Brasil: en reunión con el G20, el nuevo ministro de Salud reconoce el papel de la OMS contra el Covid-19

115

Em reunião do G20, novo ministro da Saúde reconhece papel da OMS em combate a pandemia

O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, destacou o papel da Organização Mundial da Saúde (OMS) na luta contra a pandemia do novo coronavírus na reunião de ministros da saúde do G20, grupo que reúne as 20 maiores economias mundiais, neste domingo (19).

Ele ressaltou “a necessidade de uma abordagem integrada com outras organizações”, mas afirmou que “o Brasil reconhece o papel da OMS”. Teich reforçou, no entanto, que é necessário observar como as ações serão implementadas em cada país. “Tratamos o Brasil como um todo, a gente vai respeitar e as peculiaridades e as particularidades das regiões do país”, ponderou.

O ministro participou da reunião para discutir ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus dois dias depois de assumir a pasta.

O ministro também criticou as fake news e afirmou que a disseminação de informações falsas é um problema no combate à pandemia. Sobre as estratégias do Brasil, ele não detalhou se o ministério defenderá o isolamento total ou o parcial, que é defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Como a gente não sabe quanto tempo vai levar para obtermos uma vacina que nos ajude a sair desta situação de uma forma mais simples, precisamos realmente entender o que está acontecendo para que a gente consiga desenhar as políticas e ações que vão nos ajudar a passar por isso da forma mais rápida”, ressaltou.

Teich reconheceu que os sistemas de saúde do mundo nunca mais serão os mesmos após à pandemia. “É fundamental entendermos a doença e a sua evolução, como preparar o sistema para atender as pessoas que adoecem e definir os próximos passos. E, ainda, de que forma vamos usar os testes de diagnóstico na população para que possamos entender melhor a prevalência e a evolução da doença”, avaliou.

Ele também defendeu que sejam feitos testes em massa. “A utilização de testes nos ajudará a entender melhor a doença e a sua evolução. E, com esta informação, vamos poder preparar melhor o enfrentamento a este problema e como sair dele. Essa capacidade de entender a doença é fundamental”, disse, segundo nota do ministério.

Ele ponderou, no entanto, que os testes não são suficientes para enfrentar a pandemia.

“A Coreia do Sul, que é um exemplo nessa situação, fez em torno de 10 mil testes [por 1 milhão de pessoas], a Itália que viveu situação muito mais crítica, fez 21 mil testes por milhão de pessoas. O simples fato de fazer testes não garante que a gente vai sair [da crise sanitária], são a política e as ações que você desenha com essa informação é que vão definir como a gente vai sair desse problema”, argumentou.

No sábado (18), o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo publicou em seu perfil do Twitter que esteve em reunião com Teich.

“Primeira reunião hoje com o novo Ministro da Saúde Nelson Teich. Itamaraty pronto para contribuir com o sucesso do Ministro Teich no enfrentamento do Covid-19, em suas múltiplas dimensões, e em toda a agenda da saúde na frente internacional”, postou.

Folha de S. Paulo

Más notas sobre el tema