Brasil: a contramano de Bolsonaro, gobernadores crean un comité científico para combatir al Covid-19

Grupo formado por governadores do Nordeste cria comitê científico para combate ao coronavírus

Foi oficializado na segunda-feira (30) um comitê científico formado por médicos, cientistas, físicos e pesquisadores, com o intuito de auxiliar os governadores dos estados do Nordeste na tomada de decisão sobre as ações de enfrentamento à pandemia causada pelo coronavírus.

O Comitê Científico do Consórcio Nordeste será coordenado pelo cientista Miguel Nicolelis e pelo físico e ex-ministro de Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende. A primeira reunião do grupo está marcada para esta terça-feira (31), às 10h. Será um encontro online.

De acordo com o governo da Bahia, idealizador do comitê, Além de Nicolelis e Rezende, a comissão fará reuniões periódicas com autoridades científicas brasileiras e de outros países, a exemplo da Itália, da Alemanha e da China, para discutir soluções na tentativa de frear a disseminação de casos da Covid-19.

Além disso, o comitê emitirá boletins com todos os números da região relativos à doença e divulgará orientações baseadas nas pesquisas realizadas pelo grupo.

Ainda segundo o governo da bahia, o comitê ainda está em formação, mas já possui 13 membros, incluindo um indicado por um dos nove estados do Nordeste, e deve permanecer ativo até o fim da pandemia.

“É uma guerra. Precisamos de apoio científico para vencê-la”, afirmou o governador Rui Costa, presidente do Consórcio Nordeste.

Consórcio Nordeste foi criado em março de 2019 e prevê o desenvolvimento em diversos projetos, além da parceria econômica, política, infraestrutural e educacional entre as unidades federativas.

Dicas de prevenção contra o coronavírus — Foto: Arte/G1

Dicas de prevenção contra o coronavírus — Foto: Arte/G1

Globo


Comitê Científico do Consórcio Nordeste dá primeiras orientações para enfrentamento ao coronavírus

Uma videoconferência realizada na manhã desta terça-feira (31) reuniu os membros do Comitê Científico do Consórcio Nordeste e o presidente da entidade, o governador da Bahia, Rui Costa. Durante o encontro virtual, o grupo, formado por renomados cientistas, pesquisadores e físicos brasileiros, fez uma apresentação preliminar da metodologia que irão usar para ajudar os nove governadores da região a embasarem cientificamente as ações executadas para combater a pandemia gerada pelo novo coronavírus.

De acordo com Rui, o Comitê, criado na última segunda-feira (30), terá papel fundamental na guerra contra o coronavírus. “Montar um conselho científico de pesquisadores que são ou possuem relação com a região e que participam de grupos internacionais de pesquisa que estão acompanhando as ações e medidas relacionadas ao novo coronavírus foi uma decisão dos nove governadores do Nordeste. Esperamos que esse grupo apresente sugestões de enfrentamento à Covid-19, por meio de canais como boletins diários com orientações aos governadores, que contenham protocolos de procedimentos médicos atualizados e alternativas para repor insumos para confecção de equipamentos individuais de proteção e para mobilizar a cadeia produtiva envolvida na produção de respiradores, por exemplo”, explicou o governador.

Rui contou também que o grupo de cientistas vai ajudar na criação de um software para ser utilizado, inicialmente, por habitantes do Nordeste. “Nós discutimos, também, a criação de um aplicativo, que deve ser disponibilizado nas lojas virtuais para que as pessoas que apresentem sintomas façam o download e informem, por exemplo, quais são esses sintomas e se foram testadas. Desta forma, deveremos ter todos os dados automaticamente processados e monitorados, facilitando a identificação dos locais com mais casos e, consequentemente, viabilizando uma reação mais efetiva nessas localidades, quebrando a cadeia sucessória do vírus”, destacou.

O Comitê Científico é coordenado por Miguel Nicolelis, neurocientista e referência mundial na pesquisa da interface entre cérebro e computadores, e por Sérgio Rezende, físico formado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e ex-ministro da Ciência e Tecnologia. O comitê ainda está em formação, mas já possui 13 membros, incluindo um indicado por cada estado, e deve permanecer ativo até o fim da pandemia. Os representantes da Bahia no grupo são o infectologista Roberto Badaró, a pesquisadora e titular da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado, Adélia Pinheiro, e o médico Maurício Barreto.

Repórter: Renata Preza


Brasil: cacerolazo gigante contra Bolsonaro por gestión ante Covid-19

Los frentes Brasil Popular y Pueblo Sin Miedo, que reúnen a entidades del movimiento social, convocaron para hoy a un cacerolazo gigante contra el presidente Jair Bolsonaro, por su irresponsable conducta ante la pandemia de Covid-19.

En medio de las restricciones por la pandemia, en particular el aislamiento social, el llamado unitario a las movilizaciones se mantuvo, pero no en las calles, sino desde las ventanas de las casas mediante el ruido de ollas y sartenes contra la campaña gubernamental ‘Brasil no puede parar’.

Tal cruzada está en sintonía con el mandatario ultraderechista, quien sin pruebas científicas rechaza el confinamiento para frenar el virus, al alegar que destruye el empleo, la producción y por ende la economía.

Asimismo, las manifestaciones, también apoyadas por la Central Unitaria de Trabajadores y la Unión Nacional de Estudiantes, rechazarán un aniversario más del golpe del 31 de marzo de 1964 que desembocó en la dictadura militar que duró 21 años (hasta 1985).

En la red social Twitter, los organizadores explicaron que ‘Brasil necesita parar a Bolsonaro’ será el tema del cacerolazo que comenzará a las 20:30 hora local de este martes.

Precisaron que la manifestación es en defensa de la vida y contra la insensata gestión del gobernante ante la pandemia que puede llevar a miles de brasileños a la muerte.

‘Las últimas acciones y declaraciones de Bolsonaro han dejado a Brasil perplejo. Irresponsablemente ha caminado por las calles del Distrito Federal en contra de todas las recomendaciones del Ministerio de Salud’, señalan.

Pese a las imprudencias del jefe de Estado, su ministro del sector sanitario, Luiz Henrique Mandetta, reafirmó que resulta correcto seguir las decisiones de los gobiernos sobre el decreto de aislamiento social.

Llamó a mantener ‘las recomendaciones de los estados porque esta es actualmente la medida más recomendable, pues tenemos muchas debilidades en el sistema de salud’.

Acerca del enfoque de la vida o la economía, tema sobre el que se expresó recientemente Bolsonaro, respondió que resulta inherente a los administradores de la salud dar prioridad a la protección de la vida de la población.

‘La salud es un norte, un faro. Hasta que tengamos una respuesta más científicamente probada, la salud dirá ‘paren y evitaremos el contagio’, remarcó.

De acuerdo con recientes datos de la cartera sanitaria, los muertos a causa de la Covid-19 suman 159 en Brasil, donde también se registran cuatro mil 579 personas contagiadas.

Prensa Latina


El ministro de Salud de Brasil contradijo a Bolsonaro y aconsejó seguir las recomendaciones para la prevención contra el coronavirus

El ministro de Salud de Brasil, Luiz Henrique Mandetta, pidió este lunes a la población que siga las pautas marcadas por las autoridades estatales en relación a las medidas de prevención contra el coronavirus, contradiciendo así la postura del presidente, Jair Bolsonaro, muy crítico, por ejemplo, con las cuarentenas decretadas en algunos estados y municipios.

“He dialogado con los secretarios municipales y estatales y por el momento, mantengo la recomendación de los estados porque es la más recomendable, ya que hay muchas carencias en el sistema de salud”, reconoció Mandetta.

Brasil confirmó el lunes la muerte de 159 personas y el contagio de 4.579, siendo el estado de Sao Paulo el más afectado de todos ellos, junto con el de Río de Janeiro.

Un día antes, tal y como recordó el diario ‘Estadao’, Bolsonaro se paseó por las calles de Brasilia, visitó negocios y entabló contacto con comerciantes y viandantes, e incluso animó al resto de políticos a salir a las calles para conocer de primera mano lo que esta pasando en el país, en discrepancia así con las recomendaciones de la Organización Mundial de la Salud (OMS).

La semana pesada, Bolsonaro cuestionó los datos de muertos por coronavirus en el estado de Sao Paulo, con cuyo gobernador mantiene un duro enfrentamiento por su gestión de la pandemia.

“En Río de Janeiro, hasta los datos de ayer [jueves] había nueve muertos, y 58 en San Pablo. Sé que hay una diferencia de población, pero es una cifra muy grande para San Pablo. No puede haber un juego de números para favorecer intereses políticos. No me creo esos números de San Pablo, sobre todo por las medidas que él [el gobernador Joao Doria] tomó”, declaró Bolsonaro en una entrevista telefónica en el canal Band TV.

El mandatario lleva semanas minimizando la gravedad de la pandemia, que tilda de “gripecita”, y emprendió una campaña contra las medidas de confinamiento decretadas en muchos estados, entre ellos San Pablo. Además, Bolsonaro comparó la pandemia del nuevo coronavirus con las muertes por accidentes de tránsito. “¿Van a morir algunos? Van a morir, oye, lo siento. Esta es la vida, esta es la realidad. No podemos detener la fábrica de automóviles porque hay 60,000 muertes de tráfico al año, ¿verdad?”.

Según Bolsonaro, las cuarentenas pueden provocar un “caos” social con “saqueos de supermercados” y representan una amenaza para la “normalidad democrática”.

Con información de Europa Press

Infobae


Ciro Gomes, Haddad, Boulos e Dino pedem renúncia de Bolsonaro em manifesto

Em consenso inédito, texto assinado por lideranças de oposição diz que presidente agrava epidemia de coronavírus ao mentir e cometer crimes

Os principais líderes de diversos partidos de oposição se uniram de forma inédita para lançar um documento acusando Jair Bolsonaro de ser “um presidente da República irresponsável”, que agrava a crise do coronavírus pois “comete crimes, frauda informações, mente e incentiva o caos”.

“Deveria renunciar” diz o texto, assinado pelos pelos ex-presidenciáveis Fernando Haddad (PT-SP), Ciro Gomes (PDT-CE) e Guilherme Boulos (PSOL-SP) e pela candidata a vice de Haddad, Manuela Davila (PCd0B).

O documento é endossado ainda pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), pelo ex-governador do Paraná, Roberto Requião (MDB-PR), pelo ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, e pelos presidentes do PT, Gleisi Hoffmann, do PSB, Carlos Siqueira, do PDT, Carlos Lupi, do PCB, Edmilson Costa, Juliano Medeiros, do PSOL, Luciana Santos, do PCdoB,

O texto afirma que “Jair Bolsonaro é o maior obstáculo à tomada de decisões urgentes para reduzir a evolução do contágio, salvar vidas e garantir a renda das famílias, o emprego e as empresas. Atenta contra a saúde pública, desconsiderando determinações técnicas e as experiências de outros países.”.

Em outro trecho, afirma: “Bolsonaro não tem condições de seguir governando o Brasil e de enfrentar essa crise, que compromete a saúde e a economia. Comete crimes, frauda informações, mente e incentiva o caos, aproveitando-se do desespero da população mais vulnerável. Precisamos de união e entendimento para enfrentar a pandemia, não de um presidente que contraria as autoridades de Saúde Pública e submete a vida de todos aos seus interesses políticos autoritários”.

E pede que o presidente da República seja contido: “Basta! Bolsonaro é mais que um problema político, tornou-se um problema de saúde pública. Falta a Bolsonaro grandeza. Deveria renunciar, que seria o gesto menos custoso para permitir uma saída democrática ao país. Ele precisa ser urgentemente contido e responder pelos crimes que está cometendo contra nosso povo”.

Leia a íntegra do documento:

O BRASIL NÃO PODE SER DESTRUÍDO POR BOLSONARO

O Brasil e o mundo enfrentam uma emergência sem precedentes na história moderna, a pandemia do coronavírus, de gravíssimas consequências para a vida humana, a saúde pública e a atividade econômica. Em nosso país a emergência é agravada por um presidente da República irresponsável. Jair Bolsonaro é o maior obstáculo à tomada de decisões urgentes para reduzir a evolução do contágio, salvar vidas e garantir a renda das famílias, o emprego e as empresas. Atenta contra a saúde pública, desconsiderando determinações técnicas e as experiências de outros países. Antes mesmo da chegada do vírus, os serviços públicos e a economia brasileira já estavam dramaticamente debilitados pela agenda neoliberal que vem sendo imposta ao país. Neste momento é preciso mobilizar, sem limites, todos os recursos públicos necessários para salvar vidas.

Bolsonaro não tem condições de seguir governando o Brasil e de enfrentar essa crise, que compromete a saúde e a economia. Comete crimes, frauda informações, mente e incentiva o caos, aproveitando-se do desespero da população mais vulnerável. Precisamos de união e entendimento para enfrentar a pandemia, não de um presidente que contraria as autoridades de Saúde Pública e submete a vida de todos aos seus interesses políticos autoritários. Basta! Bolsonaro é mais que um problema político, tornou-se um problema de saúde pública. Falta a Bolsonaro grandeza. Deveria renunciar, que seria o gesto menos custoso para permitir uma saída democrática ao país. Ele precisa ser urgentemente contido e responder pelos crimes que está cometendo contra nosso povo.

Ao mesmo tempo, ao contrário de seu governo – que anuncia medidas tardias e erráticas – temos compromisso com o Brasil. Por isso chamamos a unidade das forças políticas populares e democráticas em torno de um Plano de Emergência Nacional para implantar as seguintes ações:

– Manter e qualificar as medidas de redução do contato social enquanto forem necessárias, de acordo com critérios científicos;

– Criação de leitos de UTI provisórios e importação massiva de testes e equipamentos de proteção para profissionais e para a população;

– Implementação urgente da Renda Básica permanente para desempregados e trabalhadores informais, de acordo com o PL aprovado pela Câmara dos Deputados, e com olhar especial aos povos indígenas, quilombolas e aos sem-teto, que estão em maior vulnerabilidade;

– Suspensão da cobrança das tarifas de serviços básicos para os mais pobres enquanto dure a crise,

– Proibição de demissões, com auxílio do Estado no pagamento do salário aos setores mais afetados e socorro em forma de financiamento subsidiado, aos médios, pequenos e micro empresários;

– Regulamentação imediata de tributos sobre grandes fortunas, lucros e dividendos; empréstimo compulsório a ser pago pelos bancos privados e utilização do Tesouro Nacional para arcar com os gastos de saúde e seguro social, além da previsão de revisão seletiva e criteriosa das renunciais fiscais, quando a economia for normalizada.

Frente a um governo que aposta irresponsavelmente no caos social, econômico e político, é obrigação do Congresso Nacional legislar na emergência, para proteger o povo e o país da pandemia. É dever de governadores e prefeitos zelarem pela saúde pública, atuando de forma coordenada, como muitos têm feito de forma louvável. É também obrigação do Ministério Público e do Judiciário deter prontamente as iniciativas criminosas de um Executivo que transgride as garantias constitucionais à vida humana. É dever de todos atuar com responsabilidade e patriotismo.

Fhola De S. Paulo


VOLVER