Brasil: entierros se triplican en Manaos, la ciudad más afectada por el Covid-19

502

Enterros em cemitérios públicos de Manaus triplicam e Prefeitura passa a oferecer serviço de crematório

Em duas semanas, o número de sepultamentos nos cemitérios públicos da capital amazonense triplicou, conforme dados divulgados pela Prefeitura de Manaus, neste domingo (26). O comparativo considera, por exemplo, os 39 enterros realizados no dia 9 deste mês, enquanto que, no último sábado (25), foram 102 registros, um aumento de quase 300% em 16 dias. Nesse período, são mais de 1,5 mil registros. Com o aumento na demanda, o município firmou parceria com um crematório e já disponibiliza o serviço.

Os números da Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), que gerencia os cemitérios, também apontam que, desde o dia 19, mais de cem enterros por dia vêm sendo realizados, a maioria no cemitério público Nossa Senhora Aparecida, no bairro Tarumã, zona Oeste. O local passou a enterrar vítimas de Covid-19 em valas comuns, chamadas pelo órgão de trincheiras.

O Amazonas registra, conforme boletim divulgado neste domingo, mais de 300 mortes pelo novo coronavírus. As empresas privadas da capital informaram que só possuem estoque de urnas funerárias para os próximos dez dias, se a demandar continua alta, segundo informou o Sindicato das Empresas Funerárias do Estado do Amazonas (Sefeam).

O secretário da Semulsp, Paulo Farias, informou que, agora, o serviço público conta com o crematório, em parceria com a iniciativa privada do município de Iranduba. A partir do atendimento das funerárias ou do SOS Funeral, os familiares passam a ter duas opções: sepultamento ou cremação.

“O corpo é encaminhado para o cemitério de Aparecida e, caso a família assine a autorização, irá ao posto de atendimento do crematório, localizado no próprio local, para fazer o agendamento. A urna ficará na câmara do cemitério até o momento do deslocamento para o crematório”, explicou Farias, por meio de assessoria de imprensa.

A Prefeitura de Manaus informou que, do quantitativo de óbitos nos últimos dias, apenas um percentual que chega a 10% tem como causa da morte confirmada a Covid-19. Exemplo disso é que das 102 mortes deste sábado (25), somente seis foram declaradas como Covid-19, ou seja, quase 6%, conforme dados da Semulsp.

Outros 50 tiveram como causa morte síndrome ou insuficiência respiratória e mais 21 óbitos foram registrados como causa desconhecida ou indeterminada. Neste sábado, quatro famílias já fizeram a opção pelo crematório, totalizando 98 enterros nos cemitérios públicos. Do total, 20 tiveram morte domiciliar.

Manaus: sepultamentos em números (Fonte: Semulsp)

09/4 – 39 sepultamentos 39 / 3 por Covid-19
10/4 – 47 sepultamentos / 5 por Covid-19
11/4 – 51 sepultamentos / 10 por Covid-19
12/4 – 64 sepultamentos / 6 por Covid-19
13/4 – 58 sepultamentos / 5 por Covid-19
14/4 – 64 sepultamentos / 4 por Covid-19
15/4 – 88 sepultamentos / 7 por Covid-19
16/4 – 75 sepultamentos / 4 por Covid-19
17/4 – 96 sepultamentos / 3 por Covid-19
18/4 – 89 sepultamentos / 6 por Covid-19
19/4 – 122 sepultamentos / 6 por Covid-19
20/4 – 104 sepultamentos / 9 por Covid-19
21/4 – 136 sepultamentos / 4 por Covid-19
22/4 – 120 sepultamentos / 7 por Covid-19
23/4 – 135 sepultamentos / 12 por Covid-19
24/4 – 128 sepultamentos / 13 por Covid-19
25/4 – 98 sepultamentos / 6 por Covid-19 / 4 cremados (102 total)

Famílias acompanham enterro da porta do cemitério

Por conta da pandemia do novo coronavírus e para evitar o risco de contaminação, as cerimônias de sepultamentos em Manaus pacientes mortos por Covid-19 seguem inúmeras recomendações dos órgãos de saúde. Uma delas é manter um número de restrito de pessoas que acompanham o sepultamento. Outra é a distância. No Cemitério Parque Tarumã, alguns familiares não conseguem entrar no local, que sofre com lotação de visitas.

A Prefeitura de Manaus informou que adotou medidas para impedir a aglomeração de pessoas em velórios e sepultamentos na cidade. O Decreto 4.801, publicado no Diário Oficial do Município (DOM), disciplina os velórios e sepultamentos para pessoas cujas mortes não foram provocadas pela Covid-19, entre elas a limitação de dez pessoas por velório e a redução para até 2h do tempo dessas cerimônias. Ao sepultamento, só está permitida a presença de, no máximo, cinco pessoas.

No caso de morte por confirmação ou suspeita de Covid-19, uma vez realizada a preparação do corpo pela prestadora de serviço, esse deve seguir de imediato para cremação ou sepultamento, sem a realização de velório; nesses casos, o cortejo só deverá ser integrado pelo carro que conduz a urna funerária e um veículo particular. Só três pessoas devem assistir o sepultamento.

Em nenhuma hipótese, de acordo com a Prefeitura, podem participar das cerimônias e sepultamentos as pessoas dos grupos de riscos (pessoas a partir de 60 anos, diabéticos, hipertensos, asmáticos e outras doenças crônicas) definidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde.

Coronavírus no Amazonas

O Amazonas registrou mais 198 casos de Covid-19, neste domingo (26), totalizando 3.833 casos confirmados do novo coronavírus no estado, segundo boletim epidemiológico divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM). Também foram confirmados outros 17 óbitos pela doença, elevando o total de mortes para 304.

O boletim da FVS-AM aponta, ainda, que mais 131 pessoas se recuperaram da doença, de sábado (25) para domingo, e estão fora do período de transmissão do vírus, totalizando, agora, 1.220 recuperados. Outros 2.040 infectados estão em isolamento social ou domiciliar.

Dos total casos confirmados no Amazonas, até este domingo, 2.722 são de Manaus (71%) e 1.111 do interior do estado (29%). Manacapuru é a cidade do interior com o pior cenário, registrando 256 casos da doença, com 17 mortes.

O Globo


Casos do novo coronavírus no Amazonas totalizam 3.833 pacientes

O Amazonas registrou mais 198 casos de Covid-19, neste domingo (26), totalizando 3.833 casos confirmados do novo coronavírus no Estado, segundo boletim epidemiológico divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM). Também foram confirmados outros 17 óbitos pela doença, elevando para 304 o total de mortes.

De sábado (25) para este domingo, mais 131 pessoas se recuperaram da doença e estão fora do período de transmissão do vírus, totalizando, agora, 1.220 recuperados. O boletim aponta, ainda, que 2.040 pessoas com diagnóstico de Covid-19 estão em isolamento social ou domiciliar.

Internações

Entre os casos confirmados de Covid-19, no Amazonas, há 269 pacientes internados, sendo 140 em leitos clínicos (54 na rede privada e 86 na rede pública) e 129 em UTI (55 na rede privada e 74 na rede pública).

Há ainda outros 886 pacientes internados, que são considerados suspeitos e aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 668 estão em leitos clínicos (200 na rede privada e 468 na rede pública) e 218 estão em UTI (86 na rede privada e 132 na rede pública).

Municípios

Dos 3.833 casos confirmados, no Amazonas, até este domingo (26), 2.722 são de Manaus (71%) e 1.111 do interior do estado (29%).

Além da capital, 46 municípios já têm casos confirmados: Manacapuru (256); Iranduba (92); Itacoatiara (80); Parintins (76); Tabatinga (67); Carauari (65); Santo Antônio do Içá (61); Maués (56); Coari (36); Presidente Figueiredo (30); São Paulo de Olivença (28); Autazes e Careiro Castanho – com 26 casos cada; Tefé (22); Amaturá (19); Anori, Benjamin Constant, Lábrea e Tonantins – com 18 casos cada um; Rio Preto da Eva (17); Maraã e Tapauá – com 8 casos confirmados cada; Beruri (7); Silves e Urucará – com 6 casos cada; Boca do Acre, Careiro da Várzea, Novo Aripuanã e Santa Isabel do Rio Negro têm 4 casos cada um; Itapiranga, Jutaí, Manicoré e Nova Olinda do Norte registram 3 casos cada.

Seis municípios têm dois casos confirmados cada um: Barcelos, Canutama, Codajás, Humaitá, Manaquiri e Novo Airão. Outros sete municípios apresentam um caso: Anamã, Caapiranga, Juruá, Nhamundá, São Gabriel da Cachoeira, São Sebastião do Uatumã e Urucurituba.

Óbitos

Entre pacientes da capital, até o momento, há o registro de 246 óbitos confirmados para o novo coronavírus.

Os 18 municípios do interior com óbitos confirmados até o momento são: Manacapuru (17), Itacoatiara (7), Maués (6), Iranduba (5), Parintins (3), Tabatinga (3), Careiro Castanho (3), Carauari (2), Coari (2), Autazes (2), Presidente Figueiredo (1), Tefé (1), Rio Preto da Eva (1), Beruri (1), Manicoré (1), Barcelos (1), Manaquiri (1) e Novo Airão (1); totalizando 58 mortes por Covid-19.

Outros 48 óbitos notificados seguem em investigação pelo Laboratório Central (Lacen) e 27 foram descartados para o novo coronavírus.

D24am


Número de mortos pela covid-19 chega a 4205 no Brasil, com quase 62 mil casos

O Ministério da Saúde registrou 61.888 casos de coronavírus no Brasil, com 4205 óbitos, segundo balanço divulgado neste domingo (26). Somente nas últimas 24 horas, foram notificados 3.379 novos casos e 189 novas mortes. Os dados representam um aumento de 4,7%. Já a taxa de letalidade da letalidade subiu de 6,9% para 7%. Ou seja, a cada mil infectados, 70 vão a óbito.

São Paulo continua como o epicentro do novo coronavírus no país. Até agora, o estado concentra 20.715 casos e 1.700 mortes. O Rio de Janeiro aparece em segundo lugar, com 7.111 casos e 645 óbitos. Na sequência está o Ceará, que registra 5833 pessoas contaminadas e 327 mortes.

Ainda segundo a pasta, mais de 30 mil pessoas que apresentaram os sintomas ou testaram positivo para a coivid-19 estão recuperadas; um índice de 49%

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus causadores de doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos, os vários tipos de vírus podem provocar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns, como a síndrome respiratório do Oriente Médio (MERS) a crises mais graves, como a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Brasil de Fato


VOLVER

Más notas sobre el tema