonaro

Após o presidente Jair Bolsonaro afirmar que os incêndios na Amazônia “podem ter sido potencializados por ONGs que perderam grana“, 118 Organizações Não Governamentais escreveram uma carta repudiando a fala do presidente e argumentado que o aumento das queimadas acontece por ações do próprio governo.

“O presidente deve agir com responsabilidade e provar o que diz, ao invés de fazer ilações irresponsáveis e inconsequentes, repetindo a tentativa de criminalizar as organizações, manipulando a opinião pública contra o trabalho realizado pela sociedade civil”, afirma a nota.

Bolsonaro fez a acusação nesta quarta-feira 21 sem utilizar provas que comprovam o argumento. Seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também comentou sobre o assunto. Para o integrante do governo, as queimadas da Amazônia são ‘sensacionalismo ambiental’ e estão relacionadas a fake news.

“Enquanto o governo justifica a flexibilização das políticas ambientais como necessárias para a melhoria da economia, a realidade é que enquanto as emissões explodem, o aumento do PIB se aproxima do zero”, argumentam as ONGs.

Leia a nota na íntegra

Os focos de incêndio em todo o Brasil aumentaram 82% desde o início deste ano, para um total de 71.497 registros feitos pelo Inpe, dos quais 54% ocorreram na Amazônia. Diante da escandalosa situação, Bolsonaro disse que o seu “sentimento” é de que “ONGs estão por trás” do alastramento do fogo para “enviar mensagens ao exterior”.

O aumento das queimadas não é um fato isolado. No seu curto período de governo, também cresceram o desmatamento, a invasão de parques e terras indígenas, a exploração ilegal e predatória de recursos naturais e o assassinato de lideranças de comunidades tradicionais, indígenas e ambientalistas. Ao mesmo tempo, Bolsonaro desmontou e desmoralizou a fiscalização ambiental, deu inúmeras declarações de incentivo à ocupação predatória da Amazônia e de criminalização dos que defendem a sua conservação.

O aumento do desmatamento e das queimadas representa, também, o aumento das emissões brasileiras de gases do efeito estufa, distanciando o país do cumprimento das metas assumidas no Acordo de Paris. Enquanto o governo justifica a flexibilização das políticas ambientais como necessárias para a melhoria da economia, a realidade é que enquanto as emissões explodem, o aumento do PIB se aproxima do zero.

O presidente deve agir com responsabilidade e provar o que diz, ao invés de fazer ilações irresponsáveis e inconsequentes, repetindo a tentativa de criminalizar as organizações, manipulando a opinião pública contra o trabalho realizado pela sociedade civil.

Bolsonaro não precisa das ONGs para queimar a imagem do Brasil no mundo inteiro.

Brasil, 21 de agosto de 2019

Assinam o documento: Ação Educativa; Angá; Articulação Antinuclear Brasileira; Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB); Assembleia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente (APEDEMA); Assessoria e Gestão em Estudos da Natureza, Desenvolvimento Humano e Agroecologia (AGENDHA); Associação Agroecológica Tijupá; Associação Alternativa Terrazul; Associação Ambientalista Copaíba; Associação Ambientalista Floresta em Pé (AAFEP); Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA); Associação Arara do Igarapé Humaitá (AAIH); Associação Brasileira de ONGs (ABONG); Associação Civil Alternativa Terrazul; Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos (AQUASIS); Associação de Preservação da Natureza do Vale do Gravataí; Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (APREMAVI); Associação Defensores da Terra; Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre (AMAAIAC); Associação em Defesa do rio Paraná, Afluentes e Mata Ciliar (APOENA); Associação Flora Brasil; Associação MarBrasil; Associação Mico-Leão-Dourado; Associação Mineira de Defesa do Ambiente (AMDA); Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (CAPA / FLD); Centro de Assessoria Multiprofissional (CAMP); Centro de Estudos Ambientais (CEA); Centro de Trabalho Indigenista (CTI); Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro Brasileiro; Cidade Escola Aprendiz; Coletivo BANQUETAÇO; Coletivo Delibera Brasil; Coletivo do Fórum Social das Resistências de Porto Alegre; Coletivo Socioambiental de Marilia; Comissão Pró-Índio do Acre (CPI-Acre); Conselho de Missão entre Povos Indígenas (COMIN / FLD); Conselho Indigenista Missionário (CIMI); Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB); Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE); Ecossistemas Costeiros (APREC); Elo Ligação e Organização; Espaço de Formação, Assessoria e Documentação; FADS – Frente Ampla Democrática Socioambiental; FEACT Brasil (representando 23 organizações nacionais baseadas na fé); Federação de Órgãos para Assistencial Social e Educacional (FASE); Fórum Baiano de Economia Solidária; Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS); Fórum da Amazônia Oriental (FAOR); Fórum de Direitos Humanos e da Terra; Fórum de ONGs Ambientalistas do Distrito Federal; Fórum de ONGs/Aids do Estado de São Paulo (FOAESP); Fórum Ecumênico ACT Brasil; Fórum Social da Panamazônia; Fundação Avina; Fundação Luterana de Diaconia (FLD); Fundação Vitória Amazônica (FVA); GEEP – Açungui; Gestos – Soropositividade, Comunicação e Gênero; Grupo Ambientalista da Bahia (GAMBA); Grupo Carta de Belém; Grupo de Estudos Espeleológicos do Paraná; Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para Agenda 2030; Grupo Ecológico Rio de Contas (GERC); Habitat para humanidade Brasil; Iniciativa Verde; Instituto AUÁ; Instituto Augusto Carneiro; Instituto Bem Ambiental (IBAM); Instituto Centro Vida (ICV); Instituto de Estudos Ambientais – Mater Natura; Instituto de Estudos Jurídicos de Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (IDhES); Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc); Instituto de Pesquisa e Formação Indígena (Iepé); Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ); Instituto Ecoar; Instituto EQUIT – Gênero, Economia e Cidadania Global; Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental; Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB); Instituto MIRA-SERRA; Instituto Socioambiental (ISA); Instituto Universidade Popular (UNIPOP); Iser Assessoria; Movimento de Defesa de Porto Seguro (MDPS); Movimento dos Trabalhadores/as Rurais sem Terra (MST); Movimento Nacional das Cidadãs PositHIVas de São Paulo; Movimento Paulo Jackson – Ética, Justiça e Cidadania; Movimento Roessler; Movimento SOS Natureza de Luiz Correia; Núcleo de Pesquisa em Participação, Movimentos Sociais e Ação Coletiva (NEPAC UNICAMP); Observatório do Clima; OekoBr; Operação Amazônia Nativa (OPAN); Organização dos Professores Indígenas do Acre (OPIAC); Pacto Organizações Regenerativas; Plataforma DHESCA Brasil; ProAnima – Associação Protetora dos Animais do Distrito Federal; Processo de Articulação e Diálogo (PAD); Projeto Saúde e Alegria; Rede Brasileira De Justiça Ambiental; Rede Conhecimento Social; Rede de Cooperação Amazônia (RCA); Rede de ONGs da Mata Atlântica (RMA); Rede de ONGs da Mata Atlântica; Rede Feminista de Juristas (deFEMde); Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV e AIDS (RNP+BRASIL); Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/AIDS do Estado de São Paulo (RNP+SP); Sempreviva Organização Feminista (SOF); SOS Mata Atlântica; Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS); Terra de Direitos; TERRA VIVA – Centro de Desenvolvimento Agroecológico do Extremo Sul da Bahia; União Protetora do Ambiente Natural (UPAN) e Vida Brasil.

Carta Capital


Presidente francês convoca reunião urgente do G7 para discutir queimadas na Amazônia

O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou nesta quinta-feira (22) que os incêndios na Amazônia representam uma “crise internacional” e convocou os membros do G7 para discutir o tema na próxima cúpula do grupo que acontece no próximo sábado (31).

“Nossa casa está queimando. Literalmente. A floresta Amazônica – os pulmões que produzem 20% do oxigênio do planeta – está em chamas. Isso é uma crise internacional. Membros da Cúpula do G7, vamos discutir essa emergência com prioridade em dois dias”, disse o mandatário pelo Twitter.

Os incêndios na Amazônia também repercutiram na Alemanha. No último final de semana, três grandes jornais do país – Der Spiegel, Die Zeit e Frankfurter Allgemeine Zeitung – publicaram editoriais sugerindo que o governo alemão imponha sanções contra o governo do presidente Jair Bolsonaro em retaliação pelo descaso com o combate ao desmatamento.

“Chegou a hora de se pensar em sanções diplomáticas e econômicas contra o Brasil. Os produtos agrícolas brasileiros devem desaparecer dos supermercados da UE se não for possível comprovar que foram produzidos em condições ambientalmente justas. Os poderosos grandes fazendeiros, que apoiam decisivamente Bolsonaro, devem sentir que sua atitude tem um preço. Porque seu ídolo não só inflige danos imensuráveis a seu próprio país, mas ao mundo todo”, publicou o Der Spiegel.

O Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) apontou um crescimento de 83% nas queimadas desde o início de 2019, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Vale destacar que a Alemanha era, junto da Noruega, um dos principais investidores do Fundo Amazônia e congelou os repasses por acreditar que o governo não adota o combate ao desmatamento como compromisso.

ONU

O secretário-geral da ONU, o português António Guterres, disse nesta quinta-feira estar “muito preocupado” com os incêndios na floresta Amazônica. A afirmação foi feita em uma postagem no Twitter.

“Estou profundamente preocupado pelos incêndios na floresta amazônica. No meio de uma crise climática global, não podemos permitir mais danos a uma importante fonte de oxigênio e biodiversidade. A Amazônia deve ser protegida”, escreveu.

Brasil de Fato


Bolsonaro diz que Macron evoca ‘mentalidade colonialista’ ao tratar de queimadas no Brasil

Ao rebater o presidente da França, Emmanuel Macron, que convocou reunião do G7 para discutir a situação das queimadas na Amazônia , o presidente Jair Bolsonaro escreveu em seu Twitter que lamenta que o líder europeu queira “instrumentalizar uma questão interna do Brasil” para fins pessoais. Segundo ele, a atitude de Macron evoca mentalidade colonialista descabida no século XXI.

“O governo brasileiro segue aberto ao diálogo, com base em dados objetivos e no respeito mútuo. A sugestão do presidente francês, de que assuntos amazônicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, evoca mentalidade colonialista descabida no século XXI”, escreveu o presidente em sua conta pessoal do Twitter.

Bolsonaro ainda chamou de “sensacionalista” a declaração do presidente francês:

“Lamento que o presidente Macron busque instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazônicos p/ ganhos políticos pessoais. O tom sensacionalista com que se refere à Amazônia (apelando até para fotos falsas) não contribui em nada para a solução do problema”, continuou o presidente em outra postagem.

Pouco antes em transmissão ao vivo no Facebook, o presidente havia dito que alguns países aproveitam o momento para potencializar as críticas contra o Brasil, mas sem citar o líder europeu, que havia postado uma foto da floresta sob fogo e dito que “a nossa casa estava pegando fogo”. Na postagem, Macron lembrava que a Amazônia é responsável por 20% do oxigênio do planeta.

— Um país teve a desfaçatez de falar ‘a nossa Amazônia’. Estão interessados em ter um dia um espaço da nossa Amazônia para eles — afirmou Bolsonaro, acrecestando que ministros de seu governo estão reunidos para discutir o “crime” que está feito contra a floresta.

– Alguns países aproveitam o momento para potencializar as críticas contra o Brasil. Para prejudicar nosso agronegócio e economia. E recalcar o Brasil a uma posição subalterna – afirmou.

O presidente voltou a dizer que os países que contribuem com recursos para o Fundo Amazônia, cujo objetivo é arrecadar recursos para manter a floresta de pé não o fazem por “caridade”, mas para atingir a soberania do Brasil.

Em seguida, ele fez uma referência ao ex-deputado federal e ex-candidato a presidência Enéas Carneiro, morto em 2007, ao dizer que os estrangeiros querem tomar as riquezas do Brasil.

– Como dizia Enéas, esses países querem buscar as nossas riquezas que estão sob a terra – afirmou Bolsonaro. – Essa região é rica em minérios, água potável e tem grandes espaços vazios. É nisso que o mundo tá de olho

Bolsonaro admitiu que há aumento no desmatamento da Amazônia, mas disse que é proporção é menor do que tem sido divulgada. Ele voltou a dizer que os dados do Inpe são mentirosos.

— Teve aquele problema no Inpe com dados mentirosos. De um mês para o outro, o desmatamento aumentou 80% no meu governo. Tem crescido sim. Reconheço. Mas não é fácil combater isso aí – afirmou.

Intervenção e retaliações

Bolsonaro insistiu ainda que as potências estrangeiras querem mostrar que o Brasil não tem capacidade para preservar a floresta e chegou a comentar a hipótese de um decreto de intervenção internacional na região, conforme ele havia lido em notícias da imprensa internacional.

— Existe esse interesse. E de cada vez mais dizer que não somos responsáveis. E quem sabe mais cedo ou mais tarde alguém decrete uma intervenção na região amazônica. E nós vamos ficar aqui chupando o dedo – disse o presidente.

O presidente também falou sobre a possibilidade de retaliação de outros países contra o Brasil. E reclamou que os repórteres que fazem a cobertura de seus discursos procuram distorcer suas palavras de maneira “maldosa”. Se dirigindo aos profissionais de imprensa, o presidente afirmou que se a economia brasileira for mal em razão de sanções de outros países, “todos vão sofrer”.

– Estamos no mesmo barco. A nossa economia é baseada nas comodities. Se o mundo resolver nos retaliar e a economia bagunçar todos vocês repórteres vão sofrer as consequências – disse o presidente.

O Globo


Bolsonaro convoca gabinete de crise com ministros para tratar da Amazônia

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) vai convocar todos os ministros de Estado para formar um gabinete de crise em função das queimadas que atingem a região amazônica. Hoje pela tarde, Bolsonaro já havia se reunido com alguns ministros como Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Tereza Cristina (Agricultura) para discutir as providências que serão tomadas para conter os incêndios. Amanhã, conforme apurou o UOL, uma reunião mais ampla será convocada.

O ministério do Meio Ambiente está trabalhando para consolidar dados e apresentar aos veículos de imprensa, o que deve ocorrer nos próximos dias. O decreto convocando os chefes das pastas para um comitê de crise foi publicado na noite de hoje em uma edição extra do Diário Oficial. A medida, segundo o governo, visa “preservação e a defesa da Floresta Amazônica, patrimônio nacional.”

Ontem, questionamentos sobre os incêndios no principal bioma brasileiro e protestos — incluindo do presidente francês, Emmanuel Macron — se intensificaram. Nas suas redes sociais, o líder europeu afirmou que “nossa casa está queimando, literalmente” e convocou membros do G7, grupo que reúne as maiores economias do mundo, para discutir a situação na próxima reunião, a ser realizada na França no próximo fim de semana.

O posicionamento do líder francês gerou reações por parte do governo. Durante transmissão ao vivo nas suas redes sociais, Bolsonaro classificou a publicação de Macron como “desfaçatez” e, posteriormente, acusou-o de ter uma “mentalidade colonialista”.

“O governo brasileiro segue aberto ao diálogo, com base em dados objetivos e no respeito mútuo. A sugestão do presidente francês, de que assuntos amazônicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, evoca mentalidade colonialista descabida no século XXI”, escreveu Bolsonaro.

Acusação aos produtores

Após acusar, sem evidências, que ONGs seriam as responsáveis pelas queimadas na região da Amazônia Legal, Bolsonaro afirmou hoje que “há suspeitas” de que produtores rurais estejam por trás dos incêndios que atingem o bioma. Assim como nas acusações contra ONGs, o presidente não apresentou qualquer prova de que produtores estariam envolvidos nas queimadas.

“Ajude-nos a combater isso daí. Você que é da região, você que é fazendeiro. Há suspeita que tem produtor rural que tá agora aproveitando e tacando fogo em geral aí. As consequências vêm pra todo mundo”, disse durante transmissão ao vivo nas suas redes sociais.

Ao longo da transmissão, o presidente afirmou que incêndios são “comuns”, fazendo menção ao estado norte-americano da Califórnia e diferenciando que no Brasil há um “viés criminoso”. Antes de elencar as acusações, disse: “Quem que pratica isso? Não sei. Os próprios fazendeiros, ONGs, seja lá o que for, índios, seja lá o que for”, disse.

UOL


VOLVER

Más notas sobre el tema