Cumbre del BRICS en Brasil: presidentes firman declaración exigiendo la reforma de la ONU, la OMC y el FMI

Los presidentes del BRICS aprobaron por consenso la Declaración de Brasilia: exigieron la reforma de la ONU, la OMC y el FMI

Por Fernanda Kobelinsky

“Llegamos por consenso a la Declaración de Brasilia”, anunció Jair Bolsonaro. “Como líderes de naciones vibrantes reafirmamos nuestro compromiso fundamental con el principio de la sobreranía, el respeto mutuo y la igualdad; y con el objetivo común de construir un mundo pacífico estable y próspero”, aseguraron los cinco mandatarios, el brasileño y Vladimir Putin, Nerenda Modi, Xi Jinping y Cyril Ramaphosa en el texto.

En el documento, los cinco presidentes de las potencias emergentes exigen una modificación integral en los organismos multilaterales de comercio, y se comprometen a resolver las crisis mediante la diplomacia y la negociación, resaltando el mecanismo interno del bloque.

Para Brasil, Rusia, China, India y Sudáfrica “es urgente reforma de todo el sistema multilateral, incluidas las Naciones Unidas, la OMC, el FMI y otras organizaciones internacionales”. En especial, remarcaron, “es esencial que todos los miembros de la Organización Mundial de Comercio (OMC) eviten medidas unilaterales y proteccionistas”,
“Reafirmamos nuestro compromiso de ayudar a superar los importantes desafíos a los que se enfrenta actualmente el multilateralismo, así como de defender el papel central de las Naciones Unidas en los asuntos internacionales y de respetar el derecho internacional, incluida la Carta de las Naciones Unidas, sus propósitos y principios”, afirman los mandatarios.

En el documento, además, aseguran estar “satisfechos con los resultados de la presidencia de los BRICS 2019″ y adelantan el apoyo a Rusia, que conducirá el bloque desde ahora. En la Declaración de Brasilia no aparece Venezuela ni Bolivia, los dos temas latinoamericanos que dividían a los presidentes.

Los puntos clave del texto:

-“Reiteramos la urgente necesidad de fortalecer y reformar el sistema multilateral, incluidas las Naciones Unidas, la OMC, el FMI y otras organizaciones internacionales, que seguiremos trabajando para que sea más incluyente, democrático y representativo, incluso mediante una mayor participación de los mercados emergentes y los países en desarrollo en la adopción de decisiones internacionales”.

-“Reafirmamos nuestro compromiso con un FMI fuerte, basado en cuotas y dotado de recursos adecuados, que se sitúe en el centro de la red mundial de seguridad financiera. Estamos profundamente decepcionados por el hecho de que la 15ª Revisión General de Cuotas (GRQ) no haya logrado aumentar el tamaño de las cuotas del Fondo y reajustar las cuotas de los países miembros, incluso a favor de los mercados emergentes y las economías dinámicas (EMDEs), que siguen estando infrarrepresentadas en el Fondo.”

-“También apoyamos la protección de la voz y la representación de los miembros más pobres. Hacemos un llamado al FMI para que comience a trabajar en la reforma de las cuotas y la gobernanza sobre la base de los principios acordados en 2010, con la seriedad debida y dentro de un plazo de tiempo ajustado”.

– “Reiteramos la importancia fundamental de un comercio internacional basado en normas, transparente, no discriminatorio, abierto, libre e inclusivo. Seguimos comprometidos en preservar y fortalecer el sistema multilateral de comercio, con la Organización Mundial del Comercio en el centro. Pero es fundamental que todos los miembros de la OMC eviten las medidas unilaterales y proteccionistas, que son contrarias al espíritu y las normas de la OMC”.

– Exigen la reforma de la OMC y quieren que se concrete este 2020 . “Nuestros países trabajarán con todos los Miembros de la OMC para promover un proceso de reforma necesario que sea equilibrado, abierto, transparente y que promueva la inclusión y el desarrollo. La reforma debe, entre otras cosas, preservar la centralidad, los valores fundamentales y los principios fundamentales de la OMC, y tener en cuenta los intereses de todos los miembros, incluidos los países en desarrollo.”

-“Reiteramos nuestro compromiso de crear un orden internacional multipolar más justo, equitativo y representativo”.

– “Recordamos el Documento Final de la Cumbre Mundial 2005 y reafirmamos la necesidad de una reforma amplia de las Naciones Unidas, incluido su Consejo de Seguridad, con miras a hacerlo más representativo, eficaz y eficiente y aumentar la representación de los países en desarrollo”.

– “Reafirmamos nuestro compromiso con los esfuerzos colectivos para el arreglo pacífico de controversias por medios políticos y diplomáticos, y reconocemos el papel del Consejo de Seguridad de las Naciones Unidas como principal responsable del mantenimiento de la paz y la seguridad internacionales”.

– “Tomamos nota con reconocimiento del papel del Nuevo Banco de Desarrollo (BND) en la financiación de la infraestructura y el desarrollo sostenible. Subrayamos la necesidad de redoblar los esfuerzos para crear una cartera de proyectos sólida, equilibrada y de alta calidad”.

-“Reiteramos la importancia de aplicar el Programa de Desarrollo Sostenible de 2030 y pedimos que se redoblen los esfuerzos para su aplicación oportuna”.

-“Reiteramos nuestro compromiso con la aplicación del Acuerdo de París adoptado bajo los principios de la Convención Marco de las Naciones Unidas sobre el Cambio Climático”.

– “Expresamos nuestra profunda preocupación por las continuas amenazas a la paz y la seguridad internacionales y nos comprometemos a trabajar en pro de una paz duradera para todos, de conformidad con la Carta de las Naciones Unidas y todas las obligaciones internacionales aplicables”.

– “Expresamos nuestro compromiso con el desarrollo sostenible en sus tres dimensiones -económica, social y ambiental- de manera equilibrada e integrada. Todos nuestros ciudadanos, en todas las partes de nuestros respectivos territorios, incluidas las zonas remotas, merecen disfrutar plenamente de los beneficios del desarrollo sostenible. La cooperación internacional en este ámbito, como en todos los demás, debe respetar la soberanía nacional y los marcos y acuerdos jurídicos e institucionales nacionales, así como las prácticas y los procedimientos”.

-“Expresamos nuestra profunda preocupación por la posibilidad de una carrera de armamentos en el espacio y reafirmamos la necesidad de llevar a cabo actividades de exploración y utilización del espacio con fines pacíficos”.

– “Condenamos el terrorismo en todas sus formas y manifestaciones, que no deben estar asociadas a ninguna religión, nacionalidad o civilización, y reconocemos los actos terroristas como criminales e injustificables, independientemente de sus motivaciones, en cualquier momento, en cualquier lugar y por cualquiera que los haya cometido. Instamos a que se realicen esfuerzos conjuntos para combatir el terrorismo bajo los auspicios de las Naciones Unidas”.

– “Destacamos la importancia de las normas, reglas y principios universalmente acordados, bajo los auspicios de las Naciones Unidas, para el comportamiento responsable de los Estados en el ámbito de las TIC, y mantenemos la centralidad de las Naciones Unidas en su desarrollo. En este sentido, acogemos con beneplácito el establecimiento de un grupo de trabajo de composición abierta de las Naciones Unidas sobre esta cuestión, así como el lanzamiento de una nueva edición del Grupo de Expertos Gubernamentales. Si bien apoyamos ambos mecanismos, subrayamos que el proceso de doble vía puede proporcionar complementariedad y sinergias en los esfuerzos internacionales en esta materia”.

El texto completo:

Infobae


Brics ignora crises políticas na América Latina em declaração final

Os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) não chegaram a um consenso e ignoraram o tema das agitações políticas e sociais na América Latina, após a 11ª reunião de cúpula. A Declaração de Brasília, mensagem formal negociada entre os cinco líderes do bloco e suas delegações diplomáticas, contém um capítulo de “conjunturas regionais”, onde teria sido possível incluir a questão. O posicionamento comum sobre os conflitos políticos foi antecipado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Apesar de esforços do governo Jair Bolsonaro para sensibilizar Xi Jinping (China), Vladimir Putin (Rússia), Narendra Modi (Índia) e Cyril Ramaphosa (África do Sul), aproveitando a presença deles no continente, há divergência aberta entre a política externa brasileira e as demais no caso da Venezuela. Já em relação à Bolívia, Rússia e China seguem caminhos diferentes dos demais integrantes do Brics.

“Reafirmamos nosso compromisso com os esforços coletivos para a solução pacífica de controvérsias por meios políticos e diplomáticos e reconhecemos o papel do Conselho de Segurança da ONU como principal responsável pela manutenção da paz e segurança internacionais”, afirmaram os países na Declaração.

São dedicados parágrafos inteiros para tratar dos conflitos no Oriente Médio, Ásia e África, entre eles, no Iêmen, Golfo, Afeganistão, Península Coreana, Síria, Líbia e Sudão. Em geral, os países do Brics apoiam esforços de ajuda humanitária e rechaçam intervenções militares.

O Brics trata, como de costume, da questão entre Israel e Palestina e opina que a solução é a constituição de dois Estados Os cinco países pedem esforços diplomáticos “novos e criativos” Com aval do Brasil, foram retirados os trechos que mencionavam, na declaração do ano passado, o apoio à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina e o que travava o status de Jerusalém – cidade disputada por israelenses e palestinos – como última das questões a ser negociada entre os dois lados. Bolsonaro chegou a prometer a transferência da embaixada do Brasil de Tel-Aviv para Jerusalém, num sinal de alinhamento com Israel e Estados Unidos, mas recuou em meio a receio de retaliações dos países árabes.

Assim como apareceu no discurso dos líderes, o combate ao terrorismo é um destaque da declaração, que também expressa “preocupação com o sofrimento de comunidades e minorias vulneráveis étnicas e religiosas”. Por pressão de parlamentares e igrejas evangélicas, a política externa brasileira adotou como bandeira no governo Bolsonaro a defesa da liberdade religiosa e da não perseguição a cristãos em países onde são minoria.

Soberania nacional e a Amazônia

O bloco também se posicionou de forma inédita em defesa do princípio da soberania nacional. Além de uma menção conceitual ao tema, vinculada ao “respeito mútuo e igualdade”, os Brics afirmaram a necessidade de os países respeitarem a soberania nos esforços internacionais para preservação ambiental, tema caro ao Brasil por causa das recentes queimadas na Amazônia.

Embora tenha sido um dos motivos para o Brics abordar o assunto, os incêndios florestais na Amazônia brasileira não foram expressamente citados no texto. As queimadas desgastaram a imagem do governo Bolsonaro e provocaram um debate, proposto pela França de Emmauel Macron, sobre definir um status internacional da Amazônia. Bolsonaro reagiu acusando o francês de ingerência externa.

País anfitrião da cúpula, o Brasil levou o assunto às rodadas finais de negociação do texto, que duraram cinco dias, e obteve aval dos demais. A China já havia defendido a posição brasileira A Índia, do primeiro-ministro Narendra Modi, havia proposto o debate sobre “desafios e oportunidades” para o exercício da soberania nacional atualmente. A Rússia enfrenta incêndios ambientais semelhantes na Sibéria. E a África do Sul, problemas para proteger seus parques nacionais de savana.

“Expressamos nosso compromisso com o desenvolvimento sustentável em suas três dimensões – econômica, social e ambiental – de maneira equilibrada e integrada. Todos os nossos cidadãos, em todas as partes de nossos respectivos territórios, incluindo áreas remotas, merecem desfrutar plenamente dos benefícios do desenvolvimento sustentável. A cooperação internacional neste campo, como em todos os outros, deve respeitar a soberania nacional e os regulamentos e disposições legais e institucionais nacionais, bem como práticas e procedimentos”, diz trecho da declaração comum.

No documento de Brasília, o princípio da soberania é associado à construção de um mundo “pacífico, estável e próspero”. Nas últimas duas declarações conjuntas, em Joanesburgo-2018 e em Xiamen-2017, a palavra soberania aparecia apenas quando os líderes tratavam de conflitos armados no Oriente Médio.

Ainda no tópico ambiental, os líderes reafirmaram compromisso com a implementação do Acordo de Paris, do qual os Estados Unidos saíram. Bolsonaro já fez ressalvas ao esforço comum sobre mudanças climáticas e havia ameaçado abandonar o acordo antes de tomar posse como presidente da República.

O Brics ressaltou que as responsabilidades no acordo de Paris devem ser adequadas às respectivas capacidades dos países e cobrou uma ampliação no financiamento e ajuda tecnológica por parte de nações desenvolvidas. Pediu ainda mais doações ao Fundo Verde para o Clima, que banca ações de mitigação de impactos ambientais.

O bloco também disse apoiar a realização e trabalhar por resultados equilibrados na Conferência Mundial do Clima, a COP-25, transferida do Chile para a Espanha por causa de protestos de rua que tomaram o país sul-americano, emparedaram o governo Sebastián Piñera nos últimos meses e ameaçaram o encontro. Em esforços de cooperação, os países focam agora em melhorar a qualidade de vida nas cidades e na limpeza de rios e mares.

Economia

O documento reproduziu o “comprometimento” das cinco economias emergentes com o sistema multilateral para resolução de conflitos internacionais e destacou o papel central da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização Mundial do Comércio (OMC) diante de uma denúncia que os líderes fizeram, em discursos, de aumento do protecionismo.

“É essencial que todos os membros da OMC evitem medidas unilaterais e protecionistas, que são contrárias ao espírito e às regras da OMC”, anotaram.

Os países do Brics reforçaram, por exemplo, a importância da “base científica” nas negociações, uma resposta ao descontentamento com barreiras sanitárias impostas sem comprovação técnica contra produtos agrícolas.

Os países do bloco falaram na necessidade de reformar urgentemente e de forma “equilibrada” o sistema multilateral – incluídos a ONU e seu Conselho de Segurança, a OMC e o Fundo Monetário Internacional (FMI), onde dizem estar sub-representados. O Brics pressiona mais uma vez para que o órgão de apelação seja recomposto, com nomeação dos membros com urgência, para evitar uma paralisia em dezembro. Eles pedem uma revisão das cotas do FMI “com seriedade e em um curto espaço de tempo”.

“Desde nossa última reunião, o crescimento econômico global enfraqueceu e os riscos negativos aumentaram. As tensões comerciais e a incerteza política afetaram a confiança, o comércio, os investimentos e o crescimento. Nesse contexto, lembramos a importância de mercados abertos, de um ambiente de negócios e comércio justo, imparcial e não-discriminatório, de reformas estruturais, de concorrência efetiva e justa, promovendo o investimento e a inovação, além de financiamento para infraestrutura e desenvolvimento. Ressaltamos a necessidade de maior participação dos países em desenvolvimento nas cadeias globais de valor. Continuaremos a cooperar no G20 e a promover os interesses dos mercados emergentes (EMEs) e dos países em desenvolvimento”, justificaram.

Terrorismo

Em matéria de segurança, a principal preocupação da cúpula foi o avanço do terrorismo e do uso associado de tecnologias de informação e comunicação para cometer crimes. Os países querem trocar experiências no combate a crimes transnacionais, corrupção e meios de recuperação de ativos.

“Condenamos o terrorismo em todas as suas formas e manifestações, que não devem ser associadas a qualquer religião, nacionalidade ou civilização, e reconhecemos os atos terroristas como criminosos e injustificáveis, independentemente de suas motivações, em qualquer momento, em qualquer lugar e por quem quer que os tenha cometido”, disseram.

Eles ressaltaram a importância da proibição de armas biológicas e químicas e manifestaram “séria preocupação com a possibilidade de uma corrida armamentista no espaço exterior”.

Página 3


Não entro em guerra comercial, Brasil negocia com todos, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que não vai entrar em guerra comercial, em referência às disputas entre Estados Unidos e China, e destacou que o Brasil não tem restrições de parceiros no comércio internacional.

“Não entro nessa guerra comercial, o Brasil faz comércio com o mundo todo”, disse Bolsonaro, em breve entrevista no Palácio da Alvorada, ao ser questionado sobre críticas de China e Rússia ao que consideram protecionismo dos Estados Unidos.

O presidente disse ainda que a reunião desta semana em Brasília do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, parece um encontro de “velhos amigos”, e destacou, sem dar detalhes: “Boa coisa já está vindo”.

Na véspera, no encerramento do Fórum Empresarial dos Brics, Bolsonaro afirmou que o Brasil está fazendo seu dever de casa para se tornar um mercado cada vez mais atrativo para os investimentos estrangeiros e quer se abrir para o mundo.

Exame


Bolsonaro recebe Putin no Palácio do Planalto

O presidente Jair Bolsonaro recebeu, na tarde de ontem (14), o líder russo Vladimir Putin, no Palácio do Planalto. O encontro bilateral ocorreu após a realização da 11ª Reunião de Cúpula do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Mais cedo, os chefes de Estado dos cinco países anunciaram acordos para fortalecer o bloco e emitiram uma declaração conjunta.

O presidente da Rússia chegou ao Palácio do Planalto pela entrada leste por volta das 16h45. O encontro com Bolsonaro, fechado à imprensa, durou cerca de 50 minutos, e Putin deixou o prédio às 16h35, acenando a jornalistas brasileiros que o aguardavam na saída. De longe, falando em português, o presidente russo disse “muito obrigado” antes de entrar de volta na limusine.

De acordo com o Palácio do Planalto, Putin e Bolsonaro conversaram sobre a ampliação dos fluxos de comércio e investimentos entre os países. “As duas partes discutiram a remoção de entraves ao comércio de produtos do setor agropecuário e a diversificação da pauta comercial. Manifestaram disposição de estudar iniciativas para a promoção de investimentos recíprocos”, informou o governo brasileiro.

Segundo o Planalto, o presidente russo também demonstrou demonstrou interesse em novos aportes no setor de energia. Os dois presidentes também reforçaram disposição de aprofundar o intercâmbio em áreas como geolocalização, tecnologia espacial e biotecnologia.

Pouco antes das 18h, o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, chegou ao Palácio do Planalto para se reunir com Jair Bolsonaro. O encontro durou cerca de 20 minutos. O presidente brasileiro apontou o potencial econômico das relações bilaterais e manifestou o empenho da parte brasileira em concretizá-lo plenamente. De acordo com a Presidência da República, o lado sul-africano ressaltou, na reunião, o desejo de aprofundar a parceria em biocombustíveis, aproveitando a experiência brasileira no assunto.

A cooperação agrícola também foi um dos temas conversados. A ideia é que ambos os governos identifiquem oportunidades de intercâmbio no setor.

“O estreitamento dos laços no campo jurídico, com a negociação de novos acordos, foi tratado na reunião. Os dois presidentes discutiram, ainda, a possibilidade de promover maior intercâmbio esportivo”, relatou o Palácio do Planalto, em nota.

Ontem (13), Bolsonaro também manteve encontros bilaterais com o presidente da China, e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

Cúpula do Brics
Presidida pelo Brasil, a reunião do Brics teve como lema Crescimento Econômico para um Futuro Inovador. Os temas prioritários da cúpula estão relacionados à ciência, tecnologia e inovação, economia digital, saúde e combate à corrupção e ao terrorismo.

Esta é a segunda vez que Brasília sedia a conferência – a primeira foi em 2010. Em 2014, o encontro de cúpula foi em Fortaleza. Em 2020, a Rússia assumirá a presidência rotativa do Brics.

“Foi um sucesso. O interesse de investidores no nosso país é enorme. O mundo já sabe que temos um novo Brasil. Mais seguro, próspero e confiante”, afirmou o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em uma postagem no Twitter com fotos da tarde de reuniões.

Ontem (13), Bolsonaro também manteve encontros bilaterais com o presidente da China, Xi Jinping, e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

PortalR3


VOLVER