Brasil: Bolsonaro inaugura el primer colegio cívico-militar de su gobierno

373

Presidente de Brasil anuncia el primer colegio cívico-militar de su Gobierno

El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, colocó este lunes la primera piedra del futuro colegio cívico-militar de Sao Paulo, en el marco del programa lanzado por el Gobierno para impulsar este tipo de escuelas en el país suramericano.

Bolsonaro, un capitán de la reserva del Ejército y férreo defensor de la educación cívico-militar, afirmó este lunes que si el informe PISA -que evalúa la educación a nivel mundial- tan solo tuviera en cuenta a los alumnos de escuelas militares del país, “Brasil estaría entre los diez mejores del mundo”.

“Brasil llegó a una situación que no puede ser sobrepasada por nadie más en Educación, porque ya estamos en el último puesto”, recalcó Bolsonaro durante una ceremonia celebrada en Sao Paulo.

Según el último informe PISA, los estudiantes brasileños ocupan los últimos diez puestos en la disciplina de matemáticas, mientras que en lectura se encuentra en el puesto 57 entre los 77 países participantes.

La expansión de la educación cívico-militar ha sido una de las principales apuestas en materia de educación del Gobierno del presidente Bolsonaro, quien se ha propuesto inaugurar más de 200 centros educativos de este tipo hasta el fin de su mandato, el 1 de enero de 2023.

Entre ellos se encuentra el colegio militar de Sao Paulo, el cual será inaugurado en 2022 y es fruto de una asociación entre el Gobierno federal y la Federación de Industrial de Sao Paulo (Fiesp), la patronal más influyente de Brasil.

Durante su discurso, el líder de la ultraderecha brasileña criticó a los estados del nordeste, un histórico bastión de la izquierda, por negarse a implantar las escuelas cívico-militares en sus regiones.

“Ocho de los nueve gobernadores del nordeste no aceptaron la escuela cívico-militar. Para ellos, la escuela va muy bien, formando militantes y desinformando, lamentablemente”, subrayó el jefe de Estado, quien estuvo acompañado en el evento por el ministro de Educación, Abraham Weintraub, y la secretaria de Cultura, la actriz Regina Duarte.

Debate


Bolsonaro ataca o Nordeste: educação na região forma “militantes e desinformados”

Jair Bolsonaro voltou a atacar governadores do Nordeste e afirmou nesta segunda-feira (3) que, na região, a educação forma militantes e desinforma. Oito dos nove governadores nordestinos decidiram não aderir à iniciativa do Ministério da Educação (MEC) para a instalação de colégios militares na região.

“Se quiserem seguir formando militantes e desinformando, tudo bem”, disse Bolsonaro durante o lançamento da pedra fundamental do Colégio Militar de São Paulo, no aeroporto Campo de Marte.

O ataque de Bolsonaro vem no mesmo dia em que o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), anunciou que o novo piso salarial para professores que trabalham 40 horas semanais nas escolas do Estado será de R$ 6.358,96, mais que o dobro do piso nacional (R$ 2.886,240).

Brasil 247


Bolsonaro lança pedra fundamental de Colégio Militar em SP e critica governadores do Nordeste que não quiseram escola

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), lançou na manhã desta segunda-feira (3) a pedra fundamental no local onde será construído o futuro Colégio Militar em São Paulo, no antigo Centro Logístico da Aeronáutica, no Campo de Marte, na Zona Norte. A unidade da capital paulista será a 14ª do país.

Durante seu discurso, Bolsonaro aproveitou para criticar os governadores do Nordeste que recusaram a criação de colégios cívicos-militares em seus estados.

“Não existe momento mais gratificante do que este, do que lançarmos uma pedra fundamental para a feitura de uma escola comprovadamente de qualidade. Seria ironia, mas é uma grande verdade, conversando com o ministro Weintraub há pouco sobre as notas do Brasil na prova do Pisa [Programa Internacional de Avaliação de Estudantes]. O Brasil chegou a uma situação na Educação que não pode ser ultrapassada por mais ninguém, porque já estamos no último lugar. E essa prova do Pisa foi realizada em 2018, antes do nosso governo. Apesar do tempo relativamente curto, com toda certeza, melhoraremos sim muitas posições para a próxima prova que será realizada em 2021. E deixo bem claro também, se deixarmos nessa prova do Pisa apenas alunos de Colégios Militares, de escolar militarizadas, por exemplo, de Goiás do governador Caiado, o Brasil estaria entre os dez do mundo”, afirmou o presidente.

No entanto, o que o presidente falou não retrata a realidade. O Brasil não foi o último colocado no ranking do Pisa. O resultado aponta ligeiro aumento da nota média, mas os estudantes brasileiros seguem entre os últimos 10 colocados na prova de matemática. Na prova de leitura, o Brasil ficou na 57ª posição de 77 países participantes. Na avaliação de matemática, o país ficou na 58º posição e na 53º posição em ciências. Esses valores são usados como referência de educação de qualidade pelo Brasil e demais países. Entre os países da América do Sul, a Argentina ocupa a última posição.

“Por isso, oito dos nove governadores do Nordeste não aceitaram a escola cívico-militar. Para eles, a escola vai muito bem, formando militantes e desinformando lamentavelmente. Aqui no Sudeste tivemos dois governadores que não aceitaram, a questão político-partidária não pode estar à frente da necessidade de um país. Um jovem bem formado será útil para si, para sua família e para seu país no futuro, é isso que nós queremos”, afirmou.

Após a inauguração da pedra, foi feita uma oração para abençoar a lugar. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, e a secretária de Cultura, Regina Duarte, estavam presentes no evento, que contou ainda com a presença de autoridades militares das Forças Armadas de São Paulo e de pessoas ligadas à Educação.

O colégio deve ser entregue até o final de 2022. Enquanto isso, temporariamente, os alunos iniciam o ano letivo nesta manhã no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva de São Paulo (CPOR) na Rua Alfredo Pujol, em Santana, próximo do local onde ficará a unidade definitiva.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) vai doar os projetos básico e executivo da obra do colégio. O valor estimado dos projetos não foi informado.

No início da tarde, o presidente participou de outro evento em São Paulo com empresários na sede da Fiesp. Durante o encontro, Bolsonaro afirmou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem se mostrado “mais que simpático” a aprovar no Congresso as reformas administrativas e tributária em parceria com o governo. A declaração foi dada após críticas de Maia a ministros de Bolsonaro na semana passada.

“Ontem estive longos minutos com o Rodrigo Maia. Conversamos mais um pouco sobre a reforma tributária e administrativa que está para chegar. Ele tem se mostrado mais do que simpático. Ele quer ser protagonista nesta questão. Então essas medidas, com o apoio do parlamento brasileiro, é que dão mostras mais que suficientes dentro e fora do Brasil que nós estamos no caminho certo”, afirmou Bolsonaro.

Em evento internacional para investidores e economistas realizado na quarta-feira (29) em São Paulo, Maia havia dito que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, perdeu “as condições de ser o interlocutor” do governo na área. E criticou ainda o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

“Como que faz para o investidor olhar que o Brasil tem um ministro da Educação desse? Nosso país não tem futuro, né? Não tem futuro. Parece um passado ruim, porque conseguiu fazer de um cara desse o ministro da Educação… que construção que nós tivemos”, afirmou Maia na ocasião.

Em outro evento no dia seguinte, o presidente da Câmara voltou a criticar Weintraub, afirmando que o ministro “atrapalha o Brasil”.

G1


VOLVER
Más notas sobre el tema