Los superiores suben y los inferiores bajan – Brasil de Fato

Los conceptos vertidos en esta sección no reflejan necesariamente la línea editorial de Nodal. Consideramos importante que se conozcan porque contribuyen a tener una visión integral de la región.

Os de cima sobem e os de baixo descem

Como era de se esperar, mais de 260 dias se passaram do Governo Bolsonaro (PSL) e não há nenhum sinal de melhora da economia e da condição de vida da população brasileira, as promessas de campanha sintetizadas no slogan: “Brasil acima de tudo”, tem mostrado a sua verdadeira cara, provando que a formula mágica do Ministro “Posto Ipiranga” Paulo Guedes, de diminuir a intervenção do Estado na economia, com o pacote de privatizações, com a proposta da reforma deformada da previdência, não funcionou e nem funcionará, pois a política praticada apenas defende os privilégios e aprofunda as desigualdades sociais, os ricos cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.

A atual taxa de desemprego segundo o IBGE é de 12%, ou seja, quase 13 milhões de trabalhadores e trabalhadoras estão desempregados, sendo 4,877 milhões de pessoas em condição de desalento, pessoas desempregadas a mais de dois anos e já não procuram mais emprego por desacreditar em sua inserção no mercado de trabalho. Esses números alarmantes comprovam que a promessa de melhoria e de geração de empregos da reforma trabalhista, aprovada ainda pelo governo Temer, foi uma grande farsa que serviu para a retirar de direitos e aumentar a exploração do trabalhador. O atual governo, não só aprova, como propõe o congelamento do salário mínimo.

A projeção do crescimento econômico é ínfima, segundo divulgação do Banco Central, a expectativa é de 0,83% de aumento do PIB em 2019, atrelado a isso, a perspectiva da alta da produção industrial para esse ano é de apenas 0,15%.

Junto a esse cenário o governo anuncia cortes e mais cortes de recursos em setores fundamentais como na educação, nas políticas sociais, na saúde, na produção de habitação de interesse social e querem enfiar goela abaixo a tal reforma da previdência com o argumento de que o atual sistema previdenciário é responsável por empacar o desenvolvimento econômico, sendo que, na realidade, ela busca garantir os interesses do sistema bancário, que lucra com a previdência privada, pois a proposta em tramitação no senado, não retira os privilégios dos mais ricos, ela apenas vem atender a agenda da elite brasileira.

Até quando o povo brasileiro vai engolir esse governo?

Edição: Heloisa de Sousa

Brasil de Fato


VOLVER