Brasil: madres de víctimas de la violencia policial protestaron frente a la gobernación de Río

Mães de vítimas da violência protestam na sede do governo do Rio

Sede do governo estadual, o Palácio Guanabara, em Laranjeiras, foi cenário de uma manifestação de mães de vítimas da violência no estado. Manifestantes penduraram 16 uniformes escolares com manchas vermelhas, numa alusão ao número de crianças feridas por balas perdidas no estado este ano, incluindo Ágatha Félix, de 8 anos, morta há uma semana no Complexo do Alemão. Há uma 17ª criança ferida: Vitória Ferreira da Costa, de 11 anos, baleada no Catumbi, na terça-feira.

O grupo criticou a política de segurança do governador Wilson Witzel. Mãe de um jovem executado aos 19 anos, em 2003, em chacina no Morro do Borel, Maria Dalva da Costa, 65 anos, cobrou o fim do ‘caveirão voador’ (helicóptero blindado usado em operações policiais). Ela conta que seu filho foi morto por PMs com tiros na cabeça e nas costas.

“É nas favelas que a polícia vai para matar. As nossas vidas negras e do povo favelado não valem nada. A gente tem nossas rotinas interrompidas todos os dias quando tem o caveirão aéreo sobrevoando nossas casas e efetuando disparos”, reclamou.

Relatos parecidos foram dados na Assembleia Legislativa. Em audiência pública, Katia Cilene Gomes, mãe de Jenifer Cilene, de 11 anos (primeira criança morta durante ação policial este ano), declarou que não recebeu nenhuma assistência do governo.

“Comecei a pedir socorro e demorou até que os policiais à paisana parassem de atirar. Eles alegaram que estava tendo confronto, mas a rua estava vazia”, relembrou. “Não tive nenhuma ajuda. Meu filho está tendo que tomar um medicamento forte e caro e até isso eu estou tendo que pagar”, acrescentou.

Caso Ágatha: DH ouve outros PMs da Fazendinha
Agentes da Divisão de Homicídios da Capital, que investigam o assassinato da menina Ágatha Félix, de 8 anos, durante ação da PM no Complexo do Alemão, ouviram novas testemunhas, ontem. Já tinham sido ouvidos 11 PMs que estavam de serviço no dia do crime. Uma simulação do caso ocorrerá na terça-feira.

Enquanto aguardam a conclusão das investigações, familiares da menina organizam nova manifestação por Justiça, prevista para hoje, às 17h: “Vamos da Avenida Itararé até o Largo do Birosca, na Fazendinha, onde ela foi baleada”, explicou Danilo, tio da menina.

O laudo pericial, feito no fragmento do projétil encontrado no corpo da menina, apontou que o disparo é “compatível com tiro de fuzil”, mas não é possível identificar a arma de onde partiu o tiro. Agora, a polícia aguarda o resultado da perícia dos armamentos dos PMs. Além disso, investigadores farão medições para descobrir a trajetória da bala e o posicionamento do atirador.

O Dia


VOLVER